Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue RBE

Seg | 11.10.21

Que livros ocuparão o pódio dos mais fixes este ano?

2021-10-11 (2).png

Até 30 de novembro, inscreva a sua escola nos "Miúdos a Votos!" 2021-2022 e dê a palavra aos alunos. A escolha é deles e começa, desde já, com a apresentação do livro que candidatam à eleição.

Com base nos livros vencedores do ano passado, o PNL2027 disponibiliza, no seu portal, sugestões de outros títulos que podem interessar aos leitores, do 1.º ciclo ao ensino secundário.

Junte-se a mais uma edição desta iniciativa ímpar de promoção da leitura e da cidadania ativa!

Aceda ao regulamento e a mais informações sobre esta iniciativa no portal RBE.

Sex | 08.10.21

Inquérito: Recursos humanos

2021-10-08-2.png

Visando uma planificação informada da ação da Rede de Bibliotecas Escolares, solicita-se anualmente às escolas o preenchimento de dois inquéritos:

Recursos humanos

Com o objetivo de recolher informação detalhada sobre os recursos humanos afetos às bibliotecas escolares no ano letivo 2021/ 2022, a Rede de Bibliotecas Escolares lança o inquérito Recursos humanos 2022 (RH2022.

O inquérito é disponibilizado às escolas de 08 a 29 de outubro 2021.

Base de dados

Com o objetivo de recolher informação sobre os diferentes aspetos do funcionamento das bibliotecas escolares, que permita a planificação de futuras ações de melhoria dos serviços prestados, a Rede de Bibliotecas Escolares lança o inquérito Base dados 2022 (BD2022).

A BD 2022 é disponibilizada às escolas em duas fases:

18 de outubro a 19 de novembro de 2021: secções A a D


08 de junho a 22 de julho de 2022: secção E

 

Saiba mais informações no portal RBE.

Sex | 08.10.21

Candidatura: Imprevistos de leitura

2021-10-08.png

A candidatura Imprevistos de leitura nasce da consciência que a RBE tem da existência de zonas imprevisíveis do trabalho da biblioteca escolar, que confrontam o professor bibliotecário com premências inadiáveis, mas inesperadas, que surgem, de várias formas, ao longo da execução dos projetos e da implementação dos planos de atividades.

Efetivamente, há zonas de intervenção da biblioteca escolar que escapam à malha da planificação a longo e médio prazo, por mais que a equipa por ela responsável faça uma identificação cerrada de necessidades e determine com objetividade e critério as ações a desenvolver, os meios humanos a convocar para a sua concretização e os recursos materiais a mobilizar para a sua eficaz e oportuna apresentação aos utilizadores.

É objetivo da RBE, com esta candidatura, diminuir o impacto da imponderabilidade atrás referida e das fragilidades que ela pode ocasionar no serviço das bibliotecas, dotando-as, assim, dos meios financeiros que as permitam ultrapassar em tempo útil.

Atendendo à natureza localizada e pontual das necessidades a que estes financiamentos vêm dar resposta, a candidatura Imprevistos de leitura aposta em duas condições fundamentais de concretização: a simplicidade e agilidade dos procedimentos, tendo em vista garantir a pronta satisfação das necessidades identificadas; a flexibilidade do processo, cuja abrangência implicará, no que toca ao calendário, a possibilidade de apresentação de candidaturas ao longo de todo o ano escolar e um extenso e diversificado alcance ao nível das áreas de intervenção.

Saiba mais no portal RBE.

Qui | 07.10.21

Formar leitores laterais | o método SIFT

2021-10-04.png

Um dos métodos de leitura lateral que pode ser eficaz, SIFT, é desenvolvido por Mike Caulfield, Diretor de Aprendizagem Híbrida e em Rede da Washington State University (Canadá) e responsável pelo American Democracy Project 1.

SIFT é uma sigla que expressa quatro movimentos que o utilizador deve realizar antes de ler:

1. Stop!/ Pare! Comece por verificar a sua reação espontânea face à informação (reutilizar, denunciar, repostar, reencaminhar, assinalar gosto…), tome consciência das implicações do seu comportamento, exerça autocrítica/ controlo, suspendendo a decisão até saber o significado e implicações do que está a ler.

2. Investigate/ Investigue a fonte - grau de especialização, agenda, experiência, críticas/ comentários, propósito (informar, persuadir, vender - Crianças ou jovens sabem que conteúdo patrocinado é publicidade?).

3. Find/ Encontre relatórios ou análises, aprofundadas e diversas, que reúnam o consenso de especialistas sobre o que pretende ler – “A melhor estratégia talvez não seja investigar a fonte, mas sim encontrar a melhor fonte possível sobre este tópico”. Estes pontos de vista dominantes da comunidade científica, bem como os divergentes/ contrários, permitem compreender o contexto e a história e são um bom partida para avaliar o que ler.

4. Trace/ Rastreie críticas, citações, meios de comunicação social, verificadores de notícias que dão retorno ao contexto original. Muito do que se publica na internet corresponde a uma versão fragmentada e parcial da realidade/ conteúdos, esvaziando-a do contexto original das suas relações. Ler é, mais do que aprofundar o texto a partir das ligações que ele próprio apresenta, estabelecer o mapa dessas ligações exteriores ao texto, recontextualizar, construir a visão de conjunto original: O que aconteceu/ foi dito antes? O que foi cortado/ modificado?

A resposta ampla e fundamentada aos 5 W - Who/ Quem?, What/ O quê?, Where/Onde?, When/ Onde?, Why/ Porquê? – também permite ao utilizador tomar consciência, compreender, decidir. Só se deve ler, assinalar gosto ou reencaminhar um texto depois de cumpridas estes quatro movimentos.

Este apuramento da informação é um processo exigente, pelo que, periodicamente, pode ser necessário parar, lembrar o seu propósito e reavaliar a estratégia de pesquisa por informação confiável e relevante.

Há outros métodos de verificação de notícias 2, como o SMELL: Source/ Fonte, Motivation/ Motivação, Evidence/ Evidência, Logic/ Lógica, Left Out/ Posto de lado (e que está a faltar e pode modificar a interpretação da informação) 3.

Em 2017 Caulfield participou de um estudo do Grupo de Educação de História de Stanford que testava, a respeito de questões sociais e políticas, competências de avaliação na internet, em 3 grupos de leitores: historiadores com doutoramento, alunos licenciados e verificadores de factos profissionais. Concluiu que "Os verificadores de fatos [usando leitura lateral] provaram ser mais rápidos e precisos, enquanto historiadores e estudantes foram facilmente enganados por fontes não confiáveis" 4. Pensar como investigador ou verificador de factos pode ajuda-lo a estabelecer a diferença entre informação confiável ou manipulada.

A superabundância de informação em situações de emergência, como a da crise pandémica Covid-19, torna difícil a localização de fontes de informação fiáveis (uso de máscara, vacinação, propagação e transmissão do vírus, cura), gerando perigo de saúde individual e pública, ódio e discriminação e ataques às instituições - “Nós não estamos apenas a lutar com uma epidemia: nós estamos a lutar com uma infodemia”, afirmou o Diretor-Geral da Organização Mundial de Saúde 5.

Em 2021 Caulfield e outros investigadores publicaram um estudo 6 que apresenta indicadores que mostram, numa população de estudantes universitários, que o desenvolvimento de um currículo de leitura lateral à distância (sessões assíncronas) ajuda os alunos “a discernir informações fiáveis em linha no meio da proliferação de notícias falsas e desinformação sobre a pandemia da COVID-19 e outras questões”.

De que forma é que a sua biblioteca escolar forma leitores laterais e promove a verificação de factos e a construção do contexto de notícias ou informação das redes sociais, jornais…?

Recolha de notícias, anotações, mapas de ideias, jornais de parede, questionários e jogos, bem como partilha dos resultados na comunidade, podem ser formas de abordagem apelativas e eficazes. Há vídeos e atividades educativas de leitura lateral 7 que podem inspirar o seu trabalho.

 

Referências

1. American Association of State Colleges and Universities. (2003). American Democracy Project. https://www.aascu.org/programs/ADP/

2. NorthWest Arkansas Community College. (s.d.). Lateral Reading: Other Methods. https://library.nwacc.edu/lateralreading/other#s-lib-ctab-12106318-0

3. McManus, J. (2013). Don’t Be Fooled: Use the SMELL Test To Separate Fact from Fiction Online.http://mediashift.org/2013/02/dont-be-fooled-use-the-smell-test-to-separate-fact-from-fiction-online038/ .

4. Stanford Graduate School of Education. (2017). Research Stories. https://ed.stanford.edu/news/stanford-scholars-observe-experts-see-how-they-evaluate-credibility-information-online

5. Rede de Bibliotecas Escolares. (2020). Cidadania e biblioteca escolar: Vencer a infodemia. https://www.cidadania-rbe.pt/post/vencer-a-infodemia

6. Brodsky, J., Brooks, P., Scimeca, D., Galati, P., Todorova, R., Caulfield, M. (2021). Associations Between Online Instruction in Lateral Reading Strategies and Fact-Checking COVID-19 News Among College Students. https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/23328584211038937

7. Civic Online Reasoning. (2021). Teaching Lateral Reading. https://cor.stanford.edu/curriculum/collections/teaching-lateral-reading/

 

Fonte da imagem: NorthWest Arkansas Community College Library. (2021). Lateral Reading: The SIFT Method. https://library.nwacc.edu/lateralreading/sift

Qua | 06.10.21

A escrita como estratégia para a recuperação das aprendizagens | Diário de Escritas com a Biblioteca

2021-10-06.png

A equipa responsável pelo plano integrado para a recuperação das aprendizagens, promoveu, nos dias 27, 28 e 29 de setembro, as Jornadas 21|23 Escola+, de forma a facilitar a apropriação contextualizada, integrada e eficaz das diferentes medidas e ações específicas do Plano 21|23 Escola+ e promover o diálogo entre as escolas.

A Rede de Bibliotecas Escolares dinamizou oito sessões paralelas para divulgar a proposta “Diário de escritas com a biblioteca”, integrada no eixo "Ensinar e Aprender” e no domínio + Leitura e Escrita, que aponta sugestões para a criação de programas que contribuam para o desenvolvimento de hábitos de leitura e da competência leitora multimodal, numa relação intrínseca com a escrita e a comunicação.

“Diário de Escritas” é um projeto de escrita que pode envolver todas as áreas curriculares, pois a escrita assume múltiplas modalidades e funções e é essencial para as aprendizagens das várias disciplinas. Pretende-se que os alunos sejam levados a produzir textos de diversas tipologias e com distintos objetivos comunicativos, nas diferentes áreas curriculares, num trabalho articulado e colaborativo, desenvolvido entre a biblioteca e os conselhos de turma e/ou professores titulares de turma.
Tem por isso duas características distintas – o envolvimento de qualquer área curricular e a sistematicidade das ações, isto é, o projeto é implementado ao longo do ano letivo, em diferentes momentos, sempre que faça sentido programar ações de escrita, no âmbito das aprendizagens essenciais de cada disciplina ou da planificação das áreas curriculares.

Os objetivos organizam-se em torno da melhoria da expressão escrita e do domínio da língua portuguesa, competências essenciais para o sucesso escolar, mas, ao levarmos os alunos a assumirem-se como “autores”, promovemos o pensamento crítico, a reflexão e, claro, o gosto pela escrita.

Para operacionalizar este projeto nas escolas, estão delineadas 3 etapas principais:

FASE 1 - decorre em sede de Conselho de docentes ou Conselho de turma.
Os professores identificam a tipologia de textos a trabalhar, ao longo do período/ semestre/ ano letivo, em cada área curricular (por exemplo comentário, exposição, relato, relatório, resumo, texto de opinião, entre outros).  Após este levantamento, é feita a calendarização das ações a realizar, tendo em conta a planificação de cada área curricular envolvida.

FASE 2 - decorre na biblioteca, num trabalho colaborativo entre o professor bibliotecário e os docentes de Português e/ou professores titulares de turma que preparam as sessões de trabalho a realizar com os alunos, tendo em conta a tipologia de texto a trabalhar. O objetivo destas sessões é que os alunos contactem com textos da tipologia escolhida e conheçam as suas características.

FASE 3 - decorre na sala de aula e na biblioteca. É a fase de implementação do projeto com os alunos, ao longo de 4 etapas, que se podem repetir por cada disciplina e tipologia de texto.

Para que esta linha de ação tenha o impacto desejado junto dos alunos é fundamental que as medidas aí previstas sejam enquadradas num trabalho de efetiva articulação curricular entre a biblioteca e os professores titulares de turma/conselhos de turma.

Para apoiar o trabalho das escolas, a Rede de Bibliotecas Escolares criou um espaço no portal RBE, onde , além de toda a operacionalização do projeto, são disponibilizados recursos de apoio, nomeadamente uma seleção de atividades e projetos que visam o desenvolvimento da competência de escrita. Em breve serão disponibilizados outros recursos.

Fonte da imagem: Photo by Duy Pham on Unsplash

Seg | 04.10.21

MILD – Manual de instruções para a literacia digital

2021-10-01.pngA RBE acaba de relançar o MILD – Manual de instruções para a literacia digital – um portal da Rede de Bibliotecas Escolares que visa desenvolver as competências dos jovens dos 14 aos 18 anos nos domínios da leitura, dos media e da cidadania digitais.

Disponível numa nova plataforma, mais intuitiva e fácil de usar, o novo MILD oferece uma maior interatividade e, além dos recursos originais, disponibiliza cerca de meia centena de novos recursos nas áreas da leitura, dos media e da cidadania digitais.

O Portal está organizado em 8 áreas (Ler e escrever na redeLiteratura digitalSaber fazer na redeLeitura dos mediaRedes sociaisImagem e cultura visualSer cidadão digital e Ética e responsabilidade, que por sua vez se dividem em subtemas, num total de 28.

Cada um destes subtemas é apresentado sob a forma de uma pergunta, que pretende desafiar o jovem e despertar o seu pensamento crítico. Pesquisas informação de forma eficaz? Fanfic, o que é? Que obras te podem interessar? Como tirar partido das tecnologias digitais para aprenderes mais e melhor? Acreditas nas notícias? Sabes quanto vale a informação que deixas nas redes sociais? Sabes ler uma imagem em movimento e comunicar através dela? A Internet pode favorecer a cidadania? Os algoritmos podem limitar a tua liberdade? Estes são alguns exemplos das perguntas/ desafios do MILD.

Cada subtema está ainda organizado em 4 secções, comuns a todas as perguntas: Aprender (com informação sobre o tema), Participar (onde o jovem é desafiado a participar com a sua opinião, sob a forma de comentário na página, de resposta a uma sondagem ou de um post num mural coletivo), Explorar (onde são apresentados recursos adicionais – artigos, notícias, imagens, vídeos, jogos, etc. – sobre o tema) e Responder (pequenos questionários de feedback automático onde o jovem pode verificar as aprendizagens realizadas).

O MILD é uma plataforma aberta e em constante atualização, pelo que novos recursos serão adicionados com regularidade.

Comentários e sugestões sobre o MILD poderão ser enviados para mild@bibliotecasescolares.pt.

Sex | 01.10.21

Outubro é o mês das bibliotecas escolares!

2021-10-01 blogue_mibe_2021.png

Das práticas associadas aos serviços das bibliotecas, faz parte a componente da comunicação/ divulgação. Mas como é do conhecimento geral, quando se comunica, comunica-se para alguém, com uma intencionalidade. Esse é um dos princípios inerentes a uma boa política de comunicação e marketing, que exige a atenção num tempo da hibridez dos serviços da biblioteca.

É no âmago desta ideia, apenas enunciada, que no início do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares (MIBE), a RBE convida as bibliotecas a partilharem os cartazes e/ou imagens /conteúdo interativo (post para as redes sociais), produzidos para o efeito, no âmbito das propostas e temática deste ano: “Contos de fadas e contos tradicionais de todo o mundo”. 

A partilha deve ser feita nos canais oficiais da(s) biblioteca(s) e essa informação deve ser remetida para a RBE, para que seja divulgada, exclusivamente no Instagram RBE.

 

Para o efeito:

Podem ser usadas as hashtags - #mibe2021 #bibliotecaescolar #rededebibliotecasescolares

Pode ser partilhada a respetiva ligação através do formulário disponível nesta hiperligação.

Serão selecionadas e partilhadas pela RBE as publicações mais criativas que identifiquem a escola/ biblioteca escolar e que estejam divulgadas nos canais oficiais das bibliotecas.

Mais informação e desafios de atividades propostos para esta iniciativa, encontram-se nos canais da Rede de Bibliotecas Escolares:

Portal RBE: https://www.rbe.mec.pt/np4/MIBE.html

Blogue RBEhttps://blogue.rbe.mec.pt/mes-internacional-da-biblioteca-escolar-2507248

Pág. 3/3