Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



2021-01-15 PTD.png

No dia 14/01/2021, a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) e a Direção Geral da Educação (DGE) dinamizaram um webinar destinado a toda a equipa RBE, a saber, elementos do Gabinete Coordenador, Coordenadores Interconcelhios para as Bibliotecas Escolares e Professores Bibliotecários, que permitiu esclarecer várias questões relacionadas com o Plano de Transição Digital nas Escolas e com o papel que as bibliotecas são chamadas a desempenhar.

Para quem não teve oportunidade de assistir, divulga-se o vídeo da sessão, que se revelou bastante útil para toda a equipa.

A Dra. Manuela Pargana da Silva, Coordenadora Nacional da Rede de Bibliotecas Escolares, abriu os trabalhos, começando por louvar todo o trabalho que tem sido desenvolvido pelas bibliotecas, a sua atitude e a sua resiliência nestes tempos difíceis.
Lembrou que a transição digital na educação será suportada por um plano de ação que irá ser desenhado em todas as escolas e que se baseia em princípios norteadores europeus.
Chamou a atenção para o facto as bibliotecas escolares já estarem a encontrar respostas para as necessidades da atualidade e referiu que todos temos consciência de que “vivemos num mundo cada vez mais complexo, interconectado que enfrenta mudanças tecnológicas, culturais, económicas, informacionais e demográficas” como consta no Quadro Europeu para a Competência Digital. São mudanças que nos convocam!
Referiu ainda que tem sido desde sempre preocupação das bibliotecas que a tecnologia seja utilizada ao serviço das aprendizagens e nunca como um objetivo em si.
Apresentou os professores bibliotecários como pessoas proativas, pessoas experientes, pessoas com formação, pelo que se espera que, nas suas escolas, sejam protagonistas na área da capacitação dos docentes, colaborando com os colegas.
As bibliotecas desenvolvem sistematicamente práticas de colaboração e trabalho em rede e têm uma experiência que, sem dúvida, ajudará a percorrer este caminho de construção de novas metodologias, de novas abordagens, de promoção das literacias tão necessárias para os nossos tempos. Os professores bibliotecários trabalham com os restantes docentes no desenvolvimento do currículo e das literacias, recorrendo a várias ferramentas e possibilidades.
Além das práticas implementadas, os próprios recursos das bibliotecas encerram em si a hibridez dos tempos modernos, apresentando-se em múltiplos suportes.
Também os serviços prestados pelas bibliotecas têm lugar presencialmente, mas também em modalidades a distância.
Há, pois, um caminho facilitador de uma intervenção muito proativa por parte das bibliotecas na transição digital, que já tem vindo a ser percorrido há algum tempo. Graças a esta experiência, os professores bibliotecários poderão constituir-se como elementos importantes no que será o desenho, pelas escolas, dos seus planos de ação de desenvolvimento digital.
Evidenciou finalmente que toda a Rede está convocada para uma ação que deverá ser concertada, articulada, estruturada e que visa sobretudo inovar e melhorar a educação, preparar melhor os alunos para o seu mundo e garantir-lhes um futuro.
Seguiu-se o Dr. José Vítor Pedroso, Diretor-Geral da Educação que apresentou as linhas gerais do Plano de Transição Digital na Educação, que a RBE tinha já referido no seu artigo Plano de ação para a transição digital: implicações para as escolas, publicado no dia 07/01/2021, neste mesmo blogue.
Concluindo a sua intervenção, chamou a atenção para o relevante papel que as bibliotecas escolares são chamadas a desempenhar, no que respeita à curadoria de Recursos Educativos Digitais de qualidade, isto é, à sua produção/ seleção e disponibilização.
Terminou o seu discurso, afirmando que teremos todos muito trabalho, mas que se espera que este seja interessante e construtivo e nos conduza a muito sucesso neste processo de transição digital.
Interveio em seguida a Dra. Maria João Horta, Subdiretora-Geral da Educação, que apresentou o Programa de Capacitação Docente em Competências Digitais, bem como as etapas da elaboração do Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas. A sua intervenção foi apoiada numa apresentação que permitiu clarificar as várias questões abordadas e que pode ser consultada aqui.
Seguiu-se o tempo para perguntas e respostas através da sala de chat do YouTube.

Das várias intervenções, salienta-se a pertinência de os professores bibliotecários estarem integrados nas equipas a quem competirá a elaboração do PADDE. Para isso, será imprescindível que a sua ação seja proativa e colaborativa, mobilizando permanentemente as competências e a experiência que têm vindo a ser adquiridas ao longo dos últimos anos.

De um modo geral, foi com grande recetividade que toda a equipa recebeu os desafios lançados, manifestando a sua disponibilidade para fazer parte das soluções a encontrar em conjunto nos seus contextos.

top_academia_pordata.jpg

As formações realizadas pela PORDATA, através da sua parceria com a RBE, prosseguem em 2021.

Os Agrupamentos/ Escolas não agrupadas poderão solicitar a realização da formação Pordata, dirigida a alunos do ensino secundário, ou Pordata Kids, dirigida a alunos dos 4.º, 5.º e 6.º anos do ensino básico. Nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, existe a possibilidade de deslocação do formador às escolas, mas atendendo à situação da pandemia, sugerimos que as sessões sejam preferencialmente a distância. Nas restantes regiões do país, a formação será apenas a distância.

Cada Agrupamento/ Escola não agrupada poderá requerer um máximo de 10 sessões. Solicita-se, no entanto, uma única inscrição por Agrupamento/ Escola de modo a racionalizar o agendamento das sessões. Após a receção das inscrições, a equipa da Academia Pordata procederá ao contacto com o Agrupamento/ Escola a fim de agendar as diferentes ações solicitadas. Qualquer das formações referidas é gratuita e tem a duração de 50 a 90 minutos, apenas se exigindo uma sala com computador, projetor de vídeo e ligação à Internet.

O formulário de inscrição está disponível no portal da RBE.

Artigo completo: PORDATA e PORDATA KIDS

telefonico.png

47% das grandes empresas vão aumentar a contratação de perfis digitais nos próximos anos. São necessários cadea vez mais especialistas em big data, análise de dados, segurança cibernética, marketing de rede, posicionamento, estratégia de negócios digitais ... A coleção 'Profissões digitais', uma publicação on-line e em papel da Fundação Telefónica, mostra as novas profissões que estão a mudar o cenário de empregos em todo o mundo.

 

Atualmente, 80% dos jovens que está a estudar vai encontrar trabalho em algo que não existe. Por isso, a Fundação Telefónica através do seu programa Conecta Empleo alavanca e fomenta a formação digital dos jóvens por via de potentes ferramentas que contribuem para a sua transformação. Uma delas é a nova coleção  ‘Profesiones digitales’, un conjunto de monográficos que se podem consultar e descarregar de forma gratuita:

 

Como novidade, a Fundação Telefónica acaba de lançar o 42 Madrid, um campus de programação inovador no qual ainda se pode registar através da sua plataforma on-line. Um método de ensino disruptivo, acessível a todos, sem aulas, sem livros, sem limite de idade, aberto 365 dias por ano e gratuito, que procura formar profissionais qualificados e especialistas em digital.

 

Referência: ¿Qué profesiones digitales demandan las empresas? | Fundación Telefónica España. (2020). Fundaciontelefonica.com. Retrieved 2 January 2020, from https://www.fundaciontelefonica.com/noticias/profesiones-digitales-mas-demandadas-empresas/

 

 

 

WEIWERBE_LOGO.png

| Projeto-piloto 2019.2020Programa WEIWE(R)BE |

A Rede de Bibliotecas Escolares, em parceria com a Universidade Aberta, apresentou, no dia 27 de novembro de 2019, o projeto-piloto WEIWE(R)BE.

 
 
 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 

1.º Encontro WEIWE(R)BE | literacia digital e literacia da informação com a be. http://blogue.rbe.mec.pt/1-o-encontro-weiwerbe-literacia-2314583

Uma publicação partilhada por Rede de Bibliotecas Escolares (@rbe_pt) a

Este programa visa o desenvolvimento de competências ao nível das literacias da informação e digital, de forma a promover o trabalho colaborativo e, ao mesmo tempo, novas responsabilidades nos utilizadores de recursos digitais.

No primeiro ano do programa WEIWE(R)BE o enquadramento nas práticas curriculares implica a definição de estratégias de trabalho com as seis bibliotecas de escolas do ensino secundário que aceitaram o convite de envolver, nesta experiência-piloto, professores e alunos de turmas do 10.º e 11.º anos.

Finalidade:

  • Criar uma atitude crítica e reflexiva no acesso e uso de fontes de informação, em particular dos Recursos Educacionais Abertos.

Objetivos:

  • Sensibilizar os professores para as potencialidades educativas das ferramentas digitais e ambientes a elas associados a par do trabalho colaborativo com a biblioteca escolar;
  • Capacitar os alunos para uma leitura crítica e uso eficaz e ético da informação, através de conteúdos da Web, nomeadamente artigos da Wikipédia.

 

curriculo.png

Orgs: José Carlos Morgado, Joana Sousa, Antonio Flávio Moreira, Arlindo Vieira

Download | 2018 |

Introdução

Como campo de fronteiras muito porosas, que se ampliam na confluência de distintas visões sobre o Homem, a Sociedade, a Educação e a Formação, o currículo vem, progressivamente, a consolidar-se como área de referência no domínio das Ciências da Educação, em todo o Mundo. Tal consolidação perspetiva-se por diversos desafios teóricos e metodológicos que procuraram interpelar as políticas e as práticas curriculares, com intuito de clarificar quer os propósitos que norteiam o fenómeno educativo, quer as transformações que, se quisermos melhorar a sua qualidade, é necessário introduzir nesse processo. Daí a importância de um amplo debate sobre as decisões curriculares, tanto no interior como no exterior das instituições educacionais, uma vez que delas depende, em grande parte, a forma como se idealizam e concretizam os propósitos educativos.

O último Colóquio sobre Questões Curriculares, realizado na Universidade de Cabo Verde (UNICV), procurou contribuir para esse debate. Os textos que integram este livro, e que serviram de base às Conferências e às Mesas Redondas realizadas no Colóquio, demonstram-no, uma vez que testemunham diferentes visões dos seus autores relativamente às temáticas centrais do Colóquio: o Currículo, a Formação, a Crioulidade e a Internacionalização. [...]

Referência: Universidade da Madeira (2019). Www3.uma.pt. Retrieved 11 November 2019, from http://www3.uma.pt/jesussousa/Publicacoes/113.EBook.pdf


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogue RBE em revista

Clique aqui para subscrever


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor