Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



pos-verdade.png

Morales Campos, E. (coord). [e-Book] La posverdad y las noticias falsas: el uso ético de la información. México, IIBI, UNAM, 2018.

 

El reto del Seminario de Información y Sociedad en el año 2017 fue estudiar los alcances y las dimensiones que han alcanzado la posverdad y acciones afines como los rumores, las noticias falsas y los hechos alternativos.

Estos fenómenos representan usos y conductas que se manifiestan en diferentes medios y contextos, los cuales han tenido consecuencias catastróficas tanto en el ámbito académico como en el político, económico y social.

Estos aspectos son los que analizamos y estudiamos de manera especial y muy productiva en el presente libro, que reflexiona sobre valores éticos, convivencia social, educación, investigación, e integridad académica y profesional.

Con estos estudios buscamos crecer y fomentar un camino de valores y de respeto. El Seminario de Información y Sociedad, con sede permanente en el Instituto de Investigaciones Bibliotecológicas y de la Información de la UNAM, inició sus trabajos en 2002 a partir de la preocupación por analizar la interacción de la información con todas las actividades de la sociedad, así como la presencia de la biblioteca como un gran apoyo a diferentes grupos.

En quince años de trabajo, hemos analizados varios aspectos del uso ético de la información y ahora, nuevamente, abordamos otra arista.

 

Download:

 

Referência: Arévalo, J. (2018). La posverdad y las noticias falsas: el uso ético de la informaciónUniverso Abierto. Retrieved 13 November 2018, from https://universoabierto.org/2018/11/09/la-posverdad-y-las-noticias-falsas-el-uso-etico-de-la-informacion/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

Comunicação feita por Cristóbal Cobo no dia 31 de outubro, na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, no âmbito da 2ª Conferência do PNL 2027.

 

Ver em .pdf (Adobe Spark)

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

OE-2019 - «O que é o Orçamento do Estado?» Parlamento lança infografia com vídeo a explicar o que é o Orçamento do Estado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Download |

 

La dimensión digital se expande hasta atravesar todos los puntos neurálgicos de la vida en sociedad.

La actualidad es un híbrido entre una organización comunitaria establecida a lo largo de siglos y las nuevas costumbres, procedimientos, productos, vínculos y cadenas de valor desarrolladas en la última década.

Una serie de nuevos temas son abordados por instituciones académicas y educativas, sociedades civiles e individuos que identifican categorías y problemáticas propias de una ciudadanía en transformación. A la vez, las habilidades que las nuevas generaciones necesitan para sus competencias hacia el futuro se vuelven centrales para la educación.

Mientras los docentes incorporan nuevas prácticas y roles, la tecnología abre posibilidades de enriquecer el diagnóstico, el trabajo en el aula y las formas de evaluación.

 

Fundación Ceibal (2018, julio). Ciudadanía digital y habilidades para el siglo XXI. + Aprendizajes. 1(1)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

literacia_cient.png

 Download | 2018 |

 

Apresentação

 

Intitulada Literacia científica na escola, a presente publicação resulta do projeto Promoção da Literacia Científica, desenvolvido no Centro de Linguística da Universidade NOVA de Lisboa, entre 2016-2017, e financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito do programa Língua e Cultura Portuguesa. Partindo dos pressupostos de que não há ciência independente das formas e dos formatos textuais que a configuram e de que a ciência desempenha um papel decisivo no desenvolvimento dos jovens, na apropriação do conhecimento e na capacidade de intervenção na sociedade, o projeto Promoção da Literacia Científica foi levado a cabo por Matilde Gonçalves (coordenadora), Antónia Coutinho, Noémia Jorge, Inês Ribeiros, Lúcia Cunha, Maria do Rosário Luís, Miguel Magalhães e Margarida Azevedo (colaboradora). Tratou-se de um projeto constituído por duas etapas: a primeira incidiu na constituição e análise de um corpus de textos de divulgação científica (disponível em http://www.literaciacientifica.pt/corpus); com base nos resultados da análise, a segunda assentou na criação de estratégias de
intervenção didática com vista à promoção da literacia científica de alunos do Ensino Básico e Secundário, tendo culminado na dinamização da ação de formação

A ação de formação, que deu origem à presente publicação, decorreu a 27 dejaneiro e 11 de fevereiro de 2017, na NOVA FCSH, e contou com 50 participantes, com perfis diversos e propósitos diferenciados: professores, investigadores, gestores de ciência, psicólogos. Articulando teoria e prática, nela foram apresentados os principais resultados da investigação e dinamizadas oficinas com propostas de didatização dos textos de divulgação científica.

 

A publicação está organizada em duas partes complementares, ambas focadas na noção de literacia científica e no trabalho com textos de divulgação de ciência; se a primeira parte é delineada por um cunho predominantemente teórico-reflexivo, a segunda assume uma feição de carácter formativo-didático.

(...)

 

Referência: Gonçalves, M. & Jorge, N. (org.) (2018). Literacia científica na escola . Lisboa: NOVA FCSH-CLUNL.

Autoria e outros dados (tags, etc)

desafios.png

 SeguraNet |


A 12.ª edição dos Desafios SeguraNet 2018/19 terá início no dia 01 de outubro, prolongando-se até 31 de maio de 2019.

 

Esta edição destina-se a todas as escolas, públicas e privadas, do ensino básico.

 

Para participar nos Desafios, as Escolas deverão efetuar o registo com o código de estabelecimento de ensino.

 

Nos Desafios dirigidos ao 1.º ciclo do ensino básico, as turmas registadas serão, ao longo do ano, convidadas a responder a três Desafios sobre temas relacionados com a segurança digital.

 

No caso dos Desafios dirigidos ao 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, as equipas de alunos e professores poderão responder a um desafio por mês e as equipas de encarregados de educação a desafios trimestrais.

 

Este concurso é uma iniciativa enquadrada nas ações estratégicas de ensino orientadas para o perfil do aluno definidas nas Aprendizagens Essenciais da disciplina Tecnologias Informação Comunicação (TIC) e nas Orientações curriculares para as TIC no 1.º Ciclo.

 

Esta iniciativa também poderá ser dinamizada no âmbito da disciplina Cidadania e Desenvolvimento nos domínios:
Direitos Humanos (Campanha Não ao Discurso do Ódio; Ciberbullying); Saúde (Dependência OnlineBullying/Ciberbullying); Sexualidade (SextingSextortion); Media (Literacia mediática; Direitos de Autor; Fake News) e Segurança, Defesa e Paz (Cibersegurança).

 

Registo em: http://www.seguranet.pt/pt/desafios

 

Referência: Lançamento da 12.ª edição dos Desafios SeguraNet 2018/2019 | SeguraNet. (2018). Seguranet.pt. Retrieved 26 September 2018, from http://www.seguranet.pt/pt/noticias/lancamento-da-12a-edicao-dos-desafios-seguranet-20182019

Autoria e outros dados (tags, etc)

annie-spratt-752792-unsplash.jpg

Photo by Annie Spratt on Unsplash

 

História

Por mais de cinco décadas, o conceito de literacia evoluiu de habilidades básicas de leitura, escrita e aritmética para noções mais amplas, como a alfabetização funcional e os fundamentos da aprendizagem ao longo da vida.

2015

  • A Declaração de Incheon adotada no Fórum Mundial de Educação de 2015, realizada em Incheon, República da Coréia, incorpora o compromisso com a Educação 2030 de fornecer ensino inclusivo e equitativo de qualidade e aprendizagem ao longo da vida para todos e reconhece o papel fundamental que ele joga na alfabetização.

2009-2010

  • A Sexta Conferência Internacional da UNESCO sobre Educação de Adultos, CONFINTEA VI, realizada no Brasil, aprovou o Marco de Ação de Belém.
  • O primeiro Relatório Global sobre Aprendizagem e Educação de Adultos, o GRALE I, foi apresentado pelo Instituto da UNESCO para Aprendizagem ao Longo da Vida (UIL) e forneceu uma visão geral da alfabetização em todas as regiões do mundo.

2003-2012

  • A UNESCO lidera as atividades da Década das Nações Unidas para a Alfabetização, que prevê ações para promover a alfabetização para todos. A Iniciativa de Conhecimento para a Alfabetização do Poder (LIFE) é o mecanismo que apoia essas medidas e melhora as taxas de alfabetização em todo o mundo.

2000

  • O Marco de Ação de Dakar foi aprovado por ocasião do Fórum Mundial sobre Educação, organizado pela UNESCO em Dakar, Senegal. A alfabetização é uma prioridade em sua agenda e os objetivos aprovados foram: responder às necessidades fundamentais de aprendizagem de jovens e adultos por meio de uma abordagem de alfabetização funcional e reduzir a taxa de analfabetismo de adultos em 50%.

1997

  • A importância da alfabetização de adultos foi destacada durante a 5ª Conferência Internacional sobre Educação de Adultos, a CONFINTEA V, em Hamburgo, Alemanha, com o documento final: A Declaração de Hamburgo sobre Educação de Adultos.

1990

  • A ONU escolheu 1990 como o Ano Internacional da Alfabetização e o papel crítico da alfabetização foi destacado durante a Conferência Mundial sobre Educação para Todos em Jomtien, na Tailândia, bem como no Marco de Ação para responder às necessidades básicas de aprendizagem, aprovado na conferência.

1975

  • A UNESCO organiza o Simpósio Internacional de Alfabetização e aprova a Declaração de Persépolis em Persépolis, República Islâmica do Irão, que descreve a alfabetização como uma contribuição para a libertação do homem, ao invés de se limitar a "aprender a ler, escrever e calcular".

1966

  • A reunião da Conferência Geral da UNESCO proclama oficialmente o 8 de setembro como Dia Internacional da Alfabetização.

1965

  • Congresso Mundial de Ministros da Educação sobre a Erradicação do Analfabetismo, realizado em Teerão, República Islâmica do Irão. O conceito de literacia funcional é introduzido como um meio para alcançar o desenvolvimento e não como um fim em si mesmo. Durante o congresso surge a ideia do Dia Internacional da Alfabetização.

 

Referência: International Literacy Day 8 September. (2018). Un.org. Retrieved 8 September 2018, from http://www.un.org/en/events/literacyday/history.shtml

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

annie-spratt-752791-unsplash.jpg

Photo by Annie Spratt on Unsplash

 

8 de setembro de 2018

“Quando aprenderes a ler, serás livre para sempre”, escreveu Frederick Douglass, no século XIX, um escravo negro americano liberto, campeão da causa abolicionista e autor de várias obras. Este apelo à emancipação através da leitura e, de um modo mais geral, do domínio dos conhecimentos fundamentais - ler, escrever e contar - tem um alcance universal.

 

A alfabetização é o primeiro passo para a liberdade, para a libertação das condicionantes sociais e económicas. É o pré-requisito para o desenvolvimento, individual e coletivo. Reduz a pobreza e as desigualdades, cria riqueza e ajuda a erradicar problemas de nutrição e de saúde pública.

 

Desde a época de Frederick Douglass, e particularmente nas últimas décadas, foram alcançados progressos consideráveis em todas as regiões do mundo, e milhões de homens e mulheres foram resgatados da ignorância e da dependência através de um amplo movimento de alfabetização e de democratização do acesso à educação. No entanto, a perspetiva de um mundo em que cada indivíduo seja detentor de conhecimentos fundamentais permanece um ideal.

 

Hoje em dia, em todo o mundo, mais de 360 milhões de crianças e adolescentes não estão matriculados na escola; seis em cada 10 crianças e adolescentes – ou seja, 617 milhões - não adquirem as competências mínimas em literacia e numeracia; 750 milhões de jovens e adultos ainda não sabem ler e escrever - e destes, dois terços são mulheres. Estas lacunas, que são extremamente incapacitantes, levam à exclusão de fato da sociedade e perpetuam a espiral de desigualdades sociais e desigualdades de género.

 

A tudo isto se soma agora um novo desafio: um mundo em plena mutação, onde o ritmo das inovações tecnológicas está continuamente a acelerar-se. Para poder encontrar um lugar na sociedade, conseguir um emprego e responder aos desafios sociais, económicos e ambientais, as competências tradicionais em literacia e numeracia já não são suficientes; novas competências, inclusive em tecnologias da informação e comunicação, estão a tornar-se cada vez mais necessárias.

 

É um desafio preparar os jovens e os adultos para empregos que na sua maioria ainda não foram inventados. É por isso indispensável ter acesso a uma aprendizagem durante toda a vida, tirar proveito de caminhos e pontes entre as diferentes modalidades de formação e beneficiar de grandes oportunidades de mobilidade.

 

Em 2018, este Dia Internacional é subordinado ao tema “Alfabetização e desenvolvimento de competências” e foca-se numa abordagem evolutiva da educação. A UNESCO está ativamente envolvida nesta redefinição de políticas de alfabetização e incentiva práticas educacionais inovadoras. Também apoia as diferentes formas de cooperação entre o setor público e o setor privado, porque somente uma compreensão global da causa da educação pode responder adequadamente às necessidades de um mundo que parece reinventar-se a cada dia.

 

Neste Dia Internacional, convido todos os atores do mundo da educação, e de outros setores, pois trata-se de uma causa que a todos diz respeito, a mobilizarem-se a fim de que o ideal de uma sociedade mundial inteiramente alfabetizada se converta um pouco mais em realidade.

Audrey Azoulay

 

Referência: Mensagem da Diretora-Geral da UNESCO por ocasião do Dia Internacional da Alfabetização. (2018). Comissão Nacional da UNESCO. Retrieved 3 September 2018, from https://www.unescoportugal.mne.pt/pt/noticias/mensagem-da-diretora-geral-da-unesco-por-ocasiao-do-dia-internacional-da-alfabetizacao-2

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

faken.PNG

 por José Manuel Burgueño | Ler artigo na fonte

 

Não estão limitadas a ambientes eleitorais: notícias falsas têm sido usadas há muitos séculos em períodos de guerra ou para justificar decisões difíceis. Desde o início dos tempos, a disseminação de informações distorcidas tem sido um recurso útil para qualquer esfera de poder que busque um objetivo

 

Hillary Clinton, a grande prejudicada pelo acumular de mentiras que foram espalhadas durante as eleições nos EUA que eventualmente deram o poder a Donald Trump, disse em dezembro de 2016 o que agora se tornou claro que "as assim - chamadas notícias falsas podem ter consequências no mundo real ". Dois erros: não é que elas possam ter consequências, é um facto que as têm; e não é agora quando isso foi evidenciado porque sempre, desde o começo dos tempos, tem sido assim.

(...)

 

A universalização das ferramentas de difusão, a sua facilidade de uso e a sua gratuidade multiplicam a capacidade de divulgação dessas notícias distorcidas.

(...)

 

Falsas notícias sempre serviram para obter apoio para medidas difíceis ou mobilizar as pessoas de acordo com certos interesses. A criação de um ambiente hostil para os judeus no final do século XVI em Espanha está documentada

(...)

 

Ler mais >>

 

Referência: Fake news, un fenómeno nuevo con siglos de historia | Telos Fundación Teléfonica. (2018). Telos Fundación Teléfonica. Retrieved 16 July 2018, from https://telos.fundaciontelefonica.com/fake-news-fenomeno-nuevo-siglos-historia/

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

zig.png

 

Histórias, histórias e mais histórias


A rádio ZigZag é uma rádio online, infantil, do grupo RTP. Com transmissão diária,  24h.

 

Pode ser ouvida online, numa transmissão linear, como qualquer outra rádio. Oiça-a aqui: radiozigzag.rtp.pt

 

A rádio ZigZag tem programas, locuções e música, como se fosse uma rádio de "crescidos", mas para crianças.

 

 

Público alvo 5/9 - 1º ciclo do Ensino Básico.

 

 

As rubricas estão disponíveis em separado, online e offline, on demand. Podem ser ouvidas episódio a episódio.

 

Algumas rubricas são já utilizadas em contexto escolar, em sala de aula e nas bibliotecas escolares.

 

Inclui na programação mais de 60 conteúdos, de várias áreas. Pode explorá-los e dispiblilizá-los aos seus alunos.

 

A rádio também pode ser ouvida nos canais de tv cabo:

Meo 520 e NOS 270.

 

APPS:

  • Na App - Zig Zag Play RTP (Disponível em iOS e Android)
  • Podcast - Itunes

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Ligações

Sítios Institucionais


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Twitter_