Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




 

 

"Os preconceitos são um grande problema. O meu pai é da Índia e a minha mãe do Luxemburgo. Eu cresci na Índia e, sendo um pouco mais velho, mudei-me para o Luxemburgo. E lá experienciei preconceitos ".

 

No vídeo, o escritor de ciência Ranga Yogeshwar reflete sobre os preconceitos como sendo parte de nossa vida diária e afirma que temos de os combater com factos.

 

Atualmente, nas redes sociais há uma discrepância enorme entre o que percebe o público e os factos.

 

Ranga defende que num mundo aparentemente culto, os preconceitos e as ideais falsas são muito abundantes: “Eu acredito que como filhos do iluminismo, temos de combater o medo com os factos. Temos que mostrar os factos. É melhor ter informação. E com Internet e com um conhecimento cada vez maior, podemos obtê-la, mas há que ter os olhos bem abertos".

 

Etiquetas:

siee.png

Apresentação | Inscrição | Temas | Oradores convidados |

 

O 21º SIIETomar2019 decorre em Tomar, de 21 a 23 de novembro, numa organização conjunta do Politécnico de Castelo Branco e do IPT . Instituto Politécnico de Tomar.

 

Submissões de artigos até 21 de julho de 2019

 

O SIIE 2019 recebe propostas de artigos completos e posteres. Será também organizado um Simpósio Doutoral.

 

Os artigos completos devem ser originais, relatórios não publicados de trabalho significativo ou integrar  pesquisas em desenvolvimento relacionadas com os temas da conferência. As submissões devem ser limitadas a um número máximo de 6 páginas.

 

Os pósteres devem descrever trabalhos em andamento, incluindo preferencialmente alguns resultados preliminares. As submissões devem ser limitadas a um número máximo de 2 páginas.

 

A Comissão de Programa terá em conta a qualidade, a originalidade e a relevância dos trabalhos. A Comissão de Programa pode aceitar como póster um texto originalmente submetido como artigo completo. Nesse caso, será solicitado aos autores que enviem uma versão final limitada a um máximo de 2 páginas.

 

O SIIE 2019 incluirá um Simpósio Doutoral. Pretende-se reunir estudantes de doutoramento que trabalham na área das TIC em Educação. O Simpósio Doutoral dar-lhes-á a oportunidade de apresentar a sua investigação e de a discutir com os pares. As submissões devem ter um único autor, mas o nome dos orientadores deve ser mencionado no artigo. As submissões devem ser limitadas a 4 páginas.

 

 Todas as contribuições devem ser escritas em inglês (preferencialmente), português ou espanhol usando o modelo IEEE (https://www.ieee.org/conferences/publishing/templates.html).

Todas as propostas devem ser submetidas através da plataforma EasyChair em https://easychair.org/conferences/?conf=siie20190

 

Publicação

Os trabalhos aceites e os pósteres serão publicados nas Atas do SIIE 2019, disponibilizadas  durante o evento.  Estas atas serão publicadas como post-proceedings na IEEE Xplore.

 

Os autores com os melhores trabalhos serão convidados a preparar e submeter versões ampliadas para serem integradas, após uma nova revisão por pares, para publicação nas edições das seguintes publicações científicas:

 
SIIE Tomar no Facebook

 

blog.PNG

Badillo Matos, Ángel. La sociedad de la desinformación: propaganda, «fake news» y la nueva geopolítica de la información. Madrid: Real Instituto Elcano, 2019

 

Download |

 

A desinformação tem emergido como uma questão de importância pública através de vários escândalos que no cenário internacional recuperaram o debate sobre o fluxo internacional de informações, as suas conexões com os interesses geoestratégicos de certos países e os efeitos que têm sobre os cidadãos. 

 

É um debate recorrente, mas desta vez tem novos ingredientes: a natureza das redes digitais permite utilizá-las não só para disseminar informação, mas também para atacar, mediante técnicas informáticas, servidores de dados (para modificá-los, roubá-los ou destruí-los); as redes sociais e a personalização da informação recebidas através delas implicam novas formas de romper a esfera pública, e os cidadãos incorporaram as práticas de produção e consumo de informação digital sem grande conhecimento da lógica desses novos meios, transferindo-os dos media tradicionais. 

 

Este texto analisa as transformações que deram origem ao novo ecossistema e propõe, a partir do estudo das iniciativas europeias sobre a desinformação, um modelo de análise da situação e o reforço da ação coordenada europeia desde Espanha.

 

Referência: Arévalo, J. (2019). La sociedad de la desinformación: propaganda, «fake news» y la nueva geopolítica de la informaciónUniverso Abierto. Retrieved 26 June 2019, from https://universoabierto.org/2019/06/26/la-sociedad-de-la-desinformacion-propaganda-fake-news-y-la-nueva-geopolitica-de-la-informacion/

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Referência: VIVO, A., INTERMEDIO, E., COCINA, P., TARDE, M., NOCHE, L., PARDO, L., & OBJETIVO, E. (2019). El milagro portugués: ¿cómo pasar del 45% de analfabetismo a convertirse en el modelo de la educación?LaSexta. Retrieved 25 June 2019, from https://www.lasexta.com/programas/el-intermedio/gonzo/como-pasar-de-un-45-de-ciudadanos-analfabetos-a-convertirse-en-el-milagro-educativo-el-ministro-de-educacion-de-portugal-nos-da-las-claves-video_201906245d1137d10cf2f662f39b3fc5.html

As bibliotecas escolares são uma ferramenta necessária e imprescindível ao serviço das diversas comunidades educativas. Para alcançar esse fim, é necessário dar-lhes visibilidade e demonstrar a sua importância como espaços de desenvolvimento e promoção da aprendizagem e da leitura dentro dos agrupamentos e das escolas não agrupadas.

aluno.jpg

Sobre isso, tem-se trabalhado e refletido na conferência técnica " Biblioteca Escolar: questão de enfoque ", que se centrou em temas como leitura, competências informacionais, transformação de espaços e função da biblioteca nas escolas. Como resultado desse trabalho foi criado (e partilhado) um documento que visa alertar para a urgência de atender a certas necessidades: “ 4 desafios para a biblioteca escolar 2020”:

quatro temas foram propostos, a partir dos quais houve uma reflexão conjunta, a fim de obter um documento que serviria para "estimular" a atenção para as bibliotecas de escolas não universitárias, a curto e médio prazo, como ferramenta para o trabalho colaborativo e para tornar visível a função da biblioteca escolar no presente e no futuro mais próximo.

 

[As bibliotecas escolares são uma ferramenta necessária e essencial ao serviço das diferentes comunidades educativas]

 

 

Os desafios propostos giram em torno da estabilidade das bibliotecas escolares, do seu papel educativo, do seu papel como mediadores da leitura e do seu papel no desenvolvimento da literacia dos media e da informação. Cada um desses desafios inclui uma série de propostas de ação que devem ser desenvolvidas a curto e médio prazo, e que se partilham abaixo.

Em suma, quatro desafios são propostos para atender a curto e médio prazo, a partir do contexto de cada Comunidade Autónoma e da Administração Central (Espanha), a partir de cada escola, bem como, na medida das suas competências e possibilidades.

 

Desafio 1. Fornecer ESTABILIDADE às bibliotecas escolares.

Neste primeiro desafio, um tema de grande importância é abordado, mas às vezes é esquecido: o papel e a visibilidade da biblioteca no agrupamento ou na escola não agrupada. Destaca a importância de unir esforços e compromissos para o desenvolvimento e consolidação da biblioteca escolar, a necessidade de trabalhar num quadro regulamentar que o regula e que permita integrar esta tipologia de bibliotecas na agenda política. Aponta também a necessidade de alocar recursos às bibliotecas escolares, estabelecer padrões mínimos de qualidade e promover a criação de redes de bibliotecas escolares .

 
[As bibliotecas escolares são uma ferramenta necessária e essencial ao serviço das diferentes comunidades educativas]

 

 

Desafio 2. Promover um modelo de biblioteca escolar como um espaço educativo adaptado ao projeto da escola.

Através deste desafio considera-se que a biblioteca escolar está em constante adaptação, evoluindo e inovando , como se comenta «A biblioteca escolar está sempre em fase beta» ». Entre as propostas de ação das bibliotecas escolares destacam-se a importância da colaboração, co-criação, comunicação, partilha e co-aprendizagem. Não há dúvida de que as palavras que começam com CO conquistam a biblioteca .

Também se procura através deste desafio projetar um ambiente versátil para diferentes usos (espaço de encontro, facilitador...) , pensar na flexibilidade (aprendizagem, inclusão, abertura ...) e criar um espaço que provoque experiências na comunidade educativa. Ver a biblioteca escolar como uma biblioteca ampliada em que o físico e o virtual coexistem.

 
[As bibliotecas escolares devem estar em fase beta, o que indica uma constante adaptação, evolução e inovação]
 

 

Desafio 3. Conceber a biblioteca escolar como mediadora das leituras no agrupamento/ escola e colocá-la no centro nevrálgico das políticas públicas voltadas para a leitura, em todos os formatos, para todos os fins.

A promoção, o acompanhamento e a mediação da leitura devem ser a pedra angular das bibliotecas escolares . Este desafio aponta a importância da biblioteca escolar transversal e presente em diferentes espaços dos centros educativos. Além disso, deve ser responsável pela criação de coleções (físicas e digitais) de qualidade, relevância, significância e inclusão .

Devem também as bibliotecas escolares incentivar a criação de espaços de socialização em torno do livro e da leitura (debates, clubes de leitura ...), participar na formação de professores em novas metodologias de leitura, envolver as famílias na difusão leitora dos estudantes e promover o acesso livre e gratuito através de ambientes digitais.

 
[A promoção, acompanhamento e mediação da leitura deve ser a pedra angular das bibliotecas escolares]

 

 

Desafio 4. Promover uma visão da biblioteca escolar como contexto privilegiado para o desenvolvimento de competências mediáticas e informacionais, Literacia dos Media (LM) e como requisito para a construção do pensamento crítico.

Através deste último desafio, as bibliotecas escolares são incentivadas a promover o pensamento crítico da comunidade educativa (consciencialização, fornecimento de ferramentas, exemplos visíveis e formação), promoção da consciencialização sobre literacia dos mediae estimulação de metodologias. adquirir competências ALFIN / LM através de múltiplas alfabetizações. Tal como se assinala: «Uma biblioteca escolar como uma fábrica / laboratório de ideias, de encontro e construção de conhecimento partilhado».

 
[A biblioteca escolar como uma fábrica / laboratório de ideias, de encontro e construção de conhecimento partilhado]

 

 

Imagem de topo cortesia da Shutterstock

 

*traduzido do espanhol com adaptações.

 

Referência: Los 4 retos que las bibliotecas escolares deben atender a corto y medio plazo. (2019). Comunidadbaratz.com. Retrieved 25 June 2019, from https://www.comunidadbaratz.com/blog/los-4-retos-que-las-bibliotecas-escolares-deben-atender-a-corto-y-medio-plazo/

Pág. 1/6



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogue RBE em revista

Clique aqui para subscrever


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor