Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



dest_miudos2021.jpg

As escolas estão a recomeçar a sua atividade educativa e a preparar-se para os novos desafios que este ano trará. A iniciativa Miúdos a Votos continuará a ter lugar, a partir de um regulamento, orientações e outras novidades que estão para vir de modo a permitir às escolas adaptarem-se ao contexto que vivemos.

Tal como nos anos anteriores, a iniciativa é aberta a todas as escolas, sejam públicas ou privadas, abrangendo alunos do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. É também alargada a estabelecimentos de ensino no estrangeiro que lecionem os mesmos anos de escolaridade e que tenham o Português como primeira língua.

Pode encontrar, no portal RBE, toda a informação disponível: Miúdos a Votos • 5.ª edição

Diamundialdolivro_2020.png

Ilustração de Mariana Rio

 

Andante Associação Artística | Feito em casa em Abril de 2020 a convite da Biblioteca Municipal de Mértola para celebrar o Dia Mundial do Livro.

***

Texto: Lusa | Fonte: Observador 

Várias editoras lançaram campanhas e iniciativas de incentivo à leitura e para celebrar o Dia Mundial do Livro, como clubes de leitura e a campanha "Adota uma livraria".

O Dia Mundial do Livro, que se celebra hoje envolto em restrições devido à pandemia de Covid-19, vai ser assinalado com iniciativas literárias que apostam no digital, como passatempos, campanhas, lançamentos e vendas “online”.

“O momento que atravessamos impôs uma realidade que nos afastou das rotinas habituais”, mas ainda assim “este reajustamento ao contexto em que vivemos, permite a celebração”, assinala a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), que desenvolveu uma campanha de apelo e estímulo à leitura, que recorre ao Facebook e ao Instagram, através dos quais os leitores são convidados a partilhar aquilo que estão a ler.

Também os editores da Leya escolheram este dia, “tão diferente dos anteriores”, para anunciar o “Próximo Capítulo”, um clube de leitura, de promoção de debate e partilha sobre livros de ficção e de não-ficção. Esta iniciativa pretende aproximar os leitores do mundo editorial e apresenta-se como um espaço de partilha entre quem edita e promove os livros, e quem os lê.

As inscrições decorrem entre esta quinta-feira e 5 de maio, através do e-mail proximocapitulo@leya.com, e os participantes serão informados sobre os livros a ler e como adquiri-los, com condições exclusivas, na livraria “online” da LeYa, bem como sobre as datas dos encontros, numa primeira fase através de plataforma digital e, mais adiante, presenciais.

 

 

 

Referência: Lusa, A. (2020). Dia Mundial do Livro celebra-se esta quinta-feira em confinamento através dos meios digitaisObservador. Retrieved 23 April 2020, from https://observador.pt/2020/04/23/dia-mundial-do-livro-celebra-se-esta-quinta-feira-em-confinamento-atraves-dos-meios-digitais/

 

Conteúdo relacionado:

 

A literatura tem o dom de antecipar eventos, de criar enredos que nos parecem inverosímeis e que nos prendem, nos cativam, pelo poder da palavra.

Contudo, a sociedade tem-nos mostrado ao longo do tempo que as piores predições se podem transformar nos nossos piores pesadelos.

A situação atual levou-nos a fazer a compilação de algumas obras que mostram isso mesmo. 

Estas sugestões poderão ser pistas de leitura interessantes para todos os que gostam de ler.

 

peste.jpeg

Albert Camus, A Peste

SINOPSE

Na manhã de um dia 16 de abril dos anos de 1940, o doutor Bernard Rieux sai do seu consultório e tropeça num rato morto. Este é o primeiro sinal de uma epidemia de peste que em breve toma conta de toda a cidade de Orão, na Argélia. Sujeita a quarentena, esta torna-se um território irrespirável e os seus habitantes são conduzidos até estados de sofrimento, de loucura, mas também de compaixão de proporções desmedidas.

Uma história arrebatadora sobre o horror, a sobrevivência e a resiliência do ser humano, A Peste é uma parábola de ressonância intemporal, um romance magistralmente construído, que, publicado originalmente em 1947, consagrou em definitivo Albert Camus como um dos autores fundamentais da literatura moderna.

 

 

***

 

zona critica.jpeg

Richard Preston, Zona Crítica 

SINOPSE

O Sol já brilha no céu, dando ao cinzento do mar o seu tom avermelhado. Os abutres secam as asas ao vento. Cheira a queimado. O dilúvio seco, uma praga criada em laboratório pelo homem, exterminou a humanidade. Mas duas mulheres sobreviveram: Ren, uma dançarina de varão, e Toby, que do alto do seu jardim no terraço observa e escuta. Está aí mais alguém? Um livro visionário, profético, de dimensões bíblicas, que põe a nu o mais ridículo e o mais sublime do ser humano, a nossa capacidade para a destruição e para a esperança. Negro, terno, inquietante, violento e hilariante, revela Margaret Atwood no seu melhor.
 
 
***


José Saramago, Ensaio Sobre a Cegueira 

SINOPSE

Um homem fica cego, inexplicavelmente, quando se encontra no seu carro no meio do trânsito. A cegueira alastra como «um rastilho de pólvora». Uma cegueira coletiva. Romance contundente. Saramago a ver mais longe. Personagens sem nome. Um mundo com as contradições da espécie humana. Não se situa em nenhum tempo específico. É um tempo que pode ser ontem, hoje ou amanhã. As ideias a virem ao de cima, sempre na escrita de Saramago. A alegoria. O poder da palavra a abrir os olhos, face ao risco de uma situação terminal generalizada. A arte da escrita ao serviço da preocupação cívica. 

 

***

 

robin.jpeg


Robin Cook, Pandemia 

SINOPSE

Bem-vindos ao incrível mundo da modificação genética e do mercado de órgãos…

Quando uma jovem anónima, aparentemente saudável, perde os sentidos no metro de Nova Iorque e morre ao chegar ao hospital, Jack Stapleton, o médico-legista, encontra semelhanças inquietantes entre este caso e a gripe de 1918. Temendo uma repetição da fatídica pandemia ocorrido há um século, Jack faz a autópsia poucas horas depois da morte da mulher e descobre anomalias estranhíssimas: em primeiro lugar, ela tinha sido submetida a um transplante do coração, em segundo, o seu ADN corresponde ao do coração transplantado.

Contudo, os factos não apontam para o vírus da gripe, e Jack vê-se envolvido numa corrida contra o tempo para determinar que tipo de vírus poderia provocar aquela morte, uma tarefa que se torna mais urgente quando outras duas vítimas sucumbem de forma idêntica. Mas nada faz sentido até a investigação o conduzir ao mundo fascinante do CRISPR/CAS9, uma biotecnologia de edição de genes que conquistou a comunidade médica… e a atenção dos seus membros menos escrupulosos. Arrastado para o submundo do mercado de transplante de órgãos, Jack depara-se com um homem de negócios megalómano disposto a arriscar vidas humanas para poder conquistar uma nova e lucrativa fronteira da medicina. E, se Jack não tiver cuidado, a próxima vida sacrificada pode muito bem vir a ser a sua.

 

***

sobrevive.jpeg

Alexandra Oliva, Sobrevive 

SINOPSE

No começo, eram doze.

Quando Zoo aceitou participar num programa de televisão, ela julgava que se tratava de um reality show. Sabia que ia ser testada até aos seus limites para bater os outros onze concorrentes em provas de sobrevivência, mas achou que valeria a pena. Depois das câmaras e dos desafios voltaria para casa, para formar uma família.

Mas o jogo parece não ter fim.
Conforme os concorrentes vão quebrando, física ou psicologicamente, Zoo começa a questionar-se sobre a crescente dificuldade das provas. Pouco depois, dá por si sozinha. Todos os outros concorrentes desaparecem. As cidades vazias, os cenários grotescos. Porque é que o programa não acaba?

Descobrir a verdade é o princípio.
O que estará a acontecer longe do olhar das câmaras? Zoo precisa de descobrir, e, acima de tudo, precisa de encontrar o caminho para casa de forma a retomar uma vida interrompida.

***

Nemesis.jpg

Philip Roth, Nemesis 

SINOPSE

No "calor demolidor da Newark equatorial" grassa uma epidemia aterradora que ameaça de mutilação, paralisia, incapacidade irreversível e mesmo de morte as crianças da Nova Jérsia. É este o tema surpreendente e lancinante do novo livro de Roth: uma epidemia de poliomielite em tempo de guerra, no verão de 1944, e o efeito que tem sobre uma comunidade de Newark, coesa e assente nos valores da família, e nomeadamente sobre as suas crianças.

***

congo.jpg

Michael Crichton, Congo 

SINOPSE

Autor de várias obras adaptadas ao cinema (Parque Jurássico ou esta), em Congo desenvolve-se um obra verdadeiramente empolgante onde as conquistas cientificas e os interesses de duas grandes potências envolvem um jovem etólogo, uma cientista determinada, um consórcio euro-japonês e um gorila que fala. Tudo isto no coração do Congo, onde as lutas tribais, o canibalismo, as catástrofes naturais e as feras vão exigir dos exploradores algo mais do que persistência e coragem...

 

***

presas.jpeg

Michael Crichton, Presas 

SINOPSE

Tão actual como as notícias de primeira página dos nossos dias, o mais arrojado dos romances de Michael Crichton conta-nos a história de uma epidemia mecânica e dos esforços desesperados de um grupo de cientistas para a travar. Inspirado nos mais recentes factos científicos, "Presas" leva-nos aos novos universos da nanotecnologia e da inteligência artificial - numa história de intenso suspense, "Presas" é um romance que não se pode largar, é que... o tempo está a esgotar-se...

 

***

estacao.jpg

Emily St. John Mandel, Estação Onze

SINOPSE

Um romance ousado em torno de um acontecimento que abalou o mundo, Estação Onze conta-nos a cativante história de um grupo de pessoas que arriscam tudo em nome da arte e da sociedade humana.

Kirsten Raymonde nunca conseguiu esquecer a noite em que Arthur Leander, um ator famoso, morre no palco quando representava O Rei Lear. Foi nessa fatídica noite que teve início uma pandemia de gripe que veio a destruir, quase por completo, a humanidade. 20 anos depois, Kirsten é uma atriz de uma pequena trupe que se desloca por entre as comunidades dispersas de sobreviventes a representar peças de Shakespeare e a tocar música. No entanto, tudo irá mudar quando a trupe chega a St. Deborah by the Water.

Abrangendo várias décadas e retratando de forma fulgurante a vida antes e depois da pandemia de gripe, este romance repleto de suspense e emoção confronta-nos com os estranhos acasos do destino que ligam os seus personagens. Estação Onze fala-nos das relações que nos sustentam, da natureza efémera da fama e da beleza do mundo tal como o conhecemos. - Vencedor do Arthur C. Clarke Award - Finalista do National Book Award - Finalista do PEN/Faulkner Award

***

oanodo.jpeg

Margaret Atwood, O Ano do Dilúvio 

SINOPSE

O Sol já brilha no céu, dando ao cinzento do mar o seu tom avermelhado. Os abutres secam as asas ao vento. Cheira a queimado. O dilúvio seco, uma praga criada em laboratório pelo homem, exterminou a humanidade. Mas duas mulheres sobreviveram: Ren, uma dançarina de varão, e Toby, que do alto do seu jardim no terraço observa e escuta. Está aí mais alguém? Um livro visionário, profético, de dimensões bíblicas, que põe a nu o mais ridículo e o mais sublime do ser humano, a nossa capacidade para a destruição e para a esperança. Negro, terno, inquietante, violento e hilariante, revela Margaret Atwood no seu melhor.

O que levas na canastra?

Agrupamento de Escolas de Alcochete

08.01.20

canastra.jpg

"Em forma de livro, feita em pequenas oficinas colaborativas, com folhas repletas de palavras e ilustrações, a canastra (também designada por alcofa, gamela ou giga) carregou, desta vez, a imaginação da comunidade educativa do Agrupamento de Escolas de Alcochete."

 

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação partilhada por Rede de Bibliotecas Escolares (@rbe_pt) a

A Biblioteca que Transformou o Mundo

Fronteiras da Educação

13.12.19

abiblioteca.png

| Download |

Livros que fizeram e fazem história

Biblios, o nome grego para livro, é uma homenagem à cidade fenícia de Biblos, de onde partiam mercadores que adquiriam no Egito a matéria prima de que se fazia o livro: folhas resultantes da manufatura da planta Cyperus Papyrus, o papiro.

OS EGÍPCIOS
Usavam o papiro também para fazer calçados, canoas, cestas e colchões, mas seu uso mais nobre era para escrever o livro sagrado, que acompanhava a múmia na sua viagem ao além. O livro dos mortos do Antigo Egito era um livro para ser lido pelo morto no seu julgamento diante do deus Osíris. Ele contém fórmulas mágicas com mais de 4.500 anos, ou seja, 2 mil anos antes de um outro livro que toma o nome grego, mas conta outras histórias, hebraicas: a Bíblia. Os assírios antigos criaram a primeira biblioteca, em 632 a.C., em Nínive: a biblioteca do rei Assurbanipal (685-627 a.C.), que continha mais de 30 mil tabletes de argila, com ciência e literatura babilónicas.

Depois disso, Alexandre Magno fundou Alexandria (331 a.C.), e nela o seu general, o rei grego Ptolomeu I, criou a Biblioteca de Alexandria, a maior biblioteca do mundo antigo, refundada em 2002, no moderno Egito. Com livros, autores e bibliotecas, a humanidade pôde avançar, criar escolas, universidades, a ciência, a literatura e até o cinema – com o roteiro que não deixa de ser um livro. Assim como os Estados mais poderosos, como Roma e o reino de Gengis Khan, que cresceram e um dia decaíram, as pessoas também nascem, vivem e morrem. Mas os livros permanecem por muitos séculos. Muitos deles mudaram a forma como vemos o mundo e como nos relacionamos.

E é a seleção de alguns títulos dessa biblioteca, que se consideram indispensáveis para esta revolução, que se apresenta neste fascículo.

 

Referência: Pensamento, F. (2019). Fronteiras do PensamentoFronteiras do Pensamento. Retrieved 13 December 2019, from https://www.fronteiras.com/

 

Conteúdo relacionado:

 


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor