Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



colecao.jpeg

Neste momento habitual de preparação do plano anual de atividades nas escolas, alguns dos projetos da RBE merecem um olhar mais atento. Qualquer uma destas propostas já provou, no ano atípico de 2019/ 20 que, com maiores ou menores ajustes, era suficientemente versátil para se adaptar aos vários regimes - presencial, misto ou não presencial – que poderão vir a ser adotados em função da evolução da pandemia. Afinal, não esqueçamos, as bibliotecas estão sempre ON.
 
Das várias propostas em destaque, quer os Miúdos a votos, quer o SOBE - Saúde Oral, Biblioteca Escolar têm bem presente que, “de pequenino, se torce o pepino”:
 
- Respeitando todos os procedimentos e normas de uma eleição real, o projeto Miúdos a votos junta a leitura e a cidadania ativa. Permitindo que crianças e jovens façam campanha e elejam o seu livro favorito, cria-se a oportunidade para que compreendam e valorizem a responsabilidade do ato de votar.

- Dirigido a crianças da Educação Pré-Escolar e a alunos do 1.º CEB, o projeto SOBE promove a saúde oral através da leitura, da escrita, das artes e, claro, da escovagem dos dentes.

Já a Pordata, a iniciativa 7 dias com os media ou o concurso Media@ção abraçam o provérbio chinês, “antes de dar comida a um mendigo, dá-lhe uma vara e ensina-o a pescar”:

- Realizadas a partir do sítio Pordata - base de dados de Portugal contemporâneo, as formações Pordata e Pordata Kids pretendem desenvolver competências de literacia estatística e dar a conhecer informação rigorosa e credível sobre Portugal, os municípios e a Europa.

- A iniciativa 7 dias com os media , que decorre anualmente em maio, na semana do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, convida as bibliotecas escolares a promover e divulgar atividades que suscitem a atenção e discussão em torno dos media e das redes sociais.

- O concurso de trabalhos vídeo e podcast Media@ção tem como objetivo incentivar o uso crítico, responsável e criativo dos media, como instrumentos de cidadania e de liberdade de expressão. Através do canal youtube do concurso, são disponibilizados tutoriais de apoio na área da criação e produção de vídeo.

Tendo em mente que “a curiosidade aguça o apetite”, o projeto Cientificamente Provável procura estabelecer uma ligação mais estreita entre as instituições de ensino superior e as escolas básicas e secundárias para motivar os jovens a aprofundarem conhecimentos e prosseguirem estudos superiores nas áreas dos seus interesses. 

Quem pensa que “águas passadas não movem moinhos", não conhece Clássicos em rede - Olimpíadas da Cultura Clássica. Apresentando duas modalidades, desafios escritos e desafios de artes/ multimédia, permite que as crianças e jovens percebam como o legado da Cultura Clássica está presente no nosso quotidiano.

Tal como se recorda no documento Orientações para a recuperação e consolidação das aprendizagens: “No ano transato, face à conjuntura, revelou-se necessário que as bibliotecas redefinissem linhas de atuação, de modo a integrarem o plano de ensino a distância das suas escolas, ajustando a sua ação e o apoio prestado às necessidades. Urge agora dar continuidade ao trabalho que foi iniciado sem programação e com muito voluntarismo, consolidando-o e aperfeiçoando-o, de forma mais planificada e estruturada.” 

top_academia_pordata.jpg

Estão abertas as inscrições para as ações de formação Pordata e Pordata Kids.
Estas ações podem ser:
• presenciais, nas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto, sendo o n.º máximo de alunos por sessão definido pela Escola/ Agrupamento, de acordo com o estabelecido para as atividades letivas;
• a distância, via Zoom, Google Meet ou Microsoft Teams, nos Agrupamentos/ Escolas de outras regiões do país.
A formação Pordata é dirigida a alunos do ensino secundário e a formação Pordata Kids a alunos dos 4.º, 5.º e 6.º anos do ensino básico. As sessões são gratuitas e têm a duração de 50 a 90 minutos, apenas se exigindo uma sala com computador, projetor de vídeo e ligação à Internet.
Agrupamentos e Escolas não agrupadas podem inscrever o n.º de turmas que desejarem, numa e noutra formação. Solicita-se uma única inscrição por Agrupamento/ Escola de modo a racionalizar o agendamento das sessões.
O formulário de inscrição está disponível no portal da Rede de Bibliotecas Escolares, onde encontra mais informações sobre esta iniciativa.

Artigo completo: PORDATA e PORDATA KIDS

top_mes_BE_2020-04.png

A International Association of School Libraries (IASL) lançou o tema do Mês Internacional das Bibliotecas Escolares (MIBE) 2020: Descobrir caminhos para a saúde e o bem-estar com a biblioteca escolar.

Estão disponíveis materiais no portal da Rede de Bibliotecas Escolares.

Artigo completo: Mês Internacional das Bibliotecas Escolares • Outubro 2020

dest_fazer_em_rede.jpg

Retoma-se a distinção Fazer em Rede, que pretende reconhecer o trabalho que os professores bibliotecários realizam no quotidiano no sentido de fazerem das bibliotecas locais físicos e virtuais de referência nas suas escolas. Esta iniciativa subdivide-se em dois prémios: Prémio Boas Práticas e Prémio Atividades Top.
O regulamento da segunda edição pode ser consultado no Portal RBE.

Conclui-se também a primeira edição da iniciativa Fazer em Rede com a divulgação da Atividade TOP do mês do junho do ano letivo 2019/20.

A partir do mote, ANTES, DURANTE E DEPOIS DO COVID-19 Reflexões em tempo de confinamento, Paula Ribeiro, professora bibliotecária da Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, em Rio Maior, lançou um desafio aos alunos: escrever sobre o momento que estavam a viver. O vídeo agora divulgado vem mostrar que os professores bibliotecários têm a capacidade para se adaptarem a cenários de mudança e imprevisibilidade e chamam a si a missão de cuidar da comunidade escolar.

Ideas_for_School_Librarians_Fall_2020-1024x683.jpg

Como é que as bibliotecas escolares vão desenvolver o seu trabalho ao longo do primeiro período? No artigo Ways School Librarians Can Serve Students in Fall 2020, Matthew Winner, professor bibliotecário numa escola americana, coloca a tónica na questão que, neste momento, está na cabeça de todos. “ Sabemos que, como professores bibliotecários, enfrentaremos circunstâncias únicas relativamente ao nosso espaço de biblioteca e à forma como envolveremos as crianças neste outono (...). Pode parecer que as opções estão fora de controlo, mas há coisas que se pode fazer para planear o futuro.

De forma pragmática e detalhada, o autor centra-se em quatro pontos fulcrais e apresenta propostas muito concretas. Destacamos algumas dessas propostas:
- Cultive leitores para a vida: Garanta que as crianças e jovens mantêm o acesso aos livros e às histórias. Implemente, por exemplo, um sistema de espera na requisição domiciliária para garantir que apenas os funcionários da biblioteca manuseiam os materiais, retome as sessões de leitura em voz alta, organize um clube de leitura virtual, ou pesquise nos arquivos de festivais literários virtuais sessões com autores que interessem particularmente aos alunos.
- Inove e Colabore: Ainda que o acesso ao espaço da biblioteca possa estar restringido, o professor bibliotecário continua a ser uma presença essencial na escola. Algumas sugestões para continuar a colaborar – e inovar – passam por criar módulos virtuais que os professores possam partilhar autonomamente com os alunos, apoiar a aprendizagem sócio emocional, ou organizar uma história semanal através de uma ferramenta de videoconferência.
- Torne-se móvel!: No caso de os alunos não poderem deslocar-se à biblioteca leve a biblioteca até eles. Assim, apresente a biblioteca na sala de aula e esclareça como se irá processar a requisição domiciliária. Pode criar um serviço de take-out num carrinho, pode pedir aos alunos que preencham um inquérito sobre os seus interesses e, com base nas respostas, selecionar títulos para a sala de aula, ou até visitar as turmas com os livros mais populares. Não desista do makerspace: crie kits individuais e leve desafios de construção para a sala de aula.
- Seja indispensável: As suas competências são uma mais-valia para a escola. Apoie a requisição de dispositivos móveis, divulgue e construa recursos digitais, apoie a aprendizagem através de múltiplos canais, proteja os direitos de autor na sua comunidade escolar. Ajude a criar um sentimento de comunidade nas redes sociais durante períodos de distanciamento social.

Não importa a forma como sua escola ou distrito avance no outono, lembre-se de que há uma rede de educadores e professores bibliotecários prontos e entusiasmados para se apoiarem uns aos outros. Um professor bibliotecário não está sozinho e o que faz é importante, então tem de continuar a ser incrível!

Este artigo foi traduzido e adaptado, encontrando-se originalmente publicado no blogue Ideas&Inspiration.

Artigo completo: Ways School Librarians Can Serve Students in Fall 2020.

 


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor