Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



el cuento como estrategia pedagogica.png

O trabalho apresenta dez reflexões sobre a história, a palavra, a narrativa, o currículo e a escola; bem como uma coleção de trinta histórias, todas referindo-se ao mundo da educação, ao trabalho do professor.


Segundo o autor, a história como estratégia pedagógica ajuda a formar valores, gera estados de contemplação e consciência, aumenta níveis de escuta, origina vínculos com o passado e a tradição, potencializa a imaginação, ensina o pensamento intuitivo, fornece novas questões e lembra-nos, enquanto nos liga ao futuro, que o mais humano no homem também pode ser dito em lógicas narrativas e não-lineares. 

 

Autor : José Federico Agudelo Torres

 

Edição : Fundo Editorial Luis Amigó. Medellín - Colômbia. 2016

 

Referência: Barrientos, J. (2019). El cuento como estrategia pedagógica. Libro en pdf, gratisLeagratis.blogspot.com. Retrieved 21 January 2019, from https://leagratis.blogspot.com/2018/09/el-cuento-como-estrategia-pedagogica.html

Autoria e outros dados (tags, etc)

VIII Congreso Nacional: Siglo XXI, Educación y Ceibal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dig.png

Já se encontra disponível, no repositório da Universidade de Aveiro, a versão portuguesa do “Digital Competence Framework for Educators (DigCompEdu)”, da responsabilidade dos investigadores do CIDTFF, Margarida Lucas e António Moreira.

 

O DigCompEdu dirige-se a educadores de todos os níveis de educação, desde a infância até ao ensino superior e educação de adultos, incluindo formação geral e profissional, educação especial e contextos de aprendizagem não formal. Propõe 22 competências, organizadas em 6 áreas, e um modelo de progressão para ajudar os educadores a avaliarem e desenvolverem a sua competência digital.

 

Com base no DigCompEdu foi desenvolvida uma ferramenta de autorreflexão que permite aprender mais sobre os pontos fortes pessoais e as áreas onde é possível melhorar a utilização que se faz das tecnologias digitais para o ensino e a aprendizagem. Está disponível para educadores de diferentes níveis de ensino e pode ser acedida aqui.

 

Referência: – Livro | DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores . (2019). Blogs.ua.pt. Retrieved 13 January 2019, from http://blogs.ua.pt/cidtff/index.php/2019/01/11/livro-digcompedu-quadro-europeu-de-competencia-digital-para-educadores/

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Normas para crianças e pais no uso da tecnología. Elizabeth Kilbey, psicóloga e escritora.

 

 

Capaz de decifrar os enigmas do mundo infantil, a psicóloga e escritora Elizabeth Kilbey é o rosto mais conhecido da série de televisão britânica "A Vida Secreta das Crianças", onde analisa o comportamento de crianças entre 4 e 6 anos de idade.

 

Kilbey é investigadora no campo da psicologia clínica e especializada na "idade de latência", que define como "o período que vai dos 4 aos 11 anos ou mais e que é uma das etapas mais importantes, embora mais negligenciada, do desenvolvimento da criança ". 


Kilbey trabalhou durante duas décadas propondo soluções para os problemas familiares mais comuns e, nos últimos anos, tem percebido uma preocupação recorrente na sua prática: o uso descontrolado das novas tecnologias pelas crianças. "Os ecrãs estão a mudar a forma como as crianças brincam, a maneira como se socializam e as atividades com que ocupam o seu tempo", diz o psicólogo. Com o objetivo de fornecer soluções, Kilbey publicou recentemente "Disconnected Children", um livro no qual ela analisa o impacto dos dispositivos de ecrã e fornece ferramentas para os gerir e criar um ambiente familiar seguro.

 

Referência: Normas para niños y padres en el uso de la tecnología. (2019). BBVA Aprendemos Juntos. Retrieved 9 January 2019, from https://aprendemosjuntos.elpais.com/especial/normas-para-ninos-y-padres-en-el-uso-de-la-tecnologia-elizabeth-kilbey/

Autoria e outros dados (tags, etc)

aned.png

Aprender en la Era Digital. Madrid; Fundación Telefónica, 2018

 

O estudo convida à reflexão e foca os cenários educativos atravessados hoje ​​por uma mudança vertiginosa de época. Os fatores mais decisivos deste cenário são as transformações que estão a ocorrer com conhecimento e informação. Pode-se argumentar que a educação tem lugar hoje no âmbito de uma revolução cujo alcance não se limita unicamente ao âmbito tecnológico e produtivo, mas manifesta-se em aspetos económicos, sociais, culturais, políticos e educativos, estabelecendo-se, em suma, um novo contexto digital e uma nova cidadania.

 

A partir de uma perspetiva ampla de qualidade educativa, os autores analisam a forma como as tecnologias contribuem para democratizar o conhecimento, disponibilizando-o para amplos setores sociais. Ao mesmo tempo, e de forma complementar e enfática, assinala-se que as TIC representam uma oportunidade para melhorar a qualidade da educação. Para tanto, o trabalho contextualiza a situação das políticas de TIC na Argentina, no marco da proatividade refletida nas agendas educativas da região.

 

Referência: Arévalo, J. (2019). Aprender en la era digitalUniverso Abierto. Retrieved 9 January 2019, from https://universoabierto.org/2019/01/09/aprender-en-la-era-digital/

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

mw-860.jpeg

Ilustração: Helder Oliveira | por Raquel Albuquerque | Expresso

 

Linguagem “politicamente incorreta” de provérbios, contos ou canções deve ser discutida, mas não apagada

 

Há já algumas décadas que a história da Carochinha é contada pela metade: o fim verdadeiro na versão original incluía pássaros sem olhos e sem penas perante o desgosto da protagonista. Mas isso foi ‘apagado’. Nos últimos anos, outras histórias infantis, como o Capuchinho Vermelho ou Hansel e Gretel, têm sido adaptadas para retirar situações consideradas violentas. Mas, defendem os especialistas, mais do que reescrever as histórias quando se tornam desadequadas ou politicamente incorretas, importa parar para as discutir.

“A língua não muda à mesma velocidade que a sociedade. Transformar os contos tradicionais não faz sentido. E não acho que, numa lógica de cidadania, um provérbio ou outro tipo de expressão possa ser mudado por decisão. Pode é acabar por cair em desuso”, defende Antónia Coutinho, linguista e professora na Universidade Nova de Lisboa (UNL). Expressões como ‘entre marido e mulher não se mete a colher’, ‘com um olho no burro, outro no cigano’ ou ‘mulher honrada não tem ouvidos’ são outros exemplos. Passam de geração em geração, arrastando os costumes e perceções das suas épocas, mas também a violência, desigualdade social e discriminação racial então aceites.

“Parar para pensar no que dizemos agudiza a nossa sensibilidade e faz-nos deixar de usar a língua de forma mecânica. Passamos a questionar o que já está enraizado e que é necessário desnaturalizar”, explica a investigadora do Centro de Linguística da UNL. Foi também esse o princípio de base defendido pela PETA, uma organização não-governamental de defesa dos animais, que lançou na semana passada, nos Estados Unidos, uma campanha sugerindo alternativas a provérbios antianimal. Também o PAN tem usado as redes sociais para sugerir alternativas a expressões de violência contra os animais, defendendo a importância de a linguagem acompanhar a sociedade.

 

ACABAR COM O MEDO

Nas novas versões “politicamente corretas” dos livros infantis, como o Capuchinho Vermelho, o lobo deixa de comer a avó. Já a história dos irmãos Hansel e Gretel, que quase acabam comidos por uma bruxa depois de se perderem na floresta, foi sendo aligeirada desde o século XIX quando foi registada e publicada pelos irmãos Grimm.

O antropólogo Paulo Jorge Correia, um dos maiores especialistas nacionais em literatura de tradição oral, critica o facto de se estar a retirar a sensação de medo destas histórias. “As crianças gostam desse lado dos contos”, defende. “Mas hoje também têm menos tempo para ouvir histórias, porque socializam mais cedo e deixam o casulo familiar. Pior do que isso são os pedagogos que defendem que o medo e a violência devem ser cortados por fazerem mal aos mais novos. Essa ideia entrou no mercado do livro e as histórias têm sido adaptadas ao ‘delicodoce’.”

O risco é criar uma “sociedade assética”, defende o investigador. “Esse mundo considerado violento, e desadequado à realidade atual, está a ser rejeitado e higienizado. Se tivermos uma sociedade totalmente assética, as crianças pensam que não existe mal no mundo. E acho que isso está a acontecer”, diz. “Deve haver liberdade para perceber o mundo como ele realmente é. E os contos trazem algo único: a natureza humana, por mais chocante que ela possa ser.”

A violência doméstica e a misoginia, ou seja, o desprezo e preconceito contra as mulheres, estão presentes em muitos contos. “São um retrato de uma civilização rural onde a ordem social consistia em ter o homem acima da mulher e apenas Deus acima do homem”, afirma Paulo Jorge Correia, acrescentando que os contos se resumem à luta entre “velhos e novos, homens e mulheres, ricos e pobres”.

Também nas cantigas infantis a banalização da violência do homem sobre a mulher está presente. E algumas têm sido alvo de alterações (ver caixa). Para José Barata-Moura, ex-reitor da Universidade de Lisboa e também autor de célebres canções infantis, “a cultura está sempre presente em qualquer cantiga infantil”, podendo apenas ser diferente no ângulo, género, linguagem ou expressão do imaginário. “No meu entendimento, uma cantiga não é um objeto de consumo imediato para entreter, é uma ocasião de conversa e de aprofundar o diálogo entre os mais velhos e os mais novos.” Ainda que admita que a produção infantil foi durante muito tempo “menor e feita rapidamente para ser consumida no Natal”, o filósofo e cantor considera que “arranjar alternativas às cantigas é uma forma pobre de lidar com um problema real”.

 

O PAPEL DA ESCOLA

Se estes provérbios, contos, histórias e cantigas realmente expressam formas de discriminação racial ou violência doméstica, devem ser ensinados nas escolas? “É claro que não devem ser postas nos manuais, mas não podem ser silenciados nas escolas, devem ser discutidas. É papel da escola pegar nessas formas de dizer as coisas e desconstruir os seus significados”, diz José Pacheco, presidente do Instituto de Educação da Universidade do Minho.

O antropólogo Paulo Jorge Correia concorda. “Há o risco de esta literatura oral perpetuar esses arquétipos”, sejam eles raciais ou sexistas. Admitindo que numa fase inicial e estrutural da educação de uma criança, as formas de expressão mais discriminatórias ou violentas possam ser omitidas, o professor da Universidade do Algarve defende, no entanto, que esta literatura não deixe de ser publicada tal e qual como é. “Até mesmo para que estes cidadãos, quando estiverem formados, tenham acesso a esta tradição oral e a conheçam.”

Para a linguista e professora da UNL, o “mais urgente” é discutir o assunto e sensibilizar a população. “A escola tem de ter essa função mas a responsabilidade recai sobre os professores, as editoras responsáveis pelos manuais escolares, os revisores de texto, os pais e a comunicação social. Tenho sérias dúvidas de que a solução seja limpar ou apagar a história e a cultura.” O mesmo defende José Barata-Moura. “A solução não é impingir uma moralidade exterior, que se repete mecanicamente, mas antes apostar no diálogo. Embora seja muito mais fácil despejar uma mensagem moralista e irmos dormir descansados.”

 

Referência: Quando se conta um conto e se retira um ponto. (2018). Jornal Expresso. Retrieved 17 December 2018, from https://expresso.sapo.pt/sociedade/2018-12-16-Quando-se-conta-um-conto-e-se-retira-um-ponto

Autoria e outros dados (tags, etc)

Cuerdas é uma curta-metragem de animação de Espanha que foi escrito e dirigido por Pedro Solís García em 2013.

Recebeu o Prêmio Goya de melhor curta-metragem de animação em 2014[1].

A curta-metragem conta a história de uma menina que se tornou amiga de um menino que tem paralisia cerebral.

 

Referência textualCuerdas. (2018). Pt.wikipedia.org. Retrieved 3 December 2018, from https://pt.wikipedia.org/wiki/Cuerdas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

educ.PNG

Download |

 

A publicação Estado da Educação 2017 apresenta-se, este ano, organizada de acordo com a estrutura das atuais comissões, orientada para os destinatários.

 

À semelhança das edições anteriores, tem em conta vários indicadores de referência no domínio da educação, abrangendo a questão da territorialidade. O relatório conta, igualmente, com contributos de autoria sobre a educação e valorização do interior.

 

Referência: Estado da Educação 2017 . (2018). Cnedu.pt. Retrieved 3 December 2018, from http://www.cnedu.pt/pt/noticias/cne/1364-estado-da-educacao-2017

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Daniel J. Siegel - Psiquiatra e professor

Ver programa completo.

 

Daniel J. Siegel é MD, Professor de Psiquiatria Clínica da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia em Los Angeles, co-diretor da UCLA Consciente Research Center e diretor executivo da Mindsight Institute. 

 

Siegel é o autor de bestsellers como 'ser pais conscientes', 'Mindsight', a nova ciência da transformação pessoal e de 'Mindsight' um dos livros mais aclamados internacionalmente, cujas propostas foram aplicadas a programas educativos em todo o mundo . 

 

No seu trabalho 'Brain Storm', Daniel J. Siegel fornece as chaves para acabar com alguns dos mitos mais comuns e falsas crenças sobre a adolescência. 

 

Do ponto de vista positivo, Siegel diz que a adolescência é uma fase muito especial, uma faísca emocional, um tempo de conexão social, de buscar o novo e com essência criativa: "Os adolescentes têm paixão, a sensação de que tudo é importante. 

 

Eles têm uma profunda capacidade de colaboração entre si e a coragem de experimentar coisas novas ", diz.

 

Referência: Desmontando mitos sobre los adolescentes. (2018). BBVA Aprendemos Juntos. Retrieved 20 November 2018, from https://aprendemosjuntos.elpais.com/especial/desmontando-mitos-sobre-los-adolescentes-daniel-j-siegel/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estratégias para aprender melhor. Barbara Oakley, educadora e escritora

Ver programa completo.

 

Barbara Oakley é professora de engenharia na Oakland University em Rochester, uma académica ilustre com o Prémio de Aprendizagem Digital Global Ramón e Cajal da Universidade McMaster. É diretora do curso "Aprendendo a aprender" do Coursera, o maior curso on-line do mundo. 

 

Oakley é uma das referências internacionais sobre neuroeducação e vencedora de vários prémios de ensino, como o Prêmio Chester F. Carlson da Sociedade Americana de Educação em Engenharia. 

 

Nos seus livros "A Mind for Numbers" e "Mindshift", oferece as chaves para descobrir nosso potencial oculto graças à aprendizagem. 

 

Oakley teve uma vida cheia de aventuras. Foi nomeada capitã do exército dos Estados Unidos, Trabalhou como especialista em comunicações na Estação do Pólo Sul na Antártida e trabalhou na tradução a bordo de barcos de pesca no Mar de Bering.

 

A Dr. Oakley  convida-nos a sair de nossa zona de conforto para desenvolver novas habilidades e flexibilidade de trabalho: "Uma qualidade que nos ajudará a adaptar-nos a um mundo em constante mudança", diz ela.

Referência: Estrategias para aprender mejor. (2018). BBVA Aprendemos Juntos. Retrieved 19 November 2018, from https://aprendemosjuntos.elpais.com/especial/estrategias-para-aprender-mejor-barbara-oakley/

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor



Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Twitter_