Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blogue RBE

Espaço da Rede de Bibliotecas Escolares para difusão de projetos, eventos e ideias em torno da leitura, do livro, das literacias e dos novos ambientes digitais de informação e de aprendizagem.

Sex | 07.05.21

Metodologias ativas | Aprendizagem baseada em problemas

2021-05-07 alice-dietrich-FwF_fKj5tBo-unsplash .jp

Photo by Alice Dietrich on Unsplash

A Aprendizagem Baseada em Problemas (do inglês Problem-Based Learning - PBL) é uma metodologia de ensino que promove uma aprendizagem ativa centrada nos alunos, confrontando-os com problemas complexos do mundo real. Os alunos são levados a problematizar, refletir e atribuir significado às sua aprendizagens, à medida que encontram as respostas para os problemas que lhes são apresentados. Nesse sentido, esta metodologia, para além de favorecer competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida, estimula o pensamento crítico, a colaboração, a criatividade e a comunicação.

As investigações realizadas na área da aprendizagem baseada em problemas (Duch, Groh, and Allen, 2001) mostram que os alunos que são envolvidos em situações que implicam a resolução de problemas se mostram mais motivados e que revelam um melhor desempenho na realização de tarefas complexas.

 

O que é a aprendizagem baseada em problemas?

A origem da aprendizagem baseada em problemas está associada ao movimento da educação progressista, nomeadamente aos ideais de John Dewey que defendia um ensino centrado nas experiências dos alunos fora da escola (Dewey, 1916).

Como metodologia, surge entre o final da década de 60 e início da década de 70 na área da Medicina, sendo Barrows um dos investigadores mais conceituado. Para Barrows (1986) a aprendizagem baseada em problemas é um método de aprendizagem baseado no princípio da utilização de problemas como ponto de partida para a aquisição e integração de novos conhecimentos. Nesse sentido, os protagonistas da aprendizagem são os próprios alunos, que assumem a responsabilidade de ser parte ativa do processo.

Esta metodologia, para além das aprendizagens curriculares, favorece o desenvolvimento de competências transversais, tais como:

- Resolução de problemas e a tomada de decisões;

- Colaboração e trabalho em equipa;

- Capacidade de comunicação;

- Reflexão sobre a própria aprendizagem (metacognição);

- Pensamento crítico;

- Aprendizagem ao longo da vida.

 

Como se implementa?

 A característica central desta metodologia é que a experiência de aprendizagem proporcionada aos alunos seja orientada para a resolução de um problema que os envolva (Barrows, 2000). Portanto, o problema é central na aprendizagem baseada em problemas, pelo que o professor deve tirar partido do trabalho entre os alunos, para que cada um deles tenha acesso àquilo que precisa de saber sobre o problema e domine as competências necessárias para o solucionar.

De acordo com os fundadores desta metodologia (Barrows e Tamblyn, 2003), o processo que caracteriza a aprendizagem baseada em problemas passa pelas seguintes etapas:

1. Apresenta-se um problema aos alunos. Os alunos, em grupo, organizam as suas ideias e tentam solucioná-lo com o conhecimento que já possuem a respeito do assunto em causa. Desta forma, avaliam os seus conhecimentos e definem a natureza do problema.

2. Através da discussão em grupo, os alunos elaboram perguntas ou questões de aprendizagem, sobre os aspetos do problema em estudo. Estas questões são anotadas pelo grupo. Os alunos são continuamente estimulados a definir o que sabem e, sobretudo, o que não sabem a respeito do problema.

3. Os alunos classificam por ordem de importância as questões de aprendizagem levantadas pelo grupo e decidem quais as questões que serão investigadas por todo o grupo e as que serão feitas individualmente e, posteriormente, partilhadas com o restante grupo. Os alunos e o professor também podem discutir quais os recursos necessários na fase de investigação, tendo em conta as questões de aprendizagem.

4. Em grupo, os alunos exploram as questões de aprendizagem, integrando os novos conhecimentos para procurarem responder ao problema de partida. Nesta fase, os alunos devem fazer uma síntese dos novos conhecimentos, relacionando-os com o que já sabiam. É normal que, à medida que progridem na resposta ao problema, continuem a definir novas questões de aprendizagem. Desta forma, percebem que a aprendizagem é um processo contínuo e que sempre haverá – mesmo para o professor – questões de aprendizagem a serem exploradas.

5. Depois de terminado o trabalho e encontrada a resposta ao problema, os alunos autoavaliam-se e aos pares, desenvolvendo a capacidade de refletir sobre as suas aprendizagens.

Os autores alertam para a flexibilidade deste modelo, que pode assumir múltiplos formatos, respondendo, desta forma, a necessidades específicas do contexto em que ocorre.

O professor deve ter em conta os seguintes aspetos, que asseguram o sucesso da metodologia:

- os conceitos necessários para a resolução do problema devem ser apresentados e discutidos com os alunos;

- os problemas devem ser definidos com clareza;

- a análise do problema implica perguntar, explicar, formular hipóteses;

- a nova informação recolhida deverá ser sintetizada e apresentada.

 

Qual o papel da biblioteca escolar?

A biblioteca escolar pode apoiar a implementação desta metodologia, quer colaborando com os professores em situação de coensino, quer no apoio aos alunos, em momentos de trabalho autónomo.

De facto, esta metodologia assenta numa abordagem pedagógica centrada no aluno, em que este é o principal responsável pela sua aprendizagem, atuando ativa e criticamente, construindo o seu próprio conhecimento e compreendendo o mundo que o rodeia, através de atividades práticas, experiências e reflexões.

Nesta situação, a biblioteca escolar pode assumir-se como facilitadora da aprendizagem, assegurando a acesso à informação e aos recursos necessários para a resolução do problema identificado. Pode, ainda, ajudar os alunos a pensar criticamente, orientando as suas reflexões e proporcionando-lhes uma variedade de oportunidades de aprendizagem.

  

Referências

Barrows, H. S. (2000). Problem-based learning Applied to medical education. Springfield: Southern Illinois University Press.

Barrows, H. S.; Tamblyn, R. M (2003). Problem-based learning: an approach to medical education. Springer series on medical education (vol. 1). Springer Publishing company: New York.

Dewey, J. (1916). Democracy and education: An introduction to the philosophy of education. New York, NY: The Free Press.

Duch, B., Groh, S. E., and Allen, D. E. (2001). The Power of Problem-Based Learning: A Practical “How-to” for Teaching Undergraduate Courses in Any Discipline. Sterling, Va.: Stylus.

1 comentário

Comentar publicação