Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Imagem1.jpg

Num Mundo que acorda diferente todos os dias pede-se adaptabilidade, flexibilidade. E é dessas características que a biblioteca do Agrupamento de Escolas de Gavião se faz a cada novo dia.
Com o ensino à distância, e mesmo tendo todos os alunos acesso a equipamentos disponibilizados pela Escola e/ou Autarquia, revelaram-se iliteracias, dificuldades no uso das ferramentas digitais decorrentes de assimetrias contextuais e comprometedoras do processo de aprendizagem.
Tais dificuldades não podiam continuar a ser constrangimentos, mas oportunidades de crescimento e desenvolvimento de novas estratégias. Em comum com o Conselho de Diretores de Turma, que procederam ao levantamento das maiores dificuldades digitais dos alunos, criou-se um espaço de aprendizagem na Biblioteca Escolar, para o incremento das literacias digitais. No espaço de DT Alunos recebem-se os alunos sinalizados ou aqueles que solicitem um reforço numa ferramenta digital.
A Professora Bibliotecária, Ana Paula Pio, faz a formação destes utilizadores, a partir de uma tarefa indicada por um dos docentes do conselho de turma e que pode ir desde um simples utilizar de email, anexar documentos, ao reforço de competências no uso da Plataforma TEAMS, utilização do Zoom, produção e apresentação de trabalhos. Exploram-se ainda novas ferramentas e/ou aplicações úteis no contexto pedagógico e até lúdico.
Adaptamo-nos todos os dias às necessidades dos nossos utilizadores. Temos um serviço de referência presencial e online que não se esgota na literacia da leitura, por vezes indicada como o papel único das bibliotecas, mas que procura ser um apoio transversal e eficaz ao currículo. Este trabalho só é possível se articulado em rede, entre os Diretores de Turma, os Conselhos de Turma e a Biblioteca Escolar.
É nesta rede que se constroem soluções adequadas à diversidade.

Paula Pio
Professora bibliotecária do Agrupamento de Escolas de Gavião

top_miudos2021.png

A Rede de Bibliotecas Escolares e a VISÃO Júnior voltam a organizar, pelo quinto ano consecutivo, a eleição dos livros preferidos das crianças e jovens portugueses, através desta iniciativa que promove a leitura e o desenvolvimento de competências de cidadania ativa.
Como já é do conhecimento geral, nesta atividade será dada a possibilidade às crianças e jovens, através de uma eleição realizada em todas as escolas, de votarem no livro de que mais gostam, replicando os procedimentos e as normas de uma eleição real.
Este ano, os alunos são convidados a nomear o seu livro preferido a partir do dia 2 de novembro e até às 23:59 do dia 30 de novembro.

Artigo completo: Miúdos a Votos • 5.ª edição 

bibliotecas_safe_instagram.jpg

Há 20 anos atrás, quando a Biblioteca Amélia Pais, da Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo, em Leiria, começou a assinalar o Dia Internacional da Biblioteca Escolar, ninguém imaginou que, um dia, as bibliotecas e as escolas se esvaziariam. Também ninguém imaginou bibliotecas com um número limitado de utilizadores e acesso restrito aos livros. Mas ninguém duvidaria que a biblioteca encontraria sempre um caminho para continuar a funcionar.
O texto de opinião partilhado no dia 26 de outubro no blogue da Biblioteca Amélia Pais mostra como é que, pouco a pouco, alunos e os professores redescobriram o seu espaço na biblioteca:
“Em cada ano se assinala o Dia Internacional da Biblioteca Escolar. Ultimamente até todo o mês de outubro é o Mês Internacional da Biblioteca Escolar.
Foi há mais de 20 anos que a nossa biblioteca começou a assinalar esse dia, o que ainda não era comum em Portugal.
Hoje há estudos que demonstram o que faz a ausência, ou mesmo a inexistência, da biblioteca escolar na aprendizagem.
A nossa biblioteca vai cuidando cada vez mais dos serviços à distância através da página web: consulta do catálogo, guiões orientadores para diferentes tarefas, contacto por formulário ou direto por email, Recursos Educativos Digitais (em construção), sugestões de endereços eletrónicos...
As atividades com alunos mudaram de local, são na sala de cada turma, e foram pontualmente ajustadas ao que as circunstâncias exigem. Mas seguem o seu curso, naturalmente.
Mas a biblioteca também é festa. E vêm os passatempos, os clubes: de Guitarra, de Teatro, de Robótica, de Escrita Criativa e Leitura em Voz Alta. Tudo em funcionamento neste momento.
E o espaço físico, desde que o ano letivo começou, vai-se enchendo, a pouco e pouco, de alunos que vêm estudar, fazer trabalhos de casa, ler, usar o computador. 
E tudo vai ganhando (mais) sentido, tudo encontra o seu lugar e os serviços e as pessoas de que a biblioteca escolar também é feita sentem que vale a pena.
Ainda bem que há um dia para fazermos a festa à Biblioteca Escolar e ao que ela É.”

Tal como a Biblioteca Escolar Amélia Pais, a generalidade das bibliotecas continua a trabalhar, ajustando-se aos novos tempos. Convidam-se assim as bibliotecas escolares a partilharem os materiais que produziram (cartazes, fotografias, filmes...), subordinados ao tema "Bibliotecas seguras em ação".

Os materiais podem ser enviados através do formulário [https://bit.ly/3kQrtT9] e serão partilhados na rede social Instagram da RBE [https://www.instagram.com/rbe_pt/].

Captura de ecrã 2020-10-30, às 18.52.26.png

Como acontece anualmente em todo o mundo, ao longo do mês de outubro, as bibliotecas escolares desafiaram as suas comunidades a celebrarem a biblioteca escolar, este ano, em função do tema Descobrir caminhos para a saúde e o bem-estar com a biblioteca escolar, chamando a atenção para Objetivo do Desenvolvimento Sustentável número 3 da Agenda 2030 da ONU: Saúde de qualidade.
Essas iniciativas foram sendo divulgadas nos canais de comunicação das diferentes bibliotecas. Encontrando-nos no final do mês, cumpre agora à Rede de Bibliotecas Escolares dar a conhecer a ação das bibliotecas, tendo para isso organizado uma coleção que se disponibiliza abaixo.
O mapa interativo, que não esgota toda a atividade desenvolvida, permite a consulta de iniciativas das bibliotecas escolares que se empenharam em corresponder ao desafio, envolvendo os seus alunos em atividades tão diversas como a escrita criativa, a fotografia de património, a ligação à rádio local ou a criação de um livro digital coletivo e muitas outras. 

Captura de ecrã 2020-10-30, às 10.47.22.png

Está a ser desenvolvido, desde o corrente ano de 2020 e prolongando-se até 2022, o estudo ‘Educação Literária no Ensino Básico e no Ensino Secundário’, da responsabilidade de uma equipa que integra elementos da RBE, do IAVE, do PNL2027, do PNPSE, da DGE e da DGEEC.
Tem como objetivo apresentar propostas fundamentadas para a melhoria da Educação Literária no quadro do Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, das Aprendizagens Essenciais e da missão do Plano Nacional de Leitura 2027, partindo da análise do desempenho dos alunos portugueses em Provas Internacionais e Nacionais.
Em 2020, está a ser realizado o retrato da educação literária do ponto de vista dos estudos internacionais e dos resultados da avaliação externa nacional (provas de aferição e provas finais do ensino básico); em 2021, avançar-se-á para um trabalho de campo junto de um conjunto de escolas e professores com vista ao levantamento e caracterização das práticas escolares no âmbito da educação literária e em 2022, far-se-á a análise dos resultados e produção de recomendações e boas práticas.

Ler mais: Educação Literária - Estudo

Etiquetas:


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Blogue RBE em revista

Clique aqui para subscrever


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor