Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blogue RBE

Seg | 04.03.24

Conhece a Pegada de Carbono da sua Biblioteca?

2024-03-04.png

Para tornar as bibliotecas mais sustentáveis, é necessário conhecer e compreender a sua Pegada de Carbono (Carbon Footprint) e criar um plano estratégico eficiente que contribua para a redução de emissões.

 1. Quais são os fatores a ter em conta no cálculo da Pegada de Carbono?

O cálculo da Pegada de Carbono incide sobre a Sustentabilidade Física da biblioteca [2], que inclui:

- As características e os processos que estão na origem da construção e funcionamento do edifício:

  • Eficiência energética e aquecimento/refrigeração;
  • Localização e acessibilidade/mobilidade;
  • Aquisição e logística.

- As atividades de rotina da biblioteca:

  • Separação de resíduos;
  • Reciclagem/reutilização de papel, livros e outros materiais;
  • Redução de energia (desligar equipamentos e luzes).

Incide ainda sobre fatores de Sustentabilidade Económica [2] da biblioteca:

  • Redução do consumo;
  • Economia circular e partilhada (recursos, dispositivos, espaços…).

 2. Quais são as vantagens do cálculo da Pegada de Carbono?

- Tomar consciência da quantidade de CO2 que um produto, atividade ou serviço provoca;

- Identificar as principais fontes de emissões;

- Fundamentar a decisão/ação;

- Obter dados comparáveis que podem gerar uma ação conjunta e a melhoria global do setor.

3. Que calculadora(s) usar?

Há diversas calculadoras de CO² digitais e de acesso livre que podem ser usadas no contexto da biblioteca.

 Calculadora da Global Footprint Network

Dos testes que realizamos, a calculadora da Global Footprint Network (GFN) [3] foi a que se mostrou mais completa. Pode ser consultada em 8 idiomas, incluindo português.

Segundo esta ONG formada por cientistas, o uso da calculadora é a primeira etapa de uma abordagem de redução de CO² abrangente e integrada no contexto local, que inclui as seguintes etapas: 

- Definição de objetivos de sustentabilidade quantificáveis;

- Adoção de estratégias de redução de CO²;

- Adoção de estratégias de compensação de CO²;

- Comunicação/Advocacy;

- Conformidade (Compliance) e requisitos legais, adotando certificações de eficiência energética ou outras.

 Calculadora de Papel e de Azoto

Há outras calculadoras automáticas e de acesso livre que podem complementar este diagnóstico e/ou ser usadas em projetos específicos da biblioteca, como:

  • A Paper Calculator 4.0 [4], calculadora da pegada de papel da ONG americana Environmental Defense Fund, que permite conhecer os impactos ambientais de diferentes tipos de papel, podendo aplicar-se a indivíduos ou organizações;
  • A N-Print (Nitrogen Footprint - N, símbolo químico do Azoto) [5], calculadora da Pegada de Azoto (designação portuguesa) ou de Nitrogénio (designação brasileira) da Universidade de Virgínia, EUA. Está disponível em 6 idiomas, incluindo português e permite calcular as emissões individuais resultantes de hábitos alimentares, utilizando dados per capita/país.

Destaca que a maior parte do azoto reativo (Nr) provém da produção de alimentos, designadamente da pecuária e do uso de fertilizantes na agricultura.

Inspirada nesta calculadora, Portugal disponibiliza uma versão desta calculadora adaptada à dieta mediterrânica, que pode ser usada de acordo com 3 faixas etárias: 5 - 12, 12 - 18, a partir dos 18 anos [6].

 

Estes modelos de cálculo da pegada de CO²/papel/azoto ajudam a biblioteca – e cada pessoa – a compreender o seu papel nas emissões globais, incentivando a consciencialização e a ação, para além de apresentarem medidas acessíveis para diminuir a pegada.

Para além destas calculadoras, destacam-se:

  • A Calculadora de GEE (Gases de Efeito de Estufa) das Nações Unidas que se aplica a indivíduos e organizações e, brevemente, a eventos [7];
  • A Calculadora da Pegada Consumidor da Comissão Europeia que avalia o impacto ambiental do estilo de vida de cada um tendo em vista o consumo responsável (ODS 12) [8].

4. Dia da Sobrecarga da Terra

Para além de disponibilizar a calculadora digital acima referida, a Global Footprint Network disponibiliza, na sua página, o cálculo anual da Pegada Ecológica da espécie humana [9].

A Pegada Ecológica é a única métrica que compara a procura de recursos e a absorção de resíduos com a capacidade de regeneração da Terra.

O Dia da Sobrecarga da Terra/Earth Overshoot Day “marca a data em que a procura da humanidade por recursos e serviços ecológicos num determinado ano excede o que a Terra consegue regenerar nesse ano”.

A Global Footprint Network calcula e organiza esta data e disponibiliza na sua página, em acesso livre:

- Dados globais e por país;

- Recursos pedagógicos para crianças e professores;

- Soluções para decisores organizadas em 5 categorias – Planeta, Cidades, Energia, Alimentação, População - e exemplos por país que contribuem para adiar esta data (#MoveTheDate) - e manter uma relação sustentável com o Planeta. No mapa global dos países [10], Portugal surge representado com a Eco Quinta Villa Maria, turismo de natureza na Pampilhosa e a campanha de Limpeza do Parque Natural da Ria Formosa feita por alunos, em Olhão.

A evolução da Pegada Ecológica mostra que o Dia da Sobrecarga da Terra ocorre cada vez mais cedo (défice ecológico), levando a maioria dos países a roubar recursos às futuras gerações (crédito ecológico).

Não obstante a imensa disparidade de consumos por país – os países mais ricos são os maiores responsáveis pela emissão de CO² e pelo esgotamento de recursos - o gráfico infra mostra que 2023 precisou em média de 1,7 planetas.

2023_Past_EOD_en_sm.jpg

Fonte da imagem [9]

A data de sobrecarga da Terra de cada ano é divulgada a 5 de junho, Dia Mundial do Ambiente.

A calculadora da ONG também permite determinar o Dia da Sobrecarga da Terra individual, avaliando o estilo de vida de cada um e propondo ações para adiamento da data.

 

Recolher dados sobre a Pegada de Carbono – e sobre o Dia de Sobrecarga da Terra – da biblioteca escolar ajuda a esclarecer o seu papel no desenvolvimento sustentável, permite-lhe progredir com base em evidências e faz dela um exemplo.

 

Este artigo tem continuação. O próximo é sobre Estratégias de Compensação de Emissões e Impressão Digital de Carbono (carbon handprint) da biblioteca.

 

Outros artigos sobre o tema:

Referências

  1. Global Footprint Network. (2024). Global Footprint Network researchers recognized with AASHE Sustainability Award. https://www.footprintnetwork.org/
  2. International Federation of Library Associations and Institutions. (2024). IFLA Green Library Award 2024 Evaluation Criteria. https://www.ifla.org/g/environment-sustainability-and-libraries/ifla-green-library-award-2024-evaluation-criteria/
  3. Global Footprint Network. (2024). Carbon Footprint. (https://www.carbonfootprint.com/
  4. Environment Paper Network. (2024). Paper Calculator 4.0. https://calculator.environmentalpaper.org/home
  5. International Nitrogen Initiativ. (2024). N-Print. https://n-print.org/
  6. Instituto Superior de Agronomia et al. (2024). Pegada do Azoto. http://www.pegadadoazoto.pt/
  7. United Nations. (2024). Measure your emissions. https://unfccc.int/climate-action/climate-neutral-now/measure-your-emissions
  8. European Commission. (2024). Consumer Footprint Calculator. https://knowsdgs.jrc.ec.europa.eu/cfc
  9. Global Footprint Network. (2024). Earth Overshoot Day 2023 Fell On August 2. https://overshoot.footprintnetwork.org/
  10. Global Footprint Network. (2024). Power of Possibility. https://overshoot.footprintnetwork.org/power-of-possibility/
  11. Imagem de Rosy / Bad Homburg / Germanypor Pixabay

 

_____________________________________________________________________________________________________________________