Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



blog_relay_mapv2.jpg

Fonte: http://listiac.org

O projeto LISTiac (Erasmus+) visa garantir a todos os alunos na Europa condições iguais para alcançar o sucesso educativo e bem-estar, através da integração de pedagogias multilingues. Este projeto, que começou em fevereiro de 2020 e terminará em fevereiro de 2022, tem como foco a formação e a educação continuada. Apoia os professores a serem mais linguisticamente sensíveis em contextos educativos com diversidade linguística variável e tem como fito o desenvolvimento de políticas baseadas em evidências empíricas.

O projeto conta com a participação de 7 países e 10 universidades, entre elas a Universidade do Algarve, cujos contributos passam por recolher, tratar e analisar dados sobre diversidade linguística em contextos educativos, através da realização de trabalhos de campo, de reflexão sistemática e de partilha de práticas.

Sob a orientação científica do Professor Doutor Manuel Célio Conceição (UALG) o Agrupamento de Escolas de Vila do Bispo foi convidado a participar nesta viagem que começou em Vaasa, Finlândia, seguiu para o sul até ao Algarve, Portugal, antes de terminar em Jyväskylä, na Finlândia.

Como esta temática transnacional implica necessariamente o contacto com a produção cultural/intelectual local, realizou-se o Webinar Listiac, que teve lugar nos dias 11 e 12 de novembro de 2020, destinado à partilha de práticas de referência das escolas/parceiros envolvidos neste projeto.

Nesse contexto a professora bibliotecária, em representação do Agrupamento de Escolas de Vila de Bispo, apresentou práticas desenvolvidas no âmbito do multilinguismo e respeito pela diversidade, particularmente no trabalho com as famílias e alunos do pré-escolar e 1.º ciclo do agrupamento.

O objetivo da apresentação centrou-se na forma como o processo multilíngue (e multicultural) tem permeado o ambiente de aprendizagem nas escolas do agrupamento e no papel e contributo da biblioteca escolar para a criação de um ambiente inclusivo e de integração dos 144 alunos, de 16 nacionalidades, que frequentam as escolas do agrupamento, desde o pré-escolar ao 3º ciclo.

A apresentação dá visibilidade à pluralidade de contactos (envolvimento das famílias) e convivência entre línguas (integração do multilinguismo na dinamização de atividades de leitura/literacias e na promoção de eventos culturais diversos). Dando nota, ainda, de como tais atividades têm vindo a contrariar práticas educativas exclusivamente monolingues e têm contribuído para a criação de um ambiente inclusivo e de cidadania, garantindo, também, o ensino efetivo da língua portuguesa.

Os alunos deste agrupamento que têm uma língua materna diferente do Português representam um grande desafio para os professores, na medida em que a língua de instrução constitui uma segunda língua. Contudo, atendendo aos resultados obtidos no âmbito das práticas realizadas, constatamos a mais valia que representa a diversidade cultural e linguística que existe neste agrupamento, já que os alunos estrangeiros acabam por incentivar os seus colegas a aprenderem línguas diferentes e a aprofundarem os seus conhecimentos sobre diferentes culturas.

Regista-se, com agrado, que a partilha destas práticas causou um impacto bastante positivo em todos os participantes no evento.

Os parceiros, em particular a Direção Geral de Educação, na pessoa da Dr.ª Eulália Alexandre e a Universidade do Algarve, na pessoa do Dr.º Manuel Célio Conceição, agradeceram a participação da equipa de Vila do Bispo no grupo de discussão e na partilha de ideias.

De acordo com os testemunhos, foi reconhecido o papel-chave dos professores e da biblioteca escolar no desenho de estratégias promotoras do multilinguismo e do diálogo intercultural, bem como o potencial das práticas apresentadas que se mostraram relevantes para o desenvolvimento do projeto LISTiac.

 

Dest_acbe.jpg

A Rede de Bibliotecas escolares disponibiliza o sítio Aprender com a biblioteca escolar: atividades e recursos como um auxiliar de trabalho para as bibliotecas escolares implementarem o referencial Aprender com a biblioteca escolar.
 
Lançado pela RBE em 2012 e revisto em 2017, este referencial é um instrumento determinante para a ação das bibliotecas escolares enquanto espaços educativos integradores de múltiplas literacias que desempenham um papel cada vez mais decisivo de capacitação das crianças e dos jovens que as utilizam, formal ou informalmente.
 
A integração explícita e intencional em projetos e atividades realizadas com e pelas bibliotecas escolares, de competências nas áreas da leitura, dos media e da informação, em ambientes físicos ou digitais, constitui uma das mais importantes estratégias para o sucesso escolar e o desenvolvimento pessoal e cultural dos jovens, tendo vindo a ser demonstrada pelas escolas envolvidas na aplicação do referencial Aprender com a biblioteca escolar, a clara vantagem deste tipo de intervenção, quer na motivação dos alunos, quer no enriquecimento das práticas de ensino, nos resultados obtidos e nos produtos gerados.
 
Entre 2012 e 2017 foram sendo disponibilizados propostas de atividades e instrumentos de apoio à implementação deste referencial.
 
Este novo sítio surge como um espaço agregador de sugestões de atividades no âmbito do referencial, quer as já publicadas e que se encontravam dispersas por diferentes publicações, quer novas propostas, quer ainda incluindo partilhas apresentadas pelas escolas. Reúne igualmente um conjunto de instrumentos de apoio a este trabalho que se encontravam disponíveis noutros sítios.
 
É possível pesquisar em todo o sítio, divulgando-se em cada domínio os termos de pesquisa utilizados para indexar as atividades; as mesmas são igualmente recuperáveis através da linguagem natural.

 

colecao.jpeg

Neste momento habitual de preparação do plano anual de atividades nas escolas, alguns dos projetos da RBE merecem um olhar mais atento. Qualquer uma destas propostas já provou, no ano atípico de 2019/ 20 que, com maiores ou menores ajustes, era suficientemente versátil para se adaptar aos vários regimes - presencial, misto ou não presencial – que poderão vir a ser adotados em função da evolução da pandemia. Afinal, não esqueçamos, as bibliotecas estão sempre ON.
 
Das várias propostas em destaque, quer os Miúdos a votos, quer o SOBE - Saúde Oral, Biblioteca Escolar têm bem presente que, “de pequenino, se torce o pepino”:
 
- Respeitando todos os procedimentos e normas de uma eleição real, o projeto Miúdos a votos junta a leitura e a cidadania ativa. Permitindo que crianças e jovens façam campanha e elejam o seu livro favorito, cria-se a oportunidade para que compreendam e valorizem a responsabilidade do ato de votar.

- Dirigido a crianças da Educação Pré-Escolar e a alunos do 1.º CEB, o projeto SOBE promove a saúde oral através da leitura, da escrita, das artes e, claro, da escovagem dos dentes.

Já a Pordata, a iniciativa 7 dias com os media ou o concurso Media@ção abraçam o provérbio chinês, “antes de dar comida a um mendigo, dá-lhe uma vara e ensina-o a pescar”:

- Realizadas a partir do sítio Pordata - base de dados de Portugal contemporâneo, as formações Pordata e Pordata Kids pretendem desenvolver competências de literacia estatística e dar a conhecer informação rigorosa e credível sobre Portugal, os municípios e a Europa.

- A iniciativa 7 dias com os media , que decorre anualmente em maio, na semana do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, convida as bibliotecas escolares a promover e divulgar atividades que suscitem a atenção e discussão em torno dos media e das redes sociais.

- O concurso de trabalhos vídeo e podcast Media@ção tem como objetivo incentivar o uso crítico, responsável e criativo dos media, como instrumentos de cidadania e de liberdade de expressão. Através do canal youtube do concurso, são disponibilizados tutoriais de apoio na área da criação e produção de vídeo.

Tendo em mente que “a curiosidade aguça o apetite”, o projeto Cientificamente Provável procura estabelecer uma ligação mais estreita entre as instituições de ensino superior e as escolas básicas e secundárias para motivar os jovens a aprofundarem conhecimentos e prosseguirem estudos superiores nas áreas dos seus interesses. 

Quem pensa que “águas passadas não movem moinhos", não conhece Clássicos em rede - Olimpíadas da Cultura Clássica. Apresentando duas modalidades, desafios escritos e desafios de artes/ multimédia, permite que as crianças e jovens percebam como o legado da Cultura Clássica está presente no nosso quotidiano.

Tal como se recorda no documento Orientações para a recuperação e consolidação das aprendizagens: “No ano transato, face à conjuntura, revelou-se necessário que as bibliotecas redefinissem linhas de atuação, de modo a integrarem o plano de ensino a distância das suas escolas, ajustando a sua ação e o apoio prestado às necessidades. Urge agora dar continuidade ao trabalho que foi iniciado sem programação e com muito voluntarismo, consolidando-o e aperfeiçoando-o, de forma mais planificada e estruturada.” 

dest_fazer_em_rede.jpg

Retoma-se a distinção Fazer em Rede, que pretende reconhecer o trabalho que os professores bibliotecários realizam no quotidiano no sentido de fazerem das bibliotecas locais físicos e virtuais de referência nas suas escolas. Esta iniciativa subdivide-se em dois prémios: Prémio Boas Práticas e Prémio Atividades Top.
O regulamento da segunda edição pode ser consultado no Portal RBE.

Conclui-se também a primeira edição da iniciativa Fazer em Rede com a divulgação da Atividade TOP do mês do junho do ano letivo 2019/20.

A partir do mote, ANTES, DURANTE E DEPOIS DO COVID-19 Reflexões em tempo de confinamento, Paula Ribeiro, professora bibliotecária da Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, em Rio Maior, lançou um desafio aos alunos: escrever sobre o momento que estavam a viver. O vídeo agora divulgado vem mostrar que os professores bibliotecários têm a capacidade para se adaptarem a cenários de mudança e imprevisibilidade e chamam a si a missão de cuidar da comunidade escolar.

top_sobe2020.png

Foi disponibilizado ontem, o renovado sítio Web do Projeto SOBE+ (Saúde Oral Bibliotecas Escolares), uma parceria da Rede de Bibliotecas Escolares com a Direção-Geral da Saúde e o Plano Nacional de Leitura 2027, que tem como objetivo principal contribuir para a melhoria da literacia, para a promoção da saúde em geral e prevenção da doença.

Para além de uma imagem renovada, neste espaço digital encontrará orientações, materiais e outros recursos para apoiar profissionais de educação e de saúde para, de forma colaborativa, desenvolverem este projeto nas escolas e jardins de infância.

Visite e explore em www.sobe.pt.


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogue RBE em revista

Clique aqui para subscrever


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor