Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue RBE

Qui | 18.01.24

Tem conversado com os seus documentos ultimamente?

por Mary Ellen Bates

2024-01-16.jpg

Tenho falado frequentemente sobre o impacto da IA nos profissionais da informação e, até há pouco tempo, centrava-me sobretudo nas ferramentas de IA generativa de uso geral, como o ChatGPT e o Claude.ai, e nos chatbots de pesquisa, como o Google Bard e o Perplexity.ai. Sim, os chatbots de uso geral são ótimos para resumir texto e redigir correspondência comercial (veja, por exemplo, o que obtém quando lhe pede para escrever uma carta de um diretor de biblioteca a pedir um aumento de financiamento). E os chatbots de pesquisa fazem um bom trabalho ao agregar os principais resultados de pesquisa num resumo coeso.

No entanto, a minha perspetiva mudou quando me deparei com um novo conjunto de ferramentas de IA, incluindo o PDF.ai e o ChatDOC, que permitem carregar um documento e utilizar uma interface do tipo ChatGPT para fazer perguntas ao documento e obter respostas precisas, perspicazes e sensíveis ao contexto.

Por exemplo, pode carregar o registo anual 10-K de uma empresa junto da Comissão de Títulos e Câmbio dos EUA e fazer-lhe perguntas como: "Em que é que esta empresa gastou mais dinheiro?" ou "Quanto dinheiro é que esta empresa ganhou com o seu produto mais vendido?". Se tiver um manual do utilizador de um produto ou um manual do trabalhador extenso, pode fazer-lhe uma pergunta sobre a sua situação ou problema específico e ser encaminhado para o local específico do documento que aborda o problema. Pode até pegar num trabalho de investigação e perguntar-lhe qual o aspeto mais interessante das conclusões.

A maior parte destas ferramentas que permitem uma interação dinâmica com os documentos estão disponíveis para um período de teste gratuito e depois custam menos de 30 dólares por mês. Naturalmente, a primeira pergunta que qualquer profissional da informação fará é o que acontece aos ficheiros que são carregados para qualquer uma destas ferramentas de IA: Se carregar um documento confidencial ou interno, este é guardado na plataforma ou utilizado para treinar o chatbot? Muitos dos serviços que investiguei afirmam que não retêm o documento no seu armazenamento na nuvem, embora possa querer consultar as políticas de privacidade específicas do seu serviço preferido.

Embora a possibilidade de ter uma interação dinâmica com um documento possa ser uma verdadeira poupança de tempo, uma bibliotecária catalogadora indicou recentemente uma utilização específica para estas ferramentas. Descreveu uma coleção especial de relatórios na sua biblioteca que não tinha sido adequadamente catalogada e questionou se poderia utilizar uma ferramenta de IA generativa para criar registos de catalogação para o material. À medida que falávamos, apercebi-me de que estas ferramentas para criar documentos interativos podiam ser utilizadas de uma forma ainda mais poderosa, saltando a etapa de identificação de um documento específico e levando o utilizador diretamente para uma conversa com toda a coleção especial de uma só vez. Os metadados e a catalogação só levam o utilizador até certo ponto, e mesmo a pesquisa em texto integral nem sempre oferece um acesso significativo à informação certa que responde às necessidades do utilizador. A possibilidade de conversar com o conteúdo, fazendo-lhe perguntas que só podem ser respondidas através da análise e síntese de todo o conteúdo consultado, pode revolucionar a forma como fornecemos acesso à informação aos utilizadores.

Lembrei-me de quando fui apresentado ao HyperCard no final da década de 1980. Já nessa altura, esse programa de base de dados baseado em Mac permitia hiperligações dentro de um documento, bem como com outros documentos no mesmo computador. Nessa altura - quando a única forma de navegar no conteúdo da Internet era através de ferramentas simples como o Gopher, o FTP e o Telnet - tive dificuldade em compreender a ideia de como estas hiperligações iriam transformar a descoberta de informação, como os primeiros utilizadores prometiam. Parece que nos encontramos num ponto de inflexão semelhante com os documentos interativos. Temos acesso a novas ferramentas que nos permitem descobrir ideias e explorar dados de formas inovadoras e muito mais eficientes. Estamos apenas a começar a ver os casos de utilização desta tecnologia.

Uma das melhores formas de explorar as possibilidades dos documentos interactivos no seu contexto pode ser desenvolver uma plataforma de IA generativa para os seus utilizadores e ver o que eles conseguem fazer (e obter apoio para financiar uma ferramenta empresarial robusta na sua organização). Identifique alguns exemplos de relatórios ou outros documentos que seriam relevantes para os seus utilizadores e subscreva algumas das ferramentas para conversar com esses documentos. Pergunte aos seus utilizadores quais são os seus maiores obstáculos na procura e organização de informação e incentive-os a pensar de forma abrangente sobre onde estas novas ferramentas podem ser utilizadas para resolver os seus desafios de informação. Seja paciente; tal como eu demorei muito tempo a perceber o valor das hiperligações quando as vi pela primeira vez, os pesquisadores, investigadores e analistas vão demorar algum tempo a descobrir a melhor forma de incorporar documentos inteligentes no seu fluxo de trabalho de informação. Como profissionais da informação, podemos liderar esta conversa e defender ferramentas que possam transformar o panorama da informação.

 

O texto deste artigo foi traduzido e publicado com a autorização de InformationToday:

Bates M. (2023, 9 de novembro). Have You Chatted With Your Documents Lately? Computers in Libraries. https://www.infotoday.com/cilmag/nov23/Bates--Have-You-Chatted-With-Your-Documents-Lately.shtml

📷 Imagem de Chen por Pixabay

_____________________________________________________________________________________________________________________