Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue RBE

Qui | 04.11.21

Aprender com a Biblioteca Escolar: novas atividades chamam à ação pelo clima

2021-11-03-2.png

Em todo o mundo, tempestades, inundações e incêndios florestais intensificam-se. A poluição do ar afeta a saúde de dezenas de milhões de pessoas e o clima imprevisível causa danos incalculáveis às casas e aos meios de subsistência.

Tal como a ONU o apresenta, as alterações climáticas já representam uma "emergência sem precedentes", a destruição nunca foi tão rápida e contrariá-la exigirá uma ação em todos os sectores da atividade humana.

A noção da dimensão do problema tem levado muitas pessoas a desenvolverem ansiedade climática também conhecida por ecoansiedade, a qual compreende sentimentos de preocupação com as mudanças climáticas e respostas emocionais negativas associadas à antecipação de seus efeitos nocivos: ansiedade, stress, distúrbios do sono, nervosismo, sensação de asfixia, depressão, sentimento de culpa pela situação do planeta, que pode se agravar, no caso de se ter filhos, ao pensar no futuro deles.

Diz-se que a COP26 (Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, em curso até 12/11/2021) é a última oportunidade para salvar o planeta. Exigem-se grandes compromissos para conseguir reduzir as emissões de carbono e manter o aquecimento global abaixo de 1,5 graus Celsius, a meta otimista prevista nos Acordos de Paris, mas as dificuldades são muitas.

Mobilizados pelo exemplo de Greta Thunberg, muitos jovens têm aderido ao ativismo pelo clima e às sucessivas greves climáticas, apelando à atenção de todos para a necessidade de ouvir os cientistas e exigir dos políticos uma ação verdadeiramente eficaz, no combate às alterações climáticas.

É neste contexto, que surgem estas propostas de atividades no âmbito do Referencial Aprender com a Biblioteca Escolar, que vão ao encontro das preocupações dos jovens:

- AjuDar é o nosso Papel!: Análise dos conteúdos de uma campanha em prol da sustentabilidade e da solidariedade e criação de mensagens e produtos mediáticos para mobilização da comunidade. (2.º ciclo)

- Por nossa causa!: Análise dos conteúdos de uma campanha em prol da sustentabilidade e criação de mensagens e produtos mediáticos para defesa de uma causa. (3.º Ciclo)

- Não ignores, AGE!: Conceção e execução de projetos no âmbito da ação climática envolvendo a dinamização de uma campanha mediática. (Ensino Secundário)

O Quadro Estratégico 2027 da Rede de Bibliotecas Escolares estabelece que a Sustentabilidade é um dos valores fundamentais das bibliotecas escolares e, por isso, a RBE apresenta exemplos de ações que podem contribuir para a consciência e ação em prol da defesa e proteção do ambiente, sobretudo através da educação. Quer contribuir para esta iniciativa e partilhar com todos as suas propostas? Preencha este formulário.

Qui | 04.11.21

AE Muralhas do Minho | European Innovative Teaching Award 2021

2021-11-04.png

O prémio European Innovative Teaching Award (Prémio Europeu do Ensino Inovador) é uma iniciativa da Comissão Europeia que reconhece o trabalho dos professores e das suas escolas em projetos de cooperação no âmbito do programa Erasmus+. Neste primeiro ano, o tema foi a aprendizagem à distância e o ensino híbrido.

Em Portugal, o projeto Mais colaboração, mais inovação, mais sucesso, desenvolvido no Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença, entre 2018 e 2020, foi selecionado pela Agência Nacional Erasmus+ para representar o setor escolar, no ensino secundário.

A distinção recompensou um trabalho desenvolvido em consonância com as prioridades do Espaço Europeu da Educação e colocou em evidência o papel desempenhado pela biblioteca escolar no desenvolvimento de competências de literacia e cidadania digitais.

Em 2019, o projeto O presente é digital, apoiado pelo Gabinete RBE na Candidatura Digital, visava ampliar, através da formação para as literacias da informação e dos média, as dinâmicas Erasmus+ já consolidadas na escola, desenvolvendo nos alunos não apenas as capacidades, mas também a predisposição para as usar, em consonância com a compreensão das suas próprias responsabilidades e estratégias de autoavaliação.

O impacto da interseção de projetos nacionais e internacionais foi expressivo, não só nas aprendizagens realizadas, mas também nas dinâmicas de trabalho. A formação “Pensar digital”, proporcionada pela RBE, e os cursos estruturados Erasmus+, frequentados pelos docentes em mobilidade, contribuíram para o desenvolvimento de produtos digitais que articularam transversalmente temas, conteúdos e atividades, e registaram milhares de participações de alunos de todos os níveis de ensino.

Em março de 2020, no momento do primeiro confinamento, os objetivos dos projetos adequaram-se naturalmente a um público mais vasto, o que contribuiu para que a passagem para um presente eminentemente digital, num contexto de aprendizagem, não fosse demasiado abrupta. Os alunos estavam habituados a uma metodologia híbrida, com uma componente fortemente virtual. Tinha-se cimentado a noção de que a aprendizagem não é o que acontece dentro de um edifício, mas que podia realizar-se em qualquer lugar.

De acordo com a Comissão Europeia, o projeto Mais colaboração, mais inovação, mais sucesso, “has broken the mould in education and can serve as a source of inspiration for others, to make teaching and learning more engaging, participatory and inclusive.”

Veja o sítio do projeto em versão portuguesa ou em versão em inglês.

Lucília Morais

(Professora bibliotecária)

AE muralhas do Minho