Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



sala.png

Download | 2019 |
 
Resumo:
Os impactos da revolução digital têm afetado as mais diversas áreas e práticas sociais. Não só as formas como trabalhamos e comunicamos, mas também as formas como aprendemos e ensinamos têm vindo a ser confrontadas com a importância de se modernizarem e de usufruírem do potencial dos meios de comunicação. Principalmente daqueles que se encontram mais acessíveis no quotidiano. A crescente familiaridade com os media e a liberalização do seu acesso poderão, assim, ser compreendidas como oportunidades para a escola gozar das aprendizagens e práticas informais de professores e alunos para tornar o ensino mais próximo e para promover a aquisição e desenvolvimento de novas competências.
 
Foi adotada uma metodologia de análise mista que contemplou a aplicação de questionários a professores e alunos e a realização de entrevistas com professores. Partindo da análise dos hábitos e práticas criativas com os media de professores e alunos, decorridos no quotidiano e em contexto educativo, procurou-se refletir sobre as condições e predisposições para a introdução dos media em sala de aula, como ferramentas de trabalho que preparam os jovens para participar na sociedade e nas suas comunidades. Os resultados obtidos evidenciam que, apesar da existência de uma correlação positiva entre aqueles que usam os media mais frequentemente no quotidiano e aqueles que os utilizam mais frequentemente em contexto educativo, os usos nos dois contextos são ainda muito díspares. A par disso, professores e alunos reportam hábitos de criação, produção e participação reduzidos, percebendo-se que estes não são os principais intuitos da utilização dos meios no dia-a-dia.

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Resumo

O Instituto Nacional de Estatística editou a segunda publicação nacional de acompanhamento estatístico da Agenda 2030 da ONU, intitulada “Objetivos de Desenvolvimento Sustentável: Indicadores para Portugal | Agenda 2030”. A partir dos indicadores disponíveis é possível ter uma noção do desempenho do país em relação aos ODS, registando-se progressos em alguns deles, nomeadamente nos domínios da redução da pobreza, do acesso à saúde e das energias renováveis. Adicionalmente, no final deste destaque, faz-se referência a uma publicação relativa à dimensão territorial dos indicadores ODS, editada em maio de 2019, sob coordenação do INE.

Download do documento PDF (736 Kb)

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

leituras.png

Download |

 

Oiça aqui a comunicação:

Dois estudos sobre leituras juvenis (2004/2013)

Objetivos dos dois estudos:

  • Mapear as práticas de leitura de livros impressos e os objetos dessas leituras.
  • Medir a proporção entre leituras escolares / leituras livres.
  • Situar as práticas de leitura entre as atividades de tempos livres.
  • Conhecer as formas de leitura em ambiente digital bem como as formas de leitura de imprensa clássica.
  • Conhecer as representações e os juízos sobre a prática leitora.
  • Compreender as fraturas nessas práticas: sexo, idade, habitat, capital escolar das famílias; orientação para os estudos, contacto precoce com a leitura, estimulação familiar.
  • Entender a importância das redes de pares e de outros agentes na promoção da leitura.
  • Caraterizar os padrões e finalidades de uso das bibliotecas municipais e escolares.
  • Avaliar a possibilidade de formação de uma classe leitora juvenil.
  • Estabelecer para os vários planos analisados um perspetiva evolutiva.
 
 
Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

mac.png

 

A McDonald’s Portugal, em parceria com o Plano Nacional de Leitura 2027 (PNL 2027) e o Expresso, apresentam o inquérito “O que leem os nossos filhos” – uma sondagem conduzida pela Growth from Knowledge (GFK) que analisa os hábitos de leitura das famílias portuguesas, com crianças e jovens entre os 5 e os 15 anos. 

 

Referência: 2027, P. (2019). Plano Nacional de Leitura 2027Pnl2027.gov.pt. Retrieved 28 May 2019, from http://pnl2027.gov.pt/np4/habitosdeleitura.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

aberta.png

Download |

 

Apresentação

 

Na sociedade em rede a pergunta que devemos fazer é como se desenvolvem as aprendizagens dos novos atores e como estes se transformam em autores nos contextos de criação do conhecimento.

 

Os atores seguem um guião de ação, mas o que esperamos é que estes assumam um novo papel, como autores, para participarem de forma ativa nos processos de mudança e inovação.

 

A educação sustentada na reprodução de saberes, que se afirma ainda de modo recorrente, tem como pensamento orientador a valorização do currículo formal, a partir do qual resulta um modelo de desenvolvimento limitado, nos planos social e cognitivo, para enfrentar os processos de mudança.

 

Neste sentido, a educação para o futuro tem como maior desafio construir o pensamento para a cultura da inovação.

 

O desafio que enfrentamos na globalização do conhecimento não consiste em reproduzir saberes, pois assim ficaremos em modo de pausa no processo de mudança, mas sim inovar o conhecimento em rede para podermos antecipar o futuro.

 

No mundo digital e em rede a educação a distância tem um papel fundamental para afirmar as novas proximidades no diálogo, na colaboração e na construção conjunta das aprendizagens e do conhecimento.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

as_tic.png

Ballesteros Guerra, JC e L. Picazo Sánchez (2019). [e-Book] TIC e sua influência na socialização de adolescentes. Madri, Centro da Rainha Sofia sobre Adolescência e Juventude, 2018.

Download

 

A pesquisa analisa o uso que adolescentes espanhóis entre os 14 e 16 anos fazem da rede e das redes sociais, as dificuldades que encontram, como as resolvem, os dispositivos que manipulam e desde quando, entre outras questões. Os resultados da pesquisa foram obtidos por meio de 1.624 entrevistas a adolescentes de 14 a 16 anos em centros educacionais, 4 grupos foco e 8 entrevistas individuais.

 

O objetivo dos processos de socialização é o indivíduo adquirir todos os elementos e conhecimentos que lhes permitam interagir na sociedade em que vive (Barahona et al., 2002). Nesse sentido, as TIC (tecnologias da informação e comunicação) envolvem mudanças nos ritos e padrões de comunicação e interação social, incorporando uma série de vantagens e possibilidades a esses processos de socialização, mas também desafios e riscos. 

 

Em relação à utilizaçâo das TIC, a população enfrenta uma infinidade de elementos que devem ser aprendidos para os integrar na sua vida quotidiana: a gestão do self online, a facilidade de comunicação, bem como o surgimento de novos códigos de relacionamento mediada pela tecnologia, a necessidade de conhecer e aprender os requisitos formais de gerenciamento de dispositivos, essa experiência uma constante renovação, ou as relações entre o mundo online e offline. 

 

Sempre foi sugerido que os jovens "têm mais facilidade", em relação à sua adaptação a mudanças e novas habilidades tecnológicas, e foram mesmo rotulados como "nativos digitais" para exemplificar a aparente facilidade com que assumem e incorporam os novos desafios tecnológicos nas suas diretrizes de vida. Facilidade que não nega o requisito de mediações de aprendizagem ou orientação em relação à sua adaptação às mudanças e às novas habilidades tecnológicas.

 

Traduzido do espanhol com adaptações.

Referência: Arévalo, J. (2019). Las TIC y su influencia en la socialización de adolescentes.Universo Abierto. Retrieved 4 March 2019, from https://universoabierto.org/2019/03/04/las-tic-y-su-influencia-en-la-socializacion-de-adolescentes/

 

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

cidadania_global.PNG

 

Que iniciativas de Educação para a Cidadania são levadas a cabo nas nossas escolas? Em que medida é que essas práticas se cruzam com a Educação para a Cidadania Global numa perspetiva de transformação social?

 

Estas foram algumas das questões de partida que guiaram a construção do estudo exploratório Iniciativas de Educação para a Cidadania Global em meio escolar*, promovido pelo CIDAC e pela FGS, que decorreu entre 2017 e 2018 e que foi agora disponibilizado online. Para a sua implementação foi elaborado um quadro concetual a partir do qual se desenhou um inquérito enviado a escolas, professoras e professores e diferentes redes de educação, e que foi divulgado nesta newsletter, tendo-se recebido 164 respostas, das quais 124 foram consideradas válidas.

 
Consultar o estudo completo AQUI.
Resumo em português, castelhano e inglês AQUI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

digital.png

El informe “Journalism, Media and Technology Trends and Predictions 2019″ encuesta a 200 líderes digitales de todo el mundo sobre lo que creen que serán los retos y oportunidades a los que se enfrentarán el periodismo, los medios de comunicación y la tecnología este año. Este será el año en que la regulación de las empresas de plataformas tras la creciente preocupación por la desinformación, la privacidad y el poder de mercado. Algo que antes se consideraba impensable se ha convertido en “inevitable”, en palabras del jefe de Apple, Tim Cook, aunque los detalles serán confusos, difíciles de resolver y tomarán tiempo para hacerse realidad.

 

Mientras tanto, la difusión de contenidos falsos, engañosos y extremos seguirá socavando las democracias de todo el mundo, con la polarización de las elecciones en la India, Indonesia y Europa como puntos álgidos. El periodismo seguirá transformándose por los cambios estructurales que ya han provocado importantes caídas de los ingresos publicitarios. Los editores están buscando suscripciones para compensar la diferencia, pero es probable que los límites de esto se hagan evidentes en 2019. Tomadas en conjunto, es probable que estas tendencias conduzcan a la mayor ola de despidos en empresas periodísticas en años, debilitando aún más la capacidad de los editores para exigir responsabilidades a los políticos populistas y a los poderosos líderes empresariales.

 

Referência: Arévalo, J. (2019). Tendencias en periodismo, medios de comunicación y tecnología 2019Universo Abierto. Retrieved 22 January 2019, from https://universoabierto.org/2019/01/22/tendencias-en-periodismo-medios-de-comunicacion-y-tecnologia-2019/

Autoria e outros dados (tags, etc)

flexibilidade.PNG

Ariana Cosme | Setembro 2018Download do estudo

 

INTRODUÇÃO
Este é um documento através do qual se torna público o Estudo Avaliativo do Projeto de Autonomia e Flexibilidade Curricular (PAFC), um projeto desenvolvido em regime de experiência pedagógica, por 226 agrupamentos escolares e escolas não agrupadas (Cf. Anexo 1)1, da rede pública e privada de ensino, cujos órgãos de direção/administração e gestão manifestaram interesse e decidiram implementar.

 

Foi ao abrigo do Despacho no 5908/2017, publicado Diário da República n.o 128/2017, Série II de 2017-07-05, que durante o ano letivo de 2017/18 se desenvolveu o referido projeto, em regime experimental, o qual constitui o objeto da avaliação que se partilha através deste relatório.

 

Nesta sequência, promoveu-se um estudo avaliativo compreensivo (modelo orientado para a gestão in Worthen e Sanders, 1987) daquele projeto, tendo como preocupação central a identificação e disponibilização de informação relevante para a fundamentação de decisões de gestão por parte do Ministério da Educação (Afonso, 2005).

 

Assim, mais do que medir, descrever ou julgar (Guba e Lincoln, 1989), pretendia-se contribuir para estimular os atores educativos no terreno, levando-os a participar nesse processo de modo a que, como defendia Kemmis (1988), a avaliação possa ser entendida como um processo através do qual se projetam, obtêm, conferem e organizam informações e argumentos que resultam da reflexão sobre o problema em debate.

 

Na linha de Natércio Afonso (2005), este estudo avaliativo teve como preocupação central “a recolha de informação fiável e sistemática sob aspetos específicos da realidade social usando procedimentos empíricos com o intuito de gerar e interrelacionar conceitos que permitem interpretar essa realidade” (p. 14). (...)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

dgeec.png

 

Dados administrativos das escolas públicas, desde o pré-escolar ao ensino secundário, dos dois últimos anos letivos

No âmbito do Simplex+ o Ministério da Educação disponibiliza o BIME – Plataforma de Informação Edu que agrega informação administrativa relativa às escolas públicas, divulgando um conjunto de dados úteis ao cidadão relativamente às escolas públicas nos dois últimos anos letivos.

 

Pode encontrar os dados administrativos aqui.

 

Mais informação útil:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor