Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



livros.jpg

| por José Carlos Fernandes | Observador|

 

Ella Berthoud e Susan Elderkin sugerem livros para tratar os mais variados padecimentos que afligem as nossas vidas, mas há legítimas suspeitas de que não possuem habilitações para passar receitas

 

Em O consolo da filosofia (publicado originalmente em 2000 e editado em Portugal pela D. Quixote), Alain de Botton recorreu a filósofos célebres para dar resposta a problemas prosaicos que podem afligir qualquer um: Sócrates para a falta de popularidade (um padecimento que se reveste de maior gravidade na era do Facebook do que na Grécia Clássica), Epicuro para a falta de dinheiro (assunto intemporal, com ou sem políticas de austeridade), Séneca para a frustração, Montaigne para a “inadequação” (a palavra inglesa “inadequacy” é de difícil tradução e pode ser entendida como a incapacidade para enfrentar situações ou a vida em geral), Schopenhauer para os desgostos amorosos ou Nietzsche para enfrentar dificuldades.

O livro está elaborado com sageza e humor e a filosofia não é abastardada por aproximar-se do comum dos mortais e dos seus comezinhos problemas e ao ser vertida em linguagem clara e acessível – o que não impediu que Botton fosse rotulado, pejorativamente, de “filósofo pop”, por ter retirado a filosofia da sua torre de marfim e da sua teia de elucubrações abstrusas e de lhe ter devolvido a sua função primordial de dar resposta às indagações fulcrais da existência: como viver uma vida boa e justa? Como encontrar nela um sentido? 

(...)

 

Ler mais >>

 

Conteúdo relacionado:

youtubers_livros.gif

por Nuno Costa Santos | Observador

 

Afirmaram-se na internet com muitos seguidores. E há os que, como Miguel Luz, agora editam livros. Nuno Costa Santos quis saber mais sobre este universo, para o entender e ser admirado pelos filhos.

 

Ao cheirar as novidades de uma livraria de um centro comercial lisboeta com nome de navegador genovês, percebi haver um livro novo em destaque: Curso Intensivo para Sobreviveres à Escola – Um guia completo da escola sob a visão de um puto moderadamente totó (Manuscrito, 2016). Topei ser da autoria de Miguel Luz, destacado youtuber (info extremamente esclarecedora para pessoas com mais de 40 anos: youtuber é alguém que faz vídeos para o Youtube. Obrigado). Eterno estudante, resolvi folheá-lo. (...)

 

Ler mais >>

 

Conteúdo relacionado:

 

Canais portugueses:

listas.png

 

Consultar todas as listas.

 

Para o ano letivo 2016 – 2017, as listas de obras recomendadas pelo Plano Nacional de Leitura foram atualizadas, conforme tem acontecido todos os anos. Mais uma vez, incluíram-se obras de autores portugueses e estrangeiros para os diferentes anos de escolaridade, formação de adultos, apoio a projetos em diferentes áreas, correspondentes a diferentes graus de dificuldade, procurando assim facilitar aos professores e aos educadores a escolha das obras mais adequadas aos seus alunos. (...)

 

Ler mais >>

 

Conteúdo relacionados:

Etiquetas:

Capa do livro.jpg

 

livros.JPG

 

Do atelier Pequenos Grandes Escritores que a editora Grafitexto dinamizou na Escola Secundária Pedro Nunes, com alunos de 7.º ano, resultou a edição de um livro com os contos dos "pequenos escritores". O lançamento decorreu na biblioteca, como mostra a fotografia.

livros.png

 Letra pequena de Rita Pimenta | blogues | Público

… mas não substituem a leitura em papel. Convidamos autores, ilustradores, tradutores e às vezes as respectivas proles para nos emprestarem a voz. Basta clicar na capa de cada um dos livros e ver o que acontece. (Se não acontecer nada, experimente mudar de browser. Se não resultar, envie-nos um comentário a reclamar.)

 

Nas versões mais antigas, só gravávamos as vozes. Nas mais recentes, a começar no livro Eu Acredito, de David Machado e Alex Gozblau, já filmámos as leituras. Mas as ilustrações estiveram sempre lá. Ou seja, cá. (...)

 

Ler mais >>

teatro-rossio_1280x640_acf_cropped.jpg

 por Rita Garcia | Jornal Observador

 

A feira onde Saramago gostava de estar

 

Começou em 1931 como “coisa simpática, limpa, discreta e convidativa”. Consagrou nomes e passou por vários locais até chegar ao que é hoje, 85 anos depois: uma feira que atrai meio milhão de pessoas.

 

Sentava-se entre os velhos pavilhões da Caminho, olhava as longas filas que o esperavam e começava a chamar leitores, sem mais delongas. Afável, solícito e rápido, José Saramago recebia cada um deles com uma informalidade inesperada para quem apenas lhe conhecia o rosto fechado e o aspeto austero. Desde a publicação de Levantado do Chão, em 1980, estava habituado a ter centenas de leitores a aguardar um autógrafo seu na Feira do Livro de Lisboa.

Saramago jamais se furtou ao contacto com o público. “Nunca tive um autor tão disponível para colaborar com o editor. Ia dar autógrafos todos os dias, a menos que tivesse um compromisso”, conta ao Observador Zeferino Coelho, um dos mais antigos editores portugueses, responsável pela publicação de todos livros que o Nobel lançou em vida. (...)

 

Ler mais >>

 

Ligações relacionadas:

 

 

 

Etiquetas:

pop.png

 

O "Pinocchio", de Harold Lentz, 1932. Veja aqui outros títulos em exposição | por Vasco Rosa | Observador

 

Uma nova exposição em Lisboa (para ver até ao dia 9 de setembro) conta a história do livro pop up, objecto tridimensional que agora vive uma segunda idade de ouro. Vasco Rosa foi ver e ler.

 

Verdadeiramente fascinantes pela engenharia de papel, manufactura exigente e capacidade sugestiva da imaginação de crianças e adultos, os livros pop-up alcançaram na última década uma sofisticação espampanante, que a par e passo parece desafiar-se a si mesma para alcançar resultados ainda mais surpreendentes, empurrando para a mais longínqua e tosca pré-história os seus antepassados, os livros “mecânicos” seiscentistas ou alguns livros infantis do tempo da Rainha Vitória. Fala-se de uma segunda idade de ouro.

 

Muito activo, o norte-americano Robert James Sabuda, 51, é hoje a estrela máxima desse firmamento criativo que há pouco mais de um século afirmou o livro também como objecto tridimensional. As primeiras versões, rudimentares ainda (um a quatro pop-ups por livro, isolados do texto), foram produzidas na Inglaterra e na Alemanha, mas em poucos anos o género entusiasmou criadores, editores e públicos por toda a Europa, tendo na Checoslováquia, com o austríaco Vojteck Kubasta (1914-92), um dos seus expoentes. O zootropo, o praxinoscópio e a lanterna mágica, rasgando um novo mercado para o entretenimento infantil, parecem ter levado os editores livreiros a reflectir e investir em livros híbridos capazes de aproximar a leitura em voz alta, para crianças, da moda das “pantominas luminosas”, dos pequenos teatrinhos de papel colorido ou recortado, mas também da diversão nos novos luna-parques: alguns livros foram então arquitectados como pequenos carrocéis-harmónio, ou túneis (peep-show). Curiosamente, os peep-shows permitiam espreitar para duas grandes realizações de engenharia da época: The Thames Tunnel Peepshow (1847) e Crystal Palace Peepshow Tunnel Book (1851). Muito mais tarde, também a coroação da rainha Isabel II, em 1953, foi assinalada com uma edição deste tipo, incluindo quatro “imagens pop-up realistas” da capital do império britânico. O livro deixava de ser só texto, ou apenas texto e imagem, e tornava-se escultura. (...)

 

Ler mais >>

Ligações relacionadas:

inqui.jpg

foto de Daniel Rocha. artigo de Nicolau Ferreira no PÚBLICO.

 

É a primeira sistematização da censura de livros médicos pela Inquisição em Portugal - um dos casos expurgados foi o de uma freira que se dizia ter engravidado no banho. Está também em marcha um inventário dos livros de ciência nas bibliotecas dessa altura. O lugar deste objecto na cultura científica nacional começa a ser desvendado

 

O "lápis" da censura nos séculos XVI e XVII era a tinta ferrogálica. Se estivesse muito concentrada, a tinta utilizada na expurgação de uma obra podia queimar o papel. Se fosse em menor quantidade, as palavras censuradas voltavam a ser legíveis. De qualquer forma, esta vertente da Inquisição afectava a leitura das obras, dando-lhes uma conotação insidiosa de pecado e culpa. A literatura técnica e científica em Portugal não escapou a este controlo, como os livros de Amato Lusitano, médico judeu português que fugiu da Península Ibérica.

 

"Qualquer expurgação perturba a confiança na leitura de livros de ciência - um acto que passa pelo desejo de querer saber mais", defende Hervé Baudry, do Centro de História da Cultura da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. O efeito que a censura teve no desenvolvimento científico e cultural do país é ainda difícil de contabilizar, diz o historiador francês, orador num workshop sobre as bibliotecas e livros científicos dos séculos XV a XVIII na Biblioteca Nacional, em Lisboa. Mas Hervé Baudry está apenas no início de um projecto de investigação sobre aquilo a que chama de "biblioteca limpa", ou seja, a expurgação de livros dos séculos XVI e XVII.

 

 

 

 Ligações relacionadas:

bogotá.png

 DN

Pedro Rapoula tem 38 anos, foi assessor cultural de Cavaco Silva, e será o próximo a dirigir um dos grandes eventos mundiais da literatura

Desde a última sexta-feira que Pedro Rapoula sabe que foi escolhido como o próximo diretor da FILBo (Feira Internacional do Livro de Bogotá). Atende o telefone de Bogotá, para onde se mudou em 2013, abandonando para isso o cargo de assessor cultural do ex-Presidente Aníbal Cavaco Silva, que exerceu durante sete anos. (...)

 

Ligação relacionada:

 

Ler mais >>

arqueologia.png

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Clique na imagem para saber mais. 

 

O Centro de Arqueologia de Almada apresenta no próximo dia 5 de Março, às 15 horas, na Casa da Cerca, em Almada, o n.º 20 da Al-Madan impressa e o Tomo 2 da Al-Madan Online n.º 20. Este último ficará em linha a partir dessa data, com informação geral e resumos em http://www.almadan.publ.pt e os conteúdos integrais em http://issuu.com/almadan, para acesso gratuito e generalizado.

Tendo sido já divulgado o índice do volume impresso, antecipamos agora o índice da revista digital, que reúne também um conjunto de colaborações muito interessante e diversificado. A partir do dia 5, estará à disposição de todos os interessados: http://ml.ci.uc.pt/mhonarchive/archport/pdf8bGfaItAVd.pdf

Recordamos ainda que o n.º 20 da Al-Madan impressa inclui um dossiê especial que inventaria 500 sítios arqueológicos visitáveis no nosso país, complementado com mapa doravante disponível em qualquer ponto com acesso à Internet.

O programa do evento programado para o dia 5, para além da apresentação editorial das revistas, incluirá uma intervenção da arqueóloga Jacinta Bugalhão, a propósito do tema central da Al-Madan impressa e das condições de promoção e sociabilização do Património arqueológico.

Al-Madan impressa poderá ser adquirida no circuito comercial e por venda directa do Centro de Arqueologia de Almada, neste caso com oferta dos portes de correio para Portugal continental (pedidos: 212 766 975, c.arqueo.alm@gmail.com).

 

 


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor