Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue RBE

Qui | 14.12.23

O papel central das Bibliotecas Escolares

por Virgínia Varandas, Diretora do AE de Campo, Valongo

2023-12-15.png

Teresa Calçada, na entrevista dada ao Jornal de Letras (5 a 18 de março de 2014), afirma que Em Portugal temos das melhores bibliotecas escolares do mundo. Esta perceção do longo e frutuoso trabalho desenvolvido pela Rede de Bibliotecas Escolares é também visível no Agrupamento de Escolas de Campo (AECampo), Valongo, que atualmente conta com quatro bibliotecas escolares, uma na Escola sede e três em Escolas Básicas, todas elas bem equipadas e com um plano de trabalho inovador ao integrar projetos de leitura e escrita, teatro, literacia digital, entre muitos outros. A dinâmica das bibliotecas é ainda desenvolvida nas restantes escolas do Agrupamento, onde está presente de forma estruturada e organizada (organização do espaço e documentação e dinamização de atividades e projetos).

Subscrevendo o princípio (Quadro estratégico 2014-2020) de que as BE são “estruturas nucleares na escola” (p.11), promotoras da “igualdade de oportunidades no acesso ao conhecimento e ao exercício da cidadania” (p.12), as professoras bibliotecárias do AECampo têm projetado as bibliotecas como centros de aprendizagens múltiplas, como espaços físicos e virtuais de leitura e de pesquisa, de mediação no acesso à informação, contribuindo para a construção do conhecimento. Neste sentido, desenvolvem o seu trabalho no apoio ao currículo, incrementando práticas de gestão flexível do currículo, implementando atividades e projetos de caráter curricular e de enriquecimento curricular, tendo como a primeira área estruturante a literacia da leitura, seguida da literacia dos media e a literacia da informação, para além da perspetiva transversal da literacia digital.

Com a implementação do Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas (PADDE) no Agrupamento, a biblioteca tem dado um manifesto contributo ao envolvimento efetivo e ao trabalho articulado entre todos, integrando de forma mais sistemática as tecnologias digitais e as oportunidades fornecidas pelas redes sociais nos processos de trabalho, de interação e de aprendizagem, numa aplicação pedagógica para apoiar e melhorar o ensino, a aprendizagem e a avaliação de e para as aprendizagens dos alunos, tendo em vista a transformação dos modelos didáticos e dos esquemas concetuais dominantes.

No presente ano letivo, e com duas ações “Escola a Ler” e “Diários de Escrita” do Plano 23|24 Escola+, a biblioteca foca também a sua intervenção nas prioridades do Agrupamento: a melhoria dos resultados escolares dos alunos nos anos de transição de ciclo. Da mesma forma prioriza, no seu Plano de Atividades, o PNL e o Projeto “Os Amigos da Biblioteca”: projetos promovidos pelo PNL, que têm como objetivos gerais desenvolver a formação leitora, promover o gosto/prazer, os hábitos e as competências de leitura, facilitar o acesso à leitura e ao conhecimento e aumentar os hábitos e os índices de leitura; o Projeto “Os Amigos da Biblioteca”, a funcionar na EBS, que tem como objetivo responder às necessidades dos pais/EE, numa perspetiva de Escola a Tempo Inteiro, proporcionando-lhes atividades de enriquecimento curricular, fora do seu horário letivo, de acordo com um plano de trabalho.

É neste sentido que a biblioteca no AECampo desempenha um papel central no desenvolvimento das literacias, no suporte à aprendizagem, na aquisição de competências de informação e na formação de leitores, através da dinamização de atividades muito diversas que convergem na biblioteca e envolvem as várias valências do Agrupamento, como por exemplo: as Famílias (Projeto Leitura em Família - Leitura vai e vem, no Jardim de Infância), o trabalho colaborativo e cooperativo com os   professores (pretendendo o desenvolvimento de um currículo integrado, em que a docentes bibliotecárias e os outros professores se envolvem na planificação e na criação de situações de aprendizagem de conteúdos curriculares em parceria, envolvendo toda a escola),  prestando-lhes também um serviço de curadoria e a implementação de uma “Escola Inclusiva” (constituindo-se como centro de recursos e de apoio).

A mudança é grande. A sociedade, hoje em dia, exige dos cidadãos uma participação mais ativa, envolvendo-os numa mobilização de múltiplos saberes. Neste sentido, o AECampo, envolvendo a BE numa perspetiva de trabalho colaborativo entre TODOS, promove ambientes educativos que favoreçam o cumprimento da sua Missão: “Prestar um serviço de educação pública universal, promovendo o Sucesso com Tod@s e para Tod@s, através de um ensino de qualidade, rigor e exigência, com base humanista, proporcionando apoio diferenciado a cada um/a, imprescindível para uma cultura de sucesso em que Tod@s possam aprender” (PE do AECampo: p. 39).

A Diretora,
Virgínia Varandas
Agrupamento de Escolas de Campo, Valongo

_____________________________________________________________________________________________________________________

3 comentários

Comentar publicação