Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



poesia.jpg

 

Hoje, dia 21 de março, celebra-se o Dia Mundial da Poesia. Este dia foi criado, em 1999, na 30.ª Conferência Geral da UNESCO.

Aqui pode ler a Mensagem da Diretora-Geral da UNESCO para este dia, este ano.

 

Para assinalar o Dia Mundial da Poesia a Rede de Bibliotecas Escolares partilha um conjunto de poema de diversos autores da poesia portuguesa, um artigo e alguns e-books. 

 

 

E-books:

Autoria e outros dados (tags, etc)

poesia.png

 Autores: Azevedo, Fernando José Fraga de
Melo, Isabel Maria Pinto do Souto e | Download

 


Resumo

Este artigo apresenta um conjunto de estratégias para ler e apreciar a poesia em contexto escolar, particularmente nos primeiros anos da escolaridade.

 

A poesia é concebida como um tipo de texto onde a elevada concentração sígnica e a multivalência semântica, expandidas pela plurissignificação da conjugação dos elementos do conteúdo com os da expressão, possibilita, ao leitor, o contato emocional e afetivo com o estado de coisas do mundo empírico e histórico-factual, sugerindo percursos hermenêuticos plurais para o seu acesso, conhecimento e reflexão.

 

Assume-se, ao longo do texto, que a fruição do texto poético é relevante na criação de hábitos leitores, aspeto crucial para a formação de leitores capazes de ler voluntariamente em quantidade e em qualidade.

 

Referência: Poesia na infância e formação de leitores. (2012). Perspectiva, 30(3), 925-946. Retrieved from http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/23761?mode=full

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Oiça aqui alguns dos poemas lidos na noite do dia 20 de setembro nas Portas do Ródão (Vila Velha de Ródão), no Rio Tejo, no âmbito da iniciativa Sentir o rio e viver a terra.

 

Agradecemos a Pedro Gomes (coordenador interconcelhio) e à Câmara Municipal de Vila Velha de Ródão o convite que nos permitiu marcar presença nesta magnifica iniciativa.  

 

Ler mais >>

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

por Margarida Carvalho.

 

As Palavras Interditas

 

Os navios existem, e existe o teu rosto
encostado ao rosto dos navios.
Sem nenhum destino flutuam nas cidades,
partem no vento, regressam nos rios.

 

Na areia branca, onde o tempo começa,
uma criança passa de costas para o mar.
Anoitece. Não há dúvida, anoitece.
É preciso partir, é preciso ficar.

 

Os hospitais cobrem-se de cinza.
Ondas de sombra quebram nas esquinas.
Amo-te... E entram pela janela
as primeiras luzes das colinas.

 

As palavras que te envio são interditas
até, meu amor, pelo halo das searas;
se alguma regressasse, nem já reconhecia
o teu nome nas suas curvas claras.

 

Dói-me esta água, este ar que se respira,
dói-me esta solidão de pedra escura,
estas mãos nocturnas onde aperto
os meus dias quebrados na cintura.

 

E a noite cresce apaixonadamente.
Nas suas margens nuas, desoladas,
cada homem tem apenas para dar
um horizonte de cidades bombardeadas.

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

por vezes.png

Ensina RTP |

 

O poema de David Mourão-Ferreira dito pela atriz Beatriz Batarda. Um encontro com a poesia para ver, ouvir e ler aqui.

 

“E por vezes”

 

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos  E por vezes

 

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

 

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites   não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

 

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos

 

***

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Quando as palavras tocam e podem fazer a diferença. O projecto A Poesia não tem grades está disponível para se deslocar às escolas e partilhar a experiência de 14 anos de inclusão pela arte nos estabelecimentos prisionais portugueses.

 

"A Poesia não tem grades é um modelo de inclusão social que utiliza a leitura, a escrita e a experimentação artística como instrumentos de trabalho privilegiados.

Iniciada em 2003, realiza-se em parceria com a Direcção-Geral da Reinserção e dos Serviços Prisionais, sendo o seu desenvolvimento e implementação da responsabilidade da Associação de Ideias, uma organização sem fins lucrativos direccionada para a promoção dos valores da cidadania." (...)

 

Ler mais >>

 

Sítio Web: http://apoesianaotemgrades.pt/

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

pc.jpg

 Câmara Municipal de Braga | Poesia ao centro, folheto |

No âmbito das comemorações do Dia Mundial da Poesia, a Câmara Municipal de Braga e a Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva (BLCS) promoveram um vasto programa com recitais, documentários, apresentações de livro, tertúlias, entre muitas outras atividades.

No dia 21 de março, destaque para o recital “Quando Vier a Primavera”, tributo a Fernando Pessoa, no Museu Nogueira da Silva. Às 18h30, na BLCS, decorreu a Conversa sob o mote “Confluências Poéticas: a poesia e o teatro” com José Miguel Braga e Fernando Pinheiro e moderação de Virgínia do Carmo. Nota ainda para a Oficina de Poesia “Sementes de Poesia, na Primavera com Alegria” dinamizada por Ermelinda Jesus, na BLCS.

No dia 22 de março, também na Biblioteca, aconteceu a conferência “António Ramos Rosa: Rostos da Escrita”, por Gisela Gracias Ramos Rosa e a apresentação do livro “Vasos Comunicantes”, de António Ramos Rosa e Gisela Gracias Ramos Rosa.

No dia seguinte, no mesmo local, realizou-se o recital “Entre Nós e as Palavras” com Pedro Lamares.

A 24 de março, a BLCS acolheu o Recital “Bob Dylan”, com leitura de poemas do cantautor por alunos das Escolas Alberto Sampaio e D. Maria II.

No dia 25 de março, destaque para o recital “Poesia em dia”, pelo Grupo de Poesia da Universidade do Minho, na Rua de S. Marcos.

A terminar, lugar para os Recitais de Poesia “Ondinhas de Poesia”, pelos alunos da educação Pré-Escolar e “Ondas de Poesia”, pelos alunos do 1º ciclo, a acontecer no dia 1 de abril, na BLCS.

 

Texto retirado do sítio escritores.online (com adaptações).

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Pedro Lamares recita "Poema aos homens constipados", de António Lobo Antunes e "Uma pequenina luz bruxuleante" de Jorge de Sena.

Visto na página do Facebook de "Letras in.verso e re.verso".

Autoria e outros dados (tags, etc)

sic.png

 SIC Notícias | Clique na imagem para aceder ao conteúdo 

 

Rubrica de poesia, às quartas-feiras, no site da SIC Notícias.

Esta semana a jornalista Raquel Marinho lê Alberto Caeiro, o heterónimo de Fernando Pessoa que nasceu em Lisboa mas viveu quase toda a sua vida no campo.

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Documentário “Sophia de Mello Breyner Andresen – O Nome das Coisas” from Panavideo on Vimeo.

 

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor