Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



observatorio.png

 LerFonte

 

Observatório da Imprensa abriga um extenso acervo de 22 anos de crítica de mídia no Brasil a partir do gesto inaugural do jornalista Alberto Dines que, em parceria com o então reitor da Unicamp Carlos Vogt, deu origem a criação de um espaço autônomo e plural de crítica do jornalismo. Na mesma Universidade onde o projeto do Observatório nasceu junto ao Labjor – Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo- foi lançada, na semana passada, a compilação “Observatório da Imprensa – Uma antologia de Crítica de mídia no Brasil de 1996 a 2018”, organizada pelos jornalistas Pedro Varoni e Lucy Oliveira e publicada em formato e-book pela editora Casa da Árvore. O lançamento fez parte do Simpósio do Projor – Instituto para o desenvolvimento do jornalismo durante o 5º Encontro de Divulgação de Ciência e Cultura.

(...)

 

Observatório da Imprensa foi criado na internet em 1996 para expandir-se gradativamente às outras mídias, convidando as pessoas a engajarem-se num fórum de ideias nitidamente progressistas, mas com um caráter apartidário e pluralista, a fim de combater a intolerância. Esse conteúdo resulta de um projeto editorial inovador e pioneiro em relação à crítica de mídia no Brasil.

 

A antologia constitui um documento de pesquisa para todos os interessados nas regularidades e mutações das relações entre jornalismo e poder no período que vai dos últimos anos do século passado a esse final da segunda década do século XXI.

 

Ler mais >>

 

Observatório da Imprensa lança e-book 'Uma antologia de Crítica de mídia no Brasil de 1996 a 2018' | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito

Referência: Observatório da Imprensa lança e-book 'Uma antologia de Crítica de mídia no Brasil de 1996 a 2018' | Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. (2018). Observatório da Imprensa - Você nunca mais vai ler jornal do mesmo jeito. Retrieved 7 May 2018, from http://observatoriodaimprensa.com.br/memoria/observatorio-da-imprensa-lanca-e-book-uma-antologia-de-critica-de-midia-no-brasil-de-1996-a-2018/

Autoria e outros dados (tags, etc)

ocde.png

 Download |

 

Foreword

 

In July 2017, Portugal officially adopted Legislative Order no. 5908/2017, which allows Portuguese schools to join a project called the "Project for Autonomy and Curriculum Flexibility (PACF)" on a voluntary basis. PACF provides schools with the necessary conditions to manage the curriculum while also integrating practices that promote better learning.

 

The PACF is being implemented as a pilot project during the 2017-2018 school year. Beginning in September 2017, over 200 schools joined the pilot. Per Portugal’s request, the OECD has conducted a review of the project. The purpose of the review is to explore how the project supports schools in effectively exercising autonomy and greater flexibility as they redesign their curricula according to the goals delineated in the Students' Profile by the End of Compulsory Schooling.

 

The Students' Profile by the End of Compulsory Schooling is a guiding document that describes the principles, vision, values and competences the country wishes Portuguese students to have by the time they finish compulsory schooling. In this review, the OECD examines how Portugal can support schools and teachers in adapting existing subjects, curricula and learning to incorporate the goals set out in the student profile. To this end, it delivers an independent analysis of the overall strategy, curriculum design and implementation of the PACF, as well as the first results of the pilot project. The review documents the process under the pilot programme and the status of its implementation in schools.

 

The analysis uses the curriculum design principles identified by the OECD Education 2030 project as a reference. The report provides policy insights and advice to Portuguese authorities at all levels of government, as well as practitioners and other stakeholders. The aim is to help them to ensure high-quality curriculum design and implementation. The report is also intended to help other OECD member countries and non-member economies understand the Portuguese process of redesigning learning models. 

(...)

 

Anon

Referência: (2018). Oecd.org. Retrieved 4 May 2018, from http://www.oecd.org/education/2030/Curriculum-Flexibility-and-Autonomy-in-Portugal-an-OECD-Review.pdf

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

unesco.png

Published in 2017 by the United Nations Educational,

Scientific and Cultural OrganizationDownload

 

Foreword

Over the past years, the number of reported attacks perpetrated by violent extremist groups has risen. As we witness tragedies on all continents, we understand that violent extremism knows no boundaries and affects every society. Young people are, however, most at risk. They are the main targets of recruitment strategies and fall victim to extremist violence.

 

This phenomenon alerts us to the risk of losing a generation of youth to despair and disengagement. In the face of such threats, there is no single solution. Security responses are important, but not sufficient, and will not tackle the many underlying conditions that breed violent extremism and drive youth to join violent extremist groups. We need soft power, such as education. In particular, we need relevant, inclusive and equitable quality education. This is the sine qua non to effective action and requires countries to simultaneously implement short, medium and long-term responses.

 

To assist countries in their efforts, UNESCO has developed this publication Preventing violent extremism through education: A guide for policy-makers. The Guide also responds to the decision of UNESCO’s Executive Board at its 197th session (197 EX/Dec46) through which Member States acknowledged the importance of preventing violent extremism through education and requested that UNESCO assist them in this endeavour. (...)

 

Anon

Referência: (2018). Unesdoc.unesco.org. Retrieved 1 May 2018, from http://unesdoc.unesco.org/images/0024/002477/247764e.pdf

Autoria e outros dados (tags, etc)

folheto.png

Hughes, Conrad ; Acedo, Clementina. Guiding Principles for Learning in the Twentyfirst Century. Ginebra: UNESCO. Oficina Internacional de Educación, 2017

 

O objetivo deste livreto é fornecer princípios orientadores para a aprendizagem no século XXI. É destinado a professores, designers de currículo, líderes escolares e outros envolvidos em todos os níveis de educação escolar e pode ser usado para qualquer faixa etária, uma vez que os princípios que ele contém são gerais o suficiente para serem aplicados em diferentes contextos. (...)

 

Ler mais >>

 

Referência: Arévalo, J. (2018). Principios rectores para el aprendizaje en el siglo XXIUniverso Abierto. Retrieved 29 April 2018, from https://universoabierto.org/2018/04/24/principios-rectores-para-el-aprendizaje-en-el-siglo-xxi/

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 guia.png

Lanning, Scott. “Concise Guide to Information Literacy“. 2nd. ed.  Santa Barbara, California : Libraries Unlimited, 2017 | Download

 

Guía concisa de Alfabetización informacional

Referência: Guía concisa de Alfabetización informacional. (2018). Universo Abierto. Retrieved 5 April 2018, from https://universoabierto.org/2018/03/27/guia-concisa-de-alfabetizacion-informacional/amp/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

viva voz.png

 DownloadPrimera edición 2013

 

Tenemos un yacimiento —un tesoro— de literatura que se remonta a los egipcios, a los griegos, a los romanos. Todo está allí, esta abundancia de literatura por descubrir una y otra vez para quien tenga la suerte de encontrarla. Un tesoro. Supongamos que no existiera. Qué empobrecidos, qué vacíos estaríamos.

 

Poseemos una herencia de idiomas, poemas, cuentos, relatos, que jamás se agotará. Podemos disponer de ella, siempre.

 

Tenemos un legado de cuentos, relatos de los antiguos narradores, algunos cuyos nombres co- nocemos y otros no. Los narradores retroceden más y más en el tiempo hasta un claro del bos- que donde arde una enorme hoguera, y los antiguos chamanes bailan y cantan, porque nuestro patrimonio de cuentos se originó en el fuego, la magia, el mundo de los espíritus. Y es allí donde permanece, hasta el presente.

 

Si consultamos a algún narrador moderno, nos dirá que siempre existe un momento de contacto con el fuego, con aquello que nos gusta llamar inspiración y que se remonta al pasado remoto, hasta el origen de nuestra raza, al fuego, al hielo y a los fuertes vientos que nos dieron forma y que conformaron nuestro mundo.

 

El narrador vive dentro de todos nosotros. El creador de historias siempre va con nosotros. Su- pongamos que nuestro mundo padeciera una guerra, los horrores que todos podemos imaginar con facilidad. Supongamos que las inundaciones anegaran nuestras ciudades, que el nivel de los mares se elevara..., el narrador sobrevivirá, porque nuestra imaginación nos determina, nos sus- tenta, nos crea: para bien o para mal y para siempre. Nuestros cuentos, el narrador, nos recrearán cuando estemos desgarrados, heridos e incluso destruidos. El narrador, el creador de sueños, el inventor de mitos es nuestro fénix, nuestra mejor expresión, cuando nuestra creatividad alcanza su punto máximo.

Doris Lessing Premio Nobel de Literatura 2007

 

Anon

(2018). Bibliotecas-cra.cl. Retrieved 30 March 2018, from http://www.bibliotecas-cra.cl/sites/default/files/publicaciones/avivavoz_web.pdf

Autoria e outros dados (tags, etc)

numero.png

 Download |

Sinopse

 

Sinopse

Os números têm de ser interrogados. Sem isso, são apenas uma sucessão inerte de algarismos e uma potencial fonte de equívocos. Partindo de tal premissa, este livro apresenta, em 22 tópicos, questões essenciais para o bom uso das estatísticas nas notícias, auxiliando na sua interpretação e comunicação.

 

Um guia prático, de fácil leitura e que se espera útil para o dia-a-dia dos jornalistas, mas também para todos os interessados em escrever sobre a sociedade em que vivemos com base em factos.

 

Referência:

este?, Q., este?, Q., Rosa, M., Garcia, R. and Santos, F.

este?, Q., este?, Q., Rosa, M., Garcia, R., & Santos, F. (2017). Que número é este? | Publicações | FFMSFundação Francisco Manuel dos Santos. Retrieved 30 March 2018, from https://ffms.pt/publicacoes/detalhe/1963/que-numero-e-este

Autoria e outros dados (tags, etc)

teaching.png

 Visto aquiDownload

 

Ensinar a ler na Europa

 

Boa parte dos que nos dedicamos ao ensino estamos de férias ou estamos a ponto de começar as férias da Páscoa. Pois se alguém  quer aproveitar o tempo para ler, apresenta-se um livro que temos consultado estes días. Intitula-se Teaching reading in Europe. Contexts policies and practices (tal como se pode inferir, está escrito em inglês). Foi publicado em 2011 pelo Eurydice e estrutura-se em três capítulos:

  1. Enfoques no ensino da leitura.
  2. Conhecimentos e competências para ensinar a ler.
  3. Promoção da leitura fora da escola.

Cada um dos capítulos estrutura-se em três partes. Na primeira, faz-se uma breve revisão da literatura académica sobre o tema. Na segunda apresentam-se dados obtidos de avaliações internacionais e, na terceira, reveem-se as políticas dos distintos países da Comunidade Europeia.

 

Enseñar a leer en Europa

Enseñar a leer en Europa. (2018). Comprensión lectora basada en evidencias. Retrieved 28 March 2018, from https://clbe.wordpress.com/2018/03/28/ensenar-a-leer-en-europa/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

médiation-numérique-des-savois-des-enjeux-aux-

 

Este livro está disponível gratuitamente e na integra em linha.

 

CC-BY-SA.png

 

Notre livre Médiation numérique des savoirs en accès libre et gratuit -. (2018). Bibliobsession.net. Retrieved 21 February 2018, from http://www.bibliobsession.net/2018/02/20/livre-mediation-numerique-savoirs-acces-libre-gratuit/

Autoria e outros dados (tags, etc)

apa.png

Normas APA.  Sexta Edición. [e-Book]   Bogotá, Centro de Escritura Javeriano, 2018.

 

Para elaborar um trabalho académico, é necessário utilizar fontes de informação de acordo com o tema que se deseje trabalhar.

 

Do mesmo modo, é necessário que na apresentação dos documentos académicos se citem todas as fontes consultadas. É muito importante ter em conta que a citação para o desenvolvimento de alguns escritos é obrigatória, de outra forma, o texto poderia-se considerar como plágio. Esta falta refere-se à utilização de produções escritas ou orais de outras pessoas dentro de um texto sem as citar devidamente. De acordo com o anterior, existem vários tipos de normas que regulam  a apresentação de textos académicos. Uma das mais utilizadas internacionalmente são as Normas APA, desenvolvidas pela Associação Americana de Psicologia, que indica  requerimentos específicos de trabalhos científicos no que se refere a conteúdo, estilo, edição, citação, referenciação, apresentação de tabelas e imagens, etc.

 

Que fique claro que as normas APA estão concebidas para a apresentação de artigos científicos, de maneira que se devem adaptar com as mínimas alterações necessárias para a apresentação de textos como ensaios ou teses.

 

No texto apresentam-se as considerações mais relevantes da sexta edição das normas APA (2010), pelo que se deve entender que o conteúdo exposto no presente documento é produto do Centro de Escritura Javeriano para facilitar o seu uso. Se o utilizador quer mais informação sugere-se que recorra ao manual completo ou a http://www.apastyle.org

 

Tradução livre do espanhol.

 

Fonte:

Arévalo, J. (2018). Normas APA.  Sexta EdiciónUniverso Abierto. Retrieved 13 February 2018, from https://universoabierto.org/2018/02/12/normas-apa-sexta-edicion/

 

Conteúdo relacionado:

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Ligações

Sítios Institucionais


Twitter



Perfil SAPO

foto do autor



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Twitter_