Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O livro eletrónico dez anos depois

Uma revolução que nunca chegou

03.01.20

ebook.jpg

The 2010s were supposed to bring the ebook revolution. It never quite came.
Publishing spent the 2010s fighting tooth and nail against ebooks. There were unintended consequences.

By Constance Grady@constancegrady  Dec 23, 2019, 10:00am EST

Ler artigo na fonte.

 

No início de 2010, o mundo parecia estar preparado para uma revolução do livro eletrónico. Dez anos depois, as vendas estabilizaram, correspondendo 20% a livros eletrónicos e 80% a livros impressos. 

 

O  Amazon Kindle, lançado em 2007, incorporou efetivamente os e-books. Em 2010, ficou claro que os e-books não eram apenas uma moda passageira, mas que tinham vindo para ficar. Pareciam preparados para ser uma tecnologia disruptiva para a indústria editorial. Os analistas previam com confiança que os millennials iriam acolher os livros eletrónicos de braços abertos, abandonando os livros impressos e que as vendas continuariam a aumentar, para ocupar cada vez mais espaço no mercado e que o preço dos livros eletrónicos continuaria a cair e o mundo editorial mudaria para sempre.

Porque é que os nativos digitais, a geração Z e a geração do milénio têm tão pouco interesse nos livros eletrónicos? “Eles estão sempre ligados, vivem nas redes sociais, mas, quando se trata de ler um livro, fazem-no em papel."

Quem são as pessoas que realmente compram livros eletrónicos? São principalmente os boomers. “Os leitores mais velhos são os que mais gostam de ler digitalmente”, diz Albanese. “Eles não precisam de ir à livraria. Podem aumentar o tamanho da fonte. Para eles, o novo formato é conveniente.”

Os livros eletrónicos não só se vendem menos do que todos previam no início da década, como também custam mais  do que se pensava e, por vezes, até mais do que o seu equivalente impresso.

Então o que aconteceu? Porque falhou a inevitável revolução dos livros eletrónicos?

Para encontrar as respostas, teremos que analisar a ação judicial movida pelo Departamento de Justiça dos EUA, em 2012, contra a Apple, que havia entrado recentemente no mercado de e-books com a chegada do iPad, e os outros cinco maiores grupos editoriais que, juntos, formam os Big Six  da indústria.

O Departamento de Justiça acusou a Apple e os editores de terem um acordo para estabelecer os preços dos e-books contra a Amazon e, embora tenha vencido o processo judicial, o modelo de preços que a Apple e os editores tinham estipulado continuou a dominar a indústria, criando efeitos indesejados.

Quando o Kindle entrou no mercado em 2007, a Amazon tinha um argumento de venda simples: qualquer pessoa com um Kindle podia comprar todos os livros eletrónicos que desejasse no mercado on-line e, muitos deles, de facto, de entre os mais vendidos na lista do New York Times, não custariam mais de US $ 9,99. Mas, em 2009, os editores tiveram outra opinião, consideraram que a ideia de vender e-books por US $ 9,99 punha em causa a sua existência. E, segundo os editores, ao fixar o preço de um e-book em US $ 9,99, a Amazon poderia levar os leitores a subestimar o valor dos livros.

A Amazon estava a ganhar muito pouco com as vendas de livros eletrónicos em 2010 e, provavelmente, estaria a perder dinheiro com a maioria deles. Para uma empresa tão grande quanto a Amazon, é perfeitamente razoável perder dinheiro com uma nova iniciativa, se isso os ajudasse a dominar o espaço de mercado.

Mas as editoras ficaram aterrorizadas com o que aconteceria quando a Amazon se estabelecesse como o único agente no mercado, em termos de e-books.

A Apple havia estabelecido um modelo de revenda que funcionava de forma diferente daquela a que os editores estavam acostumados. Era chamado de modelo de agência e funcionava assim: os editores decidiam qual deveria ser o preço de tabela do seu livro e depois colocavam-no à venda a esse preço na loja iBooks. A Apple cobrava uma comissão de 30% em cada venda. Mas a Apple não conseguiu entrar no mercado de e-books enquanto cobrou cinco dólares a mais, por unidade, do que o seu maior concorrente. 

Então, a Apple chegou a um acordo com as cinco editoras que formavam os Big Six (Simon & Schuster, Penguin, HarperCollins, Hachette e Macmillan; Random House, então a maior editora comercial, absteve-se): todos seguiriam o modelo de agência da Apple. Dessa forma, a Amazon também se viu forçada a vender os seus e-books por US $ 14,99 e, se recusasse, os editores poderiam negar a venda dos seus e-books à Amazon e torná-los exclusivos da Apple. 

 

Referência: Arévalo, J. (2019). El libro electrónico diez años después, una revolución que nunca llegóUniverso Abierto. Retrieved 3 January 2020, from https://universoabierto.org/2019/12/24/el-libro-electronico-diez-anos-despues-una-revolucion-que-nunca-llego/

 

Etiquetas:



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogue RBE em revista

Clique aqui para subscrever


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor