Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue RBE

Seg | 31.12.12

Atividades da Escola Portuguesa de Díli












A Escola Portuguesa Ruy Cinatti - Centro de Ensino da Língua Portuguesa, em Díli - Timor-Leste, assinalou a quadra natalícia com diversas atividades que aqui partilhamos. Este ano, o presépio foi construído pelos alunos dos 5º e 6º anos da escola, na disciplina de Educação Tecnológica. No portal, recentemente lançado, podemos igualmente aceder à galeria de fotografias e vídeos das atividades da Biblioteca Escolar.
Ter | 25.12.12

O "Natal Chique" de Vitorino Nemésio


















Percorro o dia, que esmorece
Nas ruas cheias de rumor;
Minha alma vã desaparece
Na muita pressa e pouco amor.
Hoje é Natal. Comprei um anjo,
Dos que anunciam no jornal;
Mas houve um etéreo desarranjo
E o efeito em casa saiu mal.
Valeu-me um príncipe esfarrapado
A quem dão coroas no meio disto,
Um moço doente, desanimado…
Só esse pobre me pareceu Cristo.


Natal Chique de Vitorino Nemésio

Sex | 21.12.12

Blimunda 7


0px="0px" 1.4em="1.4em" 14px="14px" 8px="8px" font-size:="font-size:" georgia="georgia" line-height:="line-height:" margin-bottom:="margin-bottom:" margin-top:="margin-top:" none="none" outline:="outline:" padding:="padding:" serif="serif">
Sex | 21.12.12

A singularidade de uma Professora Bibliotecária: Clara Póvoa




























O Auditório da Escola Secundária de Cantanhede acolheu, no passado dia 18, ao final da tarde, familiares, colegas e amigos daquela que, desde 1997 até janeiro de 2012, desbravou e promoveu a Biblioteca Escolar daquela escola, tornando-a numa biblioteca de referência. A justa e sentida homenagem culminou com o descerramento da placa com o seu nome: Biblioteca Escolar Clara Póvoa.

São suas as seguintes palavras, não fosse a biblioteca um espaço de memória e de partilha:

A meio desta nossa viagem, as costas que desta nau avistamos começam a pintar-se de verde… não é um verde vivo, seco ou limão, mas uma cor da esperança na renovação essencial que se opera na natureza e, paralela e involuntariamente, em cada um de nós, como se uma íntima e determinada obstinação nos anunciasse teimosamente, qual a finalidade deste caminhar. Apesar de todos os ventos contrários, de todas as tempestades pelas quais estamos a passar, as naus teimam em seguir o seu rumo e em indicar-nos, intuitivamente quase, o caminho a seguir. Por isso continuamos.

Ler mais no Biblioteca Escolar, jan & fev 2008 >>

Isabel Nina
Coordenadora interconcelhia
Notícia corrigida

Pág. 1/6