Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue RBE

Qua | 06.10.21

A escrita como estratégia para a recuperação das aprendizagens | Diário de Escritas com a Biblioteca

2021-10-06.png

A equipa responsável pelo plano integrado para a recuperação das aprendizagens, promoveu, nos dias 27, 28 e 29 de setembro, as Jornadas 21|23 Escola+, de forma a facilitar a apropriação contextualizada, integrada e eficaz das diferentes medidas e ações específicas do Plano 21|23 Escola+ e promover o diálogo entre as escolas.

A Rede de Bibliotecas Escolares dinamizou oito sessões paralelas para divulgar a proposta “Diário de escritas com a biblioteca”, integrada no eixo "Ensinar e Aprender” e no domínio + Leitura e Escrita, que aponta sugestões para a criação de programas que contribuam para o desenvolvimento de hábitos de leitura e da competência leitora multimodal, numa relação intrínseca com a escrita e a comunicação.

“Diário de Escritas” é um projeto de escrita que pode envolver todas as áreas curriculares, pois a escrita assume múltiplas modalidades e funções e é essencial para as aprendizagens das várias disciplinas. Pretende-se que os alunos sejam levados a produzir textos de diversas tipologias e com distintos objetivos comunicativos, nas diferentes áreas curriculares, num trabalho articulado e colaborativo, desenvolvido entre a biblioteca e os conselhos de turma e/ou professores titulares de turma.
Tem por isso duas características distintas – o envolvimento de qualquer área curricular e a sistematicidade das ações, isto é, o projeto é implementado ao longo do ano letivo, em diferentes momentos, sempre que faça sentido programar ações de escrita, no âmbito das aprendizagens essenciais de cada disciplina ou da planificação das áreas curriculares.

Os objetivos organizam-se em torno da melhoria da expressão escrita e do domínio da língua portuguesa, competências essenciais para o sucesso escolar, mas, ao levarmos os alunos a assumirem-se como “autores”, promovemos o pensamento crítico, a reflexão e, claro, o gosto pela escrita.

Para operacionalizar este projeto nas escolas, estão delineadas 3 etapas principais:

FASE 1 - decorre em sede de Conselho de docentes ou Conselho de turma.
Os professores identificam a tipologia de textos a trabalhar, ao longo do período/ semestre/ ano letivo, em cada área curricular (por exemplo comentário, exposição, relato, relatório, resumo, texto de opinião, entre outros).  Após este levantamento, é feita a calendarização das ações a realizar, tendo em conta a planificação de cada área curricular envolvida.

FASE 2 - decorre na biblioteca, num trabalho colaborativo entre o professor bibliotecário e os docentes de Português e/ou professores titulares de turma que preparam as sessões de trabalho a realizar com os alunos, tendo em conta a tipologia de texto a trabalhar. O objetivo destas sessões é que os alunos contactem com textos da tipologia escolhida e conheçam as suas características.

FASE 3 - decorre na sala de aula e na biblioteca. É a fase de implementação do projeto com os alunos, ao longo de 4 etapas, que se podem repetir por cada disciplina e tipologia de texto.

Para que esta linha de ação tenha o impacto desejado junto dos alunos é fundamental que as medidas aí previstas sejam enquadradas num trabalho de efetiva articulação curricular entre a biblioteca e os professores titulares de turma/conselhos de turma.

Para apoiar o trabalho das escolas, a Rede de Bibliotecas Escolares criou um espaço no portal RBE, onde , além de toda a operacionalização do projeto, são disponibilizados recursos de apoio, nomeadamente uma seleção de atividades e projetos que visam o desenvolvimento da competência de escrita. Em breve serão disponibilizados outros recursos.

Fonte da imagem: Photo by Duy Pham on Unsplash