Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Manual de educação para a cidadania digital

Ser criança na era da tecnologia

28.11.19

digital.png

As crianças de hoje vivem num mundo em rápida mudança, cujos horizontes se estão a ampliar. A tecnologia trouxe-lhes não apenas novas experiências para viver, mas também uma dimensão totalmente nova às suas vidas diárias num mundo etéreo a que chamamos "estar online". Crianças e jovens devem, portanto, ter valores, competências, atitudes, conhecimentos e entendimento crítico para enfrentar os desafios colocados pelas tecnologias digitais e pela Internet, bem como para aproveitar uma ampla gama de oportunidades. 

Manual de educação para a cidadania digital - Ser criança na era da tecnologia fornece informações, ferramentas e as melhores práticas para apoiar o desenvolvimento dessas competências, em consonância com a vocação do Conselho da Europa para proteger as crianças e capacita-as para viverem juntas em pé de igualdade nas sociedades democráticas culturalmente diversas de hoje, tanto online como offline.

Este manual é destinado a professores, pais e decisores políticos. Descreve detalhadamente as múltiplas dimensões que compõem cada um dos 10 domínios da cidadania digital e inclui uma ficha informativa sobre cada um deles, que oferece ideias, as melhores práticas e outras referências para ajudar os educadores.

O Manual para a educação e para a cidadania digital baseia-se no quadro de competências do Conselho da Europa para uma cultura de democracia e complementa o Manual da Internet como parte de uma abordagem coerente para a educação dos cidadãos e para a sociedade do futuro.

 Faça o download do Manual de educação para a cidadania digital (disponível apenas em inglês)

 

Referência: numérique, E., presse, S., technologie, E., & l'Europe, C. (2019). Etre enfant à l'ère de la technologieEducation à la citoyenneté numérique. Retrieved 28 November 2019, from https://www.coe.int/fr/web/digital-citizenship-education/-/being-child-in-the-age-of-technology-difgital-cititzenship-education-handbook

 

 

O Estado da Literacia para os Media, na Educação, nos EUA | snapshot 2019

Os Media, campo de estudo interdisciplinar

13.11.19

literacia1.png

Download | 2019 |

Introdução

Com décadas de bolsas no campo da alfabetização mediática, numerosos pesquisadores,  educadores e advogados têm apelado à ampla implementação da alfabetização mediática na educação (Considine, 1990; Thoman & Jolls, 2004;Hobbs, 2010; De Abreu, 2018).

Desde 2015, a Associação Nacional de Educação para a Alfabetização  em Media (NAMLE) cresceu, de cerca de 300 membros para mais de 5.000,  mostrando uma expansão notável do interesse e procura da educação para os media.

Paralelamente com as preocupações crescentes sobre desinformação, os media e a alfabetização passaram para a vanguarda da atenção nacional.

Definida como a “capacidade de aceder, analisar, avaliar, criar, e agir, usando  todas as formas de comunicação ”(NAMLE, 2014), a educação para os media é um campo interdisciplinar de estudo e maneira de ensinar, que chama a atenção para os aspectos  sociais, políticos, económicos e culturais dos media e prepara ativamente estudantes e cidadãos para a crítica e a participação criativa na era digital.

[...]

Referência:  Namle.net. (2019). Retrieved 13 November 2019, from https://namle.net/wp-content/uploads/2019/06/SOML_FINAL.pdf

 

Conteúdo relacionado:

 



media_lab.jpg

O “Falando da Europa” vai continuar em 2019 com o objetivo de comunicar a União Europeia e estimular o interesse dos jovens para esta temática, fomentar a inclusão e a cidadania Europeia, o espírito crítico, bem como contribuir para a tomada de decisões informadas. 

 
Os Media Lab Diário de Notícias e Jornal de Notícias e o Espaço Público Europeu - Espaço Europa, o serviço de informação da Representação da Comissão Europeia e do Gabinete do Parlamento Europeu em Portugal,  têm o prazer de, pelo 8º ano consecutivo, desafiar os seus alunos a serem "jornalistas da Europa", no âmbito do Workshop “Falando da Europa” dedicado, como habitualmente, a um leque de temas sempre atuais e de grande interesse para os jovens. A sessão, a realizar-se numa das datas abaixo, será GRATUITA.
 

falandodaeuropa.jpg

Os temas a abordar são de grande interesse para o currículo escolar. Assim, do Empreendedorismo à Participação Cívica, passando pelo Voluntariado e o Ambiente, não esquecendo a Desinformação (Fake News) e a Importância da EU na vida de cada um, serão debatidos com os alunos, mostrando as diferentes oportunidades que a União Europeia lhes proporciona.

COMO? 

Sensibilizam-se os mais jovens para a cidadania europeia através da participação numa simulação de trabalho jornalístico em que realizam pesquisa e criação de notícias relacionadas com temas europeus, os quais são transversais ao trabalho desenvolvido pelas editorias do DN e do JN como Desporto, Sociedade, Cultura, Economia, Política e Internacional. 

Este workshop é, ainda, enriquecido pelas apresentações de especialistas/oradores convidados. Os alunos serão os jornalistas da sessão que, divididos em grupos, com o seu espírito crítico, serão desafiados a agir e a elaborar o seu Jornal em suporte impresso, vídeo ou rádio sobre o que ouviram na sessão com o orador. Todos os seus trabalhos serão depois inseridos nas redes sociais do projeto e partilhados com a comunidade.

 

 

 

Notícias falsas ou propaganda?: Uma análise do estado da arte do conceito fake news

Artigo de Rafiza Luziani Varão Ribeiro Carvalho

07.11.19

artigo_last.png

Download |

 

Resumo
A popularidade do termo fake news e a sua crescente utilização, inclusive em pesquisas académicas, está longe de gerar um consenso sobre a sua conceptualização. Este artigo apresenta e analisa os resultados do primeiro grande levantamento do estado da arte sobre o conceito fake news em língua inglesa, realizado por Edson C. Tandoc Jr., Zheng Wei Lim e Richard Ling, a partir de revisão de literatura em 34 artigos prévios.


Seis grandes grupos de conceitos são expostos: sátira; paródia; fabricação; manipulação; publicidade e relações públicas; propaganda. Como resultado da análise, evidencia-se a ideia de que o vocábulo fake news está mais relacionado à propaganda, ou a outras práticas comunicacionais, e menos ao jornalismo.

 

Introdução

No dia 11 de janeiro de 2017, numa conferência de imprensa pouco antes de sua posse como o 45º presidente dos Estados Unidos, Donald Trump criticou duramente a atuação da imprensa nas eleições em que se saíra vencedor, no ano anterior. Na ocasião, o jornalista Jim Acosta, da CNN, retrucou: “Já que o senhor está nos atacando, poderia nos dar a chance de fazer uma pergunta?”. Trump se recusou e disse, em episódio que se tornaria icónico de suas relações com os veículos jornalísticos: “Vocês são fake news”. [...]

 

Referência: Carvalho, R. (2019). Notícias falsas ou propaganda?: Uma análise do estado da arte do conceito fake news. Questões Transversais7(13). Retrieved from http://revistas.unisinos.br/index.php/questoes/article/view/19177

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Partilha de Práticas - Zonas: Alentejo, Lisboa e Vale do Tejo e Centro

 

Encontro Nacional de Literacia para os Media e Jornalismo de 16 de setembro, na F.C. Gulbenkian (Lisboa): Já estão disponíveis os 7 vídeos que cobrem por inteiro essa jornada.

 

O Encontro Nacional de Literacia para os Media e Jornalismo teve lugar no dia 16 de setembro de 2019, no Auditório 3 da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa. Este encontro culminou o projeto-piloto, a nível nacional, de Literacia para os Media, realizado de janeiro a abril de 2019 e que resultou de uma parceria entre a Direção-Geral da Educação, o Sindicato dos Jornalistas e o Centro Protocolar de Formação para Jornalistas (Cenjor), tendo, ainda, o alto patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República.

O projeto teve a particularidade de contar com jornalistas e académicos especialistas da área do jornalismo, na formação de docentes, tendo o intuito de contribuir para diferentes áreas da literacia para os Media – desenvolvimento do pensamento crítico dos alunos, nomeadamente no que se refere às competências de leitura e de análise da informação, de forma crítica e autónoma e, consequentemente, para as competências da Cidadania Democrática.

Tratou-se de mais um momento relevante, entre escolas, professores, alunos, especialistas e outros parceiros, para divulgação de práticas, reflexão sobre os passos já concretizados e projeção do trabalho a realizar. Teve como público-alvo, docentes, alunos dos diferentes níveis de ensino envolvidos ou interessados na temática.

 

ReferênciaEncontro Nacional de Literacia para os Media e Jornalismo - YouTube. (2019). YouTube. Retrieved 9 October 2019, from https://www.youtube.com/playlist?list=PLTz3J4grt9iRPziIbx1Ziqg-l-8wiWOKP

Margarita Salas e María Blasco | cientistas

Um cientista nasce ou é formado? As bioquímicas Margarita Salas e María Blasco contam que a sua vocação surgiu de professores inspiradores que mudaram as suas vidas.

(...)

 

Referência“Una sociedad científica será una sociedad más libre”. (2019). BBVA Aprendemos juntos. Retrieved 17 September 2019, from https://aprendemosjuntos.elpais.com/especial/una-sociedad-cientifica-sera-una-sociedad-mas-libre-margarita-salas-maria-blasco/

 

csm_BrochureEMI2019_Page_01_a4570c9161.png

Esta edição 2019-2020 foi completamente revista e aumentada para responder melhor às necessidades dos professores. Destina-se aos 2º e 3º ciclos. 


Encontrará: 

- Informações práticas.

- The Critical Critical Focus, que apresenta (exemplos de oficinas).

- Media escolares.

- Recursos para analisar as imagens na internet e noticiários.

- Publicidade oculta e fake news.

Faça o download do folheto 2019-2020 (PDF)

Referência: Brochure Éducation aux médias et à l'information - CLEMI. (2019). CLEMI. Retrieved 6 September 2019, from https://www.clemi.fr/fr/ressources/brochure-education-aux-medias-et-a-linformation.html

 

fake.png

Downoload |

 

Resumo

As fake news ou notícias falsas têm ganhado repercussão internacional e sua disseminação se dá principalmente pelas redes sociais. Este artigo busca compreender o papel do bibliotecário escolar nesse cenário e tem como objetivo geral conscientizar os alunos do ensino médio sobre a circulação e uso das notícias falsas, bem como estruturar uma ação de capacitação para os mesmos. A pesquisa tem abordagem quanti-qualitativa e os instrumentos de coleta de dados utilizados foram um questionário com perguntas fechadas e uma pergunta aberta ao fim da palestra. A palestra para 45 alunos do ensino médio teve participação direta dos discentes do curso de Biblioteconomia e Documentação da Universidade Federal de Sergipe e da bibliotecária do colégio particular. Os principais resultados apontaram que a palestra foi bastante esclarecedora para a turma, em diversos aspectos. Demonstrou também que os alunos do ensino médio frequentam pouco a biblioteca do colégio e que a mesma desenvolve alguns projetos importantes de leitura. Os jovens apontaram diversos métodos de avaliação da informação na internet. Sugere-se que a bibliotecária desenvolva projetos em parceria com os professores sobre a prática da pesquisa e de desenvolvimento do letramento informacional dos alunos da educação básica.

 

Referência: Fialho, J., Nunes, M., Júnior, P., Gois, G., Santana, M., Veloso, R., & Santos, W. (2019). Bibliotecário escolar e fake news: evidências da contribuição da biblioteca escolar. Biblionline15(1), 122-135. Retrieved from http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/article/view/43786/22734

 

Conteúdo relacionado:

fake.png

Esta página foi criada e é atualizada por Jenny Saxton.

 

Referência: LibGuides: Fake News (and how to fight it): Glossary. (2019). Libraryguides.mdc.edu. Retrieved 16 August 2019, from http://libraryguides.mdc.edu/FakeNews/Glossary

 

Conteúdo relacionado:

Ler e Formar Leitores no século XXI – os media, as literacias e as liberdades fundamentais dos cidadãos - Évora

 

Oiça a comunicação de  Maria Madalena Costa Oliveira (Universidade do Minho) no "Painel – A compreensão e o papel dos media na democracia e participação social" :

 

Conteúdo relacionado:


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor