Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue RBE

Sex | 08.03.24

Dia Internacional da Mulher: Todos devemos ser feministas

2024-03-08.png

Em 1909, nos Estados Unidos, a 28 de fevereiro, ocorreu a primeira celebração nacional do Dia da Mulher, organizada pelo Partido Socialista da América em homenagem à greve dos trabalhadores do vestuário de 1908 em Nova York.

Em 1910, na Conferência Internacional das Mulheres Socialistas em Copenhaga, Clara Zetkin propõe a criação de um Dia Internacional da Mulher para promover a igualdade de direitos e o sufrágio feminino. A proposta foi aprovada por unanimidade por mais de 100 mulheres de 17 países.

A 19 de março de 1911, foi celebrado o primeiro Dia Internacional da Mulher em vários países europeus. No entanto, esta celebração só foi oficializada em 1975, em assembleia da Organização das Nações Unidas.

Para que o dia 8 de março continue a ser comemorado propomos que as Bibliotecas Escolares festejem este dia com livros, lendo e divulgando. Muitos são os títulos disponíveis, no mercado e nas bibliotecas, que se apresentam como excelentes sugestões, deixamos-vos as seguintes propostas: 

Imagem1.png

 Todos Devemos Ser Feministas, de Chimamanda Ngozi Adichie[1].

Em 2012, apresentação We Should All Be Feminists, numa conferência TED, a qual começou a ser conhecida, um pouco por todo o mundo, e originou um livro, publicado em 2014. A primeira parte é uma adaptação do deste seu discurso e a segunda parte tem um pequeno conto intitulado "Casamenteiros".

Neste pequeno livro, mas poderoso, podemos ler:

 

Em 2003, escrevi um romance chamado A cor do Hibisco, sobre um homem que, entre outras coisas, batia na mulher, e a sua história não acaba lá muito bem. Enquanto eu divulgava o livro na Nigéria, um jornalista, um homem bem-intencionado, veio dar-me um conselho (talvez vocês saibam que os Nigerianos estão sempre prontos a dar conselhos, mesmo que ninguém os tenha pedido).

Ele comentou que as pessoas andavam a dizer que o meu livro era feminista. O seu conselho – disse, abanando a cabeça com um ar consternado – era que eu nunca, nunca me definisse como feminista, já que as feministas são mulheres infelizes que não conseguem arranjar marido.

Então decidi autointitular-me de «feminista feliz».

Mais tarde, uma professora universitária nigeriana veio dizer-me que o feminismo não fazia parte da nossa cultura, que era antiafricano, e que, se eu me considerava feminista, era porque havia sido corrompida pelos livros ocidentais (o que achei engraçado, porque passei boa parte da juventude a devorar romances que eram tudo menos feministas: devo ter lido toda a coleção da Mills & Boon antes dos dezasseis anos. E sempre que tentava ler os tais textos clássicos sobre o feminismo, ficava entediada e mal conseguia terminar).

De qualquer forma, já que o feminismo era antiafricano, resolvi considerar-me uma «feminista feliz africana». Depois, uma grande amiga disse-me que, se eu era feminista, então devia odiar os homens.  Decidi tornar-me então uma «feminista feliz africana que não odeia homens, e que gosta de usar batom e saltos altos para si mesma, e não para os homens.»

É claro que não estou a falar a sério, queria ilustrar apenas o quão negativa é a carga da palavra feminista: a feminista odeia os homens, odeia sutiãs, odeia a cultura africana, acha que as mulheres devem mandar nos homens; ela não se pinta, não se depila, está sempre zangada, não tem sentido de humor, não usa desodorizante.

img1.jpeg

 Já está disponível uma edição ilustrada e adaptada ao público mais jovem do livro Todos Devemos Ser Feministas. 

Imagem2.png     

Outras sugestões de leituras para comemorar o Dia Internacional da Mulher:

Imagem 3.png

Imagem4.png

Imagem5.png

Imagem6.png

Imagem7.png

Imagem8.png

Imagem10.png

Imagem11.png

Imagem12.png

Imagem13.jpg

Imagem14.png

Imagem15.png

 

Imagem16.png

 

 

Nota:

[i] Chimamanda Ngozi Adichie nasceu é uma escritora nigeriana que tem vindo a destacar-se no mundo literatura, sobretudo pelos temas eleitos. 

Nasceu em Enugu, no dia 15 de setembro de 1977.

Aos 16 anos, deixou a Nigéria e viajou até aos Estados Unidos onde foi estudar Comunicação na Drexel University, em Philadelphia, mas foi em Eastern Connecticut State University que se licenciou em Comunicação e Ciência Política. Mais tarde fez um mestrado em escrita criativa na Johns Hopkins University, em Baltimore, e estudou História Africana na Yale University.

Chimamanda Ngozi Adichie é atualmente uma das maiores vozes da literatura africana, tendo as suas obras já sido traduzidas para mais de trinta idiomas.

 

_____________________________________________________________________________________________________________________