Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



news_151119_violence_against_women.jpg

Por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra a Mulher, com o apoio da Delegação Permanente do Canadá na UNESCO e em colaboração com a França Médias Monde, a UNESCO apresenta em 22 de novembro de 2019 na sua sede, em Paris, a publicação "Relatório sobre a violência contra meninas e mulheres: um manual para jornalistas".

Concebido no âmbito do mandato da UNESCO de promover o desenvolvimento nos media, da educação jornalística e da igualdade entre homens e mulheres, este manual é um recurso para profissionais dos media em todo o mundo, com a intenção de estimular a reflexão sobre as práticas atuais de informação, promovendo e melhorando a cobertura ética da violência de genero.

"Abordar a violência de género significa abordar uma questão que preocupa a humanidade. Refletir sobre representações tendenciosas, estereótipos, preconceitos e violência contra meninas e mulheres significa introduzir mudanças para que, finalmente, essa violência seja coberta pelos media de uma maneira que reflita plenamente as preocupações das nossas sociedades ...] Os jornalistas podem ajudar a quebrar o silêncio e a tirar esse assunto da esfera privada, onde muitas vezes permanece relegado ".

Trecho de "Reportagem sobre violência contra meninas e mulheres: manual para jornalistas", UNESCO, Paris, 2019

 

A publicação

O jornalismo ao serviço do interesse público é uma alavanca essencial na luta contra a violência contra mulheres e meninas. Embora a cobertura tenha melhorado nos últimos anos em muitas partes do mundo, os relatórios atuais sobre violência de género ainda estão longe de descrever com precisão o escopo e a profundidade do que poderia ser descrito como uma epidemia global, mas silenciosa.

(...)

primeiro capítulo fornece conhecimentos básicos e referências em 10 áreas temáticas:

  • Cyberbullying e assédio online de mulheres jornalistas
  • Assédio sexual, agressão sexual e estupro
  • Feticidio e infanticidio específicos de género
  • Tráfico de seres humanos e contrabando de migrantes
  • Os chamados crimes de "honra"
  • Casamentos forçados
  • Casamentos precoces ou casamentos de crianças
  • Mutilação / Ablação Genital Feminina
  • Violência contra as mulheres em conflito          
  • Violência de um parceiro íntimo ou antigo e assassinatos domésticos

Fornece aos profissionais dos media algumas recomendações e exemplos de boas práticas. O manual também visa ajudar os jornalistas a lidar melhor com os dilemas que enfrentam ao reportar essas questões específicas de género.

Cada subcapítulo temático inclui as seções Definição, Figuras, Explicações e Contexto, bem como dicas e boas práticas sobre como abordar o tópico. Também contém um glossário com as principais noções e uma lista de recursos úteis em relação ao tópico. O manual mostra como cada tipo de violência ocorre nos países em desenvolvimento e nos países desenvolvidos e, portanto, diz respeito a todos nós.

segundo capítulo oferece recomendações gerais sobre como abordar e enquadrar histórias sobre a violência contra mulheres e meninas. Fornece conselhos práticos sobre as principais etapas do processo de criação de relatórios e edição, como garantir o senso de dignidade, a segurança e confiança dos entrevistados, o consentimento informado, a audição receptiva, a escolha do local, a sensibilidade cultural, a escolha do intérprete, a entrevista das crianças, a escolha das imagens, etc.

Uma seção final contém uma lista de declarações, resoluções e convenções internacionais.

O manual “Denunciar violência contra meninas e mulheres: um manual para jornalistas” está disponível em francês e inglês aqui.

 

Referência: Informar sobre las violencias contra las niñas y las mujeres: La UNESCO lanza una nueva publicación. (2019). UNESCO. Retrieved 26 November 2019, from https://es.unesco.org/news/informar-violencias-ninas-y-mujeres-unesco-lanza-nueva-publicacion

 

media_lab.jpg

O “Falando da Europa” vai continuar em 2019 com o objetivo de comunicar a União Europeia e estimular o interesse dos jovens para esta temática, fomentar a inclusão e a cidadania Europeia, o espírito crítico, bem como contribuir para a tomada de decisões informadas. 

 
Os Media Lab Diário de Notícias e Jornal de Notícias e o Espaço Público Europeu - Espaço Europa, o serviço de informação da Representação da Comissão Europeia e do Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal,  têm o prazer de, pelo 8º ano consecutivo, desafiar os seus alunos a serem "jornalistas da Europa", no âmbito do Workshop “Falando da Europa” dedicado, como habitualmente, a um leque de temas sempre atuais e de grande interesse para os jovens. A sessão, a realizar-se numa das datas abaixo, será GRATUITA.
 

falandodaeuropa.jpg

Os temas a abordar são de grande interesse para o currículo escolar. Assim, do Empreendedorismo à Participação Cívica, passando pelo Voluntariado e o Ambiente, não esquecendo a Desinformação (Fake News) e a Importância da EU na vida de cada um, serão debatidos com os alunos, mostrando as diferentes oportunidades que a União Europeia lhes proporciona.

COMO? 

Sensibilizam-se os mais jovens para a cidadania europeia através da participação numa simulação de trabalho jornalístico em que realizam pesquisa e criação de notícias relacionadas com temas europeus, os quais são transversais ao trabalho desenvolvido pelas editorias do DN e do JN como Desporto, Sociedade, Cultura, Economia, Política e Internacional. 

Este workshop é, ainda, enriquecido pelas apresentações de especialistas/oradores convidados. Os alunos serão os jornalistas da sessão que, divididos em grupos, com o seu espírito crítico, serão desafiados a agir e a elaborar o seu Jornal em suporte impresso, vídeo ou rádio sobre o que ouviram na sessão com o orador. Todos os seus trabalhos serão depois inseridos nas redes sociais do projeto e partilhados com a comunidade.

 

 

 

Notícias falsas ou propaganda?: Uma análise do estado da arte do conceito fake news

Artigo de Rafiza Luziani Varão Ribeiro Carvalho

07.11.19

artigo_last.png

Download |

 

Resumo
A popularidade do termo fake news e a sua crescente utilização, inclusive em pesquisas académicas, está longe de gerar um consenso sobre a sua conceptualização. Este artigo apresenta e analisa os resultados do primeiro grande levantamento do estado da arte sobre o conceito fake news em língua inglesa, realizado por Edson C. Tandoc Jr., Zheng Wei Lim e Richard Ling, a partir de revisão de literatura em 34 artigos prévios.


Seis grandes grupos de conceitos são expostos: sátira; paródia; fabricação; manipulação; publicidade e relações públicas; propaganda. Como resultado da análise, evidencia-se a ideia de que o vocábulo fake news está mais relacionado à propaganda, ou a outras práticas comunicacionais, e menos ao jornalismo.

 

Introdução

No dia 11 de janeiro de 2017, numa conferência de imprensa pouco antes de sua posse como o 45º presidente dos Estados Unidos, Donald Trump criticou duramente a atuação da imprensa nas eleições em que se saíra vencedor, no ano anterior. Na ocasião, o jornalista Jim Acosta, da CNN, retrucou: “Já que o senhor está nos atacando, poderia nos dar a chance de fazer uma pergunta?”. Trump se recusou e disse, em episódio que se tornaria icónico de suas relações com os veículos jornalísticos: “Vocês são fake news”. [...]

 

Referência: Carvalho, R. (2019). Notícias falsas ou propaganda?: Uma análise do estado da arte do conceito fake news. Questões Transversais7(13). Retrieved from http://revistas.unisinos.br/index.php/questoes/article/view/19177

 

Conteúdo relacionado:

 

 

teaching.png

Download |

Para capacitar as pessoas que usam o Twitter para que possam analisar criticamente os conteúdos que veem, no início da Semana Mundial de Alfabetização Midiática e Informacional 2019 da UNESCO, foi lançado este novo guia para educadores, chamado Ensinar e Aprender com o Twitter.

Fácil de ler, informativo e divertido, o guia tem o objetivo principal de ajudar os educadores a capacitar as gerações mais jovens com competências de alfabetização mediática, permitindo que façam as perguntas certas sobre conteúdos que encontram na internet e analisem criticamente as notícias e informações com as quais se envolvem.

O guia contém diretrizes de melhores práticas sobre alfabetização mediática da UNESCO e também uma lista de leitura com curadoria de especialistas em programas da UNESCO, cujo objetivo é orientar os educadores sobre a atual literatura de ensino sobre esse tópico.

Para garantir um amplo alcance global, ele será traduzido inicialmente para nove idiomas: inglês, francês, espanhol, alemão, português, árabe, japonês, sueco e hindi, com plano futuro de traduzi-lo para outras línguas.

Também distribuiremos o guia para as escolas, alavancando nossas parcerias em todo o mundo, por exemplo, via rede de ONGs relevantes da UNESCO, agências estaduais de educação e a rede europeia de Centros de Internet Segura.

Esses esforços complementam diretamente o nosso processo de desenvolvimento de políticas sobre desinformação - e mais especificamente a abertura de um novo período de comentários públicos, quando você poderá dar opinião sobre as próximas políticas que adotaremos para combater a mídia sintética e manipulada em nosso serviço.

 

Sala de aula digital

O guia também contém dicas para educadores e pais que desejam descobrir os benefícios do uso do Twitter como uma ferramenta de aprendizagem na sala de aula ou em casa, oferecendo uma combinação útil de teoria, planos de aula e estudos de caso.

A partir de uma visão holística do que significa ser um bom cidadão digital, o manual também contém seções sobre segurança online e a respeito de como educadores podem lidar com o cyberbullying e aprender a controlar sua pegada digital. Veja mais detalhes aqui.

Referência: Twitter e UNESCO lançam guia de alfabetização midiática e informacional. (2019). Blog.twitter.com. Retrieved 3 November 2019, from https://blog.twitter.com/pt_br/topics/company/2019/twitter-e-unesco-lancam-guia.html

 

Conteúdo relacionado:

 

Com Clara Schmelck, jornalista do INTÉGRALE, filósofa e coordenadora de curso no CELSA e Serge Barbet, diretor do CLEMI.

csm_BrochureEMI2019_Page_01_a4570c9161.png

Esta edição 2019-2020 foi completamente revista e aumentada para responder melhor às necessidades dos professores. Destina-se aos 2º e 3º ciclos. 


Encontrará: 

- Informações práticas.

- The Critical Critical Focus, que apresenta (exemplos de oficinas).

- Media escolares.

- Recursos para analisar as imagens na internet e noticiários.

- Publicidade oculta e fake news.

Faça o download do folheto 2019-2020 (PDF)

Referência: Brochure Éducation aux médias et à l'information - CLEMI. (2019). CLEMI. Retrieved 6 September 2019, from https://www.clemi.fr/fr/ressources/brochure-education-aux-medias-et-a-linformation.html

 

ala.png

Download |

A importância das imagens e dos media visuais na cultura atual está a mudar, com implicações no significado de alfabetização no século XXI. As tecnologias digitais tornaram possível que quase todos criem e partilhem imagens. No entanto, a sua difusão não significa necessariamente que os indivíduos sejam capazes de visualizar criticamente, usar e produzir conteúdo visual. Os Padrões de Competência de Alfabetização Visual da ACRL para o Ensino Superior foram desenvolvidos para abordar essas características distintas de imagens e media visuais. Com base nesses padrões, este livro fornece  aos bibliotecários e formadores as ferramentas, estratégias e confiança para aplicar a literacia visual num contexto de biblioteca. Os leitores não só aprenderão formas de desenvolver a literacia visual dos alunos, mas também como usar materiais visuais para tornar a sua formação mais envolvente. Ideal para o bibliotecário ocupado que precisa de ideias, atividades e estratégias de ensino prontas para implementar, este livro

  • mostra como desafiar os alunos a mergulhar na procura de imagens, usando imagens no processo de pesquisa, interpretando-as e analisando-as, criando comunicações visuais e usando conteúdo visual eticamente;
  • fornece atividades de aprendizagem prontas para o envolvimento crítico com materiais visuais;
  • oferece ferramentas e técnicas para aumentar a própria autoconfiança visual; e
  • fornece estratégias para integrar, envolver e defender a alfabetização visual nas bibliotecas.

Com a orientação deste livro, os profissionais académicos podem ajudar os alunos a dominar a alfabetização visual, uma competência fundamental no mundo saturado de media de hoje, ao mesmo tempo que estimula a aprendizagem com materiais visuais.

 

Referência:

Título do artigo: Alfabetização Visual para Bibliotecas: Um Guia Prático e Baseado em Padrões | Loja ALA
Título do site: Alastore.ala.org
URL: https://www.alastore.ala.org/content/visual-literacy-libraries-practical-standards-based-guide

fake.png

Downoload |

 

Resumo

As fake news ou notícias falsas têm ganhado repercussão internacional e sua disseminação se dá principalmente pelas redes sociais. Este artigo busca compreender o papel do bibliotecário escolar nesse cenário e tem como objetivo geral conscientizar os alunos do ensino médio sobre a circulação e uso das notícias falsas, bem como estruturar uma ação de capacitação para os mesmos. A pesquisa tem abordagem quanti-qualitativa e os instrumentos de coleta de dados utilizados foram um questionário com perguntas fechadas e uma pergunta aberta ao fim da palestra. A palestra para 45 alunos do ensino médio teve participação direta dos discentes do curso de Biblioteconomia e Documentação da Universidade Federal de Sergipe e da bibliotecária do colégio particular. Os principais resultados apontaram que a palestra foi bastante esclarecedora para a turma, em diversos aspectos. Demonstrou também que os alunos do ensino médio frequentam pouco a biblioteca do colégio e que a mesma desenvolve alguns projetos importantes de leitura. Os jovens apontaram diversos métodos de avaliação da informação na internet. Sugere-se que a bibliotecária desenvolva projetos em parceria com os professores sobre a prática da pesquisa e de desenvolvimento do letramento informacional dos alunos da educação básica.

 

Referência: Fialho, J., Nunes, M., Júnior, P., Gois, G., Santana, M., Veloso, R., & Santos, W. (2019). Bibliotecário escolar e fake news: evidências da contribuição da biblioteca escolar. Biblionline15(1), 122-135. Retrieved from http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/article/view/43786/22734

 

Conteúdo relacionado:

fake.png

Esta página foi criada e é atualizada por Jenny Saxton.

 

Referência: LibGuides: Fake News (and how to fight it): Glossary. (2019). Libraryguides.mdc.edu. Retrieved 16 August 2019, from http://libraryguides.mdc.edu/FakeNews/Glossary

 

Conteúdo relacionado:

sala.png

Download | 2019 |
 
Resumo:
Os impactos da revolução digital têm afetado as mais diversas áreas e práticas sociais. Não só as formas como trabalhamos e comunicamos, mas também as formas como aprendemos e ensinamos têm vindo a ser confrontadas com a importância de se modernizarem e de usufruírem do potencial dos meios de comunicação. Principalmente daqueles que se encontram mais acessíveis no quotidiano. A crescente familiaridade com os media e a liberalização do seu acesso poderão, assim, ser compreendidas como oportunidades para a escola gozar das aprendizagens e práticas informais de professores e alunos para tornar o ensino mais próximo e para promover a aquisição e desenvolvimento de novas competências.
 
Foi adotada uma metodologia de análise mista que contemplou a aplicação de questionários a professores e alunos e a realização de entrevistas com professores. Partindo da análise dos hábitos e práticas criativas com os media de professores e alunos, decorridos no quotidiano e em contexto educativo, procurou-se refletir sobre as condições e predisposições para a introdução dos media em sala de aula, como ferramentas de trabalho que preparam os jovens para participar na sociedade e nas suas comunidades. Os resultados obtidos evidenciam que, apesar da existência de uma correlação positiva entre aqueles que usam os media mais frequentemente no quotidiano e aqueles que os utilizam mais frequentemente em contexto educativo, os usos nos dois contextos são ainda muito díspares. A par disso, professores e alunos reportam hábitos de criação, produção e participação reduzidos, percebendo-se que estes não são os principais intuitos da utilização dos meios no dia-a-dia.

 

Conteúdo relacionado:

 

 


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor