Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



IAi.jpg

Nome do autor: Pablo Rodríguez Canfranc 
Data: 29-11-2017

 

Descrição:

A evolução da inteligência artificial nas últimas décadas tem criado programas e algoritmos que não só executam mecanicamente tarefas agendadas, mas também são capazes de aprender com a experiência, assim como os seres humanos, podem fazer julgamentos e tomar decisões. Essa inteligência, que ultrapassa a capacidade humana, representa novos desafios desafiando os argumentos da ficção científica.

 

Top Hits é uma coleção de caso da Fundación Telefónica, que visa trazer para a sociedade as vantagens de viver num mundo digital e o papel da cultura digital como um fator enriquecedor de transformação que alimenta o talento inovador e criativo das pessoas. Para o efeito, cada volume da série examina tendências e fenómenos de hoje relacionadas com redes de tecnologia e comunicação, a fim de identificar as mudanças que podem trazer problemas à nossa vida, que aparentemente são modismos, mas são a ponta de lança das transformações sociais e económicas mais profundas.

 

 

Referência: Telefónica, F. (2018). Detalle publicación | Fundación Telefónica EspañaFundaciontelefonica.com. Retrieved 19 August 2018, from https://www.fundaciontelefonica.com/arte_cultura/publicaciones-listado/pagina-item-publicaciones/itempubli/622/

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

intelligenceartificielle-300x201.jpg

 in NetPublic |

 

O quotidiano económico Les Echos consagrou uma das suas séries de verão de 10 artigos, a um dossiê informativo sobre a inteligência artificial sob o prisma de uma saga : Petite histoire de l’intelligence artificielle, publicado em agosto de 2017.

 

A inteligência arificial explicitada

 

Através de invenções que pontuam ritmos e avanços tecnológicos, retratos de grandes nomes da IA (pesquisadores ...), atores económicos que investiram em inovações no campo (IBM, Facebook , Google, Amazon ...), Les Echos disponibiliza uma série de artigos fascinantes para entender melhor, através de datas-chave, o que fundou e o que é inteligência artificial para melhor refletir sobre seu futuro.

 

A História da Inteligência Artificial em 10 artigos

1950 : Alan Turing imagine la machine intelligente

1956 : Et l’intelligence artificielle devint une science

1957 : Le Perceptron, première machine apprenante

1968 : Avec Kubrick, l’IA devient star de cinéma

1973 : Le premier « hiver » arrive sur l’IA

1997 : Kasparov s’incline face à Deep Blue

2011 : Avec Watson, IBM remporte « Jeopardy ! »

2013 : Les GAFA se ruent sur le « machine learning »

2016 : Google devient maître du go

2017 : Alexa, la voix d’Amazon

 

Licence : Lire la licence dans une nouvelle fenêtre Creative Commons by-nc-sa
Géographie : France

 

Referêrencia: NetPublic » Petite histoire de l’intelligence artificielle : 10 dates et articles clésNetPublic » Petite histoire de l’intelligence artificielle : 10 dates et articles clés. (2018). Netpublic.fr. Retrieved 23 April 2018, from http://www.netpublic.fr/2017/08/petite-histoire-de-l-intelligence-artificielle/ 

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

ia.jpg

 por Sébastien Turbot* | Fonte: Porvir |


Como a chegada de novas ferramentas e algoritmos pode transformar a experiência mão na massa e tornar a aprendizagem mais profunda e relevante

 

“A combinação de humanos com máquinas não é o futuro, é o presente”, disse o xadezista russo Garry Kasparov numa recente palestra TED.

 

E esse “presente” está a transformar o mundo da educação em ritmo acelerado. Com as crianças cada vez mais a usar tablets e a programação a ser incluída nos currículos nacionais por todo o mundo, a tecnologia está a tornar-se parte integrante das salas de aula, tal como o giz e o quadro negro.

 

Já testemunhámos o aumento e o impacto da tecnologia da educação, especialmente através de uma multiplicidade de plataformas de aprendizagem adaptativa, como Khan Academy e Coursera, que permitem aos alunos aprimorar as suas habilidades e conhecimento.

 

E agora a realidade virtual (VR, na sigla em inglês) e a inteligência artificial (AI, também em inglês) estão a ganhar força. Um recente relatório do grupo editorial britânico Pearson decifra como a inteligência artificial transformará positivamente a educação nos próximos anos. Segundo os autores do relatório, “o futuro oferece o potencial de ferramentas e apoio ainda maiores. Imagine companheiros de aprendizagem ao longo da vida alimentados por AI que possam acompanhar e apoiar estudantes individuais ao longo de seus estudos – dentro e além da escola – ou novas formas de avaliação que medem a aprendizagem enquanto ela está a ocorrer, moldando a experiência de aprendizagem em tempo real”.

 

Na verdade, os altos custos continuam a ser um desafio, mas o dia em que as ferramentas de inteligência artificial e realidade virtual serão tão acessíveis quanto os smartphones e os computadores de mesa não está longe.

 

 

 

 

adapatdo do português do Brasil.

 

Inteligência artificial na educação: não ignore, faça bom uso!
Inteligência artificial na educação: não ignore, faça bom uso!. (2017). PORVIR. Retrieved 19 September 2017, from http://porvir.org/inteligencia-artificial-na-educacao-nao-ignore-faca-bom-uso/

 

*Sébastien Turbot é o curador e diretor de programas globais no WISE (World Innovation Summit for Education) da Qatar Foundation. Siga-o no Twitter: @sturbot

 

Conteúdo relacionado:

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Este software de inteligência artificial consegue automatizar tarefas rotineiras. Facebook e Microsoft prometem investir em força nesta tecnologia nos próximos anos.

por Paulo Matos (jornalista)

 

Apesar de já existirem há muito, os bots vieram recentemente para a ribalta, uma vez que tanto Facebook como Microsoft revelaram que vão apostar forte nesta tecnologia nos próximos anos. Algo que fez várias pessoas levantar o sobrolho e perguntar: mas, afinal, o que é um bot? É um software de inteligência artificial concebido para automatizar tarefas repetitivas e que seguem um padrão, ou seja, como se fossem desempenhadas por um robot. Alguns exemplos práticos: adicionar um compromisso ao calendário ou fazer uma reserva para jantar.

 

Atualmente, os bots estão a ser utilizados pelas empresas para lidar com uma variedade de pedidos dos clientes que anteriormente requeriam uma chamada telefónica para um interlocutor humano. No futuro, deverá assistir-se a um incremento exponencial dos chatbots, que estão inseridos dentro das apps de mensagens e simulam conversas, isto é, respondem de uma forma que dá a ilusão de que se está a interagir com um humano.

 

Por exemplo, Mark Zuckerberg revelou recentemente que vai abrir o código da app Messenger para que programadores possam criar chatbots que se integram neste serviço de mensagens. «Nunca mais terão de ligar para call centers», salientou o CEO. Mas a Microsoft promete não ficar atrás e Satya Nadella, o líder da empresa, afirmou que «os bots são as novas apps», revelando que a assistente pessoal Cortana irá facilitar a integração de bots de terceiros.

 

Mas o mundo dos bots não é um mar de rosas, pois a capacidade de simular uma conversa com um humano faz com que esta tecnologia também seja utilizada para manipulação na Internet. Por exemplo, ao navegar online é provável que se depare com alguns bots que são usados para gerar comentários automaticamente, promover discussões ou tentar redirecionar para outros sites. É por isso que, muitas vezes, temos de recorrer ao sistema CAPTCHA (aquele que nos obriga a digitar uma determinada palavra antes de consumarmos uma ação), que é uma forma de teste de Turing usado para distinguir humanos de bots com pouca inteligência artificial.

 

Nota: Este conteúdo foi originalmente publicado na Exame Informática nº 252

 

Conteúdo relacionado:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor