Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




inclusao.jpg

 

por Susana Peix
Colaboradora em BiblogTecarios. Escritora, bibliotecária, assessora especialista em literatura infantil, deficiência e acessibilidade. Dirigiu um programa de rádio e assessorou uma produtora de cinema.

 

Biblioteca inclusiva

Para uma biblioteca ser inclusiva não basta eliminar barreiras arquitetónicas. A cadeia de acessibilidade começa na casa do utilizador passa pela via pública e pelo uso ou não de transporte até a entrada da biblioteca. Uma vez dentro da biblioteca, devemos continuar até atingir o nosso objetivo.

Essa cadeia de acessibilidade não deve ser quebrada em nenhuma das suas ligações e, uma vez na biblioteca, bibliotecários e bibliotecárias têm uma tarefa importante a desempenhar: que os serviçosatividades  e coleções documentais sejam acessíveis.

 

O que é uma cadeia de acessibilidade?

É o conjunto de ações que uma pessoa planeia realizar, desde o ponto de partida até ao seu objetivo que inclui circulação, abordagem, acesso, uso, etc. Feito  com independência, facilidade e sem interrupções .

desenho de uma cadeia de acessibilidade

Se alguma dessas ações não for possível, a cadeia é cortada e o itinerário, espaço ou situação fica inacessível .

 

Por onde começo?

Esta pergunta é muito mais fácil de responder do que pensa. Em primeiro lugar devemos Mudar o chip!

 

 

Está claro que as bibliotecas  não vão passar de não inclusivas a inclusivas da noite para o dia, mas está nas nossas mãos avançar na direção da acessibilidade . Mudar o chip significa pensar em cada uma das ações que fazemos todos os dias: um novo serviço, organizar uma atividade, fazer uma seleção de coleções de documentários, desenhar um panfleto de divulgação...

 

Se cada vez que um de nós, para realizar essas ações, parar um momento para pensar sobre como satisfazer as necessidades de grupos com deficiência estaremos a dar um passo para a acessibilidade e, assim, para a inclusão.

 

Antes de executar qualquer uma dessas ações, devemos considerar e responder a algumas perguntas:

  1. Quais os grupos com deficiências que podem ser de interesse? -> Utilizadores-alvo
    1. Pessoas cegas ou com baixa visão?
    2. Pessoas surdas ou com deficiência auditiva?
    3. Pessoas com deficiências cognitivas?
  2. Como posso chegar até eles?
    1. Conheço as associações ou outras entidades na minha cidade ou área?
    2. Posso localizá-las?
  3. Como posso torná-lo/a mais acessível?
    1. Adaptando o folheto de divulgação? Letras grandes e com cores contrastadas? Leitura fácil? Áudio? Braille? Evitar imagens sem atributos? PDF acessível?...
    2. Interpretando a atividade em linguagem gestual?
  4. Que documentos posso oferecer para cobrir todas as necessidades de leitura e cultura?
    1. Leitura Fácil?
    2. Livros de áudio
    3. Livros em Leitura Fácil? Pictogramas? Língua de sinais?
    4. Filmes com audiodescrição?

 

A lista de perguntas pode ser muito mais ampla. Temos que parar um momento para refletir. Mas para isso, a formação é essencial . Essa é a única maneira de saber quais são as necessidades de leitura e acesso à informação ou ao prazer dos diferentes grupos com deficiência.

É inútil ter novas tecnologias na biblioteca se não soubermos a que grupos ela pode ser útil.

 

O primeiro passo para a inclusão de bibliotecas é realizar uma auditoria

Ter uma empresa especializada que analise tudo e mostre quais são os nossos pontos fortes e fracos. Isso faz-nos refletir. Saber onde estamos e para onde precisamos ir leva-nos a priorizar as ações mais importantes que devem ser executadas (especialmente quando não cumprimos o normativo vigente).

 

Dez coisas que devemos saber sobre pessoas com deficiência

  1. Uma elevada percentagem de pessoas com deficiência podem ter acesso à leitura, cultura, informação,  e às atividades e serviços oferecidos pelas bibliotecas, com o apoio necessário.
  2. Pessoas surdas não conseguem ler um livro convencional, mas podem ler um livro em Leitura Fácil.
  3. Todos podemos assistir a um filme com legendas adaptadas para pessoas surdas.
  4. Se dominam a língua gestual, podem desfrutar de muitas das atividades oferecidas pelas bibliotecas, se  interpretadas em linguagem gestual.
  5. Pessoas com baixa audição podem aproveitar as atividades da biblioteca se ela tiver um anel magnético instalado.
  6. As pessoas cegas podem ler um livro convencional se tiverem um digitalizador de texto.
  7. Os leitores de ecrã não podem ler imagens (por isso, é importante dotá-los de atributos que se possam ser lidos). Sim, você pode ler um pdf acessível.
  8. Existem lupas manuais e lupas digitais para facilitar a leitura por pessoas com baixa visão.
  9. Pessoas com deficiências cognitivas (se não muito severas) podem ler livros em Leitura Fácil, livros com pictogramas ou livros ilustrados.
  10. Também podem desfrutar de um filme convencional, com áudiodescrição ou com música que é oferecida em bibliotecas.

 

 

*Traduzido do espanhol.

Referência: Peix, V. (2019). Biblioteca inclusiva... ¿Por dónde empiezo? - BiblogTecariosBiblogTecarios. Retrieved 13 March 2019, from https://www.biblogtecarios.es/susanapeix/biblioteca-inclusiva-por-donde-empiezo-accesibilidad/

 

Conteúdo relacionado:



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor