Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




escola.png

 

  • Está interessado(a) em encontrar formas mais eficazes de apoiar os seus alunos?
  • Deseja melhorar a frequência e reduzir o abandono?
  • Está à procura de formas de melhorar a participação dos pais na sua escola?
  • Tem um grande número de alunos cuja língua materna não é a sua língua de ensino?
  • Está a considerar a introdução de abordagens mais colaborativas para o ensino e a aprendizagem?

 

Curso MOOC (Massive Open Online Course) – Curso de Formação da Teacher Academy - Effective Parental Engagement for Student Learning - 25 de setembro e 1 de novembro 2017


MOOC: Participação dos Pais. Faça já a sua pré-inscrição (Formação Online).

 

Este recurso em linha faculta-lhe uma série de materiais concebidos para o(a) ajudar!

Ler mais >>

Autoria e outros dados (tags, etc)

livro.png

 

 

A iniciativa foi criada, no ano passado, no Brasil, fazendo-a coincidir com o Dia do Escritor.

 

Este ano, a primeira edição chega a Portugal.

 

É possível ver-se em várias publicações nas redes sociais a mensagem:

«Precisamos de voluntários de várias zonas de Portugal para “esquecer” livros no dia 25/07/2017″. É o dia de ‘Esqueça um livro e espalhe conhecimento.’
Quem alinha?


Deixe no restaurante, no café, na paragem de autocarro, no metro, no banco, no táxi, enfim… A escolha é livre.
Pode acompanhar com um bilhetinho, explicando o projeto e a prenda!


Modelo de Bilhete:
Olá, Tu que encontraste este livro! Agora ele é TEU!
A iniciativa faz parte de um projeto de incentivo à leitura e partilha de conhecimento.
Participe na primeira edição no dia 25 de julho de 2017.»

 

Fonte: escritores.online

Autoria e outros dados (tags, etc)

Etiquetas:

informe.png

 

CHIN, Melody and WALKER, Daniel. Do faculty and librarians

see information literacy in the same way? A study of alignment. ().

Librarians’ Information Literacy Annual Conference (LILAC) 2017,

April 11-14. Research Collection Library, 2017.

 

 

Publication Type

Presentation

 

Publication Date

4-2017

 

Abstract

Faculty and Librarians are two distinct professional groups each with their own subcultures, values and experiences. Hardesty (1995) noted the existence of a "faculty culture" amongst faculty members, which quite likely shapes and influences the way these individuals perceive a highly subjective concept such as Information Literacy (IL). Faculty and Librarians in higher education institutions often work together in the development of IL Programs. However, despite this collaborative relationship, it is not clear as to whether the two professional groups perceive the concept of IL similarly, or whether there exists a divide. Understanding how both professions perceive IL should be a priority, with findings from Ivey’s (2003) study revealing that a shared understanding forms one of the key elements for successful collaboration in relation to IL initiatives. This research project endeavours to shed light on this area by employing survey methodology to investigate how Faculty and Librarians at two higher education institutions in Australia and Singapore perceive the concept of IL in relation to ACRL's Framework for Information Literacy for Higher Education (ACRL, 2015), including a comparative analysis. 63 Faculty and 22 Librarians from Bond University and Singapore Management University were asked a combination of open-ended and attitude-scale type questions on the framework’s definition of IL; the six threshold concepts; and on their views on the value and impact of IL programs at their respective institutions. (...)

 

Ler mais >>

 

Visto aqui. Seguir esta ligação para saber mais sobre o estudo, em Universo Abierto, pelo texto de Julio Alonso Arévalo, da Universidade de Salamanca.

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

texto de Mariana Lopes | PORVIR | documentário de Fabrício Borges |

 


 Documentário retrata o poder da linguagem para adolescentes da Fundação Casa

 

Após 27 anos de vigência do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), o país ainda enfrenta o desafio de ter 2,8 milhões de jovens fora da escola. Apesar do documento garantir que todos, sem exceção, devem ter direito à educação, a baixa escolaridade e altíssima distorção idade-série de adolescentes privados de liberdade reforçam a existência de um sistema desigual. Como um convite à reflexão sobre a escolarização de meninos que cumprem medida socioeducativa em unidades da Fundação Casa, o documentário “Meninos de Palavra”, de Fabrício Borges, mostra o papel das linguagens na valorização do potencial criativo e na ampliação da autoestima de internos.

 

Em um universo “onde todos usam a havaiana azul, a mesma roupa e estão no mesmo lugar”, como diz uma das entrevistadas, o uso da palavra escrita, cantada ou encenada aparece como um caminho para expressar as individualidades dos meninos. A partir dos registros de oficinas do Projeto Educação com Arte, promovido por educadores do Cenpec (Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária), o documentário retrata como são desenvolvidas ações de letramento com diferentes linguagens baseadas na escuta e no diálogo.

 

“Nós usamos essas ferramentas, a arte cênica, a música, o corpo, a palavra ou o teatro, para se aproximar desses meninos”, explica o arte-educador Carlos Caçapava, durante um debate sobre medidas socioeducativas realizado na última terça(18), após a exibição do documentário no CineSesc, em São Paulo (SP). Na definição dele, esse trabalho com linguagens ainda vai além da simples ação dar aulas. “É levar sensibilização para toda uma população”, aponta, ao fazer referências aos estigmas sociais muitas vezes sofridos por adolescentes privados de liberdade. (...)

 

Ler mais >>

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

cne.png

 Download | Ver na fonte |

 

O Conselho Nacional de Educação lança a presente publicação: Organização Escolar: Os Agrupamentos, o último de uma série de estudos temáticos sobre o sistema de ensino (Organização escolar: o Tempo e Organização Escolar: As Turmas).

Na terceira publicação da série de estudos temáticos sobre a Organização Escolar que o Conselho Nacional de Educação tem vindo a elaborar é tratada a questão dos agrupamentos de escolas. Além da documentação técnica, considerou-se o contributo de algumas entidades com reflexão sobre esta matéria. Para o efeito, foi realizado, um pouco por todo o país, um conjunto de audições a diretores, coordenadores de estabelecimento, presidentes do Conselho Geral e representantes dos pais e família de diferentes unidades orgânicas. A amostra foi intencional e por clusters, a saber: o facto de a Unidade Orgânica estar agregada ou não, a dimensão pelo número de alunos, a dimensão pelo número de estabelecimentos, a dimensão geográfica, a tipologia do agrupamento, a tipologia de estabelecimentos agregados, a prática de estratégias diferenciadas e dinâmicas organizacionais.

Nas audições foram abordadas as evidências positivas e negativas da agregação; a gestão administrativa e pedagógica; a articulação entre níveis e ciclos de ensino; a mobilização e rentabilização de recursos; a dimensão do agrupamento; o balanço das fases de agregação e constituição do agrupamento; os desafios decorrentes da agregação; e a eventual reconfiguração da Unidade Orgânica se lhes fosse dada essa possibilidade.

O presente estudo está estruturado da seguinte forma: contexto internacional, contexto português e balanço das audições.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

videojogos.png

Padilla Zea, Natalia El uso educativo de los videojuegos. Sevilla : Junta de Andalucía, 2017 

Download | Fonte |

 

Numa sociedade onde o uso das Novas Tecnologias chegou a todos os âmbitos da vida, era questão de tempo até que estes dispositivos chegassem também às escolas. E, efetivamente, já há algum tempo que as nossas crianças usam os computadores na escola como parte do seu processo de aprendizagem.  Em casa, sem dúvida, preferem as consolas de vídeo, dispositivo tecnológico usado principalmente para o ócio. E, por algum motivo, parece que dedicam mais tempo às atividades centradas na consola que às que aparecem no computador da escola. Muitos pais, mães e professores, sem dúvida, prefeririam que fosse ao contrário porque acreditam que os jogos do computador do colégio são bons e os jogos da consola são maus. O que se pretende com este manual é desmistificar o uso dos videojogos e dar algumas chaves que nos permitam utilizá-los para favorecer o desenvolvimento educativo das nossas crianças

  • Exemplos de uso de videojogos em escolas
  • Mitos associados aos videojogos
  • Recomendações para um uso educativo dos videojogos
  • Bibliografia consultada

(Tradução livre do espanhol)

 

Conteúdo relacionado:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

roteiro.png

 Fonte |

 

Vamos descobrir Lisboa e a sua história! Já conhece a novíssima App para Android “Roteiro dos Descobrimentos”?

 

É uma criação do IEULisboa, em parceria com a FCULisboa, dedicada à exploração da cidade de Lisboa com base na temática dos Descobrimentos Portugueses.

 

São 8 itinerários possíveis, que decorrem em diferentes locais, monumentos e museus da cidade (Museu do Oriente, Aquário Vasco da Gama, Planetário Calouste Gulbenkian) e que abordam questões relacionadas com a cidade no período dos Descobrimentos, o encontro de culturas, a navegação pelas estrelas e a biodiversidade dos oceanos.

 

Esta App, quepode ser descarregada de forma gratuita através da Google Play store, é direcionada a crianças do 1º e do 2º ciclo e pode ser explorada em contexto escolar ou familiar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

ana_filipa.png

 foto "A Bola"

 

Na sequência da promoção da escrita que a Biblioteca Escolar da Escola Secundária de Amarante tem vindo a desenvolver, no caso em articulação com o Departamento de Educação Física, a aluna Ana Filipa Gomes Ferreira ficou em 1.º lugar, a nível nacional, no Concurso literário Ética na vida e no desporto.

 

O concurso “A Ética na Vida e no Desporto”  já na sua 5.ª edição é promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, através do Plano Nacional de Ética no Desporto, conta com o apoio do Jornal Desportivo “A Bola”, a Direção-Geral da Educação/Desporto Escolar, a Direção - Geral de Reinserção e Serviços Prisionais e o Comité Olímpico de Portugal.

 

O coordenador interconcelhio: António da Silva Pereira

com a professora bibliotecária Isabel Araújo

 

Aqui fica o texto da Ana Filipa Ferreira:

 

«AUTOGOLO

Signal Iduna Park. 19 horas, 45 minutos. Um apito curto que coloca as pernas de 22 em movimento e o coração de milhões aos saltos. Ao fundo, um muro amarelo. Quente, vibrante, impenetrável. Mágico. Verdadeiramente mágico. Um amarelo que ri e que chora. De alegria e de tristeza. Um amarelo que sente e sentido. Infalível. Um amarelo que ama e não falha. Que grita e não se cansa.

Um cai, outro perde a bola. Um lesionado e um fora de jogo assinalado.
Se eu, pequeno e despercebido pedaço de amarelo, vos pudesse dizer algo antes daquele apito curto? Não esperem um ‘boa sorte’. Pedir-vos-ia que sejam aquilo que vos torna únicos. Aquilo que são antes de serem grandes no futebol e de me arrepiarem os braços com os pés. Que sejam humanos e que não levem convosco apenas o talento que deslumbra o amarelo e o azul, o verde e o vermelho. Porque o mundo se rende a vocês. Que levem os valores que fazem de nós humanidade e que honrem o símbolo que têm ao peito. Mostrem o que é garra, paixão, foco e determinação. O que é amor, ambição e gratidão. Mas, acima de tudo, façam jus à palavra que carregam no braço 90 minutos. RESPECT. Mostrem que somos mais do que duas pernas, do que dois pés, do que assistências e do que golos. Mais do que dinheiro, somos humanos. Mais do que vitórias, somos humanidade. Lembrem-se que os vossos pés não espelham apenas a arte do futebol. Carregam ideias. E as ideias pesam tanto como uma bomba. E quando sentirem vontade de insultar, de humilhar ou até mesmo de desistir, mostrem-se verdadeiros campeões. Sejam grandes. Sejam diferentes. Sejam melhores. Sejam humanos.

 

 

 

Conteúdo relacionado:

Autoria e outros dados (tags, etc)

protoc.png

 Fonte |

 

A Faculdade de Letras, o Centro de Estudos Clássicos e a Rede de Bibliotecas Escolares, programa do Ministério da Educação, acabam de estabelecer um protocolo de parceria com o objetivo de contribuir para o alargamento dos conhecimentos dos alunos do Ensino Básico e Secundário sobre a Cultura Clássica e a sua importância na Cultura Europeia Ocidental e, mais concretamente, na Cultura e Língua Portuguesas.

 

A parceria concretizar-se-á em diferentes projetos, como sessões em bibliotecas escolares, dias ou semanas temáticas, palestras, cursos, exposições, e um concurso nacional de temática ligada à Cultura Clássica (a ser lançado em setembro). As ações serão divulgadas na Rede de Bibliotecas Escolares, a nível nacional.

 

O acordo foi assinado na Faculdade de Letras da ULisboa (FLUL), no passado dia 20 de junho, pelo Diretor da FLUL, Professor Doutor Paulo Farmhouse Alberto, pela Diretora do Centro de Estudos Clássicos, Professora Doutora Cristina Pimentel, e pela Coordenadora Nacional da Rede de Bibliotecas Escolares, Dra. Manuela Silva.

 

Ler mais >>

Autoria e outros dados (tags, etc)

miudos.png

 Regulamento |

 

Põe a tua terra nos píncaros! é um desafio organizado pela Rádio Miúdos em colaboração com a Rede de Bibliotecas Escolares. A iniciativa conta com o apoio de Portugal Inovação Social, no âmbito do Portugal 2020, e da Fundação Calouste Gulbenkian. Tem como destinatárias todas as escolas públicas dos 100 municípios do centro do país e pretende premiar a dedicação dos miúdos à sua terra e descobrir quem tem boas ideias para fazer programas de rádio.

 

O concurso vai distinguir seis escolas com ateliês e emissões ao vivo realizados pela Rádio Miúdos. O desafio proposto para participação no Põe a tua terra nos píncaros! é a criação de um spot publicitário onde os alunos do 2º ao 9º ano deem a conhecer a sua terra. As candidaturas podem ser feitas pelas autarquias (até 8 de setembro) e pelas escolas (até 9 de outubro). O regulamento é divulgado agora, tendo em conta o prazo curto que é dado para a realização dos spots que se deve à necessidade de distribuir pelo ano letivo os ateliês e emissões ao vivo com as escolas vencedoras.

 

Trata-se também de incentivar a participação ativa na sociedade, através da rádio, sensibilizando crianças e jovens para a importância do património regional, material e imaterial, de desenvolver a literacia dos media em contexto real e de promover a relação entre as escolas e as autarquias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pág. 1/3



RBE


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Ligações

Sítios Institucionais


Twitter





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D