Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




bibliot.jpg

 Fonte |

 

A diferença entre a imagem e a prática do bibliotecário é profunda. Qual é o propósito do bibliotecário? Qual é a sua contribuição para a sociedade? Agora que a Internet entrou nas nossas vidas, ainda precisamos de bibliotecas e bibliotecários? Estas são as perguntas a que se procura responder neste livro.

 

A função bibliotecária evoluiu muito da Antiguidade, da Biblioteca de Alexandria, até às bibliotecas digitais. A definição usual do termo ("quem trabalha numa biblioteca", Le Grand Robert da língua francesa ) dá apenas uma ideia muito vaga desta profissão com mil faces.

 

Neste momento, os bibliotecários estão a realizar atividades ou a assumir responsabilidades como:

  • ensinar os alunos a procurar e avaliar fontes de informação e publicações de qualidade;
  • apresentar "tempo da história" a um grupo de crianças;
  • avaliar o valor financeiro de um livro de livros antigos;
  • participar da digitalização do património editorial de uma sociedade;
  • criar um sistema de informação baseado na web e um site móvel para o uso de advogados especializados em direito do trabalho;
  • implementar um programa de empréstimo eletrónico para tablet;
  • negociar com representantes de uma rede de bibliotecas para a venda de um serviço de catálogo centralizado;
  • adquirir livros impressos e digitais, DVDs e videojogos;
  • Defender e gerir um orçamento que excede US $30 milhões por ano e tem quase 300 pessoas sob a sua responsabilidade
  • participar num encontro com os atores sociais de um bairro difícil para implementar medidas que promovam o sucesso académico e a perseverança dos jovens;
  • Trabalhar com um arquiteto e um engenheiro para desenvolver o programa espacial para a construção de uma nova biblioteca.

 

Mede-se a dificuldade de apresentar uma realidade tão complexa e diferenciada. Aposta-se em descrever esta profissão apresentando os seus valores, responsabilidades e ações, levantando o véu de tantas faces dos bibliotecários quanto possível.

 

A prática do bibliotecário reflete o seu compromisso com uma comunidade. Este compromisso é expresso de várias maneiras, desde o desenvolvimento de programas de alfabetização, programas de animação cultural ou atividades de assistência em casa, até a contribuição para medidas de intervenção social, na maioria das vezes em parceria com os atores sociais de uma comunidade. Não há limite para os serviços que um bibliotecário pode criar para facilitar o acesso à cultura e à informação. Isso pode variar desde a oferta de um serviço de empréstimo de óculos de leitura, como fazem algumas bibliotecas em Montreal, até à obtenção de consolas e videojogos na biblioteca para atender às necessidades dos adolescentes e ligá-los a uma biblioteca. lugar de cultura.

 

Em todas as suas ações diárias, o bibliotecário encarna os valores universais da profissão. O mais importante de tudo é garantir o direito fundamental à liberdade intelectual, ao pensamento livre, isto é, o direito de aceder a todas as formas de expressão do conhecimento e da cultura, e expressar os pensamentos em público. Este direito à liberdade de expressão e à liberdade de consciência é o pilar sobre o qual repousa a Carta de Direitos do Leitor que as associações de Quebec da profissão adotaram em 1976. Esta carta orienta os administradores da biblioteca e a equipa a garantir e facilitar o acesso a todas as formas e meios de expressão do conhecimento, garantir esse direito de expressão em todos os serviços oferecidos e opor-se a qualquer tentativa de limitar esse direito à informação e à liberdade de expressão. O segundo implica reconhecer aos indivíduos e grupos o direito à crítica, condição indispensável para o exercício de uma cidadania comprometida.

 

acesso de todos à informação, o respeito pela confidencialidade, a protecção da informação pessoal dos leitores e o respeito pela liberdade de opinião e pensamento são valores fundamentais da profissão. Eles também se aplicam às coleções, garantindo a máxima neutralidade no seu desenvolvimento e classificação.

 

 

Embora todos os bibliotecários possuam um mestrado em ciência da informação, nem todos os graduados desta disciplina praticam na biblioteca. As necessidades de procurar, organizar e disseminar as informações estão presentes em todas as instituições públicas e empresas privadas. Este livro, limita-se a apresentar este bibliotecário que podemos definir como o profissional que trabalha na biblioteca. Não se pertende diminuir a importância e o papel dos colegas que trabalham em outros lugares e às vezes são chamados de "profissionais da informação". As razões para essa escolha devem-se às peculiaridades dessa prática, questões atuais de importância para a sociedade que mobilizam a profissão,

Uma biblioteca é muito mais que um depósito de livros e um serviço de empréstimo. Nas atuais mudanças, tanto sociais como tecnológicas, estão a emergir importantes questões no que diz respeito ao acesso à informação e à cultura, à digitalização do nosso património, à sua preservação e à perpetuação do desenvolvimento do bem comum. Os bibliotecários têm um papel fundamental a desempenhar na abordagem desses problemas.

Este livro é baseado em dois temas principais: os papéis e responsabilidades dos bibliotecários e as questões da profissão. O primeiro capítulo trata da definição da disciplina. A segunda descreve diferentes contextos de prática e as principais instituições documentárias. A terceira dedica-se às responsabilidades e tarefas do bibliotecário. O quarto é dedicado ao digital.

 

O autor tornou-se bibliotecário seguindo as chances e a felicidade da sua carreira. Após a faculdade e e depois de ser estudante universitário em música, matriculou-se no Mestrado em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Como muitos dos seus colegas, fez a associação entre as palavras biblioteca e bibliotecário, sem muito mais. Muito rapidamente, classes, discussões com professores e alunos, reuniões com bibliotecários fizeram-no descobrir a vastidão da sua nova disciplina e as suas inúmeras possibilidades.

 

O contexto particular da transição de uma era tecnológica para outra é um dos momentos mais empolgantes de ser bibliotecário. Lembro-me da maravilha e da emoção sentidas no início dos anos 90, quando os nossos professores descobriram os desenvolvimentos da Web. 

 

 (...)

 

Ler mais >>

 

Adaptado do espanhol com alterações e supressões.

 

© Imprensa da Universidade de Montreal, 2012

Condições de uso: http://www.openedition.org/6540

Autoria e outros dados (tags, etc)



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor