Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



classicos.png

Clássicos em Rede é uma parceria entre a Rede de Bibliotecas Escolares, o Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e o site Olimpvs.net 

 

por Rita Pimenta

 

Cientificamente Provável é um programa que pretende ligar o ensino superior aos ensinos básico e secundário e que une as pastas da Educação e da Ciência. A apresentação está marcada para esta quarta-feira na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

 

“Se o ensino secundário se sente refém do acesso ao ensino superior, é bom que o conheça”, disse ao PÚBLICO João Costa, secretário de Estado da Educação, que em conjunto com João Sobrinho Teixeira, secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, irão apresentar nesta quarta-feira o programa Cientificamente Provável.

 

A cerimónia de entrega dos prémios das Olimpíadas da Cultura Clássica, integradas no projecto Clássicos em Rede, foi o momento escolhido para divulgar publicamente “um protocolo que pretende aproximar o ensino superior do ensino básico e secundário e que já conta com 360 parcerias”, segundo João Costa.

 

“O grande objectivo”, diz o secretário de Estado da Educação, “é concretizar o perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória”.

PÚBLICO -
Foto de Fábio Augusto
 
 
O secretário de Estado da Educação, João Costa, acredita que, “sempre que é possível levar o espírito científico para as escolas, os resultados são bons”

A boa parceria entre a Rede de Bibliotecas Escolares e o Centro de Estudos Clássicos da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa “foi inspiradora do Cientificamente Provável”, conta aquele responsável. E acrescenta: “Sempre que é possível levar o espírito científico para as escolas, os resultados são bons.”

 

Assim, os centros de investigação universitários vão “apoiar visitas de estudo, disponibilizar recursos e materiais e dar palestras a escolas do ensino básico e secundário”.

Desta forma, também eles “ficarão a conhecer o funcionamento e necessidades” dos níveis que antecedem o ensino superior.

 

Um dos aspectos que João Costa quer realçar, além do “objectivo formativo”, é a “flexibilidade curricular”, que já está formalmente prevista e pode ser praticada assim: “Um aluno de Ciências e Tecnologia ter uma disciplina de Latim e um aluno de Línguas e Humanidades frequentar Biologia em vez de uma disciplina do seu curso.”

 

Fala ainda em como a iniciativa Clássicos em Rede ajuda a promover e revitalizar a cultura clássica, “uma área que tem estado a mirrar” e que, nas suas palavras, é “fundamental para o entendimento da organização social da Antiguidade, do conhecimento dos nossos referentes e de como vai ajudando a inverter o decréscimo dos alunos de Latim”.

 

Desta iniciativa também fazem parte as autoras de Olimpvs.net (site complementar a uma colecção de livros sobre a Antiguidade Clássica): Ana Soares, professora, e Bárbara Wong, jornalista e editora do PÚBLICO.

 

Mais de 4 mil alunos

Manuela Pargana Silva, coordenadora da Rede de Bibliotecas Escolares, dá-nos conta de que neste segundo ano do programa Clássicos em Rede (2018-2019) foram abrangidos 4250 alunos (do 4.º ao 12.º ano e de 92 escolas,), tendo participado em sessões nas escolas um total de 22 investigadores universitários.

 

Para esta responsável, também ligada ao Ministério da Educação, “tem sido uma excelente oportunidade para as bibliotecas escolares proporcionarem, aos alunos, o alargamento dos seus conhecimentos numa área crucial para os seus referentes culturais e humanísticos do mundo ocidental, ao mesmo tempo que estimulam a sua curiosidade e criatividade através da investigação e produção de múltiplos recursos digitais e artísticos”, diz-nos em mensagem enviada por correio electrónico.

 

Na tarde desta quarta-feira, a partir das 13h30, a festa faz-se na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde se mostrarão os trabalhos dos alunos que participaram nas Olimpíadas da Cultura Clássica e se entregarão prémios aos melhores.

 

Os temas propostos foram: Dido e Eneias, Perseu e Andrómeda e, por último, As sete maravilhas do mundo antigo. As áreas de participação dividiam-se em desafios escritos e desafios de arte/multimédia. Nesta última, os contributos podiam surgir sob diversas formas: aplicações informáticas ou recursos digitais; vídeos ou filmes; desenho ou ilustração; escultura ou instalação.

 

Armas que sangram por amor

A pedido do PÚBLICO e através de Teresa Santa-Clara, do gabinete coordenador da Rede Bibliotecas Escolares, foi possível depoimentos de alguns dos jovens premiados.

 

Marta Carrilho, que será distinguida com o primeiro prémio com o seu vídeo Perseu e Andrómeda — A Magia das Armas Que Sangram por Amor, frequenta o 11.º ano, na Escola Secundária José Gomes Ferreira (Lisboa), concorreu com “um vídeo que alia o trabalho de filmagem com um texto poético, que fala das palavras enquanto armas para transmitir uma mensagem de esperança”.

 

Eis o que tem para nos dizer: “A Magia das Armas Que Sangram por Amor reflecte mais do que a minha participação neste concurso. É uma mensagem para todos os que a queiram ouvir, uma voz que viu num mito do passado uma esperança para o futuro. Eu agarrei com vontade as armas que mais me protegem, as palavras. Numa aliança entre o texto poético e o filme, travei a minha batalha e procurei que o meu caminho se cruzasse com todos aqueles a que me dirigia. Encontro nas palavras o meu melhor escudo e na sua subjectividade os movimentos que lhe dão sentido. Com este projecto, encontrei o jeito mais certo de agarrar estas armas, de as erguer por todos e não por mim. Assim, nasceu a magia deste concurso, a felicidade de ver a minha batalha resultar numa vitória comum: a de ver as minhas palavras tornarem-se em todos nós uma marca permanente que chama por amor.”

 

Dar vida a uma lenda desconhecida

Noutro tema e merecedor de Menção Honrosa está o trabalho Dido e Eneias – O Musical, dos alunos Beatriz Entrezede, Guilherme Sereno, Mafalda Felício e Natacha Silva, do 11.º ano e também da Escola Secundária José Gomes Ferreira. O grupo musicou e cantou os vários episódios da história de Dido e Eneias.

 

Depoimento colectivo: “Este trabalho foi-nos proposto como um desafio, que aceitámos, pondo à prova a nossa criatividade. Queríamos um tema que não conhecêssemos e que se relacionasse connosco. Então, Dido e Eneias – O Musical pareceu-nos o mais indicado. Juntámos o nosso gosto pela música, cantar e representar com a vontade de dar vida a uma lenda desconhecida pela nossa geração.”

 

Aprender e rir

Outra Menção Honrosa vai para o vídeo humorístico Os Deuses É Que Escolhem as Maravilhas dos Homens, dos alunos Eduardo Guarita, João Ferreira, Júlia Lemos Marcelo e Margarida Matos (11.º ano, Escola Secundária José Gomes Ferreira), “um vídeo elaborado com sentido de humor, que simula um concílio dos deuses em que estes iriam escolher quais as sete maravilhas criadas pelos homens”.

 

Júlia Marcelo escreve-nos assim: “Acredito que o nosso trabalho foi importante para reforçar a importância do trabalho em equipa, proporcionando-nos não só a aprendizagem do tema geral trabalhado no vídeo, mas também o espírito de trabalho colectivo. Mais que isso, o objectivo de escolha de humor para retratar o assunto abordado deve-se pela maior facilidade de atenção, seja por nossa parte — quem realizou o trabalho — seja por parte dos que assistem.”

 

A importância do trabalho em equipa

João Rodrigo Ferreira conta como foi para ele: “Participei neste concurso porque achei o tema interessante e, por isso, cativante. O facto de ter sido realizado em grupo tornou-o mais divertido e dinâmico. Aprendi mais sobre História da Antiguidade e gostei muito da realização do vídeo e sua gravação. No geral, gostei muito de ter participado neste projecto.”

 

Por último, Eduardo Garita diz-nos: “Neste pequeníssimo trabalho aprendemos a importância do trabalho em equipa e da cooperação que isso envolve. Nós escolhemos este tema e este tipo de comunicação porque queríamos falar sobre mitologia, mas queríamos fazer algo mais interessante com isso. Por isso decidimos fazer o vídeo com humor.”

 

Outras alunas premiadas noutras categorias foram Lia Gualdino Alves e Ana Catarina Tiago, ambas da Escola Secundária Sebastião e Silva, em Oeiras (escalão 10.º, 11.º e 12.º anos).

 

Música, teatro e lanche

Depois da inauguração da exposição, haverá um momento musical no Anfiteatro 1, com a participação da Academia de Amadores de Música. O director da Faculdade de Letras de Lisboa, Pedro Tamen, dará início à sessão, às 14h30, com a participação na mesa de Rodrigo Furtado (director do Centro de Estudos Clássicos), Manuela Pargana (coordenadora da Rede de Bibliotecas Escolares), Maria Cristina Pimentel (representante do júri), Arnaldo do Espírito-Santo (director da ADFLUL), António Feijó (pró-reitor da Universidade de Lisboa) e João Costa (secretário de Estado da Educação).

 

Depois da entrega de prémios, o Curso Profissional de Artes do Espectáculo da Escola Secundária de D. Pedro V proporcionará um momento de teatro (15h50).

 

Após o encerramento das Olimpíadas da Cultura Clássica, será apresentado o programa Cientificamente Provável pelos secretários de Estado João Costa e João Sobrinho Teixeira. Um lanche no jardim D. Pedro V encerra a festa da Antiguidade Clássica. Do básico ao superior.

 

Referência: Pimenta, R. (2019). Clássicos inspiram protocolo entre ministérios da Educação e da CiênciaPÚBLICO. Retrieved 6 June 2019, from https://www.publico.pt/2019/06/04/culto/noticia/classicos-inspiram-protocolo-ministerios-educacao-ciencia-1875381

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O dia foi em cheio na Fundação Calouste Gulbenkian. Centenas de crianças de escolas de todo o país vieram à capital para participar na festa dos «Miúdos a Votos: quais os livros mais fixes?»

 
As imagens de um dia em cheio: perto de 700 alunos de 26 escolas estiveram na Fundação Calouste Gulbenkian, esta sexta-feira, 31, para a festa final de «Miúdos a Votos: quais os livros mais fixes?», em que foram apresentados os resultados nacionais desta iniciativa em que participaram mais de 78 mil alunos.

 

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Rede de Bibliotecas Escolares (@rbe_pt) a

Fotos: Visão Júnior

Referência: Fotogaleria: A festa final dos «Miúdos a Votos» foi uma animação. (2019). Jornal visao. Retrieved 2 June 2019, from http://visao.sapo.pt/visaojunior/miudos-a-votos/2019-05-31-Fotogaleria-A-festa-final-dos-Miudos-a-Votos-foi-uma-animacao

Autoria e outros dados (tags, etc)

A FLUL recebe no próximo dia 5 de Junho, a partir das 14 horas, a cerimónia solene de entrega dos prémios da segunda edição das Olimpíadas da Cultura Clássica, uma iniciativa desenvolvida em parceria pela FLUL (Centro de Estudos Clássicos) e a Rede de Bibliotecas Escolares.

flul olimpiadascclassica18

Lançado em 2017 e destinado aos alunos do ensino básico e secundário, o projeto tem como objetivo aumentar os conhecimentos destes alunos sobre a Cultura Clássica e, sobretudo, levá-los a descobrir a sua presença na atualidade.

 

Na edição deste ano vão ser premiados 42 participantes nas diferentes categorias a concurso - desafio de escrita, desafio de artes plásticas e multimédia - de três escalões etários: escalão A do 4.º ao 6.º ano, escalão B do 7.º ao 9.º ano e o escalão C composto pelas participações dos alunos do ensino secundário.

 

"Perseu e Andrómeda", "Dido e Eneias" e "As Sete Maravilhas do Mundo Antigo” são os temas escolhidos para esta segunda edição, que contará com uma exposição dos trabalhos recebidos no átrio da Faculdade. Na edição do ano passado participaram 1.800 alunos.

 

Durante a sessão de entrega dos prémios das Olimpíadas será, também, apresentado o programa "Cientificamente Provável", com a presença do Secretário de Estado da Educação, João Costa, e do Secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Sobrinho Teixeira.

 

O programa "Cientificamente Provável" visa intensificar a promoção do conhecimento e contribuir para o enriquecimento do percurso formativo dos jovens, através do estabelecimento de uma ligação mais estreita entre as instituições de ensino superior e as escolas básicas e secundárias.

 

A parceria entre as diversas instituições que participem no programa passará pela realização de sessões sobre temas da especialidade da unidade de investigação, pela promoção de contactos informais entre investigadores e alunos, pela realização de visitas de estudo, entre outras actividades.

 

Texto: Tiago Artilheiro (FLUL-DRE, Núcleo de Imagem, Comunicação e Relações Externas)

Fotografia: FLUL-DRE, Núcleo de Imagem, Comunicação e Relações Externas

 

Referência: Alumni, E., Estudantes, A., Estudantes, A., Alumni, G., UL, P., & Alumni et al. (2019). Olimpíadas da Cultura Clássica regressam à FLUL - Faculdade de Letras da Universidade de LisboaLetras.ulisboa.pt. Retrieved 28 May 2019, from https://www.letras.ulisboa.pt/pt/noticias/1273-olimpiadas-da-cultura-classica-regressam-a-flul

Autoria e outros dados (tags, etc)

mov_gentil.PNG

Ver o vídeo na fonte.

 

O que é a Gentileza? O que é ser solidário?

A ação da... e na biblioteca escolar: A importância da partilha. Ler , partilhar leituras, para quê?

 

Veja o vídeo. A Gentileza, a solidariedade e a leitura, na prática destes alunos!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

mild.png

 

MILD (https://mild.rbe.mec.pt) - Manual de Instruções para a Literacia Digital - é uma plataforma digital da Rede de Bibliotecas Escolares que ajuda os jovens a usar a Internet e as redes digitais de uma forma mais informada, consciente, crítica e segura. 

 

Apresenta um conjunto de recursos e atividades nos domínios da leitura, dos media e da cidadania digitais, organizados em oito áreas de literacia, que podem ser usados em contexto formal ou informal de aprendizagem, na sala de aula, na biblioteca escolar ou de forma autónoma pelos jovens.

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entrevista sobre o MILD com Carlos Pinheiro, na Antena 1 (Ouvido Crítico).

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

As Bibliotecas Escolares dos três agrupamentos de escolas do concelho de Cantanhede têm vindo a desenvolver um trabalho sistemático na promoção das literacias da informação e digital, para o que muito tem contribuído a implementação do Projeto Literacias na escola: formar os parceiros da biblioteca (Ideias com Mérito RBE), nos últimos cinco anos. Tendo em conta o conhecimento da realidade concelhia, a experiência acumulada e os resultados obtidos, os professores bibliotecários dos Agrupamentos de Escolas Lima-de-Faria, Marquês de Marialva, Cantanhede e Gândara Mar (Tocha) foram agora chamados a integrar a equipa responsável pela concepção e acompanhamento do Projeto Ambientes Inovadores de Educação, proposto pela Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (financiado pelo POCH 2020), sob a coordenação da diretora dos Serviços Educativos da Câmara Municipal de Cantanhede.

 

 

 

Os professores bibliotecários do

Concelho de Cantanhede

Logos.jpg

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

mild.png

 

O projeto MILD - Manual de instruções para a literacia digital está em curso e com ele a ação de formação certificada, de curta duração "Literacia Digital em Contexto Escolar". 

 

Esta ação de formação destina-se a professores bibliotecários e outros docentes do ensino básico e secundário, bibliotecários de bibliotecas públicas, municipais e universitárias. 

 

MILD visa desenvolver as competências dos jovens dos 14 aos 18 anos nos domínios da leitura, dos media e da cidadania digitais.

 

Para se inscrever e saber mais consulte este sítio web.

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

ajudaris.png

Regulamento e Inscrição |

Projeto “Histórias da Ajudaris” - Anualmente, sob a forma de um desafio criativo, a Ajudaris, convida as escolas de todo o país a participarem neste projeto, com a escrita de uma, ou mais histórias. (ver mais em: http://www.ajudaris.org/site/historias-da-ajudaris/).

 

Todo este processo culmina, com a edição anual de um livro, que por um lado, promove a inclusão social através da leitura, escrita e arte e por outro, através da venda solidária dos exemplares, conseguimos ajudar famílias e crianças carenciadas.

 

O projeto já conta com mais de 700 estabelecimentos de ensino solidários em todo o país.

                Tema: 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável;

Público-alvo: Pré, 1º e 2º ciclo

Autoria e outros dados (tags, etc)

ami.png

Fonte | Regulamento | Ficha de candidatura | Cartaz |

Com o intuito de alterar realidades sociais e, simultaneamente, formar os jovens, no sentido de os alertar para a possibilidade que cada um tem de melhorar a comunidade que os rodeia, o prémio “Linka-te aos Outros” tem como grupo-alvo todos os jovens a frequentar a escola entre o 7º e o 12º ano e consiste na apresentação de propostas para resolução, através de atividades de voluntariado, de problemas locais que os próprios detetem.

 

O “Linka-te aos Outros” assenta toda a sua essência nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Acabar com a pobreza, promover a prosperidade e o bem-estar de todos, proteger o ambiente e combater as alterações climáticas, são objetivos que, embora pareçam vagos e difíceis de alcançar, dependem do envolvimento de todos os governos e cidadãos.

 

Com pequenos gestos, na escola, na rua, em casa, junto da família, colegas ou amigos, é fácil cada um de nós à sua medida fazer parte da construção de um mundo mais humano.

 

O “Linka-te aos Outros” é um projeto que vem ajudar os jovens a concretizar estes objetivos.

A AMI selecionará os projetos mais consistentes (no máximo 5) e financiará 90% dos mesmos, até um total de €2000.

 

O Linka-te aos Outros vai mais além:

  • É um estímulo ao rigor, uma vez que a ficha de candidatura constitui uma proposta de projeto rigorosa, com definição de objetivos gerais e específicos, resultados, atividades, orçamento, calendário de execução, critérios de viabilidade e sustentabilidade e impacto;
  • É um estímulo ao envolvimento dos jovens na comunidade, uma vez que 10% do orçamento apresentado terá de ser conseguido pelos próprios jovens, junto de empresas, instituições e/ou comércio local.

 

De 15 de outubro de 2018 a 4 de janeiro de 2019 poderão ser enviados para a Fundação AMI os formulários de candidatura preenchidos e com os devidos anexos, para apreciação do Júri.

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor