Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



top_qe.jpg

A monitorização do Quadro Estratégico foi feita internamente num regime anual, a que se deu maior incidência em 2017, apresentando-se agora publicamente o seu balanço final. Deve registar-se que, embora os padrões definidos neste quadro nunca possam considerar-se totalmente atingidos, foi realizado um trabalho consistente no sentido de capacitar as bibliotecas e os professores bibliotecários para enfrentar os desafios presentes e futuros.

Importa agora colmatar as principais falhas registadas, prosseguir e aprofundar o trabalho realizado e refletir sobre o que, sobretudo nos últimos tempos, se configura como marcante e essencial num futuro já próximo e que, necessariamente impactará o rumo a dar ao Programa Rede de Bibliotecas Escolares: a defesa imperiosa dos direitos humanos e do humanismo, a sustentabilidade e a luta pela sobrevivência neste planeta, a transição digital e o seu impacto na aprendizagem, nos empregos e na vida.

Leia o artigo completo no portal da RBE (https://www.rbe.mec.pt/np4/2724.html).

2021-01-11 Cartaz seminário_ajustes.jpg

Os resultados de um questionário realizado através de uma colaboração informal entre o MILObs e a RBE, em 2019, vão estar em foco no seminário “Literacia Mediática na Biblioteca Escolar”, a realizar no próximo dia 28 de janeiro, às 14h30, via Zoom. 

Um estudo sobre a situação da educação para os media em Portugal, publicado em 2011, identificava as bibliotecas escolares como atores emergentes na promoção da literacia mediática nas escolas. Desde então, o contexto foi evoluindo, salientando-se a publicação dos referenciais Aprender com a Biblioteca Escolar (RBE, 2012 e 2017) e Referencial de Educação para os Media (DGE, 2014); a formação de professores e professores bibliotecários nesta área; a atenção e importância crescente que a educação para os media tem assumido nos planos internacional e nacional, quer em termos sociais e políticos, quer educativos.

Tendo em conta o descrito e o trabalho crescente que os professores bibliotecários têm vindo a realizar no domínio da literacia mediática, como atestam os números de aplicação anual do Aprender com a Biblioteca Escolar, considerou-se importante efetuar um estudo atual sobre a situação da educação para os media no contexto da biblioteca escolar. Este estudo teve por base a aplicação, em 2019, de um questionário online, à totalidade dos professores bibliotecários em funções na rede pública de Escolas e Agrupamentos, tendo sido validados um total de 723 questionários. 

Os resultados deste questionário, que retrata o panorama da literacia mediática nas bibliotecas escolares – o que se tem feito e também os problemas identificados –  são apresentados no Seminário/ FILM online organizado pelo MILObs e RBE em parceria com o GILM.  

Convidamos todos os interessados na temática e, muito especialmente, os professores bibliotecários que participaram no questionário, a inscreverem-se aqui, a fim de receberem a hiperligação de acesso.


NOTA: A participação é gratuita, mas a inscrição no seminário é obrigatória.

 

2021-01-05 PERFIL DO PROFESSO BIBLIOTECÁRIO.png

Anualmente, o gabinete coordenador da Rede de Bibliotecas Escolares solicita às bibliotecas o preenchimento da base de dados “Recursos Humanos”. Trata-se de uma prática que reforça a colaboração entre toda a Rede, desde os professores bibliotecários ao próprio gabinete, essencial para a boa definição de objetivos estratégicos, uma vez que a gestão de qualquer Programa implica, necessariamente, um sólido conhecimento do mesmo.

Sendo os professores bibliotecários elementos chave no sucesso do desempenho das bibliotecas escolares, é, pois, muito importante monitorizar sincrónica e diacronicamente o seu perfil, perceber as tendências e compreender que ações devem ser desenvolvidas para que essa figura tão essencial adquira as indispensáveis características para implementar as orientações definidas para as bibliotecas escolares.

Tal como acontece habitualmente, os dados relativos a 2020-2021 encontram-se disponíveis no portal RBE (Sínteses estatísticas) e possibilitaram a elaboração do infográfico acima.

A análise deste material permite concluir que a figura do professor bibliotecário, cujo número global tem mantido alguma constância nos últimos anos, tem presentemente grande estabilidade profissional: são, de um modo geral, professores de quadro, na sua maioria (81%) a exercer nas escolas a cujo quadro pertencem e, nos casos em que isso não acontece, mantendo, em geral, a colocação por vários anos. A generalidade dos professores bibliotecários (95 %) tem experiência profissional, resultante de vários anos de exercício de funções (8 em média), sendo residual o número de docentes que iniciaram agora o desempenho dessas funções (4 %).

Mantendo-se os professores bibliotecários tanto tempo em funções, é natural que a sua média de idades aumente consistentemente. Assim, se em 2013-2014 (primeiro ano de recolha deste dado) a média de idades dos professores bibliotecários era 48,7 anos, hoje é já 54 , o que, sendo compaginável com o que acontece no ensino em geral, parece indiciar a necessidade de atrair gente jovem para estas funções.

Também a distribuição por género tem mantido a mesma regularidade, igualmente coerente com o que se passa no quadro de professores: cerca de 85% dos profissionais pertencem ao género feminino.

Quando, em 2009-2010, se aplicou pela primeira vez a portaria que regula esta função, 14% dos docentes detinha formação académica específica para o seu exercício; presentemente esse número encontra-se nos 56%. Porém, se até 2015, ano em que se atingiu os 50% de profissionais com formação específica, o crescimento foi contínuo e muito expressivo (36% em cinco anos), desde 2015, o mesmo abrandou significativamente (6% em seis anos). Implicando o trabalho de professor bibliotecário conhecimentos sólidos em áreas como a informação, a leitura, os media, as tecnologias emergentes, considera-se essencial que os docentes que desempenham essas funções adquiram efetivamente a formação especializada necessária, pelo que se afigura como imprescindível envidar ações que convoquem os professores bibliotecários para essa formação.

Por outro lado, é de assinalar que 55% dos professores detém mais de 870 horas de formação contínua e 29% possui entre 250 e 870 horas, o que releva os professores bibliotecários como um grupo de docentes que investe, de facto, de forma consistente, na sua atualização profissional (84% com mais de 250 horas de formação). Certamente, a esse facto não será alheio o esforço que a Rede de Bibliotecas Escolares desenvolve, anualmente, nesse sentido, designadamente através dos coordenadores interconcelhios para as bibliotecas escolares.

Por não ser informação solicitada no formulário, resta a dúvida quanto à atualidade da formação reportada pelos professores, uma vez que toda a formação contínua nas áreas relacionadas com o trabalho das bibliotecas escolares realizada desde o início da carreira docente é contabilizada. Considerando a evolução dos ambientes e tecnologias digitais e a necessidade de as bibliotecas se tornarem cada vez mais híbridas, a atualidade da formação em áreas em desenvolvimento é essencial, pelo que será necessário, futuramente, incluir no questionário anual uma pergunta relativa a essa matéria. Igualmente desconhecidas são as áreas de formação. Visto que a ação do professor bibliotecário abrange um número tão significativo de áreas de trabalho, evidencia-se como igualmente necessário passar a recolher, anualmente, elementos que permitam averiguar a diversidade da formação do professor bibliotecário.

Face a estes dados, que reforçam o conhecimento que possuímos da nossa Rede, estas são algumas das pistas que importa considerar, tendo em vista o objetivo essencial, que nos une, de continuamente de melhorar e caminhar para a excelência.

7P_top.png

Nesta nova edição do concurso Media@ção, a novidade maior está no tema a abordar: A minha experiência com os media em tempos de pandemia. Foram também integradas duas novas entidades promotoras: o Plano Nacional de Cinema e o Centro Nacional de Cibersegurança.

Os trabalhos a apresentar seguem o formato das edições anteriores, isto é, podem ser vídeos ou podcast de 3 minutos e a data limite para entrega de trabalhos é no dia 7 de abril de 2021. A participação no concurso não necessita de inscrição. 

Sugerimos aos interessados começarem por uma leitura atenta do Regulamento e pela consulta dos tutoriais A linguagem audiovisual.
Para mais informações visite o Portal RBE.

21947775_qwKgO.jpg

Lança-se a segunda fase da candidatura Imprevistos de leitura, que decorre de 04 de janeiro a 12 de março.

Esta candidatura nasce da consciência que a RBE tem da existência de zonas imprevisíveis do trabalho da biblioteca escolar, que confrontam o professor bibliotecário com premências inadiáveis, mas inesperadas, que surgem, de várias formas, ao longo da execução dos projetos e da implementação dos planos de atividades. É objetivo da RBE, com esta candidatura, diminuir o impacto desta imponderabilidade e as fragilidades que ela pode ocasionar no serviço das bibliotecas, dotando-as dos meios financeiros que as permitam ultrapassar em tempo útil.

A candidatura Imprevistos de leitura apresenta-se, assim, como um dispositivo simples e permanentemente acessível para obviar, mediante investimentos relativamente diminutos, as necessidades prementes que o quotidiano da biblioteca escolar recorrentemente gera, tanto a nível de equipamento como a nível de fundo bibliográfico ou da aquisição de serviços para a realização de atividades.

Consulte o aviso de abertura aqui.

Etiquetas:


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogue RBE em revista

Clique aqui para subscrever


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor