Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



fake.png

 por P. José Maria Brito, sj | Fonte

 

Assinala-se neste 13 de maio o 52º Dia das Comunicações Sociais. A mensagem do Papa Francisco aborda a temática das "fake news." Nesta reflexão, lembramos que as notícias tanto podem ser falseadas por quem as escreve, como por quem as lê

 

Aquela voz misturava espanto, desilusão e talvez um pouco de mágoa. Uma mágoa tenuemente enraivecida. Chegara de um desses locais que a guerra traz aos telejornais e aos vídeos viralmente partilhados nas redes socais e desabafava: “como é possível que as notícias que aqui se difundem fiquem tão longe da realidade.” E acrescentava: “querem tudo a preto e branco, reduzido às velhas histórias de índios e cobóis.”

 

Muitas notícias têm o selo de garantia de credíveis agências internacionais, são insuspeitas de serem “fake“. E, no entanto, estão prisioneiras da lógica da pressa, da avidez da difusão a que corresponde a avidez apressada do consumo.

 

Cada um de nós, sentado à frente do ecrã do seu computador, deslizando o dedo na superfície do telemóvel ou vendo TV, não pode, por si só, mudar a qualidade do jornalismo.

 

Mas as notícias tanto podem ser falseadas por quem as escreve, como por quem as lê. Não se trata de desresponsabilizar os media. Trata-se de entender que o consumo e a partilha acrítica de informação são pasto fértil para o fogo da deturpação e da mentira.

 

Como podemos exercer de um modo mais exigente a leitura das notícias tornando-a mais verdadeira?

 

1. Distinguir as fontes e situar os factos

Há um cada vez maior número de sites a difundir informação de notícias e muitas delas trazem a nota do escândalo ou da tragédia. Zangas entre famosos, mortes ocultadas, crimes de corrupção por descobrir. Ora, se uma notícia é dada por um site relativamente desconhecido, talvez se possa fazer um breve “zapping” por sites credíveis verificando se há vestígio da dita informação. Outra pequenina coisa que pode ajudar é verificar a data das notícias. Por vezes, são difundidas como atuais notícias com quatro ou cinco anos…

 

Devido às suas responsabilidades, algumas personalidades públicas tornam-se, em dados momentos, foco de um maior escrutínio por parte dos media. Isso é bom para a democracia. Mas há que estar atento. A pressa de fechar edições e se adiantar à concorrência pode levar a tropeções. Lembro-me de notícias sobre o doutoramento do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, na altura da crise dos contratos de associação. Uma leitura atenta da notícia levava a perceber que o que de menos certo pudesse ter existido, já tinha há muito sido corrigido pelo ministro. Por isso, a notícia foi extemporânea. Utilizá-la na contestação das escolas com contrato de associação ao Governo não teria sido apenas um tiro no pé, mas fomentar um jornalismo apressado que se alimenta à custa de emoções primárias e não discernidas.

 

2. A verdade existe…

O prefixo pós é amplamente utilizado: pós-modernidade, pós-humanidade, pós-verdade. Associado a ele aparece a ideia de superação, ultrapassagem de limites, libertação de ataduras. Há nestes movimentos boa matéria de reflexão. A verdade e o modo como esta é discernida, através de uma consciência culturalmente situada, não admite conclusões quimicamente puras. Mas deixar que a verdade se transforme em mera convenção cultural, simples deliberação de maiorias ou de grupos de pressão, é matar a possibilidade de que haja critérios que permitam distinguir o que existe daquilo que não existe, o bem do mal.

 

A objetividade total no relato de um facto é impossível, podemos apenas exigir honestidade. Mas, da subjetividade do relato não se pode deduzir a morte do facto. Acreditar que a verdade existe, recusar o subjetivismo total é um bom antídoto para não alinhar em leituras falseadoras da realidade.

 

3. … e o cinzento também

A verdade existe, mas nós não a podemos captar de um modo definitivo. Uma das nossas grandes tentações é a simplificação, reduzindo a complexidade da vida a etiquetas comodistas: bons e maus, progressistas e conservadores, santos e pecadores. Esta simplificação sossega o espírito, mata o cinzento, mas adormece a consciência. Exime-nos de buscar com paciência a causa das coisas. Impede-nos de aceitar os meios-tons da vida. Compreender o mundo dá trabalho.

 

É bom lembrar que o Facebook e o Google vão registando os nossos hábitos, apreendendo os nossos gostos e preconceitos e que, por isso, acabam por nos dar muito daquilo que queremos ver. É, por isso, necessário uma saudável auto-suspeita que nos leve a perguntar: não estou apenas a ver aquilo que me querem mostrar, a deixar que me envolvam na minha bolha preguiçosa?

 

 

 

sj, P., Pires, J., sj, P., Vala, J., Carvalho, R., Carvalho, R. and Pereira, I.

Referência: sj, P., Pires, J., sj, P., Vala, J., Carvalho, R., Carvalho, R., & Pereira, I. (2018). O falso consumo das notícias - Ponto SJPonto SJ. Retrieved 12 May 2018, from https://pontosj.pt/especial/o-falso-consumo-das-noticias/

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

observatorio.png

 LerFonte

 

Observatório da Imprensa abriga um extenso acervo de 22 anos de crítica de mídia no Brasil a partir do gesto inaugural do jornalista Alberto Dines que, em parceria com o então reitor da Unicamp Carlos Vogt, deu origem a criação de um espaço autônomo e plural de crítica do jornalismo. Na mesma Universidade onde o projeto do Observatório nasceu junto ao Labjor – Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo- foi lançada, na semana passada, a compilação “Observatório da Imprensa – Uma antologia de Crítica de mídia no Brasil de 1996 a 2018”, organizada pelos jornalistas Pedro Varoni e Lucy Oliveira e publicada em formato e-book pela editora Casa da Árvore. O lançamento fez parte do Simpósio do Projor – Instituto para o desenvolvimento do jornalismo durante o 5º Encontro de Divulgação de Ciência e Cultura.

(...)

 

Observatório da Imprensa foi criado na internet em 1996 para expandir-se gradativamente às outras mídias, convidando as pessoas a engajarem-se num fórum de ideias nitidamente progressistas, mas com um caráter apartidário e pluralista, a fim de combater a intolerância. Esse conteúdo resulta de um projeto editorial inovador e pioneiro em relação à crítica de mídia no Brasil.

 

A antologia constitui um documento de pesquisa para todos os interessados nas regularidades e mutações das relações entre jornalismo e poder no período que vai dos últimos anos do século passado a esse final da segunda década do século XXI.

 

Ler mais >>

 

Observatório da Imprensa lança e-book 'Uma antologia de Crítica de mídia no Brasil de 1996 a 2018' | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito

Referência: Observatório da Imprensa lança e-book 'Uma antologia de Crítica de mídia no Brasil de 1996 a 2018' | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. (2018). Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. Retrieved 7 May 2018, from http://observatoriodaimprensa.com.br/memoria/observatorio-da-imprensa-lanca-e-book-uma-antologia-de-critica-de-midia-no-brasil-de-1996-a-2018/

Autoria e outros dados (tags, etc)

agenda.png

 Download |

 

A "Agenda de atividades de transliteracia" acaba de ser publicada e pode ser descarregada gratuitamente aqui.

 

Ver um videoclipe dos Moby ou recorrer à fotografia para pensar o uso que fazemos dos media; usar videojogos para aprender história ou refletir sobre problemas mundiais; vestir a pele de um publicitário ou de um jornalista. Eis algumas das 15 sugestões de atividades que os professores encontram na publicação Levar os media para a escola, editada pelo Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho (CECS-UM).

 

Trata-se de uma série de propostas didáticas que não precisam de grandes recursos para serem realizadas em contexto escolar e que vêm acompanhadas de vários recursos e questões chave para auxiliar os professores na sua implementação. (...)

 

As anteriores agendas, também disponíveis para download gratuito, intitulam-se: 25+UM: Agenda de Atividades de Educação para os Media; Agenda de Atividades de Literacia Digital e Agenda de Atividades: Os Media e a Crise dos Refugiados.

 

Ler mais >>

 

Magalhães, R.

Magalhães, R. (2018). 15 ideias para “Levar os media para a escola”. Agenda de atividades de transliteraciaCecs.uminho.pt. Retrieved 23 March 2018, from http://www.cecs.uminho.pt/15-ideias-para-levar-os-media-para-a-escola-agenda-de-atividades-de-transliteracia/

Autoria e outros dados (tags, etc)

História da RTP

20.11.17

rtp.png

 Arquivos RTP |

 

A História da empresa Rádio e Televisão de Portugal praticamente que se confunde com a História de Portugal nas últimas oito décadas. Com um passado que remonta pelo menos à criação da Emissora Nacional em 1935 e da Radiotelevisão Portuguesa em 1957, se bem que num e noutro caso as emissões experimentais tenham tido lugar algum tempo antes, o longo percurso da RTP sempre se fez com e para os portugueses.

 

Nesta coleção recordam-se aquelas que foram as etapas principais desse trajeto a dois, abrindo janelas para o mundo, procurando informar e documentar, educar e entreter, sempre na consciência da grande responsabilidade que lhe cabe, enquanto prestadora de um serviço público sério e credível que o país reconhece como uma marca forte da sua identidade. No momento em que tantos desafios se lhe colocam pela frente, importa mais do que nunca conhecer esse passado para, com a certeza de que o caminho se faz caminhando,  se continuar a construir o futuro.

 

Ler mais >>

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Captura de ecrã 2017-10-20, às 10.15.24.png

  Fonte | por  |

 

Nos seus mais de 100 anos de história, a rádio sempre foi considerada um dos média mais democráticos, seja pela sua fácil acessibilidade, seja pela imediatez e pelo baixo custo necessário para a pôr em marcha. São todo um conjunto de vantagens que facilitam que também possa converter-se num excelente recurso para trabalhar com os estudantes diferentes habilidades e conhecimentos. Quer saber como?

 

A rádio escolar pode converter-se numa interessante actividade em que participe a escola/ agrupamento, na qual podem incluir-se alunos de diferentes ciclos e áreas curriculares, adaptando sempre a cada um os conteúdos e as metodologias. Trata-se de um recurso perfeito para introduzir, por exemplo, a metodología de projeto, já que se pode dar aos estudantes a liberdade de criar o programa que elejam com base nos seus própios interesses. Será necessário que trabalhem de forma cooperativa, repartindo as tarefas, respondendo às perguntas que lhes ocorram, descobrindo as diferentes ferramentas… definitivamente: vivendo uma aprendizagem significativa com as ondas de rádio como desculpa!

 

Para além de tudo isto, as habilidades e competências que podem trabalhar-se de forma individual são também muitas e a diferentes níveis, como o linguístico, o artístico, o musical… Para saber mais, recomenda-se a consulta, na integra, do artigo do jornalista Rafael Quintana sobre a linguagem da rádio e as suas possibilidades educativas.

 

Perde o medo à tecnología

Montar um emissor de rádio é hoje em dia mais fácil que nunca! Utilizando o formato podcast, que consiste em partilhar arquivos de áudio de curta duração, podemos gravar os programas como peças únicas e publicá-los na plataforma escolhida para que os ouvintes possam aceder aos conteúdos no momento que desejem.

 

Quanto a dispositivos necessários, será suficiente ter um telemóvel, tablet ou computador com ligação à internet; ainda que seja certo que se tivermos alguns microfones para registar as vozes, a qualidade das gravações será melhor.

 

Recomendam-se as seguintes aplicações, que podem facilitar muito o trabalho:

  • Audacity: Um programa fácil e prático para a gravação e a edição de som, que permite misturar as pistas e acrescentar diversos efeitos. Para além disso, é gratuito, e pode instalar-se tanto em Windows como em Mac e Linux.
  • SoundCloud: Nesta web podemos publicar e partilhar os podcasts tanto de maneira pública como para utilizadores concretos, para além de podermos comentar as gravações e organizá-las em álbuns.
  • Listen2myRadio: Para emitir em direto, esta é a plataforma. Nesta web poderemos ter o nosso próprio espaço para partilhar programas em streaming para os demais estudantes da escola/ agrupamento…. e para o resto do mundo!

 

Ler mais >>

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

media.png

 14 outubroInscrição obrigatória |


O Media Smart
 com a Universidade Católica realiza no próximo dia 14 de Outubro, entre as 9:00 às 13:00 no Anfiteatro A3, no Campus da UCP, em Lisboa um Seminário sobre a importância da Imagem Corporal e da Auto Estima em Crianças e Adolescentes.

 

Este seminário visa ajudar professores e educadores a lidarem com uma problemática sensível relacionada com o impacto que a publicidade e os media têm sobre os jovens, e sobre a forma como eles se percebem a si mesmos e aos seus corpos

 

Destinatários – docentes dos JI e 1º, 2º e 3º Ciclos do ensino básico


Local: Anfiteatro A3, no Campus da UCP, em Lisboa

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

hashtag.png

 Fonte | por Laura Fleming | Edutopia |

 

A hashtag can help you create a community within and around your school library, as well as help you widen your reach beyond the school.

 

It was once known as the pound sign, but in the Digital Age # has been rebranded as the universal symbol known as the hashtag. Use of the hashtag dates back to 1988 and Internet Relay Chat (IRC) where it was used to categorize items and content into groups. Although just one simple character, the hashtag has proven to be one of the most powerful digital tools out there and is recognized globally. That’s why you should create a hashtag for your school library -- as a way to communicate with your community and extend your reach beyond your school.

 

Social media offers almost limitless opportunities to connect with people all around the world. But how do we know where to go to find people with similar goals and interests? The hashtag has been adopted by the social networks Twitter, Instagram, Facebook, Google+, Pinterest, and more. It enables groups of people who use these platforms to find like-minded people. Hashtags have become ubiquitous, and we now see them everywhere -- on screens, in businesses, and even in our schools.

The hashtag and other tools have allowed even the most connected schools to break out of their digital silos and tell their stories to audiences beyond just those who follow them on a specific social media platform. For example, two school hashtags that I follow are #leydenpride (the hashtag for Leyden High School District 212 in Illinois) and #engage109 (the hashtag for Deerfield Public School District 109, also in Illinois). It was because of their hashtags that I learned of the amazing, innovative things taking place in these two districts, and so it was from them that I learned the power of the hashtag as well. Now I follow both hashtags regularly even though I am not part of either school community.

Why Have a Hashtag?

As a thought partner for the Future Ready Librarians initiative, I know firsthand how important leading and learning with social media are for a modern-day librarian. As more and more libraries move into the Digital Age, many are turning to social media as a way to create a positive brand presence and to promote their library programs and resources. In addition to having a presence on social media platforms, there is value in creating a hashtag for your school’s library, including allowing you to expand your library’s reach. School librarians are well positioned to lead the charge of these digital efforts.

 

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

medias.png

 DownloadFonte

 

Patrícia Silveira, Clarisse Pessôa, Diana Pinto, Simone Petrella e Amália Carvalho do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da Universidade do Minho,  são os autores do livro que a Direção-Geral da Educação acaba de lançar em edição digital: “Tratar os Media por Tu – Guia prático de Educação para os Media”.

 

A publicação oferece aos docentes do 1.º, 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário um conjunto de propostas práticas para a lecionação dos Media na sala de aula.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

radio.png

 Ensina RTP |

 

As primeiras experiências de radiodifusão, feitas por Marconi em 1894, abriram caminho para as inúmeras emissões Rádio dos nossos dias. Em Portugal no ano 1923 foi criada a Sociedade Portuguesa de Amadores de Telefonia sem Fio, precursora das rádios de hoje.

 

Em Portugal as experiências com este novo meio começaram nos anos 20 do século passado. Em 1935 nasceu a Emissora Nacional de Radiodifusão, atual Antena 1. Um ano mais tarde começam as emissões experimentais da Rádio Renascença.

Após a revolução de 25 de Abril de 1974, são nacionalizadas todas as rádios em Portugal, com excepção da Rádio Renascença.

Em 1976 a Emissora Nacional passa a chamar-se Rádio Difusão Portuguesa (RDP). Desde então muitas outras rádios foram criadas em Portugal, e passaram também a ocupar um lugar importante nas emissões pela internet.

Fica a saber a história da rádio em Portugal num minuto.

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Ligações

Sítios Institucionais


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Twitter_