Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Captura de ecrã 2020-09-21, às 09.31.04.png

https://www.youtube.com/watch?v=a2IPF3h3bPo

A 25 de setembro de 2019 a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO - https://pt.unesco.org/news/comissao-futuros-da-educacao-da-unesco-apela-ao-planejamento-antecipado-o-aumento-das) lança Futuros da Educação – Aprender a transformar-se (https://redclade.org/wp-content/uploads/Futures-of-Educ-Project-document-19-Mar-2019.pdf) para “refletir e gerar o debate sobre como a educação pode ser repensada num mundo em crescente complexidade, incerteza, e precariedade”. A pandemia provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2 e pela doença Covid-19 que levou ao fecho das escolas, afetando a vida dos estudantes em todo o mundo, intensificou a urgência desta missão (https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000373207/PDF/373207eng.pdf.multi).

Futuros da Educação – Aprender a transformar-se é um projeto ambicioso por diversas razões:

- Serve o propósito de pensar, imaginar e construir, não o “futuro” da educação e da escola que queremos e que precisamos, com todos os novos instrumentos de aprendizagem à distância usados no contexto da pandemia, mas os seus diversos cenários ou possibilidades (“futuros”);

- Perspetiva os futuros da educação e da escola como base para transformação de nós próprios, da humanidade e do planeta (“Aprender a transformar-se”);

- Presidido pelo presidente da Etiópia, Sahle-Work Zewde, é dirigido por uma Comissão (https://es.unesco.org/futuresofeducation/comision-internacional) de líderes em todo o mundo nas áreas da política, academia, artes, ciência, tecnologia, empresas e sociedade civil que apela e mobiliza à participação pública global sobre o tema;

- O seu horizonte é 2050, não obstante os desafios para o desenvolvimento sustentável que a Agenda 2030 ainda nos reserva – esta é a Década da Ação (https://nacoesunidas.org/decada-da-acao-e-impulso-a-agenda-2030-para-o-desenvolvimento-sustentavel/);

- Compromete a comunidade no desenho e realização de uma educação de qualidade, isto é, para todos, todos sem exceção (inclusiva), equitativa e contínua (ao longo da vida), conforme estabelece o quarto Objetivo para o Desenvolvimento Sustentável (ODS, 2015 - https://sdgs.un.org/goals).

Somente na base do direito humano fundamental da educação (Direito 26 da Declaração Universal dos Direitos Humanos – https://unric.org/pt/declaracao-universal-dos-direitos-humanos/) florescem (a árvore como imagem de desenvolvimento ou progresso sustentável) as infinitas possibilidades individuais e coletivas do ser humano e se garante a proteção e preservação da Terra, suporte de vida para todos os seres que nela habitam, defende a primeira ideia do documento do projeto, “Um compromisso público reforçado para a educação como um bem comum” (https://redclade.org/wp-content/uploads/Futures-of-Educ-Project-document-19-Mar-2019.pdf).

Esta conversa global não deve ser estranha à biblioteca e à escola, uma vez que “A Comissão apela a todos com responsabilidades educativas, dos membros do governo aos professores e aos pais, para darem prioridade à participação, de um modo geral, dos estudantes e dos jovens, a fim de co-construir com eles a mudança que eles desejam ver”, tal como prevê a quarta ideia do projeto, “Ênfase à participação e direitos dos estudantes, jovens e crianças”.

E de que modo podem participar e expressar as suas ideias sobre os futuros da educação até 2050 (https://es.unesco.org/futuresofeducation/get-involved/los 3-principales-desafios-y-objetivos-de-la-educacion)? Por exemplo:

- Respondendo a um inquérito de um minuto sobre as suas prioridades;

- Partilhando por escrito a sua opinião;

- Apresentando uma criação artística sobre a sua visão;

- Organizando localmente debates, por exemplo sobre “Aprendizagem virtual vs. escola: o que mais nos influencia?”;

- Ouvindo e influenciando os outros nos debates que a UNESCO está a organizar sobre o tema (https://www.facebook.com/rbeportugal/posts/3405640416166597), alguns em português, como os realizados em colaboração com a Fundação Santilhana (https://es.unesco.org/news/alianza-unesco-y-fundacion-santillana).

A iniciativa dispõe de recursos (https://en.unesco.org/futuresofeducation/resources) que podem apoiar esta ação. As contribuições de todos serão partilhadas com a Comissão Internacional sobre o Futuro da Educação e ajudarão a dar forma ao próximo relatório global sobre educação que será publicado até final de 2021.

Os relatórios da UNESCO expressam uma visão humanista da educação e de desenvolvimento dos direitos humanos e são três:

- 2015: Repensar a educação: rumo a um bem comum mundial?
(https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000244670) – no ano os países assumem o seu compromisso em prol da realização dos 17 Objetivos para o Desenvolvimento Sustentável, este relatório destaca o papel da educação para o bem comum;

- 1996: Educação: um tesouro a descobrir
(http://dhnet.org.br/dados/relatorios/a_pdf/r_unesco_educ_tesouro_descobrir.pdf - Jacques Delors) - estabelece “os quatro pilares” da educação - aprender a ser, aprender a conhecer, aprender a fazer e aprender a viver juntos;

- 1972: Aprender a ser: o mundo da educação hoje e amanhã
(https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000001801 - Edgar Faure) - sublinha o caráter universal e contínuo da educação, a forma mais eficaz de ultrapassar as desigualdades e o sofrimento.

Com idêntico propósito as Sete lições complexas na educação para o futuro (https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000117740 - Edgar Morin, 1999), sobre os modos de evitar o erro e a ilusão e alcançar o conhecimento, é outro dos documentos de referência da UNESCO.

Tomando por lemas “Não podemos voltar ao mundo como era antes” e “Agora é a hora de ação coletiva inteligente”, a Comissão aguarda os contributos de todos para a criação de uma nova agenda da educação que responda aos desafios da sustentabilidade humana e do planeta.

Etiquetas:



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor