Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue RBE

Qui | 07.10.21

Formar leitores laterais | o método SIFT

2021-10-04.png

Um dos métodos de leitura lateral que pode ser eficaz, SIFT, é desenvolvido por Mike Caulfield, Diretor de Aprendizagem Híbrida e em Rede da Washington State University (Canadá) e responsável pelo American Democracy Project 1.

SIFT é uma sigla que expressa quatro movimentos que o utilizador deve realizar antes de ler:

1. Stop!/ Pare! Comece por verificar a sua reação espontânea face à informação (reutilizar, denunciar, repostar, reencaminhar, assinalar gosto…), tome consciência das implicações do seu comportamento, exerça autocrítica/ controlo, suspendendo a decisão até saber o significado e implicações do que está a ler.

2. Investigate/ Investigue a fonte - grau de especialização, agenda, experiência, críticas/ comentários, propósito (informar, persuadir, vender - Crianças ou jovens sabem que conteúdo patrocinado é publicidade?).

3. Find/ Encontre relatórios ou análises, aprofundadas e diversas, que reúnam o consenso de especialistas sobre o que pretende ler – “A melhor estratégia talvez não seja investigar a fonte, mas sim encontrar a melhor fonte possível sobre este tópico”. Estes pontos de vista dominantes da comunidade científica, bem como os divergentes/ contrários, permitem compreender o contexto e a história e são um bom partida para avaliar o que ler.

4. Trace/ Rastreie críticas, citações, meios de comunicação social, verificadores de notícias que dão retorno ao contexto original. Muito do que se publica na internet corresponde a uma versão fragmentada e parcial da realidade/ conteúdos, esvaziando-a do contexto original das suas relações. Ler é, mais do que aprofundar o texto a partir das ligações que ele próprio apresenta, estabelecer o mapa dessas ligações exteriores ao texto, recontextualizar, construir a visão de conjunto original: O que aconteceu/ foi dito antes? O que foi cortado/ modificado?

A resposta ampla e fundamentada aos 5 W - Who/ Quem?, What/ O quê?, Where/Onde?, When/ Onde?, Why/ Porquê? – também permite ao utilizador tomar consciência, compreender, decidir. Só se deve ler, assinalar gosto ou reencaminhar um texto depois de cumpridas estes quatro movimentos.

Este apuramento da informação é um processo exigente, pelo que, periodicamente, pode ser necessário parar, lembrar o seu propósito e reavaliar a estratégia de pesquisa por informação confiável e relevante.

Há outros métodos de verificação de notícias 2, como o SMELL: Source/ Fonte, Motivation/ Motivação, Evidence/ Evidência, Logic/ Lógica, Left Out/ Posto de lado (e que está a faltar e pode modificar a interpretação da informação) 3.

Em 2017 Caulfield participou de um estudo do Grupo de Educação de História de Stanford que testava, a respeito de questões sociais e políticas, competências de avaliação na internet, em 3 grupos de leitores: historiadores com doutoramento, alunos licenciados e verificadores de factos profissionais. Concluiu que "Os verificadores de fatos [usando leitura lateral] provaram ser mais rápidos e precisos, enquanto historiadores e estudantes foram facilmente enganados por fontes não confiáveis" 4. Pensar como investigador ou verificador de factos pode ajuda-lo a estabelecer a diferença entre informação confiável ou manipulada.

A superabundância de informação em situações de emergência, como a da crise pandémica Covid-19, torna difícil a localização de fontes de informação fiáveis (uso de máscara, vacinação, propagação e transmissão do vírus, cura), gerando perigo de saúde individual e pública, ódio e discriminação e ataques às instituições - “Nós não estamos apenas a lutar com uma epidemia: nós estamos a lutar com uma infodemia”, afirmou o Diretor-Geral da Organização Mundial de Saúde 5.

Em 2021 Caulfield e outros investigadores publicaram um estudo 6 que apresenta indicadores que mostram, numa população de estudantes universitários, que o desenvolvimento de um currículo de leitura lateral à distância (sessões assíncronas) ajuda os alunos “a discernir informações fiáveis em linha no meio da proliferação de notícias falsas e desinformação sobre a pandemia da COVID-19 e outras questões”.

De que forma é que a sua biblioteca escolar forma leitores laterais e promove a verificação de factos e a construção do contexto de notícias ou informação das redes sociais, jornais…?

Recolha de notícias, anotações, mapas de ideias, jornais de parede, questionários e jogos, bem como partilha dos resultados na comunidade, podem ser formas de abordagem apelativas e eficazes. Há vídeos e atividades educativas de leitura lateral 7 que podem inspirar o seu trabalho.

 

Referências

1. American Association of State Colleges and Universities. (2003). American Democracy Project. https://www.aascu.org/programs/ADP/

2. NorthWest Arkansas Community College. (s.d.). Lateral Reading: Other Methods. https://library.nwacc.edu/lateralreading/other#s-lib-ctab-12106318-0

3. McManus, J. (2013). Don’t Be Fooled: Use the SMELL Test To Separate Fact from Fiction Online.http://mediashift.org/2013/02/dont-be-fooled-use-the-smell-test-to-separate-fact-from-fiction-online038/ .

4. Stanford Graduate School of Education. (2017). Research Stories. https://ed.stanford.edu/news/stanford-scholars-observe-experts-see-how-they-evaluate-credibility-information-online

5. Rede de Bibliotecas Escolares. (2020). Cidadania e biblioteca escolar: Vencer a infodemia. https://www.cidadania-rbe.pt/post/vencer-a-infodemia

6. Brodsky, J., Brooks, P., Scimeca, D., Galati, P., Todorova, R., Caulfield, M. (2021). Associations Between Online Instruction in Lateral Reading Strategies and Fact-Checking COVID-19 News Among College Students. https://journals.sagepub.com/doi/pdf/10.1177/23328584211038937

7. Civic Online Reasoning. (2021). Teaching Lateral Reading. https://cor.stanford.edu/curriculum/collections/teaching-lateral-reading/

 

Fonte da imagem: NorthWest Arkansas Community College Library. (2021). Lateral Reading: The SIFT Method. https://library.nwacc.edu/lateralreading/sift