Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue RBE

Sex | 15.07.22

Marcas na História | Vamos Fotografar as Nossas Tradições

2022-07-15 Capa.jpg

Leitura: 3 min | 

O projeto “Marcas na História” apareceu da necessidade de reforçar o papel das Bibliotecas Escolares e Municipais, na dinamização de projetos cada vez mais agregadores, entre os Agrupamentos de Escolas, Bibliotecas Municipais e a comunidade em geral e, também, em articulação com outros parceiros. 

Assim, este projeto surgiu de uma ação conjunta da Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), do Centro de Informação Europe Direct Oeste, Lezíria e Médio Tejo e da maioria dos concelhos pertencentes às comunidades intermunicipais da Lezíria do Tejo, do Médio Tejo e do Oeste.

Foi eleito o tema “Marcas na História” por ser abrangente e por poder ser fragmentado em subtemas que permitem um contacto com tradições, monumentos e património, do mundo local ao mundo europeu, através de ambientes de aprendizagem e de convívio capazes de desenvolver competências em diversas literacias e áreas curriculares, dentro e fora da escola.

No presente ano letivo, segundo ano do projeto, o subtema foi Vamos Fotografar as Nossas Tradições, no qual participaram 20 concelhos. 

Com o propósito de dar a esta celebração da fotografia um caráter mais significativo, as bibliotecas escolares, em articulação com as bibliotecas municipais, pretenderam promover e implementar de forma colaborativa, uma oferta cultural abrangente, numa lógica de aprendizagem ao longo da vida. 

Deste modo, a atividade foi dividida em três fases: fase escolar, na qual foram selecionadas as fotos do 1.º e 2.º escalão, em cada Agrupamento de Escolas; a fase municipal, na qual foram selecionadas, as três melhores fotos, entre as vencedoras da fase escolar, pertencentes aos 1.º e 2.º escalão e as três fotos do 3.º escalão que transitaram à fase intermunicipal.

Depois de reunido o júri da fase intermunicipal, que selecionou uma foto vencedora para cada escalão, realizou-se no dia 25 de junho a cerimónia de entrega dos prémios, no Centro de Informação Europe Direct Oeste, Lezíria e Médio Tejo, no Cadaval.

No primeiro escalão, o prémio para a foto vencedora foi para o município de Torres Novas, para a Matilde Maria Ribeiro Gonçalves, de Torres Novas.

2022-07-15 1.º lugar - 1.º escalão_Podes largar

 

No segundo escalão, o prémio para a foto vencedora foi para o município de Alpiarça, para a Joana Moreira Constantino, de Alpiarça.

2022-07-15 1.º lugar - 2.º escalão bordado_da_a

 

No terceiro escalão a foto vencedora foi para o município de Peniche e o vencedor foi o Rodrigo Lopes, de Peniche.

2022-07-15 1º lugar - 3.º escalão_ Pelos Portu

 

Os participantes receberam prémios oferecidos pela Altice, Centro de Informação Europe Direct Oeste, Lezíria e Médio Tejo e Rede de Bibliotecas Escolares.

Para dar continuidade a este projeto, foi lançado o tema para o próximo ano letivo: Património Natural, pretendendo-se continuar a promover e implementar de forma colaborativa, oportunidades de aprendizagens, em ambientes de convívio, capazes de desenvolver competências nas diversas literacias e áreas disciplinares, dentro e fora da escola!

Veja todas as fotos a concurso.

_____________________________________________________________________________________________________________________

Qui | 14.07.22

Projeto +Liter@cias

Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra, Montijo

2022-07-14 literacia de informação e media.png

Leitura: 2 min |

O Projeto +Liter@cias, desenvolvido pelas bibliotecas escolares do Agrupamento de Escolas Poeta Joaquim Serra, Montijo, foi pensado para dar resposta aos pressupostos delineados pelos documentos emanados da tutela, a saber: o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, as Aprendizagens Essenciais, a Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania; o Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar (ACBE) e o Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das Escolas.

Assente na necessidade de desenvolver nos alunos competências-chave nas três grandes áreas de literacia previstas no ACBE – leitura, informação e média –, o projeto, desenvolvido no ano letivo 2021-2022 em turmas do 1.º ciclo (3.º e 4.º anos) e do 3.º ciclo (7.º e 8.º anos), irá alargar-se gradualmente, nos próximos anos, aos outros níveis de ensino.

Literacia da leitura

Nesta área, realizam-se sessões de reflexão e compreensão de textos multimodais, integrando o domínio de diferentes formas de expressão: oral, escrita e multimédia. Para além destas atividades, realizam-se também ações diferenciadas, adaptadas aos vários estilos de leitores, com o intuito de captar a atenção e o interesse dos não leitores. Com o objetivo de promover a articulação curricular entre os vários níveis de ensino, desenvolvem-se sessões de leitura, presenciais e em Live Stream, dirigidas a todos os grupos/ turmas da educação pré-escolar e do 1.º Ciclo do agrupamento. Neste domínio, também foram envolvidas as famílias e parceiros institucionais, na produção e partilha de leituras em suporte áudio/ vídeo.

Literacia dos media

As práticas do âmbito deste domínio visam munir os alunos dos conhecimentos necessários para o seu uso criativo e informado. São desenvolvidas ações de formação sobre Internet Segura e sobre Direitos de Autor/ Norma APA. Para complementar e ajudar na divulgação dos conteúdos, foi criado um canal na plataforma TeamsProjeto +Liter@cias, onde são disseminados materiais de apoio sobre este domínio. Para além destas atividades, são também realizadas sessões de análise de conteúdos/ produção de recursos tecnológicos e mediáticos.

Literacia da informação

Concretizam-se atividades com o objetivo de dotar os alunos de conhecimentos que os capacitem para o acesso, produção e uso crítico da informação, para uma comunicação eficaz, ética e socialmente responsável na pesquisa, avaliação crítica e tratamento da informação, atendendo à credibilidade das fontes e respeitando os Direitos de Autor.

Neste âmbito, são dinamizadas sessões sobre a utilização dos recursos multimédia, com enfoque nas Licenças Creative Commons.

 

Este projeto conta com as seguintes parcerias: Biblioteca Municipal (SABE), Universidade Sénior do Montijo, editoras e outras instituições.

_____________________________________________________________________________________________________________________

Qua | 13.07.22

Literacia da informação e dos media na biblioteca escolar

EB Prof. Egas Moniz, AE de Massamá, Sintra

2022-07-13 literacia de informação e media.png

Leitura: 2 min |

Na Escola Básica Prof. Egas Moniz, a biblioteca aproveita as oportunidades oferecidas pelas disciplinas de Projetos e de Cidadania e Desenvolvimento para promover as literacias da informação e dos media. Para isso, colabora e articula com os docentes na planificação das atividades e na dinamização de sessões com turmas.

Com os docentes, a biblioteca promove um brainstorming para encontrar subtemas relacionados com o tema, afere a tipologia de trabalhos a propor e calendariza as sessões de trabalho com as turmas.

 

Projetos

Nesta disciplina, os trabalhos vão-se desenvolvendo da seguinte forma:

1. Início da atividade com uma sessão de motivação para a abordagem do tema (por norma corresponde ao tema do Projeto Educativo de Escola) e apresentação de subtemas possíveis;

2. Apresentação e exploração do guião de pesquisa adotado no Agrupamento, The Big6, até à 3.ª etapa e início do preenchimento da Ficha de Apoio ao Guião de Pesquisa, com orientação dos alunos (levantamento de conhecimentos prévios, palavras-chave, formulação de questões orientadoras);

3. Apresentação de sugestões digitais para a execução do produto final a apresentar, sem aprofundamento;

4. Abordagem, na biblioteca, à consulta do catálogo para localização de recursos documentais e vídeo;

5. Sessões sobre Pesquisa Simples/Avançada na Internet e Avaliação de Páginas Web;

6. Disponibilização da ficha Tomada de Notas, após uma sessão de trabalho prático com a turma;

7. Registo pelos alunos, na Ficha de Apoio ao Guião de Pesquisa, das fontes bibliográficas que vão sendo consultadas e criação de uma pasta para arquivo de imagens, respetivos créditos e links de páginas web consultadas;

8. Terminada a pesquisa, acontece uma sessão sobre “Como elaborar um resumo”;

9. Seguem-se duas sessões - Direitos de Autor e Referenciação Bibliográfica, seguida de uma sessão de trabalho prático;

10. A biblioteca apoia e acompanha os alunos na conceção dos produtos finais com recurso a ferramentas digitais;

11. Sessão “Como fazer uma comunicação oral”.

A biblioteca disponibiliza todos os guiões em papel – The BIG6, de Pesquisa na Internet, de Avaliação de Páginas Web, de Referenciação Bibliográfica” a todos os alunos do 5.º, 6.º, 7.º e 8.º anos que têm a disciplina de Projetos.

Se a opção de produto final é um trabalho escrito, a biblioteca faz uma sessão com a turma e explora o guião “Como realizar um trabalho escrito”.

 

Cidadania e Desenvolvimento

No âmbito desta disciplina, a biblioteca desenvolve sessões nas áreas da Cibersegurança, da Cidadania Digital, da Desinformação, com as turmas que os professores inscrevem no início do ano letivo.

_____________________________________________________________________________________________________________________

Ter | 12.07.22

Projeto de Literacias

Agrupamento de Escolas de Montijo

2022-06-30.png

Leitura: 2 min |

O Projeto de Literacias, desenvolvido no Agrupamento de Escolas de Montijo, é um projeto articulado com a Biblioteca Escolar, implementado em todas as escolas do 1.º ciclo e num estabelecimento do Pré-Escolar.  As atividades desenvolvidas podem ser consultadas a partir do blogue da Biblioteca Escolar https://bibliotecasaemontijo.blogs.sapo.pt/ .

A partir da aplicação do Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar, nas Literacias da Leitura, da Informação e Media, o projeto tem como principais objetivos:

  • Desenvolver o gosto pelas competências de leitura, escrita e comunicação, como condição estruturante da formação pessoal e capacidade de progressão nas aprendizagens;

  • Desenvolver competências, propiciadoras de novas formas de aprender, interagir e comunicar através dos media;

  • Usar, de forma crítica e informada, recursos e ferramentas contribuindo para a aquisição integrada de conhecimentos associados à literacia da informação.

O plano de ação desenvolve-se a partir da articulação com os Planos de Atividades da Biblioteca Escolar, das Escolas e dos Planos de Turma, realizando uma dinâmica de transdisciplinaridade essencialmente com as áreas de Português, Cidadania e Desenvolvimento, Estudo do Meio, Educação Artística e TIC.

O Projeto de Literacias teve início no ano letivo 2015/2016. O objetivo inicial foi combater o insucesso escolar e promover o gosto pela leitura. Inicialmente o projeto foi implementado nas turmas de 2.º ano de escolaridade, onde se verificava uma taxa mais elevada de insucesso. Com o passar dos anos o projeto foi depois alargado aos diferentes anos de escolaridade e atualmente está em todos os anos de escolaridade do 1.º ciclo e também num estabelecimento de pré-escolar, com uma frequência semanal.

Este Projeto conta com as seguintes parcerias: Biblioteca Municipal; Editoras; Projeto Dialls e Escola Azul.

Nas aulas de Literacias trabalha-se toda a dinâmica que uma biblioteca escolar pode proporcionar em torno de três vertentes: a literacia da leitura, a literacia da informação e a educação para os média. Estes pilares têm sido reforçados com mais literacias, importantíssimas para a sociedade, entre outras, a cultural, a ambiental, a financeira, a dos oceanos, em articulação com outros projetos das escolas, das turmas ou da comunidade.

A leitura é sempre usada como competência base transversal a tudo. E o exercício da competência escrita decorre naturalmente da leitura. O aluno é depois conduzido a refletir, a desenvolver o seu pensamento crítico, criativo, interventivo e a sua capacidade de tomada de decisão. Os objetivos vão sendo atingidos através da exploração de histórias, da caracterização de personagens, do visionamento de filmes, onde os alunos têm oportunidade de refletir, dialogar, expressar ideias ou opiniões.

Através do trabalho colaborativo, proporcionamos aprendizagens ativas que possibilitam aos alunos o desenvolvimento de atitudes e competências essenciais que os engrandecem enquanto futuros cidadãos.

Marisa Costa e Célia Jesus, Professoras Bibliotecárias

_____________________________________________________________________________________________________________________

Seg | 11.07.22

Figuras Con.Raízes

2022-07-13.png

Leitura: 7 min | 

Con.Raízes é um projeto dos professores bibliotecários da Rede Interconcelhia de Alter do Chão, Castelo de Vide, Crato, Gavião, Marvão, Nisa, e Ponte de Sor que visa promover o conhecimento, a partilha e a divulgação das diferentes manifestações culturais dos seus concelhos.

A 5ª edição decorreu nos dias 18 e 19 de maio, em formato presencial. O Agrupamento de Escolas de Gavião recebeu os sete concelhos envolvidos no projeto, contando com o apoio da Câmara Municipal de Gavião e da Comunidade Intermunicipal do Alto Alentejo.

O projeto, este ano sob a temática “Figuras Con.Raízes”, explora diferentes vertentes do currículo local, numa articulação entre as turmas e respetivos docentes e as Bibliotecas Escolares.

Deixamos o testemunho dos professores bibliotecários: 

 

Agrupamento de Escolas de Gavião 

O primeiro dia do evento foi dedicado aos docentes, com o workshop O livro é um lugar, dinamizado por Bru Junça.

O segundo dia foi destinado à apresentação dos trabalhos dos alunos. 

A turma do 4º ano da Escola Básica de Gavião fez um estudo da toponímia da vila e descobriu que uma das maiores ruas de Gavião tem o nome de Eusébio Leão. 

Esse foi o ponto de partida para um trabalho de investigação e pesquisa em diferentes fontes, tendo os alunos constatado que se trata de uma figura importante para a história de Portugal, cujas raízes estão no concelho de Gavião. Posteriormente, foram elaborados textos de apresentação desta individualidade.

Entre as áreas de Estudo do Meio, Português, Expressões e Cidadania, realizou-se um trabalho interdisciplinar e transversal, articulado entre docentes. 

Professora bibliotecária Paula Pio

 

Agrupamento de Escolas de Marvão 

O projeto Con.Raízes foi desenvolvido nas turmas do 2.ºciclo, nas disciplinas de Português, Ed. Física, Ed. Musical e com o apoio/orientação da Biblioteca Escolar.

Na aula de Português, foram identificadas as figuras ilustres do Concelho de Marvão:

- elaboraram-se os guiões de entrevistas para recolher informações sobre as figuras ilustres do concelho;

 - entrevistaram-se familiares das figuras ilustres ou, se possível, as próprias;

- redigiram-se biografias com os dados obtidos durante as entrevistas;

- escreveram-se textos descritivos (retratos) baseados em fotografias das figuras ilustres e opiniões dos entrevistados.

Depois, através da ferramenta digital Flipgrid foram gravados pequenos resumos com as biografias de cada Figura Ilustre que se destacou em prol da população marvanense. Estes trabalhos, elaborados na aula de Português, foram colocados na ferramenta digital criada para o efeito.

Na aula de Educação Física os alunos ensaiaram uma pequena apresentação de folclore uma vez que uma das figuras ilustres trabalhada anteriormente foi o fundador do Rancho Folclórico de Santo António das Areias.

Na aula de Educação Musical foi ensaiada a moda que foi dançada na apresentação do projeto, Água leva o regadinho, água leva o regador.

Professora bibliotecária Carla Cordeiro

 

Agrupamento de Escolas de Ponte de Sor (EB João Pedro de Andrade) 

A figura escolhida pelo nosso Agrupamento foi o nosso patrono, João Pedro de Andrade (D.R. 25/09/1996).

No âmbito da flexibilidade curricular, este projeto permitiu o desenvolvimento de diferentes competências, ao nível do domínio da pesquisa e do tratamento da informação, da leitura e da escrita, bem como uma forte ligação às artes visuais e tecnologias da informação e comunicação, sob a orientação da Diretora de Turma, professora Graça Leonardo.

Do registo fotográfico à pesquisa bibliográfica, da leitura e escrita à participação num colóquio com a Drª Ana Isabel Siva, responsável pelo Arquivo Histórico Municipal de Ponte de Sor, os alunos desenvolveram trabalhos nas App bitmoji e Wordart Creator e prepararam a apresentação do Projeto foi desenvolvida com a ferramenta ThingLinK  https://www.thinglink.com/card/1581013729355497474

Professora bibliotecária Paula Valamatos Reis

 

Agrupamento de Escolas de Ponte de Sor (ES Ponte de Sor) 

Os alunos estudaram a toponímia da cidade e identificaram figuras do concelho de Ponte de Sor, que se destacaram em diversas áreas (Garibaldino de Andrade, João Pedro de Andrade, Manuel Patrício e José Luís Peixoto), tendo desenvolvido várias atividades em torno destas personalidades: 

  • Tertúlias dialógicas;
  • Oficinas de escrita;
  • Leitura e compreensão da obra;
  • Criação de folhetos/ nuvens de palavras/ infografias.

Nestas atividades, foram utilizadas diferentes ferramentas digitais: QR-code; Google forms; Kahoot; Edpuzzle; WordArt; Book Creator, o Google Lens – contribuindo bastante para a motivação dos alunos.

O desenvolvimento deste projeto, articulado com a biblioteca, foi uma ótima estratégia de incentivo para os alunos que, devido à sua especificidade, precisam de mais e de diferentes estímulos no processo de ensino e aprendizagem. Este proporcionou-lhes a aquisição de competências na área da leitura, da escrita e da oralidade, mais autoestima e mais autonomia, além de favorecer a sua inclusão na comunidade. 

Professora bibliotecária Alzira Peixoto Martins

 

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural de Alter do Chão (EPDRAC)

O projeto foi realizado pela turma do 11º ano do curso profissional Técnico de Turismo Ambiental e Rural.

1. Os alunos recolheram informações relativas às personagens principais e ao contexto histórico onde estas se inseriam: D. João V foi responsável pela criação da Coudelaria de Alter do Chão; Francisco Sancho, presidente da autarquia de Alter do Chão, esteve na origem da EPDRAC).

2. Posteriormente foi criada e ensaiada uma peça de teatro. Nesta etapa envolveram-se ainda alguns alunos do 10º ano do curso de Técnico de Gestão Equina e do 11º ano do curso de Técnico de Produção Agropecuária.

3. A estreia da peça ocorreu a 19 de maio no Cine Teatro do Gavião, tendo sido replicado no dia 23 na EPDRAC num espetáculo direcionado para os alunos do pré-escolar do Agrupamento de Escolas de Alter do Chão.

Esta atividade decorreu no âmbito de várias disciplinas, como Área de Integração, História e Cultura das Artes, Português e Técnicas de Acolhimento e Animação

Professor bibliotecário Sérgio Mendes

 

Agrupamento de Escolas de Alter do Chão

Inicialmente foram definidas as figuras com raízes locais a serem selecionadas, para fazerem parte da atividade e foi selecionado o modelo de apresentação do projeto.

As turmas de 10º e 11º ano ficaram responsáveis pelo projeto.

Cada aluno encarnou uma personalidade de Alter do Chão e foi definido que o projeto seria apresentado através de um programa noticioso gravado, em que um entrevistador da atualidade abordaria figuras de diferentes períodos “históricos”.  

O trabalho de pesquisa durou alguns meses e do mesmo resultou um texto que serviu de guião à encenação da entrevista.

As figuras da terra escolhidas e retratadas foram:

  • Mestre Reirinha (tipógrafo);
  • António Dias Antunes (correeiro de Alter do Chão);
  • Joaquim Castelinho (mestre de atrelagem);
  • João Castelinho (educador e tratador de equinos);
  • Joaquim Namorado (ensaísta e poeta);
  • D. Diogo de Vasconcelos (cónego da Sé de Évora, inquisidor-mor e antigo proprietário da Casa do Álamo)

Professor bibliotecário Gilberto Rocha

 

Agrupamento de Escolas do Castelo de Vide

Os alunos do 2º ciclo trabalharam em Português, Educação Visual e Educação Tecnológica, desenvolvendo competências das disciplinas envolvidas e competências previstas no Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória, dando simultaneamente resposta a objetivos do Projeto Educativo do Agrupamento. 

Os alunos começaram por pesquisar personalidades marcantes de Castelo de Vide, utilizando um guião de pesquisa disponibilizado pela Biblioteca Escolar. 

Partindo das biografias de Garcia de Orta e de Salgueiro Maia, duas figuras emblemáticas de Castelo de Vide, os alunos do 6ºA criaram monólogos que levaram à cena (articulação Português/Expressão Dramática/BE). Em EV, os alunos executaram retratos dos biografados e em ET criaram um jogo de memória. Veja a síntese do projeto.

Professora bibliotecária Fernanda Silva Cunha 

 

AE Crato

O projeto foi desenvolvido na área curricular não disciplinar, "Projet'arte", que procura mobilizar os conhecimentos de várias disciplinas, dando-lhes significado através do envolvimento em projetos que motivem os alunos e lhes permitam ampliar competências e saberes, promovendo o desenvolvimento de uma cidadania responsável e interventiva, contribuindo também para uma formação mais holística.

Destacando o envolvimento das disciplinas de História e Geografia de Portugal e Português (prof. Isabel Correia) e Educação Visual e Tecnológica e Cidadania e Desenvolvimento (prof. Gregória Rosa), em articulação com a biblioteca (prof. Clotilde Soares), o projeto do AECrato foi desenvolvido por um grupo de alunos do 5º ano:

Subiram ao palco e, após uma breve apresentação pessoal e do próprio concelho, deram a conhecer algumas figuras relevantes do concelho do Crato: alguns Priores do Crato; Dr. Carlos Bello Moraes; Padre Belo e Prof. Ana Maria Ferreira Gordo - patrona da nossa escola.

Professora bibliotecária Clotilde Soares

 

Agrupamento de Escolas de Nisa

As disciplinas de História e Geografia de Portugal e Cidadania e Desenvolvimento e a Biblioteca Escolar lançaram o desafio:

Descobrir exemplos concretos, na comunidade, de pessoas que, pela sua obra e contributos, dão ou deram substância ao lema abraçado pelo Agrupamento: Por uma cidadania ativa.

Assim nasceu este projeto, adotado pelas duas turmas de 6º ano e orientado pela Profª Gisela Nunes, designado por Exemplos de Cidadania Ativa na Comunidade – Personalidades Nisenses que, envolvendo toda a comunidade, procurou aprofundar conhecimento e homenagear postumamente a multidimensionalidade de um homem dedicado a desenvolver Nisa e a preservar a sua História e tradição - João Francisco Lopes (1936 – 2020).

Uma Conferência no Auditório Escolar e uma Exposição fotográfica e documental numa sala cedida pela União de Freguesias de Nisa foram as formas encontradas para a justa homenagem.

Professora bibliotecária Fátima Dias

_____________________________________________________________________________________________________________________

Sex | 08.07.22

Digit@l_Mente

EB1 de Gualtar, do AE Carlos Amarante, Braga

2022-07-08.png

Leitura: 3 min |

O projeto Digit@l_Mente, dinamizado na EB1 de Gualtar, do AE Carlos Amarante, em Braga, foi financiado pela Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), em resultado de uma candidatura à iniciativa “Leituras… com a Biblioteca”, em janeiro de 2020.

Um dos vetores do projeto é fomentar a educação para os media, articulando iniciativas da biblioteca com o ensino de Português, Cidadania e Desenvolvimento e Estudo do Meio.

2020-2021

Durante o ano letivo 2020/2021, a Biblioteca Escolar trabalhou com as turmas de terceiro e quarto anos dinamizando sessões que iniciavam os alunos no estudo dos media. Um dos grandes pilares destas sessões foi a utilização dos recursos disponibilizados pela RBE - “Aprender com a Biblioteca Escolar” - mais concretamente, “Saber usar os Media”, dedicados ao 1.º ciclo. Desta forma, colocaram-se em prática das planificações relativas aos seguintes temas: “Media,… o que são?”; “Os media são uma construção”; “Quem és tu na Web?”; “Como são feitos os anúncios que eu gosto?”.

Foram ainda abordados e discutidos procedimentos e regras a seguir em ambiente online, e analisada a Carta dos Direitos da Criança na Internet.

Estimulado o gosto por saber mais sobre os media e a sua influência na nossa vida, os alunos contactaram com jornais, aprendendo a identificar a estrutura de uma notícia e de uma entrevista. Posteriormente foram-lhes facultados títulos que os convidavam a imaginar a notícia que lhes poderia estar associada, uma ideia original e muito motivadora do PÚBLICO na Escola. A entrevista passou também a fazer parte da prática escrita das turmas envolvidas, na medida em que no âmbito de diferentes atividades, por exemplo, o 25 de abril, os alunos aproveitaram para preparar um guião de entrevista e usá-lo junto dos seus familiares e professores.

2021-2022

No presente ano letivo, a Biblioteca Escolar continuou a desenvolver atividades que propiciam o desenvolvimento da literacia mediática. Destaca-se a sessão de leitura de jornais na biblioteca para os alunos do 4.º ano. Nesta sessão grupos de alunos tinham duas tarefas: reconstruir uma notícia, cujos parágrafos tinham sido separados, e fazer corresponder os títulos às respetivas notícias. Seguidamente, cada grupo lia a sua notícia em voz alta e os restantes alunos identificavam o lead e explicavam o assunto. Sublinha-se também a articulação que se estabeleceu entre a Biblioteca Escolar e o JN TAG, que resultou na dinamização de sessões de literacia mediática. Estas sessões contaram com a presença de uma jornalista que explicou como se organiza um jornal e se distribuem as suas secções e incitou os alunos a lerem criticamente algumas notícias do dia. Numa destas sessões, grupos de alunos apresentaram também as suas conclusões,  designadamente sobre: “As minhas escolhas de media”, em que se autoavaliam enquanto consumidores de media e problematizam influência destes no seu dia a dia.

O projeto Digit@l_Mente tem contribuído para estimular uma reflexão continuada sobre os media e o seu papel no nosso quotidiano. A dinâmica imposta pelo projeto ganhou raízes e a prática de desenvolvimento da literacia mediática não só se manterá, como evoluirá, no próximo ano, através da criação de um Clube de Jornalismo.

_____________________________________________________________________________________________________________________

Qui | 07.07.22

As gralhas - Um pequeno jornal feito a muitas vozes

2022-07-07.png

Leitura: 3 min |

Com o propósito de sensibilizar a comunidade educativa para a importância de capacitar os alunos para serem leitores e agentes críticos de informação e comunicação, a biblioteca da Escola Básica de Odiáxere (AE Gil Eanes, Lagos), em articulação com todos os docentes do 1º ciclo, promove, desde 2015, um jornal digital intitulado “As gralhas”.

Este projeto coletivo destina-se a estimular o gosto pela escrita, a ativar o olhar analítico e o espírito crítico dos alunos mais jovens, a valorizar a sua criatividade e a motivá-los para a expressão dos seus pensamentos e sentimentos.

Virtudes d’ As gralhas

Desde o seu início que o jornal tem vindo a cumprir um papel educativo absolutamente insubstituível na escola. O rol de virtualidades é extenso, já que ele:

- responde ao desejo de empoderar os alunos mais jovens para a ação, incentivando-os a “exprimir livremente a sua opinião” e a relatar o seu dia-a-dia; 

- é aproveitado para melhorar a aprendizagem de determinadas matérias disciplinares e para promover valores como a cooperação ou a solidariedade; 

- incentiva a articulação curricular, entre a BE e todos os docentes;

- fomenta o intercâmbio de informação com pais e com a comunidade envolvente;

- estimula um olhar mais atento e mais crítico dos alunos, colocando à sua reflexão múltiplas questões associadas aos media (que informação vai ser selecionada para incluir no jornal? como é que o autor vai apresentar a informação? como se distingue a boa da má informação? ; etc.)

Um jornal com personalidade

Esta aventura, ao fornecer uma oportunidade de participação a todos os alunos (do 1º ao 4º ano), confere ao jornal uma certa singularidade. O seu formato, o seu estilo, os seus títulos ou as suas fotos e ilustrações: tudo é diferente. Um jornal que não faz malabarismos com fontes (monotonia ou muita diversidade) e não opta por usar o mesmo "tom", o mesmo estilo, na apresentação, no título, no conteúdo. Cada título, cada página tem a sua própria personalidade, unidade de tom e coerência, de acordo com a importância que lhe é atribuída pelo autor. 

Se existir uma letra invertida, uma palavra trocada ou uma ilustração, que, por lapso, ficou assimétrica na página, isso não impede o aluno de “tagarelar” sobre o que lhe interessa, sobre os livros que lê, sobre as coisas que faz no dia-a-dia. É assim que ele ocupa o lugar de produtor de informação na escola, reivindicando o direito de fazer perguntas, de procurar respostas e de divulgar o que realmente pensa sobre o que faz, o que realmente sente sobre o que lhe interessa, o que gosta, desafia ou intriga.

Em síntese, trata-se de um projeto que fomenta a livre aprendizagem e potencia nos alunos competências relacionadas, genericamente, com a cognição, a formação de atitudes, a defesa de valores, a cooperação e a cidadania crítica. 

Desta forma, tem sido possível à biblioteca conciliar o desenvolvimento da escrita, da leitura, da literacia dos media; assim como o respeito pela diferença, pela tolerância; o interesse pelos assuntos da escola e da comunidade; o trabalho em equipa; a responsabilidade, a autonomia e o reforço da autoestima.

É assim, de gralha em gralha, que os alunos vão conhecendo melhor a engrenagem mediática, aprofundando a composição escrita e adquirindo o gosto  por palavras, sinais, imagens e informação.

Veja também

Blogue- https://bibliotecasdogil.wixsite.com/asgralhas

Arquivo: http://www.wikijornal.com/asgralhas/

_____________________________________________________________________________________________________________________

Qua | 06.07.22

Aprender pela arte: articulação da Biblioteca Escolar com o Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar

2022-07-06.png

O Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar (PNPSE), criado através da Resolução do Conselho de Ministros nº 23/2016, de 24 de março, colocou as escolas no centro da decisão através da elaboração de planos de ação estratégica, com vista à construção de respostas e soluções, para os problemas de aprendizagem e de integração socioeducativa diagnosticados nos seus territórios educativos.

Privilegiando o trabalho colaborativo entre os docentes, a diversidade de estilos de aprendizagem e o contributo desta medida para o desenvolvimento das competências previstas no Perfil do Aluno à saída da Escolaridade Obrigatória, o projeto de intervenção da Escola Secundária de Loulé, através da medida Aprender pela arte, desenvolveu inúmeras atividades que passaram pela expressão oral, expressão artística e partilha de emoções em grupo.

A equipa da biblioteca escolar integrou este projeto e trabalhou em articulação com a técnica responsável pelo Plano de Desenvolvimento Pessoal, Social e Comunitário. Deste trabalho de partilha e colaboração, nasceram várias atividades integradoras, em que, para além do envolvimento dos alunos, participaram parceiros locais e a própria comunidade local.

Exemplo disso, são algumas atividades/ projetos desenvolvidos pela biblioteca escolar como:

- Algarve Film week participação dos alunos na mostra de cinema com sessões de curtas e longas metragens, nacionais e internacionais, debates e masterclasses;

- Articulação semanal com o Cineteatro Louletano– Divulgação dos eventos e serviço cultural, agendamento de visitas proporcionando aos alunos experiências culturais a diferentes níveis (exposições, concertos, espetáculos de teatro e dança,…);

-Apoio aos alunos de Português Língua Não Materna – apoio à aprendizagem da língua e cultura portuguesa, com dinâmicas que passaram pela leitura expressiva, roleplay, música e jogos;

- Comemoração da Semana da poesia - conceção de Vídeo Poemas, ao longo do ano, realizados pelos alunos do curso profissional de Técnico de Multimédia;

- Cantigas de Amor – desafio proposto aos alunos, no âmbito dos conteúdos de Português, com vista à produção de poemas, que refletissem o que era para eles o amor;

- Clube de Leitura – uma atividade sistemática de promoção do gosto pelo livro, pela leitura e partilha de experiências leitoras;

- Comemoração do Mês Internacional da Biblioteca escolar - elaboração de Podcasts com recolha de lendas dos vários países de origem dos alunos da comunidade escolar, onde foi trabalhada a leitura expressiva.;

- Concurso Literário Juvenil da Biblioteca da Escola Secundária de Loulé -promoção da produção literária dos alunos e valorização da expressão escrita;

- Dia do mar - efeméride celebrada com a participação especial de alunos de Artes, Multimédia, alunos com medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão e Português Língua Não Materna. Declamação de poemas de Sophia de Mello Breyner Andresen alusivos ao Mar, exposições com painéis produzidos pelos alunos e realização um espetáculo de dança ao som da poesia dita e do mar.

- Parceria com associações locais - Workshops de teatro como A mákina de cena – Leitura encenada de excertos a partir da obra O Relatório da coisa de Clarice Lispector.

- Slam Poetry – competição de poesia, em que os alunos leram ou recitaram um trabalho original. Esta performance foi, em seguida, “julgada” por membros selecionados da plateia.

- Violência no namoro – produção de uma animação que serviu de base para o debate e reflexão de ideias sobre essa temática, em sessões dinamizadas pela artista residente.

Foi transversal, a estas atividades, a dinâmica criada entre a biblioteca escolar e a artista residente (técnica especializada na área das artes performativas, associada ao Plano de Desenvolvimento Pessoal, Social e Comunitário no âmbito do PNPSE) que, em conjunto, pensaram, planificaram e executaram estas iniciativas e os materiais que lhes serviram de apoio.

Em suma, um traço comum a todas estas práticas, articuladas entre a biblioteca escolar e a técnica especializada, foi o envolvimento com a comunidade local, o desenvolvimento de competências interpessoais e a importância da valorização da arte e da cultura em contexto escolar.

_____________________________________________________________________________________________________________________

Ter | 05.07.22

Medi@rte

Agrupamento de Escolas Ferreira de Castro, Oliveira de Azeméis

2022-07-05.png

O Agrupamento de Escolas Ferreira de Castro, em Oliveira de Azeméis, oferece a disciplina Medi@rte, na área da Educação para os Media, para os alunos de 8.º ano da escola sede. É lecionada por um dos professores bibliotecários, é semestral, com 90 minutos semanais, e realiza atividades em articulação com a biblioteca escolar.

Esta disciplina surge na sequência de outra intitulada Educação para os Media (2012-2018) e procura despertar a atenção dos alunos para o mundo dos media, através de um conjunto de atividades práticas, direcionadas para temas como a produção de áudio e de vídeo, a produção de apresentações, a segurança na internet e as redes sociais. O elenco alargado de temas que oferece, todos relacionados com a comunicação, permite a seleção dos que são contextualmente mais relevantes no semestre em causa, podendo daí resultar planificações algo distintas para diferentes turmas.

Esta disciplina visa essencialmente desenvolver as competências de comunicação dos alunos que aprendem a fazer podcasts (guião e gravação), animações em plataformas online, ou em stopmotion com o seu telemóvel. Aprendem, ainda, a fazer apresentações em plataformas alternativas ao Powerpoint e depois ensaiam e apresentam esses trabalhos perante os colegas, avaliando-se entre si.

Abordam-se as questões dos direitos de autor, da desinformação e das fake news (por vezes, tema das apresentações dos alunos), também tratadas através de jogos. Produzem-se bandas desenhadas (cujas caraterísticas os alunos já conhecem do Português e da Educação Visual) e já se transformaram filmes em novelas gráficas.

Aproveitam-se algumas datas ou iniciativas relevantes neste contexto, como o Dia da Animação, Dia Mundial da Televisão, a Semana da Internet + Segura ou os 7 Dias com os Media, para realizar atividades que ajudem os alunos a desenvolver as suas capacidades de comunicação visual, sonora, audiovisual, multimédia, podendo, por vezes, ainda haver lugar a orientações sobre como tirar boas fotos ou sobre a sua edição no computador.

_____________________________________________________________________________________________________________________

Seg | 04.07.22

Bibliotecas e Museus de Sintra: O museu aqui e agora e o futuro que lá mora

Sessão de apresentação do trabalho desenvolvido

2022-07-04 Bibliotecas e museus.jpg

Leitura: 1 min |

Realizou-se no dia 27 de junho de 2022, no Auditório da Escola Secundária Padre Alberto Neto, em Queluz, a apresentação final dos trabalhos da oficina de formação “Bibliotecas e Museus de Sintra: O museu aqui e agora e o futuro que lá mora” relativa ao projeto homónimo de parceria entre os Museus de Sintra, a Rede de Bibliotecas Escolares e os 20 Agrupamentos de escolas do Concelho.

O projeto desenvolveu-se ao longo de seis etapas: Exposição itinerante, Leitura e exploração de um livro sobre o Museu selecionado; Encontro com o autor do livro; Visita guiada e oficina de artes no museu; Exploração de conteúdos curriculares na escola e Oficina de artes.

Nesta sessão, cada Agrupamento apresentou o trabalho desenvolvido com os alunos numa destas etapas, pelo que, através da participação dos diferentes intervenientes, se deu a conhecer todo o projeto.

A partilha foi bastante enriquecedora e motivadora e foi transmitida aos representantes da RBE e da Câmara de Sintra, a intenção de todos de dar continuidade a este projeto!

Aceda ao portal RBE para conhecer melhor este projeto.

_____________________________________________________________________________________________________________________