Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




alexandre_herculano.png

 

Alexandre Herculano de Carvalho Araújo (1810-1877) foi poeta, romancista, historiador e ensaísta. Atravessa a sua obra uma profunda coerência, seguindo um programa romântico-liberal que norteou não apenas o seu trabalho mas também a sua vida.


Impedido por razões económicas de frequentar a faculdade, aprendeu os rudimentos da investigação histórica ao preparar-se para ingressar o funcionalismo. Com 18 anos, manifestava-se já a vocação literária, aprendendo o francês e o alemão e lendo românticos estrangeiros. Inicia-se nas tertúlias literárias pela mão da duquesa de Alorna, que reconheceria como uma das suas mentoras.

 

Por razões políticas, exila-se, primeiro em Inglaterra e depois em França. Aqui, familiariza-se com a obra de historiadores, lendo os que seriam os seus modelos literários, como Chateaubriand ou Lamennais.

 

Em 1832, depois de participar no desembarque das tropas liberais no Mindelo e na defesa do Porto, é nomeado nesta cidade segundo-bibliotecário e apontado como organizador dos arquivos da biblioteca. Publica, em 1834 e 1835 importantes artigos de teorização literária na revista “Repositório Literário”, do Porto. Em discordância com o governo setembrista, demite-se em 1836 e, já em Lisboa, dirige a mais importante revista literária do Romantismo português: “O Panorama”. Em 1839 aceita o convite de D. Fernando para dirigir as bibliotecas reais da Ajuda e das Necessidades, levando os seus trabalhos de investigação histórica à publicação dos quatro volumes da “História de Portugal”, nas duas décadas seguintes. (...)

 

Ler mais >>

 

Conteúdo relacionado:

 

e-Books

Autoria e outros dados (tags, etc)

blimunda.png

 Ler no Scribd | Coleção |

 

A Blimunda de fevereiro chega recheada de literatura. Às secções habituais de arranque de cada edição, seguem-se as palavras de António Jorge Gonçalves e de Filipe Lopes. Ambos, ilustrador e mediador de leitura, com uma voz própria no panorama cultural português. No caso do primeiro, na área da ilustração, do desenho e da performance ao vivo, no caso do segundo com o projecto «A poesia não tem grades», que leva a literatura, a poesia, às comunidades de reclusos das prisões portuguesas. Na secção infantil e juvenil, destaque para as exposições «3 ao cubo», que no âmbito de Lisboa - Capital Ibero-Americana de Cultura, levam o trabalho de seis ilustradores a três das bibliotecas da cidade de Lisboa. Na Visita Guiada, paragem na Livros Horizonte, casa editorial portuguesa com várias décadas de vida. A fechar esta edição, e como habitualmente, a Saramaguiana que desta vez nos traz as palavras de José Saramago sobre Literatura, retiradas do livro José Saramago nas suas Palavras, obra organizada por Fernando Gómez Aguilera e uma ferramenta absolutamente fundamental para perceber o pensamento do Prémio Nobel português.

 

Ler mais >>

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Bocage

01.03.17

bocage.png

 por Diogo Vaz Pinto | jornal SOL | Bocage em painel de azulejo, por Louro de Almeida e Rogério Chora (1979), na entrada do Centro Comercial Bonfim (Setúbal) |

 

Bocage: Sobreviver à Lenda
 

Em grande medida a figura lendária de Bocage trai a sua memória. As fábulas e anedotas que dele se contam deixam de fora o génio dos seus versos, lembram o boémio inveterado que ele certamente foi, mas esquecem a sensibilidade feroz que embaraçou os poderosos e que fez mais deste país

 

Se a lenda o imortalizou não é menos certo que dele fez o que quis, e tantos escritores de pouco talento se valeram do seu prestígio e algum lucro tiraram, atribuindo-lhe ou fazendo dele o protagonista de todo um anedotário popular poucas vezes inspirado e tantas grosseiro. As gerações sucediam-se e a biografia de Bocage foi ficando soterrada por fábulas de um género soez, por historietas sem graça e facécias de almanaque barato. Mas se «em torno do seu nome chegou a formar-se uma atmosfera de depravação e de escândalo», levando a que os versos bocagianos a dada altura fossem sinónimo de uma «literatura de sal grosso e bafio nauseante, florilégio de lama», como recordou Carlos Jaca num excelente e longo artigo publicado em sucessivas edições do Diário do Minho, em 2005, talvez a tudo isso tenha sobrevivido o talento que o fazia destacar-se e um gosto pela transgressão. (...)

 

Ler mais >>

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 4/4



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor