Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue RBE

Sex | 29.10.21

International School Cartoon Festival | Tondela – Portugal

2021-10-28.jpg

Direitos Humanos e temáticas associadas são a base da criação para este festival

O Festival Internacional de Cartoon Escolar, que já segue na sua V Edição, é organizado pelo Grupo de Artes Visuais e pela Biblioteca Escolar da Escola Secundária de Molelos, do Agrupamento de Escolas Cândido de Figueiredo (AETCF), em parceria com o Município de Tondela.

Dadas as suas características, este é um evento único no país, por se tratar de um concurso destinado, essencialmente, ao público escolar e pelo facto de a sua organização e dinamização ser da responsabilidade de uma escola.

2021-10-28-2.jpg

As edições deste festival internacional têm vindo a registar, ao longo dos anos, um aumento muito significativo do número de participações: quer de alunos, quer de escolas, quer, sobretudo, de países aderentes. Na última edição foram recebidos cerca de 1300 cartoons, provenientes de 39 países de todos os continentes, como é o caso da Alemanha, da Argentina, da Bélgica, do Brasil, da China, de Cuba, do Egito, da Sérvia, da Índia, do Irão, da Noruega, do Perú, da Rússia, da Turquia, entre outros.

O concurso integra duas categorias de trabalhos: a categoria “Estudante”, à qual se podem candidatar todos os alunos com idade compreendida entre os 12 e os 15 anos e a categoria “Profissional”, que abarca todos os participantes com 18 anos ou mais.

Os “Direitos Humanos” apresentam-se sempre como a base das temáticas exploradas e a explorar. Vertentes como os direitos específicos das crianças, a preservação e sustentabilidade ambiental, a desigualdade no acesso à alimentação e situações de violação dos direitos humanos, foram assuntos retratados nos cartoons das quatro edições já realizadas. Por sua vez, na edição deste ano, pretende-se fazer uma abordagem/reflexão sobre o “Direito à Educação”.

Para os professores organizadores, o grande objetivo deste festival é fazer com que cada jovem, esteja ele onde estiver, num país rico ou num país pobre, em paz ou em guerra, longe ou perto de nós e a partir das circunstâncias em que vive, possa ter a possibilidade de criar, de se expressar criticamente e alertar para problemas/condições do meio que o rodeia, ou, simplesmente, de dar a conhecer a sua cultura e as suas tradições, de mostrar a sua arte!

 A adesão a esta iniciativa tem superado bastante as espectativas. Nela têm participado jovens de escolas nacionais e de todo o mundo, bem como cartoonistas de renome que partilham as mesmas preocupações pela construção de um mundo melhor: mais humano, mais justo e mais solidário! A mensagem veiculada através dos cartoons tem sido forte, ficando claro que pela arte também compreendemos o mundo e, com a arte, podemos dar significado aos problemas que nos afetam e nos faz refletir sobre os valores da cidadania.

O mérito e o agradecimento maiores vão, precisamente, para esses jovens que, aderindo a este projeto, têm vindo a demonstrar um forte empenho, imensa criatividade, sentido crítico, humor e compreensão, levando a uma reflexão individual e coletiva e alertando a sociedade para questões pertinentes do mundo atual.

Os trabalhos da última edição podem ser revisitados nesta Galeria Virtual.

Os interessados em participar na V Edição do Festival Internacional de Cartoon Escolar (alunos ou artistas profissionais), poderão enviar os seus trabalhos digitalizados, com uma qualidade de 300dpi, para o e-mail ricardoferreira.escolatondela@gmail.com, até 30 de novembro de 2021, devendo o ficheiro estar identificado com o primeiro e último nome. Mais informações sobre o festival estão disponíveis na Página do Facebook.

Anualmente é constituído um júri internacional formado por artistas reconhecidos na área do cartoon. Fazem parte do júri da V Edição os seguintes elementos:

2021-10-28-1.jpg

A programação do festival, no período pré-pandemia, incorporou várias atividades, com e para os alunos, abertas à comunidade, tais como: exposição de trabalhos, apresentação de cartoonistas reconhecidos nacional e internacionalmente, workshops, execução de caricaturas ao vivo, entrega de prémios e momentos animados com poesia, histórias e música.

Devido à pandemia, o formato do evento foi alterado para o digital na edição do ano passado. Atendendo às medidas de segurança que ainda vigoram, em resultado deste contexto, o formato vai manter-se na edição deste ano, estando a sessão de abertura (via zoom) programada para a última semana de maio, em dia e hora a anunciar.

 

Tondela | outubro | 2021

A organização:

Olga Matos (Professora Bibliotecária | Professora Bibliotecária e Coordenadora das Bibliotecas Escolares do AETCF)

Paula Aresta (Docente de EV/3.ºCEB | Adjunta da Direção do AETCF)

Ricardo Ferreira (Docente de EV/3.ºCEB | Cartoonista | Curador de Arte)

Sex | 29.10.21

O Outro? O Nós! (III)

2021-10-27.png

No contexto da participação da Rede de Bibliotecas Escolares no Folio 2021, subordinado ao tema o Outro, publica-se série de artigos que serviram de base a encontros e workshops.

O Outro? O Nós! é uma história em seis partes, das quais se publicaram a primeira, a segunda e a terceira e hoje a quarta e a quinta - a sexta parte, a melhor, está por contar e nela todos somos protagonistas.

 

Parte 4

Porque a compreensão da dignidade humana se transforma continuamente, é histórica e os contornos universais/ uniformes não são suficientes para a reconhecer e proteger, reconhece-se na década de 90 e no cenário económico global, que a igualdade de direitos só se efetiva quando se respeitar, valorizar e intervir sobre as diferenças entre indivíduos, que carecem de exigências específicas de proteção. Na base da compensação das diferenças desvantajosas (assistência social, isenções e incentivos fiscais…) há aproximação à equidade. Este é um modelo não apenas universalista, mas de especificação de direitos humanos, segundo o qual a ação deve decidir-se em função das múltiplas discriminações/ vulnerabilidades/ barreiras a que o indivíduo está sujeito e que se intersetam (perspetiva intersectorial): classe e origem, cultura, género e orientação sexual, idade, religião, deficiência… Reconhecem-se novas e múltiplas agendas de direitos humanos que afirmam o direito de cada um à igualdade de oportunidades e a ser diferente: povos originários, LGBTIA+, refugiados, ecológicos, pacifistas…

 

Parte 5

Emerge um caminho alternativo de desconstrução das formas de poder e discurso tradicionais, invocando outras experiências, ideias, expressões, memórias, identidades, mundos sem fronteiras.

A interculturalidade crítica é o caminho a percorrer de relação e enraizamento da cultura ocidental que tem no centro a relação do eu com o outro, o nós – diverso, plural, sujeito de direitos humanos fundamentais, incluindo voz e representação no espaço público – e pode contribuir para a recuperação e transformação da sociedade cosmopolita do século XXI.

 

Fontes da imagem

SOS Racismo. (2021). Dicionário da Invisibilidade. https://www.sosracismo.pt/produto/dicionario-da-invisibilidade
Perez, C. (2020). Mulheres Invisíveis. https://relogiodagua.pt/produto/mulheres-invisiveis/