Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



manual.png

Manual de procedimientos para bibliotecas : guía para su redacción. Buenos Aires: Biblioteca del Docente, 2006 ISBN 978-987-549-310-0

Download |

 

El Manual de Procedimientos en la Biblioteca

Los procedimientos escritos establecen una guía para el buen funcionamiento de todo tipo de Biblioteca, a la vez que constituyen un modo de protección para todo su personal. Cada bibliotecario tiene su filosofía y una política bajo la que opera, esté o no escrita. El valor de registrar en el Manual todos los procedimientos, es que el personal que se mueve alrededor de la biblioteca, y los nuevos que se incorporan, sepan cuál es la política para cada caso y contribuyan a reforzarla.

Cada Manual es el resultado de la colaboración de todo el personal asignado a la gestión de la Biblioteca. Todas las opiniones deben ser escuchadas, analizadas y consideradas al momento de formalizar los criterios del trabajo cotidiano. Debe contener la descripción exhaustiva de la organización de la Biblioteca y de su accionar interno, y de los servicios que brinda a sus usuarios.

Son varios los beneficios de su redacción: identifica al respon- sable de cada proceso; dispone de definiciones explícitas y normalizadas de las tareas rutinarias; optimiza el grado de eficiencia mediante la simplificación de los procesos; reduce la incertidum- bre sobre la toma de decisiones; garantiza la continuidad de actividades en la Biblioteca; evita la duplicación de tareas; define la estructura tecnológica adecuada y mejora la comunicación y la calidad del servicio.

Resulta necesario aclarar que el Manual es un instrumento dinámico y flexible, porque debe reflejar los cambios que se producen en la Biblioteca.

Para ser más efectivo, el Manual debe incorporar la filosofía de la institución y delinear la misión de la Biblioteca. Una vez aprobado por el equipo de conducción de la Escuela se puede implementar con confianza.

Autoria e outros dados (tags, etc)

ala.png

Download |

A importância das imagens e dos media visuais na cultura atual está a mudar, com implicações no significado de alfabetização no século XXI. As tecnologias digitais tornaram possível que quase todos criem e partilhem imagens. No entanto, a sua difusão não significa necessariamente que os indivíduos sejam capazes de visualizar criticamente, usar e produzir conteúdo visual. Os Padrões de Competência de Alfabetização Visual da ACRL para o Ensino Superior foram desenvolvidos para abordar essas características distintas de imagens e media visuais. Com base nesses padrões, este livro fornece  aos bibliotecários e formadores as ferramentas, estratégias e confiança para aplicar a literacia visual num contexto de biblioteca. Os leitores não só aprenderão formas de desenvolver a literacia visual dos alunos, mas também como usar materiais visuais para tornar a sua formação mais envolvente. Ideal para o bibliotecário ocupado que precisa de ideias, atividades e estratégias de ensino prontas para implementar, este livro

  • mostra como desafiar os alunos a mergulhar na procura de imagens, usando imagens no processo de pesquisa, interpretando-as e analisando-as, criando comunicações visuais e usando conteúdo visual eticamente;
  • fornece atividades de aprendizagem prontas para o envolvimento crítico com materiais visuais;
  • oferece ferramentas e técnicas para aumentar a própria autoconfiança visual; e
  • fornece estratégias para integrar, envolver e defender a alfabetização visual nas bibliotecas.

Com a orientação deste livro, os profissionais académicos podem ajudar os alunos a dominar a alfabetização visual, uma competência fundamental no mundo saturado de media de hoje, ao mesmo tempo que estimula a aprendizagem com materiais visuais.

 

Referência:

Título do artigo: Alfabetização Visual para Bibliotecas: Um Guia Prático e Baseado em Padrões | Loja ALA
Título do site: Alastore.ala.org
URL: https://www.alastore.ala.org/content/visual-literacy-libraries-practical-standards-based-guide

Autoria e outros dados (tags, etc)

fake.png

Downoload |

 

Resumo

As fake news ou notícias falsas têm ganhado repercussão internacional e sua disseminação se dá principalmente pelas redes sociais. Este artigo busca compreender o papel do bibliotecário escolar nesse cenário e tem como objetivo geral conscientizar os alunos do ensino médio sobre a circulação e uso das notícias falsas, bem como estruturar uma ação de capacitação para os mesmos. A pesquisa tem abordagem quanti-qualitativa e os instrumentos de coleta de dados utilizados foram um questionário com perguntas fechadas e uma pergunta aberta ao fim da palestra. A palestra para 45 alunos do ensino médio teve participação direta dos discentes do curso de Biblioteconomia e Documentação da Universidade Federal de Sergipe e da bibliotecária do colégio particular. Os principais resultados apontaram que a palestra foi bastante esclarecedora para a turma, em diversos aspectos. Demonstrou também que os alunos do ensino médio frequentam pouco a biblioteca do colégio e que a mesma desenvolve alguns projetos importantes de leitura. Os jovens apontaram diversos métodos de avaliação da informação na internet. Sugere-se que a bibliotecária desenvolva projetos em parceria com os professores sobre a prática da pesquisa e de desenvolvimento do letramento informacional dos alunos da educação básica.

 

Referência: Fialho, J., Nunes, M., Júnior, P., Gois, G., Santana, M., Veloso, R., & Santos, W. (2019). Bibliotecário escolar e fake news: evidências da contribuição da biblioteca escolar. Biblionline15(1), 122-135. Retrieved from http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/article/view/43786/22734

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

american.jpg

Esta revista digital produzida pela AASL em parceria com a American Libraries, foi projetada para ser partilhada com pais, colegas, administração e formuladores de políticas. Disponível eletronicamente  ou  em PDF, os artigos podem abrir a porta para discussões sobre as várias maneiras, através das quais, as bibliotecas escolares transformam a aprendizagem.

Artigos

  • "Eu sou um especialista"
  • Bibliotecários escolares transformam a aprendizagem
  • Reforçando a advocacia para bibliotecas escolares
  • "As crianças ainda usam a biblioteca?"
  • Construindo Advocacy  (advocacia) antes de uma crise

Extras

 

Referência: School Libraries Transform Learning. (2014). American Association of School Librarians (AASL). Retrieved 23 August 2019, from http://www.ala.org/aasl/advocacy/tools/transforming

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

cdu.png

Consultar a Tabela |


"Corresponde à versão "Sumário" com 2000 entradas (das 68000 da tabela completa)

A Biblioteca Nacional de Portugal está de parabéns pelo trabalho realizado e disponível pela licença Creative Comons. Aqui ficam os créditos do trabalho:



Na entrada do site temos um painel do lado esquerdo com as classes e tabelas auxiliares:

Ao carregar numa dessas tabelas surgem as suas notações principais. Se clicarmos numa notação surge do lado direito a explicitação dessa notação e notações relacionadas, sendo possível de navegar entre as relacionadas.


Ainda existem funcionalidades por implementar, não existe pesquisa (e nem parece que vá existir), o número de notações é pequeno em relação ao publicado em livro mas a navegação é fácil e agradável.
Ainda não estão traduzidas as explicações e exemplos... mas quem quiser pode colaborar!.
Claro que quem já trabalhou com a tabela inglesa, em que as notações se podiam pesquisar por palavra ou mesmo construir e copiar e colar, quer sempre mais!

Mas já era altura de termos a tabela CDU em formato digital! Eu, leitor digital, só posso agradecer!"
 

Referência: Tabela CDU disponível online. (2010). Bibliotequices.blogspot.com. Retrieved 20 August 2019, from https://bibliotequices.blogspot.com/2010/06/tabela-cdu-disponivel-online.html

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

inclusao.png

Download |

To aid school librarians in nurturing inclusive learning communities, AASL tasked a 2019 ALA Emerging Leaders team with developing a guide of reflection activities and resources based on the Include Shared Foundation in the National School Library Standards. Using the scenarios, activities, and resources in this guide, learners and school librarians alike can seek balanced perspectives, global learning, empathy, tolerance, and equity to support inclusive environments within and beyond the four walls of the school library. An infographic and applied framework further support application of these materials in professional development and instructional settings.

 

ReferênciaToolkits. (2019). American Association of School Librarians (AASL). Retrieved 18 August 2019, from http://www.ala.org/aasl/advocacy/tools/toolkits

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

fake.png

Esta página foi criada e é atualizada por Jenny Saxton.

 

Referência: LibGuides: Fake News (and how to fight it): Glossary. (2019). Libraryguides.mdc.edu. Retrieved 16 August 2019, from http://libraryguides.mdc.edu/FakeNews/Glossary

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

O navegador português partiu de Sevilha há 500 anos.

Fernão de Magalhães fez-se ao mar no dia 10 de agosto de 1519.

Partiu de Sevilha com uma esquadra de cinco navios e 234 homens decidido a provar que era possível circum-navegar o globo.

 

Referência: 500 anos da circum-navegação de Fernão Magalhães SIC Notícias. Retrieved 11 August 2019, from https://sicnoticias.pt/pais/2019-08-10-500-anos-da-circum-navegacao-de-Fernao-Magalhaes

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

IMG_0750.jpg

2019 |

Marc Brysbaert é professor da Universidade de Ghent e acaba de publicar um manuscrito intitulado Quantas palavras nós lemos por minuto? Uma revisão e meta-análise da velocidade de leitura . Este artigo apresenta investigações sobre a velocidade de leitura de adultos em inglês, tanto em leitura silenciosa como em voz alta, em textos de ficção e outros.

Leitura silenciosa

Baseado em 190 estudos, em que participaram 17.877 adultos, estima que a velocidade média na leitura silenciosa em inglês é de 238 palavras por minuto (PPM) em textos não ficcionais. Nestes textos, a maioria dos adultos leria entre 175 e 300 ppm. Nos textos de ficção, a velocidade média parece ser de 260 ppm, com um intervalo entre 200 e 320 ppm.

Não foram encontradas diferenças na velocidade de leitura dos textos de acordo com a sua dimensão (curta ou longa), embora nos textos curtos a variabilidade dos resultados tenha sido maior.

Lendo em voz alta

Nesta situação, a velocidade foi calculada a partir de 77 estudos, com 5965 participantes e foi, e a média foi de 183 PPM. (...)

Outros dados interessantes sobre velocidade de leitura

  • Pensa-se que os adultos lêm cerca de 300 palavras por minuto. No entanto, com base nos dados recolhidos existem muitos indícios que a velocidade de leitura é menor. 
  • Pode falar-se sobre a velocidade da audição. Neste caso, geralmente não podemos determinar a que velocidade ouvimos a fala, mas podemos tentar saber qual é a velocidade máxima que escutamos sem que a compreensão seja afetada.
  • Uma variável chave na velocidade de leitura é o comprimento das palavras. Textos não-ficcionais têm palavras mais longas do que textos de ficção e isso contribui para as diferenças na velocidade com que são lidos.

 

Referência¿Cuántas palabras por minuto lee un adulto?. (2019). Comprensión lectora basada en evidencias. Retrieved 10 August 2019, from https://clbe.wordpress.com/2019/07/09/cuantas-palabras-por-minuto-lee-un-adulto/

Referência artigo: Brysbaert, M. (2019, April 12). How many words do we read per minute? A review and meta-analysis of reading rate. https://doi.org/10.31234/osf.io/xynwg

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

revisao.png

Download | 2018Vol 21 No 3 (2018): Educational processes and teacher training |

Sergio Sánchez Fuentes, Rosario A. Martín Almaraz, Irene Moreno Medina, Rosa Espada Chavarría

 

Resumen

Este trabajo tiene como objetivo principal realizar una revisión sistemática relacionada con la intervención precoz en la lectura. Para ello, se han analizado las publicaciones desde el año 2000 hasta el 2016 de las bases de datos de la Web of Science, Medline, SCIELO, Korean Journal Database y Current Contents con los términos de búsqueda de Learning disabilities AND Early reading AND Intervention AND Children. De los 113 documentos identificados, finalmente solo 11 son tenidos en cuenta debido a diferentes criterios de exclusión. Los resultados describen que tres artículos son de revisiones y meta-análisis, tres de estudios de cohortes, cuatro de estudios longitudinales y un estudio de casos. Los autores concluyen que existe una necesidad de cambio en el sistema educativo que contemple las medidas destinadas a ayudar a adquirir los mecanismos de base de la lectura en las etapas iniciales del aprendizaje.

 

Licencia Creative Commons

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor