Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



adamas.png

"Quando me perguntam qual é o maior cientista de sempre, respondo: na minha área, é Shakespeare"


Cada vez mais biólogo e menos neurocientista, António Damásio insiste nas humanidades para formar homens e cientistas. No seu mais recente livro dá primazia aos sentimentos como formadores de consciência e motor da ciência, e refere a necessidade de um pacto global sobre educação.

O que leva um estudante a levantar a mão quando o professor lhe fala de um tema que o intimida? Como reagirão as gerações que cresceram com as redes sociais, quando precisarem de tempo, mais tempo, do que o imediato? Estamos a viver uma crise na actual condição humana diz António Damásio no seu mais recente livro, A Estranha Ordem das Coisas, que dá prioridade aos sentimentos. Na vida, na ciência, na cultura. Horas depois de aterrar em Lisboa não esconde a emoção perante a edição portuguesa da Temas e Debates. Sorri. Pega no livro de quase 400 páginas, olha a contracapa e retrai a vontade imediata de ver tudo ali. Mais tarde confessará que é um chato com o português. Escreve em inglês, pensa em inglês, mas o português é a sua língua. Quando, ao longo da conversa, na oralidade, lhe sai um vocábulo em inglês trata de arranjar a tradução certa, sobretudo se for para descrever um sentimento. É que são os sentimentos o que está antes de tudo no livro que dedica à sua mulher, Hanna Damásio, e na conversa onde haverá de dizer, já desligado o gravador, que também fala alemão e namora em italiano. "É a língua do amor", refere. Como aprendeu? "A ouvir as óperas de Verdi." 

 

 

Referência: Isabel Lucas, R. (2019). "Quando me perguntam qual é o maior cientista de sempre, respondo: na minha área, é Shakespeare". PÚBLICO. Retrieved 23 July 2019, from https://www.publico.pt/2017/11/05/ciencia/entrevista/antonio-damasio-1791116

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

v7n2-1x.jpg

 

Modas em Ciências? ...hum...má ideia!

Resumo

A inquietação e o sobressalto do pensamento são dois dos pontos base de quem se dedica ao Ensino e à Investigação. Com uma maior ou menor intensidade quanto à consciência (e cada qual tem a sua, e é das poucas coisas que nunca vai ser padronizada!), não há volta a dar..., periodicamente dou comigo a pensar no assunto que vos trago neste Editorial: “até que ponto as novas descobertas e evoluções no conhecimento – a tal Crista da Onda! – podem e/ou devem ser divulgadas nos meios como o ensino não formal, os museus e centros ciência viva ou mesmo o ensino formal, enquanto estão a ser testados, estudados, divulgados nas universidades e nos centros de investigação?”                                     ler mais >>

 

Download da revista:

pdf.png

epub.png

 

ReferênciaRevista de Ciência Elementar. (2019). Rce.casadasciencias.org. Retrieved 23 July 2019, from https://rce.casadasciencias.org/rceapp/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eva Millet · Jornalista e escritora

 

Eva Millet

Jornalista e escritora especializada em educação e crianças, Eva Millet alerta para os efeitos sobre crianças e jovens da "hiperpaternidade", modelo que surgiu nos Estados Unidos com a primeira geração "milenarista" e que já chegou a Espanha. Esse novo fenómeno vai "da superproteção ao controlo excessivo, tanto em casa como na sala de aula", recusa os professores e invade o espaço das crianças na escola. 

Millet investigou essa mudança na educação por meio de entrevistas com psicólogos, pedagogos, educadores, pais e professores, a quem dá voz em seus livros "Hiperpaternidad" e "Hiperniños". A autora destaca que esse sistema de "criação monstruosamente intensiva" está a criar uma geração de jovens ansiosos, impacientes e dependentes, com medos e baixa tolerância à frustração, o que também se reflete na sua aprendizagem e desempenho académico. 

Millet propõe que "as mães tigres, os pais bulldozer ou helicóptero" deem lugar a um modelo que lhes permita relaxar, confiar no senso comum e nas crianças, e não apostar apenas no acumular de experiências e conhecimentos, e optem por uma " educação de caráter "que reforce a sua empatia, resistência, valores e tolerância à frustração.

 

Referência“Sobreproteger a los niños es desprotegerlos”. (2019). BBVA Aprendemos juntos. Retrieved 21 July 2019, from https://aprendemosjuntos.elpais.com/especial/ensenar-a-los-ninos-a-tolerar-la-frustracion-eva-millet/

Autoria e outros dados (tags, etc)

jd.jpeg

 

As pupilas do senhor reitor

as pupilas.png

Primeiro publicadas em folhetim, no Jornal do Porto, As Pupilas de Júlio Dinis tiveram um sucesso tremendo quando saíram em livro, em 1887. O que teria de tão especial esta história passada numa aldeia minhota para se afirmar tão rapidamente como um romance essencial da literatura portuguesa? É o que ficamos a saber neste documentário.

Na segunda metade do século XIX, quando este livro foi escrito, Portugal despontava para a modernidade. A literatura vivia anos dourados com Camilo Castelo Branco, Eça de Queirós, Almeida Garrett e Alexandre Herculano. Mas nenhum destes escritores tinha até então conseguido retratar fielmente o país rural que existia.

 

 

Júlio Dinis o mito do natural ao serviço duma ideologia
 

Programa de caráter biográfico sobre Júlio Dinis, pseudónimo do escritor Joaquim Guilherme Gomes Coelho, com destaque para as temáticas abordadas e caraterísticas literárias presentes na sua obra.

 

Conteúdo relacionado:

 

e-Books:

 

Filme:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Telos111.jpg

Nome do autor: Fundação Telefónica
Data: 04-07-2019

Download .pdf | Escutar | Sítio web de Telos |

Descrição:

O número 111 do TELOS é dedicado à voz. A língua falada é a herança da humanidade e o seu poder estende-se à tecnologia, máquinas e robôs. A tecnologia, por sua vez, permite-nos recuperar e difundir o valor das línguas, muitas negligenciadas e até maltratadas, para evitar a sua perda definitiva e para que possam contribuir para o desenvolvimento, a paz e a reconciliação, como observou a Assembleia da ONU quando proclamou 2019 como o Ano Internacional das Línguas Indígenas.

 

A oralidade distinguiu os seres humanos desde o início dos seus dias até hoje, o início de uma mudança liderada pela tecnologia, a voz recupera agora relevância graças aos sistemas de processamento de linguagem natural, da inteligência artificial e dos assistentes virtuais, capazes de interagir com a linguagem humana e aprender connosco.

 

Na capa desta edição aparece Juliana Rue, professora de música e engenheira de som, é  diretora e proprietário do estúdio de som MIUT , especializado em livros de áudio e projetos audiovisuais.

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

glossario.jpg

 

Última Versão do Glossário – junho 2019 (PDF)

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

museu_arte_antiga.jpg

O Jardineiro. Museu de Arte Antiga. Foto RBE

 

  1. Guias gratuitos ajudam professores a inovar e usar metodologias ativas | porvir - 152
  2. A Cidade e as Serras — Eça de Queirós | e-book - 149
  3. Os 4 desafios que as bibliotecas escolares devem enfrentar no curto e médio prazo | comunidad baratz - 139
  4. Blogue RBE - 79
  5. A cidadania não é facultativa | joão costa - 26

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

Heike Freire, pedagoga.

A natureza como mestre | versão completa

 

Heike Freire

Licenciada en Psicología y Filosofía por la Universidad de París X Nanterre, Heike Freire es un referente nacional e internacional de la llamada “Pedagogía Verde”, con más de 20 años de experiencia en este ámbito, que plantea el contacto con la naturaleza y el medio ambiente como recurso educativo. Freire ha sido asesora del Instituto de Educación Permanente de París del gobierno francés y desarrolla su innovación educativa con el apoyo de escuelas y familias que buscan la “renaturalización" de su entorno.

 

“Los niños de 4 a 12 años pasan el 76% de su tiempo sentados o acostados en lugares cerrados. Pero es a través del movimiento al aire libre como desarrollan sus sentidos, su psicomotricidad, su inteligencia espacial y social. El contacto con la naturaleza debería ser frecuente y cotidiano, para aprovechar los beneficios cognitivos, de memoria, atención y aprendizaje que aporta el entorno natural”, señala Heike Freire.

 

En sus libros ‘Educar en verde. Ideas para acercar a niños y niñas a la naturaleza’ y ‘¡Estate quieto y atiende!’, así como en sus talleres, cursos y conferencias, la psicóloga y pedagoga aporta recursos para fomentar el contacto con el medio natural en las familias y las aulas. “Nuestro futuro está en manos de las próximas generaciones. Por eso es de vital importancia una pedagogía verde y conciencia ecológica que reconecte con nuestro medio ambiente”, concluye.

 

Referência: Aprender en contacto con la naturaleza. (2019). BBVA Aprendemos juntos. Retrieved 17 July 2019, from https://aprendemosjuntos.elpais.com/especial/aprender-en-contacto-con-la-naturaleza-heike-freire/

Autoria e outros dados (tags, etc)

jcs4.jpg

17 julho 2019 |

 

O Ministério da Educação nomeou um grupo de peritos para redesenhar o ensino da Matemática. Jaime Carvalho e Silva é o líder e tem a palavra nesta entrevista feita em direto nas manhãs 360 da Rádio Observador.

 

 

Referência: Entrevista a Jaime Carvalho e Silva. (2019). Observador. Retrieved 17 July 2019, from https://observador.pt/programas/direto-ao-assunto/entrevista-a-jaime-carvalho-e-silva

 

Conteúdo relaciondo:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A-Cidade-e-as-Serras_Capa.jpg

Na Cidade perdeu ele a força e beleza harmoniosa do corpo, e se tornou esse ser ressequido e escanifrado ou obeso e afogado em unto, de ossos moles como trapos, de nervos trémulos como arames, com cangalhas, com chinós, com dentaduras de chumbo, sem sangue, sem febra, sem viço, torto, corcunda — esse ser em que Deus, espantado, mal pode reconhecer o seu esbelto e rijo e nobre Adão! Na Cidade findou a sua liberdade moral: cada manhã ela lhe impõe uma necessidade, e cada necessidade o arremessa para uma dependência: pobre e subalterno, a sua vida é um constante solicitar, adular, vergar, rastejar, aturar; rico e superior como um Jacinto, a Sociedade logo o enreda em tradições, preceitos, etiquetas, cerimónias, praxes, ritos, serviços mais disciplinares que os dum cárcere ou dum quartel…

 

Título: A Cidade e as Serras
Autor: Eça de Queirós
Data Original de Publicação: 1901
Data de Publicação do eBook: 2019
Imagem da Capa: Le Pont de l’Europe, de Gustave Caillebotte
Revisão: Ricardo Lourenço, Cláudia Amorim e Miriam Santos Freire
ISBN: 978-989-8698-56-8
Texto-Fonte: A Cidade e as Serras. Porto: Livr. Chardron, 1901.

EPUB
MOBI

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor