Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




mochila-refugiados1.jpg

 jornalissimo

 "E se fosse eu? Fazer a mochila e partir" vai pôr os jovens na situação de quem foge da guerra na Síria.

O objetivo resume-se a três palavras: promover a empatia.

E a empatia é algo simples: é a capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, de tentar perceber o que o outro sente, de o compreendermos, para melhor o podermos ajudar.

O desafio lançado pela Plataforma dos Refugiados designa-se "E se fosse eu? Fazer a mochila e partir" e vai colocar os alunos de todos os estabelecimentos de ensino do país (que queiram aderir) na posição de um refugiado sírio, alguém que a guerra obrigou a deixar o seu país e a partir em busca de apoio humanitário, longe de casa.

No dia 6 de abril, no primeiro tempo da manhã, as escolas são convidadas a trabalhar a questão dos refugiados. Nesse dia, os alunos serão incentivados a levar uma mochila e a colocar dentro dela os objetos que levariam com eles "caso tivessem que deixar tudo e partir".

Com o apoio da Direção-Geral de Educação (DGE), do Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e do Conselho Nacional de Juventude (CNJ), a atividade é inspirada num projeto intitulado 'What’s In My Bag?'. (...)

 

Ligações relacionadas:

Se os alunos da Caparica fugissem da guerra, não esqueciam a escova de dentes (PÚBLICO)

 

 

Ler mais >>

Etiquetas:



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor