Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



premios.PNG

 

A Rede de Bibliotecas Escolares associa-se às iniciativas da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), com o apoio do Ministério de Educação e da Fundação SM, que lançam em 2019 os prémios Educação em Direitos Humanos - Óscar Arnulfo Romero (3.ª edição) e O que estás a ler? (6.ª edição).

 

EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS - ÓSCAR ARNULFO ROMERO (3.ª EDIÇÃO) 

O prémio Educação em Direitos Humanos - Óscar Arnulfo Romero destina-se a reconhecer o trabalho de:
A. Escolas ou agrupamentos de escolas de todos os níveis de educação e ensino ou
B. Organizações da sociedade civil (ONG) na defesa do direito à educação, à convivência na escola, à paz, à inclusão e, em geral, às liberdades fundamentais do ser humano. 

 

Lançado a 1 de fevereiro, este concurso estabelece 15 de maio como data-limite para entrega das candidaturas; a 5 de junho serão conhecidas as propostas vencedoras: 2 por categoria (A e B), cada uma delas recebendo 5.000 dólares para investimento nos programas vencedores. Segue-se a fase internacional do concurso em que são selecionados os vencedores dos 20 países ibero-americanos (setembro), seguindo-se a entrega do prémio num dos países a definir.

 


 
Veja também: 
• 70 Anos ao Serviço da Comunidade Ibero-americana através da Educação, da Ciência e da Cultura 1949-2019
• Resultados das edições anteriores
• Terceira Edição – Como participar
• Redes sociais -  #PremioDDHHRomero.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Eleanor_Roosevelt_and_Human_Rights_Declaration.jpg

por Andreia Friaças | Quiz | na foto Eleanor Roosevelt exibe cartaz contendo a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1949).

 

O 70.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos assinalou-se segunda-feira, dia 10 de dezembro. O PÚBLICO reuniu algumas questões sobre os artigos que compõem a carta, os seus defensores e abstencionistas e ainda sobre quem a deveria ter escrito.

 

Referência: Quiz: o que sabe sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos?. (2018). PÚBLICO. Retrieved 14 December 2018, from https://www.publico.pt/mundo/interactivo/quiz-que-sabe-sobre-declaracao-universal-direitos-humanos

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

concurso.PNG

Regulamento |

No âmbito das comemorações dos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos e dos 40 anos da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos, a RBE, na qualidade de membro do grupo interministerial organizador das Comemorações, vem incentivar os responsáveis pelas bibliotecas escolares a participem no concurso “Banda Desenhada dos Direitos Humanos”, promovido pela Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional, IP – ANQEP, IP e, cujos termos passamos a citar, conforme convite dirigido às escolas:

 

Através desta iniciativa, desafiam-se os jovens que frequentam cursos do nível secundário de educação a elaborarem uma banda desenhada sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos, constituída por 30 tarjas (uma por direito), nos termos definidos pelo Regulamento deste concurso.

 

As escolas deverão inscrever-se, manifestando interesse em participar neste concurso, através de e-mail, enviado para o endereço redessociais@anqep.gov.pt, até ao próximo dia 20 de novembro.

 

O envio dos trabalhos terá de acontecer até 31 de dezembro de 2018, conforme estipulado no regulamento do concurso .                 

 

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. (...).

Declaração Universal dos Direitos do Homem, Artigo 1.º

 

A proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos e da Convenção Europeia dos Direitos Humanos, ocorrida há 70 anos atrás, marca um passo decisivo na evolução da humanidade.

 

Sobre o tema apresentamos Dreams of Freedoom da Amnesty International UK, cujas ilustrações são, entre outros, de Chris Riddell e Oliver Jeffers.

Riddell é cartonista político do jornal Observer, embaixador da Amnistia Internacional e autor de livros como, Meu pequeno livro de grandes liberdades: o ato de direitos humanos em imagens, Nascemos todos livres e Aqui estou eu; Jeffers é  ativista contra a xenofobia, o aquecimento global e o uso de armas nos EUA, país onde vive, trabalha para o International Rescue Committee e, em 2017, ao descobrir a paternidade, publicou Aqui Estamos Nós - Notas para Viver no Planeta Terra, livro do ano da revista Time (categoria infanto-juvenil).

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

dh.png

 Proposta de atividades |

 

COMEMORAÇÕES

2018 assinala o ano da celebração dos 70 anos da proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) e dos 40 anos da sua publicação oficial em Portugal, bem como o 40.º aniversário da adesão de Portugal à Convenção Europeia dos Direitos Humanos.

 

Para assinalar esta data a Rede de Bibliotecas Escolares foi convidada a participar num grupo de trabalho interministerial, formado para contribuir para o debate público sobre o tema e promover iniciativas geradoras de aprendizagem sobre os direitos humanos. Desse grupo de trabalho resultaram as seguintes Linhas orientadoras e Programa, cuja implementação deverá terminar em dezembro, encerrando com uma sessão solene na Assembleia da República a 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

 

Considerando que a proclamação destes documentos marca um grande passo para a nova civilização de seres humanos “livres e iguais em dignidade e em direitos” (artigo 1.º da DUDH e lema das comemorações) e que o processo de afirmação destes direitos não está acabado nem é irreversível, é importante que os responsáveis das bibliotecas se envolvam e participem nas múltiplas ações propostas. E porque são sobretudo as ações com crianças e jovens que devem marcar a prioridade da nossa agenda, a RBE preparou um conjunto de dinâmicas educativaspropícias a que estes tomem consciência, reflitam e intervenham na comunidade, com o propósito de promover a defesa dos direitos humanos consagrados e discutir a possibilidade de instituição de novos direitos que protejam a qualidade de vida das pessoas e do planeta. 

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

ver o guia

Guia do professor

     

ver atividades

Atividades do aluno

    

 

Es imprescindible incluir en las aulas de todos los niveles el conocimiento, estudio, análisis, aplicación creativa y puesta en práctica de los Derechos Humanos.

 

Para ello es necesario hacerlo de forma trasversal, que encaje y se incluya en la totalidad de los temarios y currículos, que se basen en ellos los métodos y los mecanismos didácticos, que sirvan de sustento a la convivencia entre los alumnos y de fundamento de diálogo y vínculo necesario entre profesores, alumnos y toda la comunidad educativa.

 

Una buena estrategia didáctica trasversal, es la que se basa en la utilización eficaz y actualizada de los medios de comunicación, tanto como recursos didácticos en el aula como elemento que aglutina y hace posible el tratamiento de todos los temas, canaliza los afectos y sirve de proceso de aplicación de todas las habilidades.

 

Ler mais >>

 

Referência: Reserved, I. (2018). Educar para los derechos humanos a traves de los medios de comunicacionEducomunicacion.es. Retrieved 17 July 2018, from http://educomunicacion.es/Derechos%20humanos/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

stop.png

 Amnistia Internacional Portugal |

 

Stop Bullying – Um Recurso Educativo Baseado nos Direitos Humanos para Combater a Discriminação” é publicado oficialmente esta segunda-feira, 30 de outubro, pela Amnistia Internacional Portugal, com o propósito de prestar um contributo para o desenvolvimento de práticas e políticas educativas de erradicação do bullying e da discriminação, sob todas as formas, no sistema de ensino em Portugal.

 

O documento faz uma análise abrangente do fenómeno de bullying, propõe medidas e mecanismos preventivos e planos de ações e de atividades concretas e participativas que podem ser realizadas nas escolas, incluindo recursos a integrar nessas sessões de educação para os direitos humanos e de combate ao bullying. Visa-se com este manual capacitar e envolver ainda mais profundamente todos os agentes do universo escolar, de forma holística, para tornar os contextos educativos em espaços mais inclusivos e seguros.

 

Este manual é fruto de um projeto de dois anos – Stop Bullying! – que resultou de uma candidatura europeia da organização de direitos humanos no Daphne III 2014-2016, e foi integrado no plano de trabalho da Amnistia Internacional a par das atividades que já decorrem no contexto do dia-a-dia das Escolas Amigas dos Direitos Humanos. O projeto Stop Bullying! foi desenvolvido pela organização de direitos humanos em quatro países europeus (Portugal, Itália, Irlanda e Polónia), no total de 17 escolas, e, com ele, pretendeu-se alcançar uma redução em 33% nas incidências de bullying nos estabelecimentos de ensino participantes.

 

Em Portugal, o projeto Stop Bullying! envolveu cerca de 2 400 alunos, 142 professores e 94 assistentes operacionais, em diversos momentos, a nível nacional e internacional. Nomeadamente, em maio de 2016, com a realização de uma semana de atividades em várias escolas, por todo o país, e ainda a realização de um vídeo, com a colaboração dos alunos participantes e apadrinhado pelo músico Slow J.

 

Amnistia Internacional Portugal publica manual de combate ao bullying e à discriminação nas escolas - Amnistia Internacional Portugal. (2017). Amnistia Internacional Portugal. Retrieved 5 November 2017, from https://www.amnistia.pt/amnistia-internacional-portugal-publica-manual-combate-ao-bullying-discriminacao-nas-escolas/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

internet.png

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Carta de Direitos Humanos e Princípios para a Internet abarca todo o âmbito de direitos humanos contidos na Declaração Universal de Direitos Humanos e outros documentos que compõem a Carta Internacional de Direitos Humanos da ONU. Trata-se do resultado do trabalho de muitas pessoas e organizações ao longo dos anos e vem crescendo na medida em que outros começam a aplicar suas 21 cláusulas para situações específicas. (...)

 

Leia e baixe o documento aqui.

 

Ler mais >> 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Decisão recente da União Europeia vai obrigar a Google a respeitar o direito à privacidade dos cidadãos, lemos no Jornal I: «O Tribunal de Justiça da União Europeia reconheceu hoje o direito dos cidadãos a serem “esquecidos” na internet e a pedirem ao Google e a outros motores de busca para retirarem as ligações a informações pessoais.

 

A decisão, tomada depois de uma queixa de um cidadão espanhol, aplica-se a informações “inadequadas, não pertinentes ou já não pertinentes ou excessivas em relação ao objetivo pelo qual foram processadas tendo em conta o tempo decorrido”.

 

O tribunal baseia a decisão na conclusão de que, ao abrigo das atuais normas de proteção de dados na UE, “um motor de busca na internet é responsável pelo processamento que faz de dados pessoais”.

 

Ler mais no Jornal I, 13 maio >>

 

Autoria e outros dados (tags, etc)
















Em 2012, segundo dados das Forças de Segurança (GNR e PSP), verificaram-se 26.084 registos de participações de violência doméstica e 37 homicídios conjugais. (...)
Entre janeiro e novembro de 2013, o Observatório de Mulheres Assassinadas da UMAR – União de Mulheres Alternativa e Resposta registou 33 homicídios e 32 tentativas de homicídio, relatados no âmbito da imprensa nacional escrita.
Neste dia 14 de fevereiro - Dia dos Namorados, a Associação de Mulheres Contra a Violência - AMCV relança a campanha “Esquecer a primeira agressão é tão difícil como esquecer o primeiro beijo” e convida todos os interessados a participarem, hoje, pelas 18h30,  na Estação do Rossio (Lisboa), no Lisbon V-day,   uma iniciativa integrada na campanha global One Billion Rising for Justice.

Notícia atualizada

Autoria e outros dados (tags, etc)

























A exposição itinerante Anne Frank: uma história para hoje vai estar patente na Biblioteca Escolar da Escola Básica de Rio Tinto nº2, de 12 a 28 de fevereiro. A inauguração acontecerá a 12 de fevereiro, pelas15h30. O horário de visita, de 2ª a 6ª feira, será das 8h30 às 18h30. Esta exposição já percorreu dezenas de cidades e é fundamentalmente dirigida a quem não teve oportunidade de realizar uma visita à Anne Frank House, em Amesterdão.

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor