Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blogue RBE

Qua | 11.12.19

Creative Commons para educadores e bibliotecários

ALA Editions

creative.png

American Library Association  (ALA) em parceria com a Creative Commons, publica um remix do conteúdo do curso Certificado CC: Creative Commons para educadores e bibliotecários .  

Este livro está disponível para impressão na ALA Store e o PDF licenciado pela CC BY pode ser baixado aqui .

 

Referência: Our Book, “Creative Commons for Educators and Librarians,” Is Now Available - Creative Commons. (2019). Creative Commons. Retrieved 11 December 2019, from https://creativecommons.org/2019/12/06/cc-for-educators-and-librarians-is-available/

 

Conteúdo relacionado:

 

Ter | 10.12.19

Políticas Educativas e Desempenho de Portugal no PISA | 2000-2015

pisa.png

| Download |

O principal propósito do estudo é investigar relações entre políticas públicas de educação e o desempenho dos alunos portugueses no Programme for International Student Assessment (PISA). Neste sentido, foram definidos os seguintes objetivos:

  • Caraterizar políticas públicas de educação, fundamentadamente consideradas relevantes, tendo em conta a informação decorrente dos programas e projetos que as materializaram e que se desenvolveram a partir da publicação da Lei de Bases do Sistema Educativo (LBSE) em 1986
  • Estudar as perceções de inspetores, diretores e professores sobre acerca das relações entre as políticas públicas de educação (materializadas em programas e projetos) e a melhoria do ensino e do desempenho dos alunos
  • Caraterizar as amostras de alunos que participaram nas sucessivas edições do PISA
  • Analisar os desempenhos dos alunos portugueses ao longo de todas as edições do PISA (2000-2015)

A partir da análise e interpretação dos dados recolhidos será produzido um conjunto de reflexões e recomendações que possa apoiar o desenvolvimento das políticas públicas de educação.

 

Referência: Políticas Educativas e Desempenho de Portugal no PISA (2000-2015) - Instituto de Educação. (2019). Instituto de Educação. Retrieved 10 December 2019, from http://www.ie.ulisboa.pt/projetos/politicas-educativas-desempenho-portugal-pisa-2000-2015

 

Ter | 10.12.19

A Educação em Exame | novos dados

Visão comparada e evolutiva do sistema educativo

educacao.png

Educação em Exame: uma visão única, comparada e evolutiva sobre o sistema educativo em Portugal

Não há mãe, pai, político, comentador ou especialista que não tenha uma ligação ao sistema educativo ou uma opinião acerca dele. Mas nem sempre estão disponíveis dados e análises que nos ajudem a ir além do senso-comum ou da mera opinião.

A partir de 2000, o PISA (Programme for International Student Assessment) permitiu tirar a fotografia aos sistemas educativos, revelar sucessos e expor fraquezas. Os resultados dos alunos portugueses melhoraram significativamente nestes testes internacionais, passando da cauda da OCDE para desempenhos na média dos países da organização. Porquê? O que aconteceu para os resultados melhorarem?

A Fundação Francisco Manuel dos Santos, o Conselho Nacional de Educação e o Expresso associaram-se para dar resposta a estas questões, partindo da investigação feita no estudo “aQeduto” (disponível para download aqui) sobre os dados PISA. Em Portugal, as análises de desempenho do sistema educativo com base nestes testes são ainda pouco frequentes. A informação é geralmente disponibilizada através de publicações técnicas, nem sempre acessíveis a todos os interessados no tema. A par da investigação de qualidade, interessa divulgá-la de modo compreensível e intuitivo, para uma reflexão e discussão alargadas sobre o tema.

A obra “A Educação em Exame.pt” vem colmatar esta lacuna: apresenta os resultados do PISA, acrescentando dados de outras fontes. Aqui é disponibilizada uma visão única, comparada e evolutiva sobre o sistema educativo em Portugal nos últimos 15-18 anos, tendo em conta três eixos fundamentais: os alunos e as famílias; os professores e as escolas; e os recursos que o país dedica a esta área.

O site oferece um panorama sobre o sistema português, associado a uma forte vertente de comparações internacionais. Tendo em conta o número de países e regiões onde o PISA é aplicado, surgiu a necessidade de reduzir o número de países em análise, de forma a chegar a resultados e representações gráficas de leitura mais fácil. Procedeu-se a um estudo de agrupamento de países, ou seja, selecionaram-se características de relevo no estudo dos sistemas educativos e agruparam-se os países com base nelas, utilizando-se um país representante de cada grupo. Deste processo resultaram onze países, para os quais foram feitas várias análises.

Através de um formato digital e interactivo, com um design responsivo adaptado às novas formas de comunicação, onde se combina o rigor dos factos com a simplicidade de os comunicar, todos os interessados podem ficar a conhecer a realidade educativa portuguesa. O site é actualizado, de acordo com a publicação de novos dados.

Ler mais >>

 

Referência: Educação em exame. (2019). Educacaoemexame.pt. Retrieved 10 December 2019, from https://educacaoemexame.pt/

 

Sex | 06.12.19

3º Encontro da Rede de Bibliotecas do Concelho de Constância | sessão de abertura

Rios de Possibilidades em Bibliotecas

manuela.jpeg

Intervenção da senhora Coordenadora Nacional da RBE, Manuela Silva

Se preferir oiça o podcast

Discurso de abertura

O título do encontro - Parcerias: Rios de possibilidades - desafia-nos a pensar naquilo que a Biblioteca, como espaço, se constitui e representa. ...no gosto pelo saber, onde não podemos descurar o belo, nem o profundo. ...A Biblioteca é um espaço com múltiplas dimensões que proporciona a capacidade de socialização entre os alunos e que possibilita, através das estratégias que desenvolve, a curiosidade e que promove descobertas. [...]

Manuela Silva, 6.12.2019, Casa Memória Camões, Constância.

***

A intervenção (parcial) do senhor secretário de estado, João Costa, no encerramento do Encontro

[ficheiro não editado]

Discurso de encerramento

"O papel das Bibliotecas Escolares no currículo, como espaço para trabalho conjunto com as disciplinas para melhorar várias aprendizagens que os resultados do PISA e das Provas de Aferição permite identificar como particularmente problemáticos: a leitura crítica, o gosto pela leitura, a diferença entre tipos diferentes de texto. A Biblioteca como espaço de inclusão, na sua capacidade de promover bem-estar e formas de arte. A Biblioteca como espaço para a Cidadania contra as fake news, a pseudo-ciência e o "adormecimento"."

João Costa - Página pessoal Facebook, 6.12.2019

 

2.º dia

O processo de produção de celulosa na fábrica da CAIMA, em Constância

Qui | 05.12.19

Jogo INCLU | recursos

Inclusão

inclu1.jpg

Jogo: Os jogos INCLU possibilitam que todas as pessoas, com ou sem deficiência e em particular as crianças, possam jogar em conjunto.

 

Composição: INCLU é um jogo composto por cartas com Letras representadas nos 3 alfabetos (o alfabeto português, o alfabeto manual da LGP e em Braille) e em relevos que permite realizar um conjunto variado de atividades e de jogos, em equipa ou individualmente, que estimulam o desenvolvimento de competências pessoais e sociais entre as crianças e entre elas e seus pais, avós e professores.

 

Objetivo: O objetivo é construir palavras associadas a um determinado Tema utilizando da visão, do tato, de gestos, da fala e da audição.

 

Temas: A cada jogo INCLU está associado um determinado tema.

 

Contém: Os jogos INCLU contêm cartas do Tema, cartas de Letra e carta de Apoio.

 

Idade: Os jogos INCLU são para Todas as pessoas dos 3 aos 99 anos.

 

Atividades e Jogos: Cada jogo INCLU traz consigo um conjunto variado de atividades e jogos, com níveis de aprendizagem, graus de dificuldade e de estratégia e dinâmicas diferentes, em equipa ou individualmente.

 

Qua | 04.12.19

A Crise Climática | recursos

El País

co.png

por J. A. AUNIÓN | MANUEL PLANELLES

 

Durante milhares de anos, os seres humanos basearam o seu desenvolvimento na agricultura e na caça. E as principais fontes de emissão de CO₂ estavam ligadas a uma sociedade tradicional e rural.

A partir da segunda metade do século XVIII, o motor a vapor muda tudo. A queima de biomassa para gerar energia é adicionada ao carvão como principal energia da Revolução Industrial, primeiro no Reino Unido e depois em toda a Europa. O carvão ainda é a principal fonte de emissões de dióxido de carbono atualmente.

A revolução da mecanização e industrialização estende-se por todo o Ocidente por via do carvão. Mas a esta fonte é adicionada outra também rica em carbono: o petróleo. A invenção do automóvel e, acima de tudo, a produção em massa de carros pela mão do Ford T de 1913 desencadeia a queima de óleo e as emissões de CO₂.

O grande salto ocorre após a Segunda Guerra Mundial. O período de paz relativa, juntamente com mais avanços tecnológicos e o aumento demográfico, também desencadeiam as emissões de dióxido de carbono. Além disso, as florestas (sumidouros de carbono) começam a encolher e o gás natural junta-se ao carvão e ao petróleo como motores das economias desenvolvidas.

Em 1992, foi aprovada a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, um texto que já reconhecia a existência de um aquecimento alimentado pela atividade humana. E o objetivo de mitigar essas emissões, que não param de crescer, está definido.

As emissões de CO₂ continuaram a aumentar durante este século quase continuamente. O crescimento só foi abrandado pelas crises económicas. Em 2015, após décadas de discussões, o Acordo de Paris foi aprovado, o primeiro pacto que obriga todos os países signatários a apresentar planos para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa. [...]

Ler mais >>

Conteúdo relacionado:

Referência: El CO2 en el cambio climático | La Cumbre del Clima en EL PAÍS. (2019). EL PAÍS. Retrieved 4 December 2019, from https://elpais.com/especiales/2019/el-co2-en-el-cambio-climatico/

Ter | 03.12.19

Jovens portugueses reforçam resultados acima da média da OCDE

PISA 2018

pisa.png

por Catarina Reis | DN | Download relatório | Relatório nacional |

 

Só na última edição do relatório que avalia os conhecimentos dos alunos de vários países é que Portugal tinha atingido valores superiores acima da média da OCDE. A tendência mantém-se, apesar de ter descido em duas áreas: na literacia da leitura e da ciência. A versão 2018, divulgada esta terça-feira,

 

Estarão os jovens portugueses preparados para utilizar no dia-a-dia o que aprendem dentro da sala de aula? O título já ninguém tira. Depois de ter sido apelidado de "a maior história de sucesso na Europa", Portugal volta a consolidar os resultados obtidos em 2015 no relatório PISA - Program in International Student Assessment (em tradução livre, Programa Internacional de Avaliação de Alunos), quando superou pela primeira vez a média da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico). A edição 2018 mostra que, apesar de os jovens portugueses de 15 anos (amostra do estudo) terem descido ligeiramente no ranking que avalia a sua literacia (na leitura, na ciência e na matemática), continuam a ser daqueles que registam uma maior evolução positiva, num ranking liderado pelos países do sudeste asiático. O PISA 2018 foi divulgado esta terça-feira.

O estudo internacional, divulgado de três em três anos desde o ano 2000, traça um retrato sobre o desempenho dos alunos de 15 anos de 79 países e economias diferentes. Ao todo, a nível mundial, contou com a colaboração de cerca de 600 mil estudantes, representando cerca de 32 milhões de jovens nesta faixa etária. Em Portugal, foram 5932 alunos e 5452 professores, entre 276 escolas de todas as regiões do país.

Cada um participou numa série de questionários que avaliaram os seus conhecimentos em três áreas-chave - Leitura, Ciência e Matemática, sendo a Leitura a área principal desta edição - e a sua relação com a escola. A grande maioria dos alunos de 15 anos participantes no estudo (57,4) encontrava-se no 10.º ano de escolaridade - um número superior ao registados nos últimos anos, em que havia uma maior distribuição por outros anos. Já 17,2% ainda estava no 9.º ano, 7,2% no 8.º ano e 2,4% no 7.º ano. Há ainda 15,7% destes que se encontravam em em áreas de formação e educação vocacionais ou profissionais.

Portugueses ainda estão acima da OCDE, mas desceram

São várias as conclusões que este relatório permite retirar quanto àquilo que pode ser o retrato da educação em Portugal, que aparece nos vigésimos lugares da lista nas três áreas avaliadas. Em traços gerais, as notícias continuam a ser positivas para o país, que mantém médias acima da OCDE. Mas, desta vez, desceu ligeiramente nos conhecimentos de Leitura e significativamente em Ciência.

 

relatório Pisa
Infogram

 

Na Leitura, a área de eleição desta edição do PISA, os resultados de 2018 (492) ficaram ligeiramente acima da média obtida em 2000 (mais 22 pontos percentuais), mas a seis pontos de diferença em relação a 2015. Uma diferença que os especialistas do Instituto de Avaliação Educativa (IAVE), organismo que coordena a versão portuguesa do estudo, consideram ser "não estatisticamente significativa". O país mantém-se, assim, ao lado de nações como a Alemanha (498 pontos), pela Eslovénia (495 pontos), pela Bélgica (493 pontos), pela França (493 pontos), pela República Checa (490 pontos) e pela Holanda (485 pontos) - presenças cativas nos rankings mundiais.

Segundo o PISA, cerca de 80% dos jovens portugueses conseguiram alcançar, pelo menos, o nível 2 (numa escala de 6) de conhecimento na leitura. Este nível supõe que os alunos são capazes de "identificar a ideia principal de um texto de extensão moderada, localizar informação assente em critérios explícitos e, por vezes, critérios complexos", refletindo sobre "os objetivos e a forma dos textos quando lhes é explicitamente solicitado para o fazerem", lê-se no documento. Na OCDE, esta média é de 77%, abaixo da portuguesa. Contudo, apenas 7% dos alunos portugueses atingiram níveis superiores da escala (5 e 6, por exemplo), quando na OCDE, em média, são 9%.

 

Melhores resultados PISA
Infogram

 

Foi na Ciência que se sentiram as maiores diferenças face aos restantes países e economias. Na mais recente edição, a média entre todos os jovens portugueses foi de 492 pontos, "uma diferença significativa de menos 9 pontos" em relação a 2015, embora se mantenha acima da média da OCDE por três pontos. Portugal retoma, assim, resultados próximos do nível observado em 2009 e 2012. Segundo o IAVE, não é mais do que um espelho da "tendência decrescente da pontuação média da OCDE na avaliação das ciências que já em 2015 apresentou uma quebra de quatro pontos em relação a 2006". Assim sendo, "quando se analisa a variação média em ciclos de três anos, Portugal é um dos 13 países que apresenta uma variação positiva e significativa de mais 4,3 pontos na avaliação das ciências".

Na literacia científica, o nível de proficiência dos alunos assemelha-se ao encontrado na área da Leitura: 80% alcançou pelo menos o nível 2 (na OCDE, situa-se nos 78%), através do qual demonstrar saber "utilizar conhecimentos do dia-a-dia acerca de conhecimentos e procedimentos elementares para identificar uma explicação científica apropriada, interpretar dados e identificar a questão investigada num delineamento experimental simples". Quando analisado o quadro superior de conhecimentos, nos níveis 5 e 6 da escala, os resultados também são inferiores à media da OCDE, com apenas 6% a atingi-los (na OCDE, 7%).

Só na área de Matemática é que Portugal conseguiu manter a linha, situando-se novamente os 492 pontos alcançados já na última edição do PISA, três pontos acima da média da OCDE (489 pontos). Numa análise mais generalizada, segundo o IAVE, desde 2003 verifica-se um crescimento significativo de seis pontos. Por outro lado, "no mesmo período, a OCDE registou uma tendência negativa evidenciando um ligeiro decréscimo (menos 0,6 pontos)".

No ranking mundial da literacia matemática, são as economias de Pequim, Xangai, Jiangsu, Zheijang (B-S-J-Z) na China (591 pontos), Singapura (569 pontos), Macau (558 pontos), Hong Kong (China) (551 pontos) e Taiwan (531 pontos) que ocupam o topo.

Um pouco mais abaixo do registado nas áreas de Leitura e Ciências, 77% dos alunos em Portugal alcançaram pelo menos o nível 2 de conhecimento em Matemática - semelhante ao panorama da OCDE (76%). Mas há cerca de 12% que chegam a níveis superiores.

 

Ciência Melhores resultados PISA
Infogram

 

O género conta

Apesar de semelhantes entre si, os resultados referentes às áreas-chave escondem diferenças, umas mais significativas do que outras, no que toca ao género do aluno avaliado. Regra geral, as raparigas obtém melhores resultados na leitura do que os rapazes, enquanto estes se saem melhor na Ciência e na Matemática.

À semelhança do que tem sido verificado em anos anteriores, as raparigas registaram um melhor desempenho na Leitura, com mais 24 pontos do que os rapazes, em média - de 504 para 480 pontos. Ainda que a distância entre os dois sexos seja inferior à verificada em 2009, continua semelhante à do ano 2000. De acordo com o IAVE, "Portugal seguiu a tendência internacional, embora a diferença de pontuação entre rapazes e raparigas portugueses seja menor do que a observada para a maioria dos países/economias".

O cenário é outro quando o assunto é Ciência ou mesmo Matemática. Em Portugal, são os rapazes aqueles que registam melhores resultados na literacia científica (494 pontos contra 489). Ainda que a diferença não seja tão significativa, continua a ser dos países com diferenças mais acentuadas. Os resultados médios da OCDE mostram menores distâncias entre género e "sobretudo favoráveis às raparigas em 2018".

Referência: Jovens portugueses reforçam resultados acima da média da OCDE. (2019). DN. Retrieved 3 December 2019, from https://www.dn.pt/vida-e-futuro/relatorio-pisa-jovens-portugueses-reforcam-resultados-acima-da-media-da-ocde-11577144.html

 

Conteúdo relacionado:

 
Ter | 03.12.19

Literacias cívicas e críticas: refletir e praticar | e-book

CECS-UMinho

literaciascivicascapa-1.png

| Download | 2019 |

 

O livro patenteia uma reflexão diversificada sobre contextos cívicos, incluindo as literacias cívicas e críticas, apresenta ainda propostas práticas que educadores de diferentes naturezas, técnicos que trabalham em associações, famílias, ou outros atores sociais podem usar para pensar a educação para os média.

 

Maria José Brites, Inês Amaral & Marisa Torres da Silva

CECS - Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade Universidade do Minho

978-989-8600-88-2

 

 

Seg | 02.12.19

Apuradas as escolas finalistas para os Torneios Regionais de Rádio CONSUMIR COM CABEÇA

Rádio Miúdos

Já são conhecidos os nomes das escolas finalistas para os Torneios Regionais de Rádio CONSUMIR COM CABEÇA, que a Rádio Miúdos organiza com o apoio do Fundo para a Promoção dos Direitos dos Consumidores.


Nesta primeira fase, meia centena de escolas de todo o país participaram com 63 spots de rádio sobre hábitos de consumo e consumismo, para se candidatarem a este Concurso que irá percorrer todo o país com programas de rádio.


Depois do desafio lançado em Outubro aos estudantes do terceiro ciclo de todas as escolas do país e ilhas, foram hoje conhecidas as 8 escolas finalistas que irão participar nas finais regionais.


As oito escolas finalistas são: a Escola Secundária de S. Pedro de Vila Real; Escola EB23 de Sande, Porto; Escola Secundária Fernando Namora, Condeixa-a-Nova; Agrupamento de Escolas de Verde Horizonte, Mação, Escola Básica e Secundária Padre José Augusto da Fonseca, Aguiar da Beira; Escola Básica e Secundária/Pré da Calheta, Madeira, Escola Básica Jacinto Correia, Lagoa e Escola Básica 2º e 3º ciclo Visconde de Juromenha, Sintra.


A partir de 13 de Janeiro, a Rádio Miúdos vai realizar 8 programas de rádio em outras tantas regiões do país para apurar 3 escolas finalistas nacionais deste torneio de rádio. A final terá lugar no mês de Abril, nos estúdios da Rádio Miúdos. Estes finalistas vão passar por vários desafios em concurso de rádio que vão pôr à prova os conhecimentos que têm sobre consumismo e boas práticas de consumo e que incluem provas artísticas e questionários sobre o tema.

Descarregar press release aqui.