Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curricular e do perfil do aluno para o século XXI -  Sónia Cruz
 
 
Conteúdo relacionado:

franca.png

 Download | Maio 2018 

 

 
 

Referência: Plan national pour un numérique inclusif | Mission Société Numérique. (2018). Mission Société Numérique. Retrieved 13 September 2018, from https://societenumerique.gouv.fr/plannational/

 

unesco.png

 Download | 2018

 

This new publication by UNESCO is a timely resource and highly topical subject for all those who practice or teach journalism in this Digital Age.

 

Conteúdo relacionado:

 

Ler mais >>

 

Referência: Aprender a leer y escribir es el mejor regalo para tus hijos. (2018). BBVA Aprendemos Juntos. Retrieved 10 September 2018, from https://aprendemosjuntos.elpais.com/especial/aprender-a-leer-y-escribir-es-el-mejor-regalo-para-tus-hijos-francesco-tonucci/

natur.png

 Download | Abril 2016

 

Introducción

Una de las claves para lograr la mejora sostenida de la calidad y la equidad en la educación, así como asentar las bases de una genuina inclusión en este sector, se basa en disponer de sólidos marcos de referencia conceptuales y de evidencia empírica robusta acerca de cómo potenciar y democratizar las oportunidades, los procesos y los resultados de aprendizaje.

 

Así lo entienden la Organización para la Cooperación y el Desarrollo Económicos (OCDE), la Oficina Regional para América Latina y el Caribe de UNICEF (UNICEF- LACRO) y la Oficina Internacional de Educación de la UNESCO (OIE-UNESCO) enfatizando que el logro de conocimiento relevante y sustentable implica conocer y entender en profundidad la diversidad de contextos, componentes y procesos implicados en todo aprendizaje y, a la vez, tener los conocimientos y las competencias institucionales y docentes requeridas para apoyar de manera personalizada el aprendizaje de cada estudiante en un ambiente colaborativo. (...)

annie-spratt-752792-unsplash.jpg

Photo by Annie Spratt on Unsplash

 

História

Por mais de cinco décadas, o conceito de literacia evoluiu de habilidades básicas de leitura, escrita e aritmética para noções mais amplas, como a alfabetização funcional e os fundamentos da aprendizagem ao longo da vida.

2015

  • A Declaração de Incheon adotada no Fórum Mundial de Educação de 2015, realizada em Incheon, República da Coréia, incorpora o compromisso com a Educação 2030 de fornecer ensino inclusivo e equitativo de qualidade e aprendizagem ao longo da vida para todos e reconhece o papel fundamental que ele joga na alfabetização.

2009-2010

  • A Sexta Conferência Internacional da UNESCO sobre Educação de Adultos, CONFINTEA VI, realizada no Brasil, aprovou o Marco de Ação de Belém.
  • O primeiro Relatório Global sobre Aprendizagem e Educação de Adultos, o GRALE I, foi apresentado pelo Instituto da UNESCO para Aprendizagem ao Longo da Vida (UIL) e forneceu uma visão geral da alfabetização em todas as regiões do mundo.

2003-2012

  • A UNESCO lidera as atividades da Década das Nações Unidas para a Alfabetização, que prevê ações para promover a alfabetização para todos. A Iniciativa de Conhecimento para a Alfabetização do Poder (LIFE) é o mecanismo que apoia essas medidas e melhora as taxas de alfabetização em todo o mundo.

2000

  • O Marco de Ação de Dakar foi aprovado por ocasião do Fórum Mundial sobre Educação, organizado pela UNESCO em Dakar, Senegal. A alfabetização é uma prioridade em sua agenda e os objetivos aprovados foram: responder às necessidades fundamentais de aprendizagem de jovens e adultos por meio de uma abordagem de alfabetização funcional e reduzir a taxa de analfabetismo de adultos em 50%.

1997

  • A importância da alfabetização de adultos foi destacada durante a 5ª Conferência Internacional sobre Educação de Adultos, a CONFINTEA V, em Hamburgo, Alemanha, com o documento final: A Declaração de Hamburgo sobre Educação de Adultos.

1990

  • A ONU escolheu 1990 como o Ano Internacional da Alfabetização e o papel crítico da alfabetização foi destacado durante a Conferência Mundial sobre Educação para Todos em Jomtien, na Tailândia, bem como no Marco de Ação para responder às necessidades básicas de aprendizagem, aprovado na conferência.

1975

  • A UNESCO organiza o Simpósio Internacional de Alfabetização e aprova a Declaração de Persépolis em Persépolis, República Islâmica do Irão, que descreve a alfabetização como uma contribuição para a libertação do homem, ao invés de se limitar a "aprender a ler, escrever e calcular".

1966

  • A reunião da Conferência Geral da UNESCO proclama oficialmente o 8 de setembro como Dia Internacional da Alfabetização.

1965

  • Congresso Mundial de Ministros da Educação sobre a Erradicação do Analfabetismo, realizado em Teerão, República Islâmica do Irão. O conceito de literacia funcional é introduzido como um meio para alcançar o desenvolvimento e não como um fim em si mesmo. Durante o congresso surge a ideia do Dia Internacional da Alfabetização.

 

Referência: International Literacy Day 8 September. (2018). Un.org. Retrieved 8 September 2018, from http://www.un.org/en/events/literacyday/history.shtml

 

Conteúdo relacionado:

 

 

O que é um clássico? O que é que as grandes obras da literatura e do pensamento mundial têm para nos ensinar? Agora que as aulas estão quase a começar, Miguel Monjardino, professor universitário especialista em Relações Internacionais, e Isabel Alçada, escritora e ex-ministra da Educação, olham de novo para a importância dos clássicos na educação.

 

Referência: O que nos ensinam os clássicos?. (2018). SoundCloud. Retrieved 5 September 2018, from https://soundcloud.com/user-48668146/o-que-nos-ensinam-os-classicos

 

pfreire.PNG

Download |

 

Una de las características de las sociedades actuales tiene que ver con la complejidad y grandes desafíos de nuestros tiempos: globalización, desempleo, crisis humanitaria y de refugiados, conflictos bélicos, problemáticas sociales, corrupción política, etc. Cada vez se hace más latente la necesidad de repensar las funciones de los docentes y su papel en la sociedad.

 

Se hace igualmente necesario replantear el papel del alumnado en una sociedad compleja y cambiante en la que juegan un papel muy importante las tecnologías de la información y la comunicación, pero, cabe peguntase:

 

¿Qué podemos hacer desde las escuelas? ¿Cómo pueden los formadores de docentes preparar a los futuros profesores? 

(...)

 

Ler mais >>

 

 

annie-spratt-752791-unsplash.jpg

Photo by Annie Spratt on Unsplash

 

8 de setembro de 2018

“Quando aprenderes a ler, serás livre para sempre”, escreveu Frederick Douglass, no século XIX, um escravo negro americano liberto, campeão da causa abolicionista e autor de várias obras. Este apelo à emancipação através da leitura e, de um modo mais geral, do domínio dos conhecimentos fundamentais - ler, escrever e contar - tem um alcance universal.

 

A alfabetização é o primeiro passo para a liberdade, para a libertação das condicionantes sociais e económicas. É o pré-requisito para o desenvolvimento, individual e coletivo. Reduz a pobreza e as desigualdades, cria riqueza e ajuda a erradicar problemas de nutrição e de saúde pública.

 

Desde a época de Frederick Douglass, e particularmente nas últimas décadas, foram alcançados progressos consideráveis em todas as regiões do mundo, e milhões de homens e mulheres foram resgatados da ignorância e da dependência através de um amplo movimento de alfabetização e de democratização do acesso à educação. No entanto, a perspetiva de um mundo em que cada indivíduo seja detentor de conhecimentos fundamentais permanece um ideal.

 

Hoje em dia, em todo o mundo, mais de 360 milhões de crianças e adolescentes não estão matriculados na escola; seis em cada 10 crianças e adolescentes – ou seja, 617 milhões - não adquirem as competências mínimas em literacia e numeracia; 750 milhões de jovens e adultos ainda não sabem ler e escrever - e destes, dois terços são mulheres. Estas lacunas, que são extremamente incapacitantes, levam à exclusão de fato da sociedade e perpetuam a espiral de desigualdades sociais e desigualdades de género.

 

A tudo isto se soma agora um novo desafio: um mundo em plena mutação, onde o ritmo das inovações tecnológicas está continuamente a acelerar-se. Para poder encontrar um lugar na sociedade, conseguir um emprego e responder aos desafios sociais, económicos e ambientais, as competências tradicionais em literacia e numeracia já não são suficientes; novas competências, inclusive em tecnologias da informação e comunicação, estão a tornar-se cada vez mais necessárias.

 

É um desafio preparar os jovens e os adultos para empregos que na sua maioria ainda não foram inventados. É por isso indispensável ter acesso a uma aprendizagem durante toda a vida, tirar proveito de caminhos e pontes entre as diferentes modalidades de formação e beneficiar de grandes oportunidades de mobilidade.

 

Em 2018, este Dia Internacional é subordinado ao tema “Alfabetização e desenvolvimento de competências” e foca-se numa abordagem evolutiva da educação. A UNESCO está ativamente envolvida nesta redefinição de políticas de alfabetização e incentiva práticas educacionais inovadoras. Também apoia as diferentes formas de cooperação entre o setor público e o setor privado, porque somente uma compreensão global da causa da educação pode responder adequadamente às necessidades de um mundo que parece reinventar-se a cada dia.

 

Neste Dia Internacional, convido todos os atores do mundo da educação, e de outros setores, pois trata-se de uma causa que a todos diz respeito, a mobilizarem-se a fim de que o ideal de uma sociedade mundial inteiramente alfabetizada se converta um pouco mais em realidade.

Audrey Azoulay

 

Referência: Mensagem da Diretora-Geral da UNESCO por ocasião do Dia Internacional da Alfabetização. (2018). Comissão Nacional da UNESCO. Retrieved 3 September 2018, from https://www.unescoportugal.mne.pt/pt/noticias/mensagem-da-diretora-geral-da-unesco-por-ocasiao-do-dia-internacional-da-alfabetizacao-2

 

 

 

 

 O editor Rui Couceiro e a escritora Filipa Martins entram na biblioteca de Eduardo Lourenço. "A biblioteca de" é o espaço da Renascença que pode ouvir todas as quartas-feiras depois das 23h00.

 

Conteúdo relacionado:

Etiquetas:



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Twitter



Perfil SAPO

foto do autor